Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Médico diz ter dado até R$ 200 mil para irmã e filha de Abdelmassih

Ruy Antônio e advogado negam, porém, envio de dinheiro a ex-médico. 
Pediatra é suspeito de integrar rede de ajuda a condenado no Paraguai.


O médico pediatra Ruy Marco Antônio, ex-dono do Hospital São Luiz em São Paulo, negou na manhã desta segunda-feira (25) que tenha enviado dinheiro diretamente ao seu amigo Roger Abdelmassih enquanto ele esteve foragido por três anos no Paraguai.
Por intermédito do advogado Paulo Esteves, o pediatra afirmou que há um ano deu até R$ 200 mil para a irmã e para a filha do ex-médico por amizade, já que as duas estavam passando dificuldades financeiras.
Na terça-feira (19), o ex-médico Roger Abdelmassih foi preso no Paraguai. Ele foi condenado a 278 anos por atacar sexualmente 37 ex-pacientes no Brasil. Agora, ele cumpre a pena pelos estupros, consumados ou não, em Tremembé, no interior paulista.
No domingo (24), reportagem do Fantástico mostrou que Ruy Marco Antônio é investigado pela polícia porque teria colaborado financeiramente com Abdelmassih. Ele e mais pessoas são suspeitos de integrar uma rede de favorecimento ao condenado.
Por telefone, o pediatra Ruy Marco Antônio negou ao G1 as acusações de que estaria dando dinheiro a Abdelmassih, que é seu amigo. “É óbvio [que eu nego], né?!”, disse o médico.

Ao ser questionado se é inocente, Marco Antônio reafirmou que “é um absurdo [a informação de que estaria repassando dinheiro a Roger]”.

Em seguida, o pediatra afirmou que retornaria a ligação dentro de uma hora e meia para conversar “com mais detalhes”. Ao ligar novamente, passou o telefone para seu advogado, Paulo Esteves, que alegou que seu cliente deu dinheiro para uma irmã e para uma filha natural de Abelmassih porque elas estavam com dificuldades e em consideração à relação de amizade com o ex-médico. Marco Antônio acompanhou a entrevista ao lado do defensor.
“R$ 100 mil a R$ 200 mil”, respondeu Esteves ao ser questionado pela equipe de reportagem se Marco Antônio se lembrava quanto dinheiro deu a irmã e a filha de Abelmassih. O defensor não divulgou os nomes delas.
Questionado quando foi essa ajuda, o advogado falou ter sido “há um ano atrás” e que não sabia quanto cada uma recebeu. "Precisamente eu não posso dizer. Ajudou as duas”, disse o advogado, que informou que a filha de Abdelmassih estava grávida à época.
De acordo com o defensor de Ruy Marco Antônio, o médico não deu dinheiro a Abdelmassih, não falou com ele e nem sabia de seu paradeiro. "Se ele [pediatra] deu dinheiro, ele não deu [de forma] que pudesse caracterizar um ilícito", disse Esteves.
“Doutor Marco Antônio é um homem de bem. Estão querendo transmitir a ideia indevida que ele teria praticado qualquer ilícito, tipificando que ele faria parte de quadrilha ou de rede, que pudesse estar praticando um ilícito, coisa que não ocorreu”, disse o advogado.
“Essa investigação que estão fazendo, ela não apura e não apurou absolutamente nada, apenas palavras. Não existem indícios e nem provas. E essas notícias estão apenas se prestando a vender jornais e informações inexatas”, afirmou Esteves.
Suspeita da dinheiro vivo
De acordo com as investigações, Marco Antônio entregava dinheiro vivo para Sérgio Molina Jr., administrador da empresa Colamar, de produtos agropecuários. Uma das donas dessa empresa é Larissa Sacco, ex-procuradora e da Repúbica e mulher de Abdelmassih.
Fantástico também tentou entrar em contato com Molina Jr, mas ele não atendeu as ligações ou retornou os recados deixados. O G1 não localizou Larissa ou os advogados de Abdelmassih para comentarem o assunto.
Quando o advogado de Marco Antônio foi questionado se o médico conhece Molina Jr. e Campelo Maria, ele respondeu que isso poderia ser possível.

A investigação mostrou que Molina Jr. depositava o dinheiro na conta da Colamar e que um homem de confiança de Abdelmassih, Dimas Campelo Maria, era o responsável por sacá-lo e leva-lo até Foz do Iguaçu, no Paraná, fronteira com o Paraguai. Segundo o Ministério Público (MP), Campelo Maria foi nove vezes até Foz entre março do ano passado e maio deste ano.
O Fantástico obteve com exclusividade fotos que mostram o carro de Campelo Maria na região. Por telefone, Campelo Maria negou ao Fantástico que integrasse uma rede de favorecimento ao ex-médico. “O que eu posso dizer é que não é verdade. Nunca atravessei a Ponte da Amizade”, afirmou. E negou ter ido várias vezes até Foz do Iguaçu. “Não, não”.

Ao ser informado que existem fotos do carro que ele utiliza na região da fronteira entre os dois países, Campelo Maria respondeu: “Só se ele foi sozinho”. Em seguida, disse que estava em uma palestra e pediu para que a reportagem ligasse mais tarde. No entanto, não atendeu mais as ligações.

Do G1 São Paulo

Comentários

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …