Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Bandidos atacam carro da Polícia Civil e agente é baleado na cabeça no Rio. Total de policiais mortos cresce a cada dia!

Viatura foi incendiada por bandidos Foto:
Foto de leitor via WhatsApp do Extra
Uma viatura da Polícia Civil foi atacada por bandidos na Via Dutra, altura da Pavuna, sentido Baixada Fluminense, na manhã deste domingo. Segundo a Polícia Civil, os agentes estavam saindo da Cidade da Polícia, no Jacaré, e voltavam para a 53ª DP (Mesquita), quando se depararam com uma tentativa de assalto final da Linha Vermelha, próximo à Via Dutra. Os criminosos dispararam contra o carro da polícia. Na troca de tiros, um policial foi baleado de raspão na cabeça, já na Via Dutra, e foi levado para o Hospital da Posse, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. De acordo com a Polícia Civil, o policial foi medicado e passa bem.
Outro dos tiros acertou a viatura e houve um princípio de incêndio. Bombeiros do quartel de Duque de Caxias controlaram as chamas no local. O Diretor de Departamento Geral de Polícia da Baixada Fluminense, o delegado Sérgio Caldas, esteve no local.
No mesmo horário, também ocorreu um arrastão na Linha Vermelha na altura de Duque de Caxias, perto da Favela do Lixão, a cerca de três quilômetros de distância de onde a viatura pegou fogo. O grupo de criminosos levou motos e pertences de motoristas que passavam pelo local. Um agente penitenciário que preferiu não se identificar e o filho, de 20 anos, foram assaltados. Os bandidos levaram a motocicleta em que estavam e outros pertences. Eles relataram que dois bandidos, também em uma moto, os abordaram e começaram a dar coronhadas nos braços e cabeças das vítimas.
- Não esbocei reação, mas mesmo assim eles foram muito agressivos. Bateram na minha cabeça, na do meu filho, nos braços. Levaram tudo, nossos documentos, celulares, carteiras.
Os bandidos caíram da moto em que estavam, que ficou abandonada, e pegaram a motocicleta das vítimas para fugir. Segundo o agente penitenciário, essa era a primeira vez que fazia uma viagem com o veículo com o filho e eles iriam para um encontro de motociclistas em Penedo, na Região Sul Fluminense.
- Estou revoltado. Não temos segurança em lugar nenhum. O que me dá mais nervoso é ver meu filho ser espancado por um criminosos. O que adianta fazer todo aquele estardalhaço para dizer que as Forças Armadas estavam protegendo a cidade? Isso é tudo mentira, o funcionalismo público está com os salários todos atrasados e não temos segurança.
A mesma equipe da Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) que cuidava do caso do policial civil baleado se deslocou para o local do arrastão para apurar os fatos. Até o momento, ninguém foi preso.
Por volta das 10h da manhã, a viatura incendiada já tinha sido retirada da via, e agentes da Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) realizaram uma perícia no local onde o carro pegou fogo e voltou ao local em que o policial foi atingido.
Segundo o Centro de Operações da Prefeitura do Rio, o incêndio causa congestionamento de 2 quilômetros na Linha Vermelha, via que liga o Rio de Janeiro à Baixada Fluminense.
O ataque aconteceu menos de 24 horas depois de uma megaoperação de segurança que contou com mais de 5 mil agentes na Zona Norte do Rio. Um total de 14 pessoas foram presas, sendo que cinco em flagrante, além de dois adolescentes apreendidos.

Fonte Extra

Comentários

  1. ATE QUANDO OS CRIMINOSO DOMINARÃO ESSE ESTADO.
    ATÉ QUANDO...
    ONDE ESTÃO OS REPRESENTANTES DO POVO....
    UMA VERGONHA......

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …