Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Quatro PMs são presos por suspeita de ligação com morte pichadores

Corregedoria diz que eles estão 'recolhidos administrativamente'.Prisão temporária vai ser pedida à Justiça, segundo corregedor.


Quatro policiais foram presos administrativamente pela Corregedoria da Polícia Militar de São Paulo por suspeita de envolvimento nas mortes dos pichadores Alex Dalla Vecchia Costa, de 32 anos, e Ailton dos Santos, de 33. Eles foram mortos na quinta-feira (31), em uma suposta troca de tiros dentro de um prédio residencial na Mooca.

Os policiais alegam legítima defesa, que a dupla estava armada e tinha intenção de roubar. Eles alegam que um PM foi baleado no braço. Parentes e amigos negam posse de arma e ressaltam que a dupla invadiu o prédio para pichar.
Os quatro policiais são um tenente, um sargento e dois cabos.
O tenente-coronel Marcelino Fernandes, chefe do departamento técnico da Corregedoria da PM, afirmou que há diversas evidências que fazem cair por terra a versão dos policiais de que houve tiroteio.

"Verificou-se, inclusive com testemunhas e outras câmeras do local, que esses mesmos jovens já tinham pichado um condomínio a 300 metros dali, sem a característica de estarem armados.”
Pichadores (Foto: Reprodução/ Divulgação)Pichadores fizeram "selfie" ao chegar ao prédio
(Foto: Reprodução/ Divulgação)
A investigação da Corregedoria destacou que houve um intervalo de tempo entre a entrada dos policiais no prédio e a comunicação do suposto tiroteio ao comando de policiamento. “Essa discrepância dá em torno de 48 minutos, o que os policiais não souberam explicar e isso está tudo filmado pelo próprio condomínio", explicou Fernandes.
O corregedor também afirma que os policiais não souberam explicar o relato de testemunhas que apontam que houve tiros com intervalo de dez minutos. "Em nenhum momento os policiais afirmam dois tiroteios no local", disse o corregedor.

O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que também investiga o caso, pediu nesta quarta os nomes de todos os policiais que foram ao prédio na Mooca. “São os horários que não batem e o fato de a mochila ter sido apresentada posteriormente. É tudo isso que a gente está apurando”, disse a diretora do DHPP, a delegada Elisabete Sato.
Investigação no DHPP
Segundo a delegada Jamila Jorge Ferrari, do Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), seis dos 11 policiais que estiveram no prédio são investigados. “Inicialmente estão sendo investigados os seis policiais porque são eles que aparecem no boletim como os que atenderam a ocorrência”, justificou a delegada.
O caso foi registrado como "morte decorrente de intervenção policial e roubo". De acordo com o boletim de ocorrência, por volta das 18h, Alex e Ailton invadiram o Edifício Windsor, Avenida Paes de Barros, na Mooca, para roubar. A construção tem 19 andares, com a cobertura.
Os dois suspeitos entraram no condomínio após o porteiro confundi-los com moradores. O zelador questionou a presença deles, que afirmaram estar fazendo a manutenção dos elevadores. Desconfiado, o funcionário foi à portaria, onde acionou a Polícia Militar. Depois, usou um pé de cabra e uma cadeira para travar um dos elevadores.

Policiais militares foram até o local para atender uma ocorrência de roubo. Imagens de câmeras de segurança do prédio gravaram o momento em que os PMs chegaram 25 minutos depois da entrada dos pichadores. Cinco policiais entraram primeiro. Onze minutos depois, mais seis policiais apareceram.

Enquanto isso, os amigos tiravam selfies deles no elevador até descerem no 17º andar. Na versão dada pelos policiais, quatro PMs trocaram tiros com os pichadores num apartamento no 18º andar. Ao perceberem os agentes, a dupla, que estava armada começou a atirar neles. Na cozinha, Alex usava um revólver calibre 38, e no quarto, Ailton portava pistola 380. Um tiro atingiu o braço de um PM.
Os policiais afirmaram que, para se proteger, revidaram os tiros, baleando os suspeitos, que morreram. O DHPP aguarda laudos técnicos do Instituto Médico Legal (IML) e do Instituto de Criminalística (IC) para saber quantos disparos foram feitos e quantas perfurações as vítimas sofreram. A maior parte dos ferimentos foi no tórax.

O entra e sai dos policiais militares no prédio foi constante durante pelo menos uma hora. Horas depois é que o caso foi levado ao conhecimento do 56º Distrito Policial, na Vila Alpina. Como a ocorrência envolvia morte decorrente de ação policial, o DHPP assumiu as investigações.

Peritos apuram se os mortos foram baleados pelas costas. Para isso, estudam os orifícios de saída e entrada das balas.

Quatro pistolas .40, armas usadas pelos policiais, foram apreendidas para análise de balística na Superintendência da Polícia Técnico-Científica. A pistola 380 e o revólver 38, relacionados como sendo de Alex e Ailton, também foram levados para testes. Os resultados ainda não ficaram prontos.

Procurada pela equipe de reportagem para comentar o assunto, a assessoria de imprensa da PM informou nesta manhã que quatro policiais trocaram tiros com os suspeitos no prédio. Ainda, segundo a corporação, outros policiais que foram ao local podem ter participado da ocorrência preservando o local para a perícia.
Prédio (Foto: Reprodução / TV Globo)Prédio onde ocorreram as mortes.
(Foto: Reprodução / TV Globo)
Família diz que foi execução
A tese de que os pichadores foram executados sem confronto também é investigada pelo DHPP. A hipótese ganha coro nos depoimentos que os parentes e amigos das vítimas deram no departamento. Eles negaram que Alex e Ailton, que surgiram como pichadores em Santo André, no ABC, tenham ido armados ao Windsor para roubar. Disseram que os amigos entraram desarmados no prédio para pichar, mas acabaram assassinados por policiais militares.

"Atirou na polícia com que arma? Ele não tinha revólver", afirmou Eliete Prestes dos Santos, 28, mulher de Ailton, que contesta a versão da PM, de que o marido e o amigo dele tinham armas e pretendiam assaltar o condomínio.

Eliete esteve na terça-feira (5) no DHPP para falar com os policiais que investigam o caso. Ela afirma ainda ter encontrado itens na mochila de Aílton que não pertenciam a ele, como um fone de ouvido.

No Facebook, uma prima de Alex postou que o parente "nunca teve uma arma, nunca matou, nem feriu ninguém, todo mundo sabe e é evidente, que o que ele fazia era pichar".

Membros do grupo de pichadores intitulado RGS disseram que, antes da ação policial no edifício, Alex e Ailton tinham mandado mensagens pelo WhatsApp informando que estavam indo pichar o prédio. Investigadores têm gravações de celular de Alex convidando amigos para pichar o prédio.

As selfies tiradas pelos amigos no elevador do Windsor, antes de serem mortos, é considerada prática recorrente entre pichadores após conseguirem invadir um local.

Alex e Aílton eram pichadores há mais de 15 anos e faziam parte do grupo conhecido como Jets, que nasceu no ABC, no fim dos anos 1990. A marca dos Jets é fazer escaladas ou invadir prédios para deixar a sua marca nas alturas. Quanto mais alto o prédio, maior o desafio. Pichação pode ser considerado vandalismo ou crime ambiental. A pena para quem for pego é de até um ano de prisão, mas geralmente a punição é convertida em multa.
Do G1 São Paulo

Comentários


| Mais Acessados na Última Semana |

AFAM: NOVIDADES SOBRE AÇÃO JUDICIAL DA INCORPORAÇÃO DE 100% DO ALE NOS VENCIMENTOS DOS POLICIAIS E BOMBEIROS DE SÃO PAULO

Agora já são em número de 05 as Câmaras de Direito Público a adotar esse entendimento. Novas e recentes decisões do Tribunal de Justiça de São Paulo, em Mandados de Segurança individuais, têm confirmado o entendimento de que a incorporação total do ALE ao Salário-Base (Padrão) é direito de todos os policiais militares. Em Acórdão de 11 de março de 2013, relativo à Apelação/Reexame Necessário nº. 0029083-82.2012.8.26.0053, assim se manifestou a 6 ª. Câmara de Direito Público do TJ/SP: “Assim, no caso do impetrante, policial em atividade, quinquênios, sexta-parte e RETP incidem sobre as vantagens efetivamente incorporadas, dentre as quais, a partir da LC nº 1.114/10, o ALE”.... http://www.afam.com.br/
Veja abaixo todas as novidades:






Com filho no colo, PM de folga reage a assalto e mata ladrões em farmácia; vídeo

Segundo informações em boletim de ocorrência, assaltante chegou a apontar arma para policial que segurava a criança. Dupla não resistiu aos ferimentos e morreu no local.
Um policial militar de folga matou dois ladrões que tentaram assaltar uma farmácia no Jardim Paulista, em Campo Limpo Paulista (SP), na noite de sábado (18). O policial estava na farmácia com a mulher e com o filho pequeno no colo, quando os criminosos – um deles armado – entraram e anunciaram o assalto (veja no vídeo acima). De acordo com o boletim de ocorrência, logo que entrou na farmácia, um dos suspeitos apontou a arma em direção ao policial militar com a criança no colo. Na hora, o PM se identificou, sacou o revólver e deu ordem de prisão para os criminosos. No entanto, o suspeito passou a atirar contra o policial que, mesmo com o filho no colo, revidou os disparos, matando o ladrão armado e também o comparsa – que já havia rendido o gerente da farmácia, ainda segundo o boletim de ocorrência.A perícia técnica f…

Ministro Dias Toffoli recebe ACS e advocacia Pereira Martins no STF

No dia 16/11/2017, o Ministro Dias Toffoli recebeu em seu gabinete no Supremo Tribunal Federal (STF) o vice-presidente e o diretor Jurídico da Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo (ACSPMESP), respectivamente Antonio Carlos do Amaral Duca e Marcelo A. Camargo, acompanhados do Dr. Eliezer Pereira Martinspara despacho que versou sobre o recurso extraordinário com repercussão geral 565089 –indenização pelo não encaminhamento de projeto de Lei de reajuste anual dos vencimentos dos servidores públicos (Tema 19 de repercussão geral – mora do Executivo – Art. 37, X da Constituição Federal). Na oportunidade, argumentou-se com o Ministro a peculiar condição de vulnerabilidade dos agentes públicos que são privados do direito à sindicalização e à greve, a exemplo dos policiais militares, destituídos que são de mecanismos de proteção legal em face de políticas governamentais de omissão em relação à reposição da inflação e os efeitos nefastos da corrosão do pod…

REVOLTA DA ASSOCIAÇÃO DOS CABOS E SOLDADOS DA PMESP COM GOVERNO ALCKMIN

A Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo luta contra uma mentira da Procuradoria Geral do Estado; e, infelizmente, endossada pelo Governador do Estado. Ocorre que a Procuradoria, por meio da suspensão da Tutela Antecipada nº 678 junto ao Supremo Tribunal Federal fez constar em sua petição o valor aproximado de R$ 1,5 bilhão. Em síntese, disse ao Presidente do STF, Exmo. Senhor Ministro Ayres Britto que o custo criaria uma lesão ao erário público, assim, permitiu suprimir verbas alimentares de Policiais Militares. Neste sentido, passamos a conhecer melhor o Governo Geraldo Alckmin.
O Governo do Estado tinha conhecimento que o Policial Militar recebia o recálculo retroativo a novembro de 2010 por intermédio de uma ação judicial; e que nunca se tratou de uma tutela antecipada mas sim, de cumprimento provisório de sentença, iniciado após o Tribunal de Justiça de São Paulo, na 2ª Instância, ter garantido a fórmula correta de cálculo da verba aos Policiais…

Policial civil é encontrada morta dentro de casa e com sinais de violência em Sorocaba

Corpo foi achado em imóvel no Jardim Novo Horizonte, na Zona Norte da cidade. Polícia trata o caso como homicídio, que será investigado. Uma policial civil foi encontrada morta dentro da casa, na manhã desta quinta-feira (16), no bairro Jardim Novo Horizonte, na Zona Norte de Sorocaba (SP). Esmarlei Demétrio da Silva tinha 56 anos, completados na terça-feira (14). Segundo informações da Polícia Civil, o corpo da vítima, que trabalhava no 4º Distrito policial de Sorocaba, foi encontrado com sinais de violência. O caso será tratado pela polícia como homicídio. Não há informações sobre suspeitos e a motivação do crime. Fonte: G1