Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Procuradoria geral vai decidir se PMs do caso Cláudia irão a Júri

MP recomendou que o caso seja julgado apenas pela Justiça Militar.
Juiz discordou do parecer e encaminhou o caso para o procurador-geral.


Cláudia Silva Ferreira foi atingida por bala perdida no Morro da Congonha, em Madureira, no Rio (Foto: Mariucha Machado/G1)Cláudia Silva Ferreira foi atingida por bala perdida no Morro da Congonha, em Madureira, no Rio, e depois foi arrastado pelo carro da PM que a conduziria a um hospital (Foto: Mariucha Machado/G1)
Caberá à Procuradoria Geral de Justiça decidir se os seis policiais militares envolvidos na morte Cláudia Silva Ferreira serão julgados ou não pela Justiça comum. A auxiliar de serviços gerais foi arrastada por um carro da PM depois de ser baleada em operação policial no Morro da Congonha, em Madureira, Zona Norte do Rio.

De acordo com o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ), o Ministério Público emitiu parecer considerando que o caso deve ser encaminhado à Auditoria da Justiça Militar. Para o MP, o crime cometido pelos policiais seria equivalente a uma falha no trabalho, e não um crime contra a vida. Por isso, entendeu que não é competência do Tribunal do Júri julgar o caso.
Por sua vez, o juiz do Terceiro Tribunal do Júri, Murilo Kieling, se mostrou contrário ao posicionamento do MP. Segundo o TJRJ, o magistrado argumentou que o afastamento da competência do Tribunal do Júri só pode se dar quando a prova for indiscutível. Para o magistrado, o caso deve sim ser julgado pela Justiça comum e, por isso, encaminhou, na sexta-feira (8), o processo ao procurador-geral, que irá definir o andamento do processo.

Em liberdade e trabalhando
Os seis policiais foram presos em flagrante e cumpriram prisão temporária. Depois de ganharem a liberdade, todos voltaram a trabalhar na PM, porém, em atividades internas e administrativas.
Alexandre Fernandes da Silva, viúvo de Cláudia Ferreira da Silva, se diz inconformado com a perda. (Foto: Mariúcha Machado / G1). (Foto: Mariúcha Machado / G1)
Ao G1, o viúvo de Cláudia, Alexandre Fernandes da Silva disse, em abril, ter medo de vingança. "Se a gente já tinha medo de ficar andando por lá depois do que aconteceu, agora muito mais. Não sei o que esses caras podem fazer soltos. Só sei que para lá eu não volto", falou Alexandre ao saber que os PMs haviam sido soltos. "É um sentimento de impunidade. Eles podem matar, fazer o que for, que não são punidos", desabafou à época. Ele foi para outra comunidade, em local não revelado.

Em abril, quando os policiais retornaram ao trabalho, a PM informou que Rodney Archanjo, Adir Machado e Alex Sandro Alves – que estavam no carro que arrastou Cláudia – e Gustavo Meirelles – que participou da operação na Congonha – continuaram trabalhando no 9º BPM (Rocha Miranda). Já Ricardo Boaventura e Zaqueu Bueno foram transferidos para o 3º BPM (Méier) e 41º BPM (Irajá), respectivamente. Eles também participaram da operação, mas não estavam no carro que arrastou a moradora.
Policiais somam 16 homicídios
Dois dos três policiais militares que foram presos por terem Claudia, de 38 anos, possuem registros de homicídio decorrente de intervenção policial. A informação foi divulgada pela Polícia Civil. O subtenente Adir Serrano Machado consta como autor em 13 homicídios, já o subtenente Rodney Miguel Archanjo possui três registros de homicídio e o sargento Alex Sandro da Silva Alves não possui nenhum registro como autor.
Entenda o caso
A Polícia Militar realizou uma operação no Morro da Congonha no fim de março. Segundo a PM, na chegada dos policiais houve troca de tiros. Os moradores negam que tenha ocorrido confronto com supostos traficantes. Cláudia foi baleada por volta das 8h, quase três horas depois da chegada dos policiais na favela, enquanto andava para comprar pão.
Cláudia Ferreira foi colocada dentro do carro da PM na Rua Joana Resende, no alto do morro da Congonha. A viatura seguiu até o Hospital Estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes, num percurso de nove quilômetros, que podia ser feito, em média, em cerca de 13 minutos.
O vídeo de um cinegrafista amador mostrou o momento em que o carro da PM seguia pela Estrada Intendente Magalhães. A porta traseira estava aberta e Cláudia foi arrastada no asfalto por 350 metros. Os PM param e ela foi jogada de volta no porta-malas.
Do G1 Rio

Comentários


| Mais Acessados na Última Semana |

Justiça Militar manda PM reintegrar cabo acusado de matar atriz durante blitz em Presidente Prudente

