Pular para o conteúdo principal

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

'Há risco para o consumidor', diz Mapa sobre leite contaminado no RS

Superintendente avalia que é impossível recolher todos lotes suspeitos.
Inspeções encontraram álcool etílico, mas empresas negam irregularidades.


Desde 2013, MP vem fazendo operações para
coibir adulteração no leite produzido no
Rio Grande do Sul (Foto: Felipe Truda/G1)


Apesar da ordem para recolher todos os lotes de mais de 100 mil litros de leite contaminados por álcool etílico, consumidores correm o risco de encontrar os produtos irregulares à venda no comércio do Rio Grande do Sul. A avaliação é do superintendente do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) no estado, Francisco Signor. Segundo ele, é tecnicamente impossível rastrear e retirar do mercado a totalidade de produtos considerados impróprios para o consumo.
"Apesar do recolhimento, há risco, sim, para o consumidor. Porque tem como rastrear o atacado e saber quem comprou. Porém, há muitos donos de estabelecimentos pequenos que compram no próprio supermercados para revender. Nesses casos, não há como haver controle", explicou Signor ao G1, ressaltando que o risco seria real apenas em mini-mercados.
O recolhimento cautelar foi determinado pelo Mapa após inspeção de rotina feitas em junho e julho detectar álcool em leite um produto derivado. Não se trata de uma nova edição da Operação Leite Compensado, do Ministério Público (MP). A media atinge lotes de leite UHT integral da marca Piá, fabricados em 26/06/2014 e com data de validade até 26/10/2014 (lotes L02/2 e L2-3) e do lote de requeijão light (200g) fabricado em 30/06/2014 e com data de validade até 30/09/2014 (lote L2).
Em nota, a Piá garantiu que análises internas e externas feita em um laboratório credenciado pelo Mapa do mesmo lote não constataram irregularidades nos produtos. A empresa garantiu, também, já ter tomado providências para recolher os dois produtos do mercado.
De acordo com o Mapa, desde 15 de julho, o posto de refrigeração da Piá em Vila Flores, na serra gaúcha, foi interditado pelo Serviço de Inspeção Federal (SIF) após álcool etílico ser encontrado em amostras de leite cru refrigerado. Em nota, o Mapa ressaltou que "a presença da substância no leite é considerada fraude, pois mascara a adição de água". O posto, porém, retornou às atividades no dia 21 do mesmo mês, após implantar ações corretivas.
Questionado sobre o motivo para o fato só ter sido divulgado nesta segunda-feira (4), apesar da identificação em julho, o superintendente do Mapa argumentou que a superintendência não tem a obrigação de divulgar informações do gênero.

"Para nós, é rotina fazer essa fiscalização. E não está previsto que a gente precise espalhar para fora. Mas as pessoas não fazem ideia da quantidade de leite que é distribuído. Enquanto isso, nos ultimos 10 dez anos, o leite melhorou 80%. Principalmente agora que estamos apertando e fiscalizando. As operações do Ministério Público contribuíram para isso", disse Signor.
'Má-fé', diz Ministério Público
Desde 2013, o MP já desencadeou por seis vezes a Operações Leite Compensado no Rio Grande do Sul, que identificou o uso de formol para fraudar o leite. Na ocasião, as investigações apontaram que transportadores estavam adicionando água e ureia (que contém formol) ao leite cru para aumentar o volume e disfarçar a perda nutricional no caminho entre a propriedade rural e a indústria. O esquema era realizado em postos de resfriamento.
Nesta terça, o MP revelou que além da Piá, a empresa Santa Clara também é investigada após álcool etílico ser detectado em lotes de leite tipo pasteurizado (de saquinho), com validade até junho deste ano.
De acordo com nota oficial divulgada pela Santa Clara, os leites recebidos estão todos em condições de consumo e com processamento adequado. Conforme a cooperativa, o lote avaliado era de um posto de resfriamento de Veranópolis, da mesma região da empresa, e foi testado, não sendo constadadas irregularidades.
A promotoria de Defesa do Consumidor acredita que a presença de álcool etílico encontrada em lotes de leite UHT e requeijão light de uma cooperativa gaúcha pode ser resultado de uma ação de "má fé". Conforme o promotor Alcindo Luz Bastos Silva Filho, o MP está investigando o caso no âmbito criminal também. Segundo ele, a descoberta da substância, ao contrário das Operações do Leite Compensado deflagradas ao longo de 2013 e deste ano, é resultado da falta de controle.
"Estamos avaliando questões de má-fé. Sabemos que, em um primeiro momento, não há geração espontânea de álcool, conhecendo a cadeia do leite. Então, é provável que houve contaminação. Vamos atrás da punição dos responsáveis", afirmou o promotor em entrevista à Rádio Gaúcha na manhã desta terça-feira (5).
Conforme o promotor, a maioria dos produtos já foi retirada do comércio. "Quase tudo foi retirado das prateleiras. Pelas informações que recebemos do Mapa, a fabricação foi 10 de junho e, como estamos em agosto, boa parte desse produto estava no mercado com validade até outubro", pontuou Alcindo. Ele completa que a indústria é a primeira responsável pela fiscalização dos produtos.
Já para o Sindicato das Indústrias de Laticínios o controle é rígido, mas ainda precisa de mudanças nos processos. "Ainda não está identificado o que ocorreu nesse lote. Estamos identificando o caso, aguardando laudo do laboratório oficial. O teste alizarol [para verificar acidez no leite] é uma questão premeditada. Deveria ter a comunicação oficial do laboratório para que esse leite não fosse ao mercado. Deveria ser preventivo. Mas, posso afirmar que efetivamente a indústria gaúcha tem identificado e investido valores pesados em controle", afirmou o secretário-executivo do sindicato Darlan Pagliarini.
Do G1 RS

Comentários

| Mais Acessados na Última Semana |

ROTA invade tribunal e resgata ex-presidiário

Sim, o título acima está correto. Numa incrível operação relâmpago, PMs de ROTA impedem que tribunal do crime assassine um ex-presidiário

A ROTA está nas ruas 24 horas por dia, todos os dias, o ano inteiro. Seu efetivo é dividido em três Companhias: Noturna, Matutina e Vespertina. Esta matéria relata uma incrível ocorrência de resgate conduzida pelo Pelotão do Tenente PM Soares, que patrulhava a Zona Leste de São Paulo às 21:40 nesta segunda-feira, dia 14. “O despacho do Policiamento de Choque do COPOM nos informou que uma pessoa estava sendo torturada na favela Eliane, numa casa com detalhes verdes no seu portão, localizada na rua Esperança. Pelas particularidades que nos foram relatadas, estava claro que a ocorrência envolvia a ação de um ‘tribunal do crime’ provavelmente comandado pelo PCC. Imediatamente acionei meu Pelotão”, relata o Tenente de ROTA Soares. O nome dessa rua, 'Esperança', não podia ser menos adequado em função do cenário que os PMs iriam encontrar em poucos…

Aprovado PL que da poder de polícia administrativa às polícias e bombeiros militares do Brasil

O poder de polícia administrativa trás condições das polícia militares e bombeiros atuarem de forma efetiva em eventos, estabelecimentos comerciais e outros. Autor: Capitão Augusto - PR/SPData da apresentação:  04/02/2015 Ementa: Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Polícia de Preservação da Ordem Pública, e dá outras ...Leia integra do PL 196/2015Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Pol…

Para "comemorar aniversário", PCC planeja matar juiz, procurador, delegado e agentes

dia 31 de agosto, data em que a facção criminosa faz aniversário de 24 anos. O PCC (Primeiro Comando da Capital) planeja matar um juiz federal, um procurador da República, um delegado federal e pelo menos quatro agentes penitenciários de Porto Velho (RO) até o
A maior facção criminosa do país já matou três agentes penitenciários federais, entre setembro de 2016 e maio deste ano, de acordo com investigações da PF (Polícia Federal). Para executar os atentados, o PCC criou células de inteligência que, entre outras ações, monitoram a rotina dos agentes públicos escolhidos como alvos.
A informação sobre a possibilidade de novos assassinatos consta em ofício assinado pelo diretor do presídio federal de Porto Velho, Cristiano Tavares Torquato, a cujo conteúdo o UOL teve acesso com exclusividade. O documento foi encaminhado no último dia 17 de agosto ao superintendente regional da Polícia Federal de Rondônia, Araquém Alencar Tavares de Lima. A reportagem confirmou a veracidad…

Polícia Civil decide hoje se cruza os braços a partir de amanhã

Executivo local reforça que, neste ano, não tem dinheiro para pagar o reajuste salarial pleiteado pelos agentes.Policiais civis podem entrar em greve ou interromper serviços essenciais para a população a partir de amanhã. Em uma assembleia com indicativo de greve, marcada para as 14h de hoje, a categoria deve decidir o que fazer para pressionar o governo a conceder o reajuste salarial pleiteado desde o ano passado. Eles reivindicam a manutenção da paridade salarial com a Polícia Federal, que conseguiu reajuste de 37% parcelado em três anos.

Na semana passada, policiais civis se reuniram com o chefe da Casa Civil, secretário Sérgio Sampaio; a secretária de Planejamento, Orçamento e Gestão, Leany Lemos; o secretário interino de Fazenda, Wilson de Paula, além dos deputados distritais e agentes da Polícia Civil Wellington Luiz (PMDB) e Claudio Abrantes (sem partido) e o deputado federal Roney Nemer (PP-DF). O deputado distrital Wasny de Roure mandou representante.
Durante o encontro, o Exec…

Vaccarezza é preso em nova fase da Operação Lava Jato em São Paulo

Ex-deputado, que deixou o PT, foi líder dos governos Lula e Dilma. Segundo o MPF, ele recebeu a maior parte de um total de propina que soma US$ 500 mil. O ex-líder dos governos Lula e Dilma na Câmara dos Deputados Cândido Vaccarezza, que deixou o PT, foi preso nesta sexta-feira (18) em São Paulo. Ele é alvo da Operação Abate, uma das duas novas fases da Operação Lava Jato deflagradas nesta manhã. A prisão é temporária, válida por cinco dias. Por volta das 9h, Vaccarezza estava em casa sob custódia da PF. Ele deve seguir para Curitiba ainda nesta sexta. O G1 tenta contato com a defesa do ex-deputado, com PT e com as empresas citadas. Principais pontos das investigações Ações apuram o favorecimento de empresas estrangeiras em contratos com Petrobras. Operação Abate investiga fraudes no fornecimento de asfalto para a Petrobras por uma empresa norte-americana, entre 2010 e 2013. Funcionários da Petrobras, o PT e, principalmente, Cândido Vaccarezza teriam recebido propinas que somam US$ 5…