Pular para o conteúdo principal

Rádio PolicialBR 24 horas com você. Notícias e entretenimento.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Professora apanha ao separar briga de alunos na sala de aula

Estudante registrou agressão com celular durante aula de inglês da 7ª série.
Casos são comuns em escola estadual em Ribeirão Preto (SP), diz docente.


Professora foi agredida com socos ao tentar conter
alunos durante briga dentro da sala de aula
(Foto: Reprodução)
Uma professora foi agredida ao tentar separar dois alunos durante uma briga dentro da sala de aula, na Escola Estadual Professor Walter Paiva, em Ribeirão Preto (SP). O caso ocorreu na última quinta-feira (31), durante uma aula de inglês para estudantes da 7ª série - entre 13 e 14 anos. A educadora registrou um boletim de ocorrência na Polícia Civil, mas os estudantes não sofreram nenhum tipo de advertência ou punição por parte da direção do colégio, segundo outro professor que não quis ser identificado.
A dirigente regional de ensino de Ribeirão Preto, Simone Maria Locca, justificou que nenhuma medida foi tomada porque o caso é recente, mas afirmou que a direção entrou em contato com os pais dos alunos, apesar de um deles ainda não ter sido encontrado. Uma reunião do conselho da escola - formado por professores, funcionários, alunos e a direção da unidade - foi marcada para esta terça-feira (5).
Um aluno que estava no local gravou a agressão com um celular e o vídeo foi enviado por um professor pelo VC no G1. As imagens mostram uma adolescente ofendendo e provocando um garoto, que está sentado na carteira. Ela acerta um soco na cabeça do jovem que se levanta e os dois começam a trocar socos e chutes. A professora grita e pede para que os dois parem, mas como não obtém sucesso, tenta separar a dupla e acaba sendo agredida pela adolescente com socos na cabeça. Os estudantes continuam brigando no chão da sala de aula, até que a docente retorna e consegue separá-los.
Procurada pelo G1, a professora disse que não quer se manifestar sobre o caso. Entretanto, outro educador que trabalha na mesma instituição revelou que os casos de ameaças e agressões contra docentes são comuns na escola. “A gente está passando por um momento difícil de indisciplina, vários problemas internos e a única coisa que a gente pode fazer é registrar a ocorrência no prontuário do aluno. Não existe punição”, reclamou.
O professor revelou ainda que uma supervisora da Diretoria Regional de Ensino de Ribeirão Preto estava dentro do colégio no dia da agressão, mas não tomou nenhuma atitude em relação ao caso. “A única coisa que ela fez foi reunir e conversar com os professores, porque ninguém queria mais descer para as salas de aula, ou seja, estamos sem respaldo nenhum.”
Agressões constantes
O professor contou que também foi agredido por um aluno de 12 anos, ao tentar separar uma briga entre estudantes durante a aula de educação física. O caso aconteceu no dia 13 de maio e também foi registrado na Polícia Civil. Ele relembra que levou o garoto até a sala da direção do colégio, mas chegando no local, o adolescente jogou uma cadeira de madeira contra ele.
“Fiquei machucado na cabeça e com um dos dedos feridos. Quando o professor tenta interferir, quase sempre acaba agredido. Se ele usa de uma força maior, desproporcional, como dizem, aí é ele quem acaba punido, inclusive com processo administrativo. Não sabemos mais a quem recorrer”, afirmou o educador, destacando que também são recorrentes os atos de vandalismo e consumo de drogas dentro do colégio estadual.
"Os professores e inspetores estão de mãos atadas e os bons alunos vivem acuados, com medo, sofrendo nas mãos de uma minoria que não quer estudar e não respeita o direito daqueles que querem. Essas são as condições que nos deparamos todos os dias", desabafou.
Conselho resolverá
Por telefone, a dirigente regional de ensino de Ribeirão Preto, Simone Maria Locca, afirmou que uma reunião do conselho escolar - formado por estudantes, professores, funcionários, pais de alunos e a direção do colégio - foi marcada para esta terça-feira (5), para decidir o que pode ser feito no caso da agressão contra a professora.
"Não dá para tomar uma medida do dia para a noite. Precisa conversar com os pais. Um deles, inclusive, ainda não compareceu à escola. Não é prudente dar suspensão sem se quer que os pais saibam. É preciso consultar o conselho e o regimento", afirmou Simone, destacando que o Conselho Tutelar também foi comunicado.
Ainda de acordo com a dirigente, como punição pelo caso, os alunos podem ser transferidos de sala, de período ou até mesmo de escola, de acordo com a decisão do conselho. Entretanto, os pais precisam ser consultados. "Não podemos simplesmente fechar a porta da escola para os alunos. São medidas tomadas com ponderação. Temos que dar ampla defesa ao aluno, é uma coisa que deve ser discutida com cautela."


