Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Quatro PMs são presos por suspeita de ligação com morte pichadores

Corregedoria diz que eles estão 'recolhidos administrativamente'.Prisão temporária vai ser pedida à Justiça, segundo corregedor.


Quatro policiais foram presos administrativamente pela Corregedoria da Polícia Militar de São Paulo por suspeita de envolvimento nas mortes dos pichadores Alex Dalla Vecchia Costa, de 32 anos, e Ailton dos Santos, de 33. Eles foram mortos na quinta-feira (31), em uma suposta troca de tiros dentro de um prédio residencial na Mooca.

Os policiais alegam legítima defesa, que a dupla estava armada e tinha intenção de roubar. Eles alegam que um PM foi baleado no braço. Parentes e amigos negam posse de arma e ressaltam que a dupla invadiu o prédio para pichar.
Os quatro policiais são um tenente, um sargento e dois cabos.
O tenente-coronel Marcelino Fernandes, chefe do departamento técnico da Corregedoria da PM, afirmou que há diversas evidências que fazem cair por terra a versão dos policiais de que houve tiroteio.

"Verificou-se, inclusive com testemunhas e outras câmeras do local, que esses mesmos jovens já tinham pichado um condomínio a 300 metros dali, sem a característica de estarem armados.”
Pichadores (Foto: Reprodução/ Divulgação)Pichadores fizeram "selfie" ao chegar ao prédio
(Foto: Reprodução/ Divulgação)
A investigação da Corregedoria destacou que houve um intervalo de tempo entre a entrada dos policiais no prédio e a comunicação do suposto tiroteio ao comando de policiamento. “Essa discrepância dá em torno de 48 minutos, o que os policiais não souberam explicar e isso está tudo filmado pelo próprio condomínio", explicou Fernandes.
O corregedor também afirma que os policiais não souberam explicar o relato de testemunhas que apontam que houve tiros com intervalo de dez minutos. "Em nenhum momento os policiais afirmam dois tiroteios no local", disse o corregedor.

O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que também investiga o caso, pediu nesta quarta os nomes de todos os policiais que foram ao prédio na Mooca. “São os horários que não batem e o fato de a mochila ter sido apresentada posteriormente. É tudo isso que a gente está apurando”, disse a diretora do DHPP, a delegada Elisabete Sato.
Investigação no DHPP
Segundo a delegada Jamila Jorge Ferrari, do Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), seis dos 11 policiais que estiveram no prédio são investigados. “Inicialmente estão sendo investigados os seis policiais porque são eles que aparecem no boletim como os que atenderam a ocorrência”, justificou a delegada.
O caso foi registrado como "morte decorrente de intervenção policial e roubo". De acordo com o boletim de ocorrência, por volta das 18h, Alex e Ailton invadiram o Edifício Windsor, Avenida Paes de Barros, na Mooca, para roubar. A construção tem 19 andares, com a cobertura.
Os dois suspeitos entraram no condomínio após o porteiro confundi-los com moradores. O zelador questionou a presença deles, que afirmaram estar fazendo a manutenção dos elevadores. Desconfiado, o funcionário foi à portaria, onde acionou a Polícia Militar. Depois, usou um pé de cabra e uma cadeira para travar um dos elevadores.

Policiais militares foram até o local para atender uma ocorrência de roubo. Imagens de câmeras de segurança do prédio gravaram o momento em que os PMs chegaram 25 minutos depois da entrada dos pichadores. Cinco policiais entraram primeiro. Onze minutos depois, mais seis policiais apareceram.

Enquanto isso, os amigos tiravam selfies deles no elevador até descerem no 17º andar. Na versão dada pelos policiais, quatro PMs trocaram tiros com os pichadores num apartamento no 18º andar. Ao perceberem os agentes, a dupla, que estava armada começou a atirar neles. Na cozinha, Alex usava um revólver calibre 38, e no quarto, Ailton portava pistola 380. Um tiro atingiu o braço de um PM.
Os policiais afirmaram que, para se proteger, revidaram os tiros, baleando os suspeitos, que morreram. O DHPP aguarda laudos técnicos do Instituto Médico Legal (IML) e do Instituto de Criminalística (IC) para saber quantos disparos foram feitos e quantas perfurações as vítimas sofreram. A maior parte dos ferimentos foi no tórax.

O entra e sai dos policiais militares no prédio foi constante durante pelo menos uma hora. Horas depois é que o caso foi levado ao conhecimento do 56º Distrito Policial, na Vila Alpina. Como a ocorrência envolvia morte decorrente de ação policial, o DHPP assumiu as investigações.

Peritos apuram se os mortos foram baleados pelas costas. Para isso, estudam os orifícios de saída e entrada das balas.

Quatro pistolas .40, armas usadas pelos policiais, foram apreendidas para análise de balística na Superintendência da Polícia Técnico-Científica. A pistola 380 e o revólver 38, relacionados como sendo de Alex e Ailton, também foram levados para testes. Os resultados ainda não ficaram prontos.

Procurada pela equipe de reportagem para comentar o assunto, a assessoria de imprensa da PM informou nesta manhã que quatro policiais trocaram tiros com os suspeitos no prédio. Ainda, segundo a corporação, outros policiais que foram ao local podem ter participado da ocorrência preservando o local para a perícia.
Prédio (Foto: Reprodução / TV Globo)Prédio onde ocorreram as mortes.
(Foto: Reprodução / TV Globo)
Família diz que foi execução
A tese de que os pichadores foram executados sem confronto também é investigada pelo DHPP. A hipótese ganha coro nos depoimentos que os parentes e amigos das vítimas deram no departamento. Eles negaram que Alex e Ailton, que surgiram como pichadores em Santo André, no ABC, tenham ido armados ao Windsor para roubar. Disseram que os amigos entraram desarmados no prédio para pichar, mas acabaram assassinados por policiais militares.

"Atirou na polícia com que arma? Ele não tinha revólver", afirmou Eliete Prestes dos Santos, 28, mulher de Ailton, que contesta a versão da PM, de que o marido e o amigo dele tinham armas e pretendiam assaltar o condomínio.

Eliete esteve na terça-feira (5) no DHPP para falar com os policiais que investigam o caso. Ela afirma ainda ter encontrado itens na mochila de Aílton que não pertenciam a ele, como um fone de ouvido.

No Facebook, uma prima de Alex postou que o parente "nunca teve uma arma, nunca matou, nem feriu ninguém, todo mundo sabe e é evidente, que o que ele fazia era pichar".

Membros do grupo de pichadores intitulado RGS disseram que, antes da ação policial no edifício, Alex e Ailton tinham mandado mensagens pelo WhatsApp informando que estavam indo pichar o prédio. Investigadores têm gravações de celular de Alex convidando amigos para pichar o prédio.

As selfies tiradas pelos amigos no elevador do Windsor, antes de serem mortos, é considerada prática recorrente entre pichadores após conseguirem invadir um local.

Alex e Aílton eram pichadores há mais de 15 anos e faziam parte do grupo conhecido como Jets, que nasceu no ABC, no fim dos anos 1990. A marca dos Jets é fazer escaladas ou invadir prédios para deixar a sua marca nas alturas. Quanto mais alto o prédio, maior o desafio. Pichação pode ser considerado vandalismo ou crime ambiental. A pena para quem for pego é de até um ano de prisão, mas geralmente a punição é convertida em multa.
Do G1 São Paulo

Comentários


| Mais Acessados na Última Semana |

COMANDANTE DO EXÉRCITO DESCARTA INTERVENÇÃO MILITAR SUGERIDA POR GENERAL

O comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, afirma que "não há qualquer possibilidade" de intervenção militar no Brasil, em resposta ao general Antônio Mourão, que levantou a possibilidade no caso de o Judiciário "não resolver essa questão" política; "Desde 1985 não somos responsáveis por turbulência na vida nacional e assim vai prosseguir. Além disso, o emprego nosso será sempre por iniciativa de um dos Poderes", diz o comandante Villas Bôas; ele diz ainda que teve uma conversa com Mourão e que o problema "já está superado" Sempre polêmico, o general do Exército Antônio Hamilton Martins Mourão afirmou na última sexta-feira que é possível uma intervenção militar no Brasil, caso a crise política que o país atravessa não seja solucionada pelas próprias instituições. As afirmações de Mourão foram feitas em uma palestra realizada na Loja Maçônica Grande Oriente, em Brasília, horas após o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denu…

Justiça condena 2 PMs e guarda civil a mais de 600 anos de prisão por maior chacina de SP

Os policiais militares Fabrício Eleutério e Thiago Henklain, além do guarda civil municipal Sérgio Manhanhã foram condenados nesta sexta-feira (22) a mais de 600 anos de prisão de terem participado da maior chacina de São Paulo, em agosto de 2015. Eles foram acusados de envolvimento em 17 dos 23 homicídios ocorridos nos dias 8 e 13 daquele mês. Eleutério foi condenado a 255 anos, 7 meses e 10 dias em regime fechado. Henklain pegou 247 anos, 7 meses e 10 dias, também em regime fechado. O guarda civil Manhanhã recebeu pena menor do que os policiais militares, condenado a 100 anos e 10 meses. A defesa dos três condenados já recorreu da sentença. O julgamento durou cinco dias, menos do que estava previsto. Os jurados se reuniram na sala secreta às 16h07. Eleutério entrou no plenário para ouvir a sentença, tremendo, chorando e segurando uma bíblia. Manhanhã e Hanklain aparentavam estar mais calmos.  Às 18h11, a juíza Élia Bulman divulgou a sentença. "A missão dos senhores foi muito b…

Homem é detido por suspeita de injúria racial após xingar policial de 'preto sem-vergonha', em Campinas

O policial estava a serviço em um bloqueio de trânsito e deu ordem de parada ao homem, de 36 anos, que se revoltou. Um homem de 36 anos foi detido em flagrante por suspeita de injúria racial e desacato após xingar um policial militar de "preto sem-vergonha", em Campinas (SP), nesta quarta-feira (20). O ato racista ocorreu, segundo a PM, após o homem ser abordado em uma blitz durante uma fiscalização de rotina e se revoltar contra os policiais. O suspeito estava sem o cinto de segurança e se exaltou ao questionar os policiais sobre a necessidade de realizar a blitz no bairro, localizado na periferia da cidade. Segundo o cabo Laudevino Ferreira Júnior, vítima da injúria, o homem entregou os documentos usando palavras de baixo calão.
"No momento em que eu saí de perto, ele falou: 'Esse preto sem-vergonha'. Eu retornei até ele e perguntei: 'Você me chamou do quê?' E ele estava exaltado e disse: 'Eu te chamei de preto sem-vergonha'. Foi o momento em q…

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online