Pular para o conteúdo principal

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Miriam Leitão relata torturas sofridas durante a ditadura militar

Ao portal 'Observatório da Imprensa', jornalista contou detalhes da prisão.
Grávida do primeiro filho, foi deixada nua junto a cobra em quarto escuro.


Miriam Leitão em sua ficha  (Foto: Matheus Leitão / Arquivo Pessoal)Míriam Leitão em sua ficha (Foto: Matheus Leitão/Arquivo Pessoal)
Mais de 40 anos se passaram e a jornalista Miriam Leitão ainda aguarda um pedido de desculpas das Forças Armadas. No final de 1972, grávida, ela foi presa pelo regime militar. Levada ao quartel do 38º Batalhão de Infantaria do Exército, em Vitória, no Espírito Santo, foi trancada nua e grávida em um cômodo, tendo uma cobra como companhia e ameaça. Em dois meses de prisão, chegou aos 39 quilos, 11 a menos do que quando chegou. Em depoimento ao jornalista Luiz Cláudio Cunha, publicado nesta terça-feira (19) no "Observatório da Imprensa", ela revela os detalhes do que sofreu no cárcere.
Miriam conta que Luiz Cláudio a vinha tentando convencer a contar sua história para o público, mas ela resistia. "Nunca achei que minha história fosse importante, não quis tornar público detalhes, outros brasileiros sofreram mais que eu, muitos perderam a vida. Minha história ficou apenas no primeiro capítulo diante do que aconteceu com outras pessoas", disse ao G1.
É desse ato de reconhecimento do erro que nasce a certeza de que o erro não vai ser repetido"
Miriam Leitão
Mas, segundo disse, sem mágoas ou ódio, nem nunca ter pedido indenização nem querer isso, decidiu contar, mesmo não achando seu caso relevante dentro do contexto das perseguições políticas.
"Acho que fundamental do ponto de vista institucional as Forças Armadas pedirem desculpas ao país pelos erros que cometeram, porque assim foi em outros países. Assim se começa uma nova história. Hoje, alunos de colégios militares estudam em livros com narrativas que não correspondem aos fatos. É desse ato de reconhecimento do erro que nasce a certeza de que o erro não vai ser repetido", declarou.
Apesar do impacto do novo relato, a jornalista ressalta que o depoimento ao 'Observatório da Imprensa' não foi a primeira vez em que denúnciou a tortura sofrida e os requintes de crueldade, como o uso de animais para aterrorizar os presos, foi em 1973. "A primeira vez que falei essas coisas publicamente foi em 1973 diante do Tribunal Militar. Está no processo que me julgava, a cobra, os cachorros. Colocaram de forma reduzida, mas falei isso em 1973", explicou a jornalista, que na época foi processada com base na Lei de Segurança Nacional.
Seu companheiro à época, Marcello Neto, preso juntamente com ela, passou nove meses presos em uma solitária.
A jornalista disse que falando sobre o caso quer contribuir "um grãozinho que seja" para o reconhecimento de erros cometidos pelo estado durante a ditadura:
"Decidi comigo mesma e minha consciência e estou tranquila com isso. Sei que estou me expondo, é uma história dolorosa, mesmo sabendo que foi menor, comparando com a de outras pessoas. Tenho cicatrizes, mas não me arrependo de ter dado esse depoimento. Não tenho mágoa nem ódio, só gostaria que minha palavra ajudasse num esforço nacional para que reconheçam o erro".
Segundo Míriam, as Forças Armadas recentemente fizeram um documento "desrespeitoso à nossa inteligência e à nossa memória".
"Afirmaram que não houve desvio de função dentro das instituições militares e nós sabemos quantos foram torturados e mortos dentro das instituições militares. Hoje as Forças Armadas prestam um serviço maravilhoso ao país em várias áreas. Mas é preciso romper com esse passado, e reconhecer o erro para o próprio bem das Forças Armadas", completou.
Dr. Pablo
No texto de Luiz Cláudio, são relatadas as torturas sofridas, entre agressões e ameaças, a vulnerabilidade da nudez, o terror do inimigo invisível na forma de uma cobra no escuro. Luiz Cláudio diz no texto que "é muito provável que um dos seus algozes tenha sido Paulo Malhães, o coronel do Exército morto meses atrás, depois de revelar atrocidades perpetradas contra seres humanos indefesos que ele e seus comparsas torturaram e mataram".
Míriam diz que não pode afirmar que o Dr. Pablo, o homem que chefiava os algozes e que levou a cobra até a sala onde ela estava presa, seja de fato Malhães, embora os indícios sejam muitos. Segundo explicou, o homem de cabelos pretos era chamado por todos de Dr. Pablo, ao mesmo tempo em que era sabido que Malhães usava o codinome de Dr. Pablo e que tinha também o hábito de usar uma cobra na tortura aos presos. Mas Miríam diz que quando viu Malhães mais recentemente não pode garantir que era a mesma pessoa que a torturou. Mas para ela, segundo disse, não é isso que importa:
"Tenho 61 anos, 4 netos, estou ativa e saudável, mas sei que estou na parte final da vida, e quero que o Brasil nunca mais cometa isso. A democracia não está ameaçada, mas as instituições têm que fazer seu papel. As Forças Armadas têm que reconhecer o erro", ressaltou.
Do G1 Rio

Comentários

| Mais Acessados na Última Semana |

ROTA invade tribunal e resgata ex-presidiário

Sim, o título acima está correto. Numa incrível operação relâmpago, PMs de ROTA impedem que tribunal do crime assassine um ex-presidiário

A ROTA está nas ruas 24 horas por dia, todos os dias, o ano inteiro. Seu efetivo é dividido em três Companhias: Noturna, Matutina e Vespertina. Esta matéria relata uma incrível ocorrência de resgate conduzida pelo Pelotão do Tenente PM Soares, que patrulhava a Zona Leste de São Paulo às 21:40 nesta segunda-feira, dia 14. “O despacho do Policiamento de Choque do COPOM nos informou que uma pessoa estava sendo torturada na favela Eliane, numa casa com detalhes verdes no seu portão, localizada na rua Esperança. Pelas particularidades que nos foram relatadas, estava claro que a ocorrência envolvia a ação de um ‘tribunal do crime’ provavelmente comandado pelo PCC. Imediatamente acionei meu Pelotão”, relata o Tenente de ROTA Soares. O nome dessa rua, 'Esperança', não podia ser menos adequado em função do cenário que os PMs iriam encontrar em poucos…

Para "comemorar aniversário", PCC planeja matar juiz, procurador, delegado e agentes

dia 31 de agosto, data em que a facção criminosa faz aniversário de 24 anos. O PCC (Primeiro Comando da Capital) planeja matar um juiz federal, um procurador da República, um delegado federal e pelo menos quatro agentes penitenciários de Porto Velho (RO) até o
A maior facção criminosa do país já matou três agentes penitenciários federais, entre setembro de 2016 e maio deste ano, de acordo com investigações da PF (Polícia Federal). Para executar os atentados, o PCC criou células de inteligência que, entre outras ações, monitoram a rotina dos agentes públicos escolhidos como alvos.
A informação sobre a possibilidade de novos assassinatos consta em ofício assinado pelo diretor do presídio federal de Porto Velho, Cristiano Tavares Torquato, a cujo conteúdo o UOL teve acesso com exclusividade. O documento foi encaminhado no último dia 17 de agosto ao superintendente regional da Polícia Federal de Rondônia, Araquém Alencar Tavares de Lima. A reportagem confirmou a veracidad…

Polícia Civil decide hoje se cruza os braços a partir de amanhã

Executivo local reforça que, neste ano, não tem dinheiro para pagar o reajuste salarial pleiteado pelos agentes.Policiais civis podem entrar em greve ou interromper serviços essenciais para a população a partir de amanhã. Em uma assembleia com indicativo de greve, marcada para as 14h de hoje, a categoria deve decidir o que fazer para pressionar o governo a conceder o reajuste salarial pleiteado desde o ano passado. Eles reivindicam a manutenção da paridade salarial com a Polícia Federal, que conseguiu reajuste de 37% parcelado em três anos.

Na semana passada, policiais civis se reuniram com o chefe da Casa Civil, secretário Sérgio Sampaio; a secretária de Planejamento, Orçamento e Gestão, Leany Lemos; o secretário interino de Fazenda, Wilson de Paula, além dos deputados distritais e agentes da Polícia Civil Wellington Luiz (PMDB) e Claudio Abrantes (sem partido) e o deputado federal Roney Nemer (PP-DF). O deputado distrital Wasny de Roure mandou representante.
Durante o encontro, o Exec…

Vaccarezza é preso em nova fase da Operação Lava Jato em São Paulo

Ex-deputado, que deixou o PT, foi líder dos governos Lula e Dilma. Segundo o MPF, ele recebeu a maior parte de um total de propina que soma US$ 500 mil. O ex-líder dos governos Lula e Dilma na Câmara dos Deputados Cândido Vaccarezza, que deixou o PT, foi preso nesta sexta-feira (18) em São Paulo. Ele é alvo da Operação Abate, uma das duas novas fases da Operação Lava Jato deflagradas nesta manhã. A prisão é temporária, válida por cinco dias. Por volta das 9h, Vaccarezza estava em casa sob custódia da PF. Ele deve seguir para Curitiba ainda nesta sexta. O G1 tenta contato com a defesa do ex-deputado, com PT e com as empresas citadas. Principais pontos das investigações Ações apuram o favorecimento de empresas estrangeiras em contratos com Petrobras. Operação Abate investiga fraudes no fornecimento de asfalto para a Petrobras por uma empresa norte-americana, entre 2010 e 2013. Funcionários da Petrobras, o PT e, principalmente, Cândido Vaccarezza teriam recebido propinas que somam US$ 5…

PM morre ao ser atingido por caminhonete e motorista alega ter comido bombom de licor em SP

Acidente ocorre na Rodovia Rio-Santos, em Bertioga, litoral paulista. Um policial militar aposentado morreu ao ser atingido por um veículo na Rodovia Rio-Santos, em Bertioga, no litoral de São Paulo, na noite de quarta-feira (17).  A vítima estava em uma motocicleta, que foi lançada para um matagal após a colisão. O acidente ocorreu no Km 206, segundo informações da Polícia Militar Rodoviária (PMR). O motociclista foi atingido por uma caminhonete, que seguia em sentido contrário. Ele foi lançado para as margens da rodovia e ficou gravemente ferido com o impacto.
Adilson Gonçalves Souza Cardoso, de 49 anos, foi socorrido às pressas para o Pronto-Socorro de Bertioga, mas morreu ao dar entrada na emergência da unidade de saúde. O condutor do carro que o atingiu, um homem de 36 anos, permaneceu no local do acidente após o ocorrido. Testemunhas disseram à polícia que flagraram o motorista realizando ultrapassagens na pista antes do acidente. Na caminhonete, os agentes localizaram garrafas e …