Do G1 Ribeirão e Franca

Comentários

| Mais Acessados na Última Semana |

Usar arma de uso restrito com porte ilegal agora é crime hediondo

Aprovada urgência para projeto que torna crime hediondo o porte ilegal de armas de uso restrito O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 332 votos a 7 e 2 abstenções, o regime de urgência para o Projeto de Lei 3376/15, do Senado, que torna crime hediondo a posse ou o porte ilegal de arma de fogo de uso restrito das forças policiais e militares. Após a votação, a sessão ordinária foi encerrada. Projeto de Lei do Senado nº 230, de 2014, de autoria do Senador Marcelo Crivella, constante dos autógrafos em anexo, que “Altera a Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o crime de posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito no rol dos crimes hediondos”. A Lei 8.072/90 define como hediondos os crimes de homicídio praticado por grupo de extermínio; homicídio qualificado; latrocínio; genocídio; extorsão qualificada por morte; extorsão mediante sequestro; estupro; disseminação de epidemia que provoque morte; falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto …

Policiais e bombeiros militares não sabem a força que tem

Deputado Federal Capitão Augusto orienta os militares de São Paulo sobre a força política da classe
Por mais que façamos aqui pela Câmara dos Deputados, aprovando projetos dando mais direitos e garantias aos policiais e não deixando ser aprovado nenhum projeto que os prejudique, a grande reivindicação que recebo dos policiais refere-se a questão do aumento salarial.
Infelizmente Deputados não podem apresentar projetos que gerem despesas para o executivo, então está fora de nossa competência atender essa solicitação, o que nos resta é cobrar (e muito) do governador e fazer articulação para que ele conceda o tão esperado aumento salarial.
Hoje temos força política para eleger representantes para Assembleia Legislativa, Câmara dos Deputados e para todos cargos nas eleições municipais. Está na hora de influenciarmos as eleições para Governador e Senador, um que reconheça nosso valor, ou ficaremos fadados a apenas reclamar nos bastidores.
Nós podemos muito mais que isso! Somos quase 150.000 po…

Deputado capitão Augusto requer moção de repúdio contra Secretário de Segurança Pública e Governador de São Paulo Geraldo Alckmin

DEPUTADO CAPITÃO AUGUSTO REQUER MOÇÃO DE REPÚDIO CONTRA O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO E CONTRA O GOVERNADOR POR TANTO DESRESPEITO ÀS LEIS E AOS POLICIAIS MILITARES DE SÃO PAULO
O Deputado Capitão Augusto entrou hoje, 10, com dois Requerimentos de Moção de Repúdio contra o Secretário de Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, e contra o Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, por desrespeitar as leis e aos policiais militares. Essas moções fazem parte de uma série de medidas que o parlamentar está adotando para tornar público as medidas descabíveis desse governo contra os policiais militares e a segurança pública do país, e para que entendam que tudo tem um limite. A categoria não vai tolerar mais tanto descaso e desrespeito. O Deputado estará revelando ao país e ao mundo que Alckmin não serve para governar o país, deve ser ignorado e descartado como candidato à Presidência da República. CAPITÃO AUGUSTO conclama os militares e familiares a somarem esforços para…

Aprovado PL que da poder de polícia administrativa às polícias e bombeiros militares do Brasil

O poder de polícia administrativa trás condições das polícia militares e bombeiros atuarem de forma efetiva em eventos, estabelecimentos comerciais e outros. Autor: Capitão Augusto - PR/SPData da apresentação:  04/02/2015 Ementa: Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Polícia de Preservação da Ordem Pública, e dá outras ...Leia integra do PL 196/2015Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Pol…

Qual a responsabilidade que a sociedade civil possui na segurança pública?

Policiais militares foram assassinados por criminosos neste fim de semana; secretário de Segurança do Rio pediu mudanças no sistema judiciário Neste final de semana dois Policiais Militares foram assassinados no Rio de Janeiro: a Cabo PM Elisângela Bessa Cordeiro, com um tiro na cabeça disparado por um menor, e o Soldado PM Samir da Silva Oliveira, com um tiro no pescoço disparado por um fuzil de combate.
Qual é a pena para o menor assassino da PM ? Em média oito meses. Qual é a pena para quem porta um fuzil? Três anos. Como se isso já não fosse suficientemente patético, nossa legislação acrescenta o insulto à injuria ao prever a concessão do beneficio da progressão de pena, fazendo com que o criminoso cumpra apenas 1/6 da pena, ou seja, o guerrilheiro urbano que porta uma arma de uso restrito do Exército, pode estar solto em seis meses.
Quem é o responsável por essa baderna? Você que está lendo este artigo e eu que o escrevi. Somos nós que consistentemente fazemos o mesmo erro de ele…