Pular para o conteúdo principal

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Juiz manda soltar ativistas que classificou de 'esquerda caviar'

Juiz revogou prisão preventiva após defesa pedir reconsideração de prisão.
Laudo que apontou que material apreendido não era explosivo foi base.



O juiz da 10ª Vara Criminal, Marcelo Matias Pereira, do Fórum da Barra Funda, mandou soltar os ativistas Rafael Marques Lusvarghi, de 29 anos, e Fábio Hideki Harano, de 27. Eles foram presos em 23 de junho durante protesto contra gastos com a Copa do Mundo. A Justiça já havia aceitado, em 21 de julho, denúncia do Ministério Público (MP): agora, os réus responderão ao processo em liberdade.
A decisão do magistrado pela libertação da dupla ocorreu após advogado de defesa e Defensoria Pública protocolarem pedidos de reconsideração da prisão preventiva. Os advogados tomaram como base o laudo da Polícia Militar que aponta que o material apreendido com eles no momento da prisão não era explosivo.
"É forçoso concluir que a acusação restou de sobremaneira fragilizada, na medida em que ficou demonstrado que os acusados não portavam qualquer artefato explosivo ou incendiário", afirmou o juiz Marcelo Pereira na decisão.

Na semana passada, o mesmo juiz tinha negado os pedidos de liberdade para dois manifestantes, classificando os "black blocs" de "esquerda caviar". "Black Bloc" é a tática de depredar patrimônios públicos e privados como forma de protesto. "Esquerda caviar" é uma expressão de origem francesa (gauche caviar) para descrever ativistas que dizem ser socialistas, mas que usufruem do capitalismo. O uso da expressão foi criticado por líderes do MPL e MTST.
  •  
O professor de inglês Rafael Marques Lusvarghi, de 29 anos, deixa o 8º Distrito Policial, no Brás, região central de São Paulo, após ter sua soltura ordenada por um juiz. Ele e Fábio Hideki Harano foram presos durante protesto contra a Copa do Mundo (Foto: Alex Silva/Estadão Conteúdo)Rafael Lusvarghi deixa o 8º Distrito Policial (Foto: Alex Silva/Estadão Conteúdo)
Rafael Lusvarghi estava detido na carceragem do 8º Distrito Policial, no Brás, Centro de São Paulo, de acordo com a Secretaria de Segurança Pública. Já Fábio Harano estava preso na Penitenciária 2 de Tremembé, interior do estado. Nesta noite, os dois foram liberados.
Em liberdade, eles responderão por "incitação ao crime" e "associação criminosa armada". No caso do professor Rafael Lusvarghi, há ainda a acusação de "resistência à prisão", enquanto o estudante Fábio Harano também foi responsabilizado pelo crime de "desobediência".
Na decisão, o juiz citou que, mesmo se forem condenados à pena máxima de 4 anos, eles poderão cumprir fora da cadeia. "As penas que lhes poderão ser impostas, em caso de
condenação, quando muito, ultrapasarão o patamar de 04 anos, de modo que não se
justifica a custódia cautelar, até porque primários e de bons antecedentes", escreveu o juiz.
Laudo descarta explosivo
Laudo emitido pelo esquadrão de bombas da Polícia Militar, emitido em 4 de agosto, apontou que os itens que a polícia relatou ter apreendido com a dupla eram "inertes", sem poder de explosão ou de provocar fogo.
Segundo o inquérito policial, professor de inglês Rafael Marques Lusvarghi estava com coquetel molotov e um frasco de iogurte “com cheiro de combustível”. E o estudante Fabio Hideki Arano escondia na bolsa um "artefato incendiário de fabricação rudimentar".
Apesar do laudo anular a principal prova contra os ativistas, o governo do estado afirma que há outras acusações que permanecem válidas.
Na terça-feira (5), o próprio governador Geraldo Alckmin ressaltou o trabalho da polícia e a existência de outras justificativas para o processo contra a dupla. “Foi a própria polícia, o Instituto de Criminalística, que fez o laudo. A própria polícia que mostrou que este caso aqui não tinha explosivo. Mas não é só isso. Você tem a razão da prisão, outros fatores que a polícia levanta”, disse Alckmin.
Rafael Lusvarghi está detido na carceragem do 8º Distrito Policial, no Brás, Centro de São Paulo, de acordo com a Secretaria de Segurança Pública. Já o estudante está preso na Penitenciária 2 de Tremembé, interior do estado de São Paulo.
Ativista segue preso
Segue preso o mecânico João Antônio Alves de Roza, que foi preso em 2 de julho. Ele é suspeito de ter participado da depredação de uma concessionária de carros importados, em Pinheiros, na Zona Oeste, em 19 de junho, durante  uma manifestação do Movimento Passe Livre (MPL).
Ele foi indiciado pelos crimes de dano e associação criminosa.
De acordo com a polícia, o mecânico aparece em imagens divulgadas pela imprensa ao atirar um extintor de incêndio na fachada da concessionária. A polícia também diz que ele também também aparece em imagens enquanto queimava uma lixeira e uma bandeira em um protesto no Tatuapé, na Zona Leste de São Paulo, no dia da abertura da Copa, em 12 de junho.
De acordo com a Defensoria Pública, a Justiça mandou arquivar a denúncia por dano, já que não houve representação dos donos da concessionária. Entretanto, ainda permanece a acusação de “associação criminosa”, contra a qual já foram protocolados recursos.
  •  
Rafael Lusvarghi (à esquerda) e Fábio Harano (à direita) foram presos na segunda-feira (23) suspeitos de serem black blocs  (Foto: Estadão Contéudo / Reprodução TV Globo)Rafael Lusvarghi (à esquerda) e Fábio Harano (à direita) foram presos na segunda-feira (23) suspeitos de serem black blocs (Foto: Estadão Contéudo / Reprodução TV Globo)Do G1 São Paulo

Comentários

| Mais Acessados na Última Semana |

ROTA invade tribunal e resgata ex-presidiário

Sim, o título acima está correto. Numa incrível operação relâmpago, PMs de ROTA impedem que tribunal do crime assassine um ex-presidiário

A ROTA está nas ruas 24 horas por dia, todos os dias, o ano inteiro. Seu efetivo é dividido em três Companhias: Noturna, Matutina e Vespertina. Esta matéria relata uma incrível ocorrência de resgate conduzida pelo Pelotão do Tenente PM Soares, que patrulhava a Zona Leste de São Paulo às 21:40 nesta segunda-feira, dia 14. “O despacho do Policiamento de Choque do COPOM nos informou que uma pessoa estava sendo torturada na favela Eliane, numa casa com detalhes verdes no seu portão, localizada na rua Esperança. Pelas particularidades que nos foram relatadas, estava claro que a ocorrência envolvia a ação de um ‘tribunal do crime’ provavelmente comandado pelo PCC. Imediatamente acionei meu Pelotão”, relata o Tenente de ROTA Soares. O nome dessa rua, 'Esperança', não podia ser menos adequado em função do cenário que os PMs iriam encontrar em poucos…

Aprovado PL que da poder de polícia administrativa às polícias e bombeiros militares do Brasil

O poder de polícia administrativa trás condições das polícia militares e bombeiros atuarem de forma efetiva em eventos, estabelecimentos comerciais e outros. Autor: Capitão Augusto - PR/SPData da apresentação:  04/02/2015 Ementa: Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Polícia de Preservação da Ordem Pública, e dá outras ...Leia integra do PL 196/2015Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Pol…

Para "comemorar aniversário", PCC planeja matar juiz, procurador, delegado e agentes

dia 31 de agosto, data em que a facção criminosa faz aniversário de 24 anos. O PCC (Primeiro Comando da Capital) planeja matar um juiz federal, um procurador da República, um delegado federal e pelo menos quatro agentes penitenciários de Porto Velho (RO) até o
A maior facção criminosa do país já matou três agentes penitenciários federais, entre setembro de 2016 e maio deste ano, de acordo com investigações da PF (Polícia Federal). Para executar os atentados, o PCC criou células de inteligência que, entre outras ações, monitoram a rotina dos agentes públicos escolhidos como alvos.
A informação sobre a possibilidade de novos assassinatos consta em ofício assinado pelo diretor do presídio federal de Porto Velho, Cristiano Tavares Torquato, a cujo conteúdo o UOL teve acesso com exclusividade. O documento foi encaminhado no último dia 17 de agosto ao superintendente regional da Polícia Federal de Rondônia, Araquém Alencar Tavares de Lima. A reportagem confirmou a veracidad…

Polícia Civil decide hoje se cruza os braços a partir de amanhã

Executivo local reforça que, neste ano, não tem dinheiro para pagar o reajuste salarial pleiteado pelos agentes.Policiais civis podem entrar em greve ou interromper serviços essenciais para a população a partir de amanhã. Em uma assembleia com indicativo de greve, marcada para as 14h de hoje, a categoria deve decidir o que fazer para pressionar o governo a conceder o reajuste salarial pleiteado desde o ano passado. Eles reivindicam a manutenção da paridade salarial com a Polícia Federal, que conseguiu reajuste de 37% parcelado em três anos.

Na semana passada, policiais civis se reuniram com o chefe da Casa Civil, secretário Sérgio Sampaio; a secretária de Planejamento, Orçamento e Gestão, Leany Lemos; o secretário interino de Fazenda, Wilson de Paula, além dos deputados distritais e agentes da Polícia Civil Wellington Luiz (PMDB) e Claudio Abrantes (sem partido) e o deputado federal Roney Nemer (PP-DF). O deputado distrital Wasny de Roure mandou representante.
Durante o encontro, o Exec…

Vaccarezza é preso em nova fase da Operação Lava Jato em São Paulo

Ex-deputado, que deixou o PT, foi líder dos governos Lula e Dilma. Segundo o MPF, ele recebeu a maior parte de um total de propina que soma US$ 500 mil. O ex-líder dos governos Lula e Dilma na Câmara dos Deputados Cândido Vaccarezza, que deixou o PT, foi preso nesta sexta-feira (18) em São Paulo. Ele é alvo da Operação Abate, uma das duas novas fases da Operação Lava Jato deflagradas nesta manhã. A prisão é temporária, válida por cinco dias. Por volta das 9h, Vaccarezza estava em casa sob custódia da PF. Ele deve seguir para Curitiba ainda nesta sexta. O G1 tenta contato com a defesa do ex-deputado, com PT e com as empresas citadas. Principais pontos das investigações Ações apuram o favorecimento de empresas estrangeiras em contratos com Petrobras. Operação Abate investiga fraudes no fornecimento de asfalto para a Petrobras por uma empresa norte-americana, entre 2010 e 2013. Funcionários da Petrobras, o PT e, principalmente, Cândido Vaccarezza teriam recebido propinas que somam US$ 5…