Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Sem segurança, comerciantes pagam até R$ 2 mil a policiais no Piauí

Dinheiro vai para estadia e alimentação dos policiais da Força Tática.
Cidade de São Miguel do Tapuio vive com insegurança após assalto ao BB.


Após dois meses do fechamento da única agência bancária de São Miguel do Tapuio, no Norte do Piauí, a quantidade de dinheiro circulando na cidade ficou limitado e os comércios viraram alvo dos bandidos, especialmente por terem caixas eletrônicos nos estabelecimentos. Assustados com a violência, os comerciantes se uniram e resolveram pagar policiais militares para garantir a segurança.
O grupo de doadores somam 55 pessoas, as contribuições variam de R$ 30 a R$ 100 e o valor total arrecado chega, em média, a R$ 2 mil. O dinheiro vai para estadia e alimentação dos policiais militares da Força Tática, que vem de Campo Maior, e trabalham nos dias de folga. "Não é uma obrigação nossa, mas devido a situação que está a segurança pública, nós decidimos tomar esta atitude para não ficarmos a mercê dos bandidos", explicou o comerciante Cleiton Martins.
O problema começou no dia 28 de maio deste ano, quando o Banco do Brasil da cidade foi alvo de assaltantes. Depois disso, a agência nunca mais funcionou regulamente, sendo que a quantidade de dinheiro liberada pelo banco é limitada. Sem dinheiro, as vendas caíram 70% e os moradores recorrem aos pontos comerciais onde há caixas eletrônicos.
O município de São Miguel do Tapuio tem 19 mil habitantes e fica na divida do Piauí com Ceará, o que facilita a ação e a fuga dos bandidos. O clima é de insegurança na região.
Assaltado 10 vezes, o empresário Francisco Neto lamentou a situação de insegurança e contou sobre que a última ocorrência aconteceu dentro da sua residência. "Entrar na minha casa hoje é uma das piores sensações que existe. Vivo agora gradeado, é muito triste", comentou.
Há três meses os aposentados não conseguem sacar o dinheiro da Previdência Social, muitos moradores procuram outras cidades para realizar transações bancárias e evitar as filas. "Tudo morrendo de fome, compro as coisas fiado para escapar", lamentou o aposentado Francisco José Filho,
Os servidores públicos também têm dificuldade para receber o salário. "Nós professores estamos indo para Valença, Pimeteiras correndo risco de serem assaltos no caminho. Quando vem para a agência da cidade, esperamos até três horas para ser atendido e quando dá Às 10h, já tem dinheiro no caixa", contou Francisco Almeida.
O chefe de gabinete de São Miguel do Tapuio, Gilmar Marques, disse ter acionado a assessoria jurídica para que ela estude uma possibilidade legal de a prefeitura fazer um repasse de R$ 2.450 para ajudar no pagamento dos policiais. Ele ressaltou ainda que a cidade conta com nove policiais militares, mas que esse efetivo não é suficiente.
O comandante da Polícia Militar, coronel Lídio Filho, responsabilizou o Banco do Brasil pela falta de segurança nas agências e elogiou a atitude dos comerciantes de São Miguel do Tapuio. "A população está certa e tem todo o meu apoio. O que nos entristece é um banco, uma instituição tão rica, não cuidar da sua segurança. A Polícia Militar do Piauí não pode trabalhar só para o banco, e ele não ajuda em nada. A vigilância do Banco do Brasil é feita por uma empresa no Ceará e eles querem que a PM faça a segurança. E a população como fica?", declarou.
O Banco do Brasil informou que cumpre a legislação e as normas de segurança privada, tendo inclusive os planos de segurança das suas agências homologadas pela Polícia Federal.
Do G1 PI

Comentários

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …