Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Juíza 'permitiu' nova morte, diz advogado da família de Glauco

Defensor de viúva de cartunista morto por Cadu em SP criticou juíza de GO.
Ela soltou Cadu, que estava em manicômio, e ele cometeu latrocínio.


Carlos Eduardo Sundfeld Nunes foi preso suspeito de latrocínio em Goiânia, Goiás (Foto: Divulgação/PM)Carlos Eduardo Sundfeld Nunes foi preso suspeito
de latrocínio em Goiânia, Goiás
(Foto: Divulgação/PM)
O advogado Alexandre Khuri Miguel, que representa a família do cartunista Glauco, afirma que o assassino do artista e do filho dele jamais poderia ter deixado a internação do manicômio judiciário.
Na segunda-feira (1º), o acusado de matar Glauco Vilas Boas e Raoni Ornelas durantes surto psicótico em março de 2010 em Osasco, na Grande São Paulo, voltou a ser preso, agora em Goiânia. Dessa vez, ele é suspeito de roubar e matar um motorista e de uma tentativa de latrocínio na capital de Goiás.
Considerado inimputável (ou seja, que, em tese, não responde por seus atos e por isso não pode ficar numa prisão comum) Cadu ficou três anos internado em clínicas psiquiátricas pelas mortes de Glauco e Raoni, mas foi solto há um ano por decisão da Justiça de Goiás.
Em agosto de 2013, a juíza Telma Aparecida Alves, da 4ª Vara das Execuções Penais em Goiânia, autorizou Cadu a continuar o tratamento de forma laboratorial, mas sem a necessidade de internação. Em outras palavras: poderia circular pelas ruas.

Em entrevista ao G1, nesta terça-feira (2), o advogado Alexandre Khuri Miguel, que defende os interesses de Beatriz Galvão Veniss, viúva de Glauco Vilas Boas e mãe de Raoni Ornelas, criticou a decisão da magistrada.
'Crônica de uma morte anunciada'
“Ao soltar Cadu, a juíza escreveu a crônica de uma morte anunciada e permitiu uma nova morte”, disse Khuri Miguel sobre a juíza Telma. “Soltá-lo foi uma tragédia anunciada, um crime, o mesmo que dar a Cadu um atestado de óbito em branco para escolher o nome da próxima vítima”.

Ainda segundo o advogado, a juíza foi alertada pela defesa de que Cadu não tinha condições de convívio social fora da internação do manicômio judiciário. “Ele sofre de esquizofrenia e consome drogas. É um potencial risco à sociedade para pegar uma arma e matar”, disse Khuri Miguel.
A equipe de reportagem não conseguiu localizar a magistrada para comentar o assunto. De acordo com a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça de Goiás, ela dava entrevista coletiva por volta das 11h e não poderia falar com o G1.
O defensor da família de Glauco ainda responsabilizou a juíza pelos novos crimes cometidos por Cadu, no último domingo (30) em Goiânia. “Além da magistrada, os psiquiatras que liberaram Cadu também têm de ser responsabilizados por dolo eventual, ou seja, assumiram a possibilidade de o interno cometer um crime”, disse Khuri Miguel.
As críticas do advogado também não pouparam o pai de Cadu, Carlos Grecchi Nunes. “O pai também tem culpa porque teria a obrigação de cuidar do filho e impedir que ele fizesse algo de errado”, falou o defensor dos familiares de Glauco. “Uma das medidas de segurança era que o pai fosse responsável pelo rapaz”.
G1 não localizou o pai de Cadu para comentar às críticas.
Laudos
De acordo com o advogado, a juíza autorizou o tratamento laboratorial de Cadu, sem internação, com base em dois laudos: uma perícia do Programa de Atenção Integral ao Louco Infrator (Paili) e outra da junta Oficial do Poder Judiciário.
“Segundo a magistrada, os relatórios médicos atestavam que Cadu não apresentava sintomas para continuar tratamento hospitalar de internação”, disse Khuri Miguel. “E a junta médica atestou que ele poderia se tratar em nível ambulatorial”.
Segundo o defensor, Cadu só foi solto porque é um “louco rico”. “Se fosse um louco pobre, continuaria no manicômio, mas como é um louco rico, e a família dele pode pagar bons advogados, foi solto”, criticou.
A equipe de reportagem não conseguiu localizar os advogados de Cadu para comentar as declarações de Khuri Miguel. O advogado Gustavo Badaró o defendeu no caso do assassinato de Glauco e Raoni.
O caderno especial “Gibi do Glauco”, editado pelo jornal Folha de S.Paulo em 2010, se transforma em exposição paralela do 39° Salão Internacional de Humor de Piracicaba. (Foto: Divulgação/Salão de Humor)Glauco em foto de arquivo.
(Divulgação/Salão de Humor de Piracicaba)
Glauco
Em 2010, a defesa de Cadu culpou o Daime por potencializar a esquizofrenia que ele tinha e, desse modo, matar o cartunista e o filho dele. Antes dos assassinatos, ele frequentava a Igreja Céu de Maria, fundada por Glauco em Osasco, na qual os discípulos bebiam o chá de Ayusca alucinógeno.

“Agora não vão poder alegar que ele matou de novo porque bebeu o Daime”, falou Khuri Miguel, que espera que a Justiça de Goiás determine a volta de Cadu para a internação num manicômio judiciário. “Ele descumpriu a medida de segurança e isso é passível de pena de retornar ao lugar onde estava”.

Um novo laudo psiquiátrico, no entanto, deverá ser feito em Cadu em Goiânia. Se o resultado for de que ele não é inimputável, o advogado dos parentes de Glauco afirmou que irá pedir a reabertura do processo das mortes do cartunista e do filho dele.

“Se isso ocorrer será uma aberração jurídica porque antes haviam dito que ele é louco e não podia responder por seus atos. Agora se ele for considerado normal, vou pedir a reabertura do caso para que ele seja julgado como um criminoso comum”, disse Khuri Miguel.
suspeito de matar glauco (Foto: Reprodução/TV Globo)Cadu em imagem de arquivo quando foi preso no
Paraná em 2010 (Foto: Reprodução/TV Globo)
Os assassinatos
No dia 12 de março de 2010, Cadu foi levado à chácara de Glauco por um amigo, Felipe Iasi, então com 23 anos – que foi inocentado pelo acusado de participação no crime. Iasi afirmou que foi obrigado por Cadu a levá-lo até a residência do cartunista.
Segundo Cadu, a decisão de matar Glauco e Raoni foi tomada quando ele se descuidou e Iasi fugiu da chácara. Nesse momento, o suspeito achou que a polícia seria chamada, atrapalharia os planos e ele acabaria morto.
Após render a enteada de Glauco, Cadu entrou na chácara. Ele discutiu com Raoni e atirou no jovem. Em seguida baleou Glauco. No total foram quatro tiros disparados. Glauco tinha 53 anos, e Raoni, 25.
Após o crime, ele fugiu e passou dois dias escondido na mata. Nesse período, Cadu chegou a ligar para a viúva de Glauco. Um rastreamento mostrou que o acusado estaca em Cotia, na Grande São Paulo, quando fez a ligação.
Em 14 de março, Cadu roubou um carro e fugiu para o Paraná. Já no outro estado, ele furou um bloqueio policial e trocou tiros com policiais federais na Ponte da Amizade, em Foz do Iguaçu, na fronteira com o Paraguai, onde foi preso.
Do G1 São Paulo

Comentários

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …