Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

PM suspeito de crime em moradia social não tem perfil de beneficiário

Recebendo o triplo da renda estabelecida, PM não poderia morar no local.
Soldado é suspeito de matar homem com três tiros em conjunto no Amapá.


Caso aconteceu no Conjunto Macapaba, na Zona Norte de Macapá (Foto: Reprodução/TV Amapá)Caso aconteceu no Conjunto Macapaba, na Zona
Norte de Macapá (Foto: Reprodução/TV Amapá)
O soldado da Polícia Militar suspeito de matar a tiros o vizinho no Conjunto Habitacional Macapaba, em Macapá, na noite de sábado (30), não poderia ser beneficiário de um dos apartamentos do residencial. O militar possui renda mensal quase três vezes maior do que a permitida pela Caixa Econômica Federal. Vizinhos contaram que o PM mora no conjunto desde a inauguração, em julho de 2014.
De acordo com a Secretaria de Inclusão e Mobilização Social (Sims), responsável por elaborar o dossiê de cada beneficiário, consta no apartamento onde ele mora apenas o registro do nome da mulher dele e da filha dela. Segundo o órgão, a beneficiária atende aos requisitos de ganhos mensais, não ultrapassando R$ 1.600. Alice Ribeiro, secretária adjunta de políticas de assistência, afirmou, porém, que a mulher deveria ter informado no cadastro o nome e a renda do companheiro.
"O nome desse PM não aparece na lista do Macapaba como proprietário e nem como cônjuge de nenhum morador. Quando o beneficiário faz a inscrição, ele deve informar sobre membros da composição familiar, como filho, marido, mãe e avós. Para averiguar se houve erro ou não vamos esperar o andamento do inquérito policial, pois ainda temos poucas informações sobre o caso", disse Alice.
Portal da Transparência informam ganhos de soldado da Polícia Militar (Foto: Reprodução)Portal da Transparência informa ganhos do soldado da Polícia Militar (Foto: Reprodução)
Dados do Portal da Transparência, consultados pelo G1 às 13h37 desta segunda-feira (1º),apontam que o PM recebe um salário líquido de R$ 4.741,15. Ainda na tarde desta segunda, os vizinhos do apartamento da família contaram que durante a manhã todos os móveis da casa foram retirados rapidamente, e com a ajuda de policiais militares.
Alice Ribeiro, secretária adjunta de políticas de assistência da Sims (Foto: John Pacheco/G1)Alice Ribeiro, secretária adjunta de políticas de
assistência da Sims (Foto: John Pacheco/G1)
"Eles encostaram um caminhão aqui e desceram vários policiais de uniforme, pegaram as coisas deles e foram embora. A esposa e a filha estavam em um carro pequeno esperando a mudança. Não falaram com ninguém e saíram rápido aqui do conjunto, deixando tudo trancado", reforçou uma vizinha, que pediu para não ser identificada.
A secretaria informou que se houver alguma transgressão da forma como o apartamento foi obtido, haverá uma abertura de processo por parte da Caixa Econômica Federal, que pode resultar na perda do benefício.
Crime
A polícia informou que o suspeito atirou em Clenildo Sales, de 34 anos, após uma discussão entre algumas pessoas que bebiam ao lado do apartamento do PM. Ele teria atirado por três vezes contra a vítima que teve perfurações na cabeça, na coxa e no peito. O suspeito fugiu do local, mas foi preso horas depois. Ele está detido no Comando Geral da PM.
A irmã da vítima disse durante o velório que a discussão iniciou por causa de uma muda de palmeira plantada em frente a casa do policial.
A Corregedoria-Geral da Polícia Militar informou que vai instaurar sindicância depois de receber o inquérito da Polícia Civil, para investigar a morte.
Do G1 AP

Comentários

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …