Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

No AP, policial diz que Batalhão autorizou morte de cão em via pública

Policial foi flagrado executando cão a tiros no município de Amapá. 
TV Amapá entrevistou sargento por telefone na quinta-feira, 21.



A repercussão nas redes sociais de um vídeo que mostra um sargento da Polícia Militar, executando com dois tiros um cachorro, resultou na abertura de processo administrativo contra o policial que atua no município de Amapá, a 302 quilômetros de Macapá. Por telefone, o sargento que preferiu não se identificar, contou à TV Amapá que matou o animal por ordem do comando do Batalhão do município, em função de constantes ataques do animal.
O policial acrescentou que no município não há “carrocinha” e nem controle de zoonoses, e que havia solicitado ao pai da dona do cão que o prendesse. Nas imagens, o sargento aparece se mantendo distante do animal enquanto carrega com munição a arma utilizada para os disparos. Ele se aproxima do cachorro e o mata com dois tiros. O ato é assistido por várias crianças e moradores do local.
A abertura do processo administrativo foi feita pela Corregedoria da PM em Macapá, determinando que a investigação aconteça na própria cidade. O vídeo foi postado na rede em 19 de agosto, e em dois dias teve mais de 650 compartilhamentos de internautas revoltados com o caso.
O fato também está sendo acompanhado pela Comissão Especial de Direitos de Defesa e Proteção dos Animais, vinculada à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).
O presidente da comissão Edmir Almeida argumentou que não havia motivos para a violência aplicada pelo oficial, tendo em vista que no momento dos tiros o animal não aparentava agressividade.
“Tudo tem que ser bem apurado, pois várias versões foram apresentadas e em uma delas contam que o cão mordeu uma criança, mas mesmo assim não havia necessidade dessa ação agressiva”, acrescenta Almeida.
Membros da comissão vão se deslocar até o município, além disso, apontam que pelo menos dois crimes foram cometidos pelo sargento. “O fato de usar uma arma de fogo no meio de pessoas, ainda mais de crianças configura uma irregularidade. Além disso a morte do cão é crime ambiental contra animal doméstico”, destaca o presidente, acrescentando que a pena prevista para o delito é de até um ano e quatro meses de cadeia.
A advogada Tânia Ciuff, que integra a ONG Força Animal, junto com outras instituições que atuam em defesa de animais iniciou uma mobilização para cobrar punição para o crime. “Vamos esperar o andamento judicial do caso para nos mobilizarmos contra atitudes covardes como essa”, disse.
As ONGs buscam para o caso a mesma repercussão que teve o assassinato do cão ‘Luiz’, morto com um golpe de facão dado por um vizinho dos donos do animal, o fato ocorreu em 13 de abril de 2013, na Zona Norte de Macapá. O suspeito foi detido e responde em liberdade pelo caso. Este foi o primeiro caso de maus-tratos a animais domésticos julgado no Amapá.
Do G1 AP

Comentários

  1. ORDEM ABSURDA NÃO SE CUMPRE. Estamos presenciando situações parecidas como esta no Mundo inteiro, e o pior, dentro de Zoológicos; Não se aplica a autoridade Policial quando não há ameaça... Precipitou-se o Sargento e o comando da Polícia Militar. (um exemplo - como na minha cidade não tem assistência social, auxílio à moradores de rua, operadores sociais e locais apropriados para receber "MENDIGOS", vamos prender os mais calmos e matar os violentos - que pode por em risco a sociedade do bem)... Impossível de acreditar que estamos em 2014. Parabéns a reportagem - Marcão/São Vicente-SP

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …