Pular para o conteúdo principal

Rádio PolicialBR 24 horas com você. Notícias e entretenimento.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

'Temo pela minha vida', diz suspeito que acusa deputado de homicídios

Marcos Barbosa ordenava mortes e ritos macabros, afirma Júnior Barbosa.
Sobrinho do deputado fala ainda da participação de autoridades nos crimes.


Após mais de três horas de depoimento ao delegado Denisson Albuquerque, na tarde desta quinta-feira (21), Elizeu Oliveira Barbosa Filho, conhecido como Júnior Barbosa, deu detalhes das ações criminosas praticadas, segundo ele, a mando do deputado e presidente licenciado do CRB, Marcos Barbosa (PPS). Segundo o suspeito, preso desde 31 de julho, além de execuções o grupo realizava rituais macabros dentro do Cemitério São José, no bairro do Trapiche.
Júnior Barbosa, que é suplente de vereador, chorou durante a entrevista coletiva e disse ter medo de ser assassinado. "Temo pela minha vida, pela vida dos meus filhos, da minha esposa. Cometi erros, quero pagar, mas com dignidade". O suspeito admitiu participação em pelo menos três homicídios e rituais macabros, em que pessoas que agiam a serviço do deputado colocavam nomes de inimigos políticos dele dentro da boca de cadáveres que haviam sofrido algum tipo de morte violenta.
A reportagem do G1 procurou o deputado Marcos Barbosa para que ele comentasse as acusações, mas as ligações não foram atendidas.
"Fui procurado pelo Marcos Barbosa para arrumar crânios para ele fazer ritual macabro. Eu mesmo já abri os papéis que os coveiros colocavam na boca dos defuntos. Tinha nome do Cícero Almeida, Ronaldo Lessa, Kátia Born", afirma o sobrinho do deputado.
De acordo com o suspeito, os crimes aconteceram enquanto ele era administrador do cemitério. Ele diz que assumiu o cargo comissionado dentro da prefeitura por seis vezes, todas por indicação do deputado Marcos Barbosa.
"Eu não tenho poder pra conseguir esse cargo tantas vezes. Assumi a administração do cemitério seis vezes e saí sete. Em todas foi ele [o deputado] quem me indicou".
Júnior Barbosa falou ainda sobre a morte de Edvaldo Guilherme da Silva, conhecido como “Baré Cola”, em janeiro de 2006. Para o suspeito, a ordem para assassinar Baré Cola partiu do deputado e esse homicídio culminou em outras sete mortes. "Foi queima de arquivo, um a um os que ajudaram a matá-lo foram morrendo depois disso", expõe.
Ele acusou ainda o deputado Marcos Barbosa de arquitetar a morte dele dentro do presídio. "Sei que ele tem planos para me matar. Através de um funcionário do deputado, Denilson Gomes Teixeira, o Gal, em conjunto com o pai do traficante Caetano, da Brejal. O pai do Caetano, Zé Moreno, que está preso comigo, disse que o deputado estava pagando R$ 15 mil pela minha morte, mas era pra eu morrer de pancada. To pedindo socorro", afirmou. Ao lembrar a ocasião em que foi levado para o HGE, quando se feriu dentro do presídio, ele afirmou que bateu com a própria cabeça na parede da cela para chamar atenção e evitar que fosse morto.
Ainda segundo o suspeito, tanto medo vem das informações a que ele teve acesso pelo próprio deputado de que pessoas que integram a Justiça alagoana, o Ministério Público do Estado de Alagoas (MP-AL) e a Secretaria de Estado da Defesa Social (SEDS) compactuavam com as ações criminosas denunciadas.
"Na Justiça de Maceió imperam o poder e o dinheiro. São promotores, juízes e pessoas da segurança pública, dito assim por ele [Marcos Barbosa] em várias conversas e reuniões que tivemos", afirma Júnior Barbosa, mas sem citar nomes.
Do G1 AL

Comentários

| Mais Acessados na Última Semana |

ROTA invade tribunal e resgata ex-presidiário

Sim, o título acima está correto. Numa incrível operação relâmpago, PMs de ROTA impedem que tribunal do crime assassine um ex-presidiário