Decisão publicada nesta quarta-feira (18) atende a um pedido de tutela de urgência feito pela defesa. Marcelo Aparecido Domingos Coelho foi demitido da corporação em abril de 2015. oi publicada nesta quarta-feira (18) no Diário da Justiça Militar a decisão do juiz substituto da 2ª Auditoria do Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo (TJM-SP), Marcos Fernando Theodoro Pinheiro, que determina a imediata reintegração de Marcelo Aparecido Domingos Coelho aos quadros da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Em abril de 2015, o então cabo da PM foi demitido pela corporação, após ser acusado no processo que envolveu a morte da atriz e produtora cultural Luana Barbosa durante uma blitz policial na Avenida Joaquim Constantino, na Vila Formosa, em Presidente Prudente.
O juiz levou em consideração a absolvição que Coelho obteve na Justiça Militar, sob o argumento de “legítima defesa” e do “estrito cumprimento do dever legal”, o que, segundo o magistrado, de certa forma, contradiz c…

Policial civil morto em mega-assalto a empresa de valores é enterrado

Vítima foi morta a tiros durante ação dos criminosos que explodiram sede da Protege em Araçatuba (SP). Policial estava de folga. O corpo do policial civil André Luís Ferro da Silva, morto durante o mega-assalto a empresa Protege em Araçatuba (SP) nesta segunda-feira (16), foi enterrado na manhã desta terça-feira (17) em um cemitério particular da cidade. Ferro tinha 37 anos e foi baleado durante a ação. Ele foi socorrido com vida, mas morreu durante atendimento na Santa Casa. Silva era investigador e integrante do Grupo de Operações Especiais (GOE), e deixou filhos e a esposa.
O velório da vítima foi feito em um salão de uma funerária em Araçatuba e, do local, o caixão seguiu em um caminhão do Corpo de Bombeiros em cortejo com viaturas das polícias Militar e Civil até o cemitério. Segundo a Polícia Militar, o policial civil estava de folga do serviço e foi ao local para ver o que acontecia após ser chamado pelos pais, que moram perto da sede da Protege.
O grupo criminoso, cerca de 40 la…

Mais de 1 milhão de votos foram validados no Prêmio Congresso em Foco. Deputado Capitão Augusto esta entre os melhores de 2017.

Um dos três filtros desta décima edição do Prêmio Congresso em Foco 2017, a consulta popular na internet para a escolha dos melhores deputados e senadores do ano teve 1.034.683 votos validados, distribuídos por 130.113 pessoas, entre 1º e 30 de setembro. Os participantes da votação digital podem ter certeza de uma coisa: poucas consultas feitas pela internet são tão bem monitoradas quanto esta. Os vencedores serão conhecidos na próxima quinta-feira (19), na festa de premiação, a ser realizada no Unique Palace, a partir das 20 horas.
Desta vez, foi adotado o sistema de votação desenvolvido pela mais conceituada empresa de software de pesquisas do mundo, a Survey Monkey,  companhia norte-americana reconhecida mundialmente por sua capacidade de processamento e segurança de dados, e também pela auditoria realizada diariamente em cada um dos votos recebidos. Esses votos passam inicialmente pela checagem e filtragem dos seus números de Internet Protocol – o famoso IP, número pelo qual o di…

PL 920: uma bomba atômica no funcionalismo público que Alckmin quer ver aprovado a todo custo.

O governador Geraldo Alckmin protocolou na quinta-feira, 5/10, o Projeto de Lei 920/2017, que representa uma verdadeira bomba atômica no Estado de São Paulo, sobretudo um verdadeiro ataque aos servidores estaduais e à prestação de serviços públicos. Publicado no Diário Oficial já no dia seguinte, o PL formaliza a renegociação da dívida de São Paulo com a União, ampliando o prazo de pagamento.
            Em contrapartida, o Estado se compromete a cumprir as exigências do governo federal, que impõe um verdadeiro arrocho salarial sobre os servidores públicos. Essa cruel punição aos servidores foi aprovada no ano passado pelo Congresso Nacional. Seu embrião foi o PLP 257, apresentado pela presidente Dilma, que depois foi maquiado pelo governo Temer e transformado na Lei Complementar federal 156/2016.
            Se o PL 920 for aprovado – e espero que não seja –, haverá um congelamento não só de salários, mas também da evolução funcional de todos os servidores estaduais, ficando suspens…

Alckmin propõe reajuste de 7% para policiais

ATENÇÃO- ATENÇÃO ESTA NOTÍCIA É DO ANO DE 2013 E ESTA CIRCULANDO NAS REDES SOCIAIS COMO SENDO ATUAL

O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta sexta-feira, 13, o envio à Assembleia Legislativa de um projeto de lei que concede aumento salarial de 7% para os membros da Polícia Militar, da Polícia Civil e da Polícia Técnico-Científica. O reajuste também será estendido aos agentes penitenciários. Aposentados e pensionistas das quatro categorias também terão o mesmo benefício. No total, serão beneficiados 172 mil policiais militares, 53 mil policiais civis e 33 mil agentes penitenciários. O custo para o Tesouro do Estado será de R$ 983 milhões por ano. Esta é a terceira vez que o governador Alckmin concede aumento salarial acima da inflação do período. Desde o último reajuste, o índice oficial de inflação acumulada é 5,66%. Em outubro de 2011, os policiais tiveram 15% de aumento retroativo a julho de 2011. Em agosto de 2012, o aumento foi de 11%. Com a nova proposta, o reajus…