Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Justiça Militar manda PM reintegrar cabo acusado de matar atriz durante blitz em Presidente Prudente

Decisão publicada nesta quarta-feira (18) atende a um pedido de tutela de urgência feito pela defesa. Marcelo Aparecido Domingos Coelho foi demitido da corporação em abril de 2015.
oi publicada nesta quarta-feira (18) no Diário da Justiça Militar a decisão do juiz substituto da 2ª Auditoria do Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo (TJM-SP), Marcos Fernando Theodoro Pinheiro, que determina a imediata reintegração de Marcelo Aparecido Domingos Coelho aos quadros da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Em abril de 2015, o então cabo da PM foi demitido pela corporação, após ser acusado no processo que envolveu a morte da atriz e produtora cultural Luana Barbosa durante uma blitz policial na Avenida Joaquim Constantino, na Vila Formosa, em Presidente Prudente.

O juiz levou em consideração a absolvição que Coelho obteve na Justiça Militar, sob o argumento de “legítima defesa” e do “estrito cumprimento do dever legal”, o que, segundo o magistrado, de certa forma, contradiz com o ato disciplinar imposto.

    “Considerando-se que, ao menos por ora, não verifico a presença de resíduos administrativos e que a excludente da legítima defesa também figura no Regulamento Disciplinar (art. 34, III), tal circunstância deve repercutir no âmbito disciplinar. Isso porque não é razoável a mesma conduta estar acobertada pela excludente da legítima defesa na ótica penal e sob o ponto de vista disciplinar não. Os seus elementos – moderação, injustiça e iminência da agressão e uso dos meios necessários – são exatamente os mesmos. Fica demonstrada a 'probabilidade do direito', estabelecida no art. 300 do CPC”, definiu Pinheiro.

Em sua decisão, o juiz também considerou que a profissão de policial militar não encontra paralelo no mercado de trabalho e que o afastamento poderia privá-lo do seu sustento.



“Por fim, no que toca ao requisito legal do ‘perigo de dano’ (art. 300 do CPC), como o aqui autor é policial militar, profissão cuja especialização praticamente não encontra paralelo no mercado de trabalho e que lhe exige praticamente todas as horas da vida, privá-lo do seu trabalho significa privá-lo do seu sustento, mormente em dias como os atuais em que os índices de desemprego apontam pra mais de 13 milhões de desempregados”, acrescentou.

A defesa de Coelho havia alegado que o ato punitivo não encontrava “respaldo nas provas, tanto que os membros do Conselho opinaram pela permanência do autor nas fileiras da corporação”. Também lembrou que “pelos mesmos fatos foi absolvido no âmbito criminal", além de danos morais. Também reforçou que a demissão foi "ilegal". Diante da alegação, Pinheiro deferiu a tutela de urgência.

    “Em face do exposto, decido: deferir o pedido de tutela antecipada para determinar a imediata reintegração do aqui autor aos quadros da Polícia Militar do Estado de São Paulo; oficie-se a OPM com cópia desta e para que informe o juízo, no prazo de 5 dias, o cumprimento da decisão; conceder a gratuidade processual”, concluiu Pinheiro.

O juiz, que assinou a decisão nesta segunda-feira (16), também determinou que a Fazenda Pública do Estado de São Paulo fosse citada da conclusão.

Polícia Militar

O G1 entrou em contato com a Polícia Militar do Estado de São Paulo para obter o posicionamento da corporação sobre o assunto nesta quarta-feira (18), mas ainda não obteve resposta.

Tiro

A atriz e produtora cultural Luana Barbosa foi morta por um tiro disparado pela arma usada pelo então cabo da PM Marcelo Aparecido Domingos Coelho, no dia 27 de junho de 2014, durante uma blitz realizada pela corporação na Avenida Joaquim Constantino, na Vila Formosa. Ela, que tinha 25 anos na época, era passageira de uma moto conduzida pelo seu então namorado, o músico Felipe Fernandes de Barros.

No âmbito da Justiça Militar, o cabo Marcelo Aparecido Domingos Coelho foi absolvido da acusação criminal de homicídio culposo – quando não há a intenção de matar. No entanto, em decisão publicada no dia 15 de abril de 2015, a Polícia Militar o demitiu por enquadrar o caso como disparo de arma "por imprudência, negligência, imperícia, ou desnecessariamente".

Após uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília (DF), em outubro de 2015, o caso da morte da atriz e produtora cultural foi remetido à Vara do Júri de Presidente Prudente, onde o Ministério Público Estadual (MPE) acusou Coelho de homicídio doloso – quando há a intenção de matar. Além disso, o STJ ainda declarou a nulidade dos atos praticados pela Justiça Militar em relação ao caso.

Fonte G1

Comentários


| Mais Acessados na Última Semana |

AFAM: NOVIDADES SOBRE AÇÃO JUDICIAL DA INCORPORAÇÃO DE 100% DO ALE NOS VENCIMENTOS DOS POLICIAIS E BOMBEIROS DE SÃO PAULO

Agora já são em número de 05 as Câmaras de Direito Público a adotar esse entendimento. Novas e recentes decisões do Tribunal de Justiça de São Paulo, em Mandados de Segurança individuais, têm confirmado o entendimento de que a incorporação total do ALE ao Salário-Base (Padrão) é direito de todos os policiais militares. Em Acórdão de 11 de março de 2013, relativo à Apelação/Reexame Necessário nº. 0029083-82.2012.8.26.0053, assim se manifestou a 6 ª. Câmara de Direito Público do TJ/SP: “Assim, no caso do impetrante, policial em atividade, quinquênios, sexta-parte e RETP incidem sobre as vantagens efetivamente incorporadas, dentre as quais, a partir da LC nº 1.114/10, o ALE”.... http://www.afam.com.br/
Veja abaixo todas as novidades:






Com filho no colo, PM de folga reage a assalto e mata ladrões em farmácia; vídeo

Segundo informações em boletim de ocorrência, assaltante chegou a apontar arma para policial que segurava a criança. Dupla não resistiu aos ferimentos e morreu no local.
Um policial militar de folga matou dois ladrões que tentaram assaltar uma farmácia no Jardim Paulista, em Campo Limpo Paulista (SP), na noite de sábado (18). O policial estava na farmácia com a mulher e com o filho pequeno no colo, quando os criminosos – um deles armado – entraram e anunciaram o assalto (veja no vídeo acima). De acordo com o boletim de ocorrência, logo que entrou na farmácia, um dos suspeitos apontou a arma em direção ao policial militar com a criança no colo. Na hora, o PM se identificou, sacou o revólver e deu ordem de prisão para os criminosos. No entanto, o suspeito passou a atirar contra o policial que, mesmo com o filho no colo, revidou os disparos, matando o ladrão armado e também o comparsa – que já havia rendido o gerente da farmácia, ainda segundo o boletim de ocorrência.A perícia técnica f…

Ministro Dias Toffoli recebe ACS e advocacia Pereira Martins no STF

No dia 16/11/2017, o Ministro Dias Toffoli recebeu em seu gabinete no Supremo Tribunal Federal (STF) o vice-presidente e o diretor Jurídico da Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo (ACSPMESP), respectivamente Antonio Carlos do Amaral Duca e Marcelo A. Camargo, acompanhados do Dr. Eliezer Pereira Martinspara despacho que versou sobre o recurso extraordinário com repercussão geral 565089 –indenização pelo não encaminhamento de projeto de Lei de reajuste anual dos vencimentos dos servidores públicos (Tema 19 de repercussão geral – mora do Executivo – Art. 37, X da Constituição Federal). Na oportunidade, argumentou-se com o Ministro a peculiar condição de vulnerabilidade dos agentes públicos que são privados do direito à sindicalização e à greve, a exemplo dos policiais militares, destituídos que são de mecanismos de proteção legal em face de políticas governamentais de omissão em relação à reposição da inflação e os efeitos nefastos da corrosão do pod…

REVOLTA DA ASSOCIAÇÃO DOS CABOS E SOLDADOS DA PMESP COM GOVERNO ALCKMIN

A Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo luta contra uma mentira da Procuradoria Geral do Estado; e, infelizmente, endossada pelo Governador do Estado. Ocorre que a Procuradoria, por meio da suspensão da Tutela Antecipada nº 678 junto ao Supremo Tribunal Federal fez constar em sua petição o valor aproximado de R$ 1,5 bilhão. Em síntese, disse ao Presidente do STF, Exmo. Senhor Ministro Ayres Britto que o custo criaria uma lesão ao erário público, assim, permitiu suprimir verbas alimentares de Policiais Militares. Neste sentido, passamos a conhecer melhor o Governo Geraldo Alckmin.
O Governo do Estado tinha conhecimento que o Policial Militar recebia o recálculo retroativo a novembro de 2010 por intermédio de uma ação judicial; e que nunca se tratou de uma tutela antecipada mas sim, de cumprimento provisório de sentença, iniciado após o Tribunal de Justiça de São Paulo, na 2ª Instância, ter garantido a fórmula correta de cálculo da verba aos Policiais…

Policial civil é encontrada morta dentro de casa e com sinais de violência em Sorocaba

Corpo foi achado em imóvel no Jardim Novo Horizonte, na Zona Norte da cidade. Polícia trata o caso como homicídio, que será investigado. Uma policial civil foi encontrada morta dentro da casa, na manhã desta quinta-feira (16), no bairro Jardim Novo Horizonte, na Zona Norte de Sorocaba (SP). Esmarlei Demétrio da Silva tinha 56 anos, completados na terça-feira (14). Segundo informações da Polícia Civil, o corpo da vítima, que trabalhava no 4º Distrito policial de Sorocaba, foi encontrado com sinais de violência. O caso será tratado pela polícia como homicídio. Não há informações sobre suspeitos e a motivação do crime. Fonte: G1