A ROTA está nas ruas 24 horas por dia, todos os dias, o ano inteiro. Seu efetivo é dividido em três Companhias: Noturna, Matutina e Vespertina. Esta matéria relata uma incrível ocorrência de resgate conduzida pelo Pelotão do Tenente PM Soares, que patrulhava a Zona Leste de São Paulo às 21:40 nesta segunda-feira, dia 14. “O despacho do Policiamento de Choque do COPOM nos informou que uma pessoa estava sendo torturada na favela Eliane, numa casa com detalhes verdes no seu portão, localizada na rua Esperança. Pelas particularidades que nos foram relatadas, estava claro que a ocorrência envolvia a ação de um ‘tribunal do crime’ provavelmente comandado pelo PCC. Imediatamente acionei meu Pelotão”, relata o Tenente de ROTA Soares. O nome dessa rua, 'Esperança', não podia ser menos adequado em função do cenário que os PMs iriam encontrar em poucos…

Aprovado PL que da poder de polícia administrativa às polícias e bombeiros militares do Brasil

O poder de polícia administrativa trás condições das polícia militares e bombeiros atuarem de forma efetiva em eventos, estabelecimentos comerciais e outros. Autor: Capitão Augusto - PR/SPData da apresentação:  04/02/2015 Ementa: Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Polícia de Preservação da Ordem Pública, e dá outras ...Leia integra do PL 196/2015Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Pol…

Usar arma de uso restrito com porte ilegal agora é crime hediondo

Aprovada urgência para projeto que torna crime hediondo o porte ilegal de armas de uso restrito O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 332 votos a 7 e 2 abstenções, o regime de urgência para o Projeto de Lei 3376/15, do Senado, que torna crime hediondo a posse ou o porte ilegal de arma de fogo de uso restrito das forças policiais e militares. Após a votação, a sessão ordinária foi encerrada. Projeto de Lei do Senado nº 230, de 2014, de autoria do Senador Marcelo Crivella, constante dos autógrafos em anexo, que “Altera a Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o crime de posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito no rol dos crimes hediondos”. A Lei 8.072/90 define como hediondos os crimes de homicídio praticado por grupo de extermínio; homicídio qualificado; latrocínio; genocídio; extorsão qualificada por morte; extorsão mediante sequestro; estupro; disseminação de epidemia que provoque morte; falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto …

Policiais e bombeiros militares não sabem a força que tem

Deputado Federal Capitão Augusto orienta os militares de São Paulo sobre a força política da classe
Por mais que façamos aqui pela Câmara dos Deputados, aprovando projetos dando mais direitos e garantias aos policiais e não deixando ser aprovado nenhum projeto que os prejudique, a grande reivindicação que recebo dos policiais refere-se a questão do aumento salarial.
Infelizmente Deputados não podem apresentar projetos que gerem despesas para o executivo, então está fora de nossa competência atender essa solicitação, o que nos resta é cobrar (e muito) do governador e fazer articulação para que ele conceda o tão esperado aumento salarial.
Hoje temos força política para eleger representantes para Assembleia Legislativa, Câmara dos Deputados e para todos cargos nas eleições municipais. Está na hora de influenciarmos as eleições para Governador e Senador, um que reconheça nosso valor, ou ficaremos fadados a apenas reclamar nos bastidores.
Nós podemos muito mais que isso! Somos quase 150.000 po…

Vaccarezza é preso em nova fase da Operação Lava Jato em São Paulo

Ex-deputado, que deixou o PT, foi líder dos governos Lula e Dilma. Segundo o MPF, ele recebeu a maior parte de um total de propina que soma US$ 500 mil. O ex-líder dos governos Lula e Dilma na Câmara dos Deputados Cândido Vaccarezza, que deixou o PT, foi preso nesta sexta-feira (18) em São Paulo. Ele é alvo da Operação Abate, uma das duas novas fases da Operação Lava Jato deflagradas nesta manhã. A prisão é temporária, válida por cinco dias. Por volta das 9h, Vaccarezza estava em casa sob custódia da PF. Ele deve seguir para Curitiba ainda nesta sexta. O G1 tenta contato com a defesa do ex-deputado, com PT e com as empresas citadas. Principais pontos das investigações Ações apuram o favorecimento de empresas estrangeiras em contratos com Petrobras. Operação Abate investiga fraudes no fornecimento de asfalto para a Petrobras por uma empresa norte-americana, entre 2010 e 2013. Funcionários da Petrobras, o PT e, principalmente, Cândido Vaccarezza teriam recebido propinas que somam US$ 5…