Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Polícia avalia vídeo do suspeito de matar menina: 'Não é contundente'

Imagens ajudam investigação, mas não são 'esclarecedoras', diz delegado.
Força-tarefa da polícia inclui mais 3 crimes em lista de casos apurados.


Imagens mostram menina antes de ser morta e suspeito fugindo (Foto: Divulgação/Polícia Civil)
A Polícia Civil está analisando o vídeo em que aparece imagens do homem suspeito de matar a estudante Ana Lídia Gomes, de 14 anos, no último sábado (2), em um ponto de ônibus no Setor Conjunto Morada Nova, em Goiânia. Para o superintente da Polícia Judiciária da Polícia Civil de Goiás, delegado Deusny Aparecido, o material é importante e auxilia na busca pelo suspeito. Porém, salienta que ainda é prematuro tirar conclusões sobre o caso somente a partir dessa prova.
"Infelizmente, apesar de nos ajudar, nos balizar para ver uma posição de fuga, que tipo de moto, o perfil, enfim, não é contundente. Não é uma imagem que possa ser esclarecedora. Depende de vários trabalhos em cima dessa imagem para poder surtir o efeito que a gente precisa", afirmou.
A família da garota acredita que a morte dela está ligada à série de homicídios envolvendo mulheres na capital. Já a polícia diz não acreditar que um assassino em série esteja cometendo os crimes, mas não descarta a possibilidade.
A força-tarefa formada por 16 delegados 30 agentes e dez escrivães responsáveis por investigar a morte de Ana Lídia e outros 11 homicídios contra mulheres em Goiânia que ocorreram de forma semelhante, ficou reunido durante toda à tarde desta terça-feira (5).
Após a reunião, a polícia anunciou que vai incluir na lista de investigações outros três casos: o de duas mulheres que sobreviveram a uma tentativa de homicídio, também praticada por um motoqueiro, e o de um homem, morto em uma situação similar a das outras mulheres.
Vídeo
As imagens que mostram o suspeito de matar a adolescente foram registradas por câmeras de segurança. A vítima aparece caminhando em direção ao ponto de ônibus. Em seguida, o motociclista é visto trafegando no mesmo sentido que a estudante.  Minutos após o crime, o homem passa no sentido oposto à parada de ônibus.
O crime ocorreu quando a garota aguardava o ônibus para se encontrar com a mãe na Feira da Lua, no Setor Oeste. Segundo a Polícia Civil, o suspeito passou pelo local e efetuou três disparos na direção da vítima. Dois dos tiros atingiram o peito da menina, que morreu na hora. O suspeito fugiu logo após o crime sem levar nenhum pertence da vítima.
Ana Lídia Gomes, 14, foi baleada e morta em ponto de ônibus (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)Ana Lídia Gomes foi morta em ponto de ônibus
(Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
A família da estudante acredita que a adolescente foi mais uma das vítimas de um suposto "serial killer", expressão usada para assassinos em série, que está assustando a população de Goiânia. De acordo com os parentes, Ana Lídia não tinha nenhuma inimizade ou envolvimento com drogas. “A gente se pergunta: por que ela? Nós não entendemos o porquê”, lamenta a avó de criação da menina, Ivone de Sousa, de 54 anos.
Série de crimes
A família da estudante acredita que todos os crimes cometidos nos últimos meses contra jovens em Goiânia estejam interligados. “Não é coincidência. Até quando vão falar que não é [um assassino em série]?”, questiona a avó. O assassinato da menor aumentou a desconfiança em relação a um assassino em série devido as semelhanças dos crimes. O suspeito chega de moto, saca a arma, dispara contra a vítima e foge sem levar nada.
Após a morte de Ana Lídia, diversas pessoas passaram a comentar sobre o assunto nas redes sociais e a pedir que as autoridades se mobilizem. Em diversos perfis, internautas colocaram fotos com símbolos e frases de luto, cobrando respostas nos casos ainda em aberto e também maior segurança na capital.
Desde maio, quando surgiu a informação de que existe um "serial killer" na capital, a Polícia Civil tratava o caso como um boato. No último domingo (3), a corporação voltou a afirmar que não crê na possibilidade de que um assassino em série esteja agindo em Goiânia, mas revelou, pela primeira vez, que não descarta a hipótese.
Investigações
Segundo informações da Polícia Civil, 12 crimes contra jovens mulheres tiveram dinâmica semelhante: o suspeito chega de moto, saca a arma, dispara contra a vítima e foge sem levar nada. Porém, de acordo com o delegado titular da Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH), Murilo Polatti, as investigações apontam que as motocicletas usadas são de marcas e cilindradas diferentes, além das descrições físicas dos suspeitos não serem as mesmas.
O delegado explica que algumas das investigações indicam crimes passionais e outras apontam envolvimento das vítimas com consumo e tráfico de drogas, mas também não dá detalhes para não comprometer os inquéritos. “Nós não descartamos também que autores venham utilizando esse modo de agir inclusive para desviar a investigação. Dessa forma, seja por crime passional ou envolvimento com tráfico esse crime vai recair para o suposto maníaco”, diz.
A Polícia Civil de Goiás anunciou que delegados do interior do estado vão reforçar a investigação de crimes em Goiânia. O objetivo é acelerar os inquéritos, dentre eles 29 casos de homicídios contra mulheres que ocorreram deste janeiro deste ano na capital. Não há previsão para quantos ou quando os delegados do interior começarão a trabalhar nos casos. Mais de 500 policiais militares também passaram a reforçar o policiamento na capital na segunda-feira (4).
Do G1 GO,

Comentários

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …