Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Juiz é criticado por usar expressão 'esquerda caviar' contra ativistas

Líderes do MPL, MTST e professor da PUC apontam falhas no argumento.
Rafael Lusvarghi e Fábio Harano estão presos desde 23 de junho.


Rafael Marques Lusvarghi, detido no protesto no dia 12 de junho e nesta segunda (23) na Avenida Paulista (Foto: Estadão Conteúdo)
Líderes de movimentos sociais e professores ouvidos pelo G1 criticaram a comparação entre "black blocs" e "esquerda caviar" feita pelo juiz que negou os pedidos de liberdade provisória de Fábio Harano e Rafael Lusvarghi. Os dois manifestantes estão presos desde 23 de junho sob acusação de porte de explosivos, associação criminosa e incitação à depredação do patrimônio público. Na segunda-feira (4), laudo da PM apontou que o material apreendido com a dupla não era explosivo.

“O juiz revelou de uma maneira bastante clara a sua completa parcialidade no caso. Ele julgou esse caso por razões ideológicas, inclusive por uma ideologia direitista e mal fundamentada”, disse Guilherme Boulos, um dos coordenadores do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e formado em Filosofia pela Universidade de São Paulo (USP).
“É um argumento cínico e hipócrita. A gente poderia responder na mesma moeda dizendo para essas pessoas que defendem que ‘bandido bom é bandido morto’: ‘quantas pessoas você já matou?’. É uma coisa tão bizarra quanto. Apenas busca deslegitimar os argumentos de esquerda sem enfrenta-los”, afirmou.
A comparação entre black blocs e "esquerda caviar" foi feita pelo juiz da 10ª Vara Criminal, Marcelo Matias Pereira, do Fórum da Barra Funda, Zona Oeste de São Paulo. "Esquerda caviar" é uma expressão de origem francesa (gauche caviar) para descrever ativistas que dizem ser socialistas, mas que usufruem do capitalismo.
“’Black Blocs’, que passaram a promover todo tipo de arruaça, depredação, destruição e horror, vergonha nacional e mundial (...) sob o argumento de que são contra o capitalismo, mas usam tênis da Nike, telefone celular, conforme se verifica das imagens, postam fotos no Facebook e até utilizam de uma denominação grafada em língua Inglesa, bem ao gosto da denominada ‘esquerda caviar’”, escreveu o juiz Marcelo sobre o estudante Fábio e o professor Rafael.
Não é preciso ser pobre para se preocupar com a situação das pessoas pobres"
Pedro Fassoni Arruda,
professor de Política da PUC-SP
Boulos ainda aponta outras incoerências no argumento do juiz. “Ele dizia que as pessoas se dizem de esquerda, mas usam celular e tênis Nike. Ele busca fundamentar uma suposta incoerência sem qualquer noção sobre a esquerda. Quem não tem celular hoje? O Brasil tem mais linha de celular do que população. Isso demonstra um desconhecimento de quem nunca saiu de Higienópolis e não sabe a vida do povo”, finalizou.
O professor do departamento de Política da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Pedro Fassoni Arruda, chamou de “inadequada” a comparação feita pelo juiz. “O propósito das pessoas que têm reivindicações de esquerda nunca foi uma socialização da pobreza, mas sim a distribuição da riqueza”, explicou.
De acordo com o professor, a expressão “esquerda caviar” é utilizada com propósito de depreciar ou tentar desqualificar a esquerda. “A gente podia pensar diferente, pensar que são pessoas que têm uma vida confortável, tiveram acesso à instrução e moradia e se preocupam com pessoas que não tiveram a mesma sorte”, disse o professor.
“Não é preciso ser pobre para se preocupar com a situação das pessoas pobres. Não precisa ser sem-teto para se preocupar com quem não tem moradia. É um sentimento de solidariedade”, disse. Segundo o professor Arruda, o juiz saiu de sua função ao emitir um juízo de valor e “uma opinião completamente desnecessária”.
O estudante Fabio Hideki Arano, um dos presos no protesto de 12 de junho (Foto: Reprodução/TV Globo)O estudante Fabio Hideki, um dos presos no
protesto de 12 de junho. (Foto:
Reprodução/TV Globo)
A ativista Mayara Vivian, garçonete e uma das líderes do Movimento Passe Livre (MPL), partiu em defesa dos acusados, um dos quais, Fábio Hideki, ela diz conhecer.
“Eu trabalho todo dia e o Fábio, conheço há muitos anos, trabalha também. Trabalha, estuda, faz coisa para cacete. Queria saber quem ele [juiz] chamou de caviar porque acho que ele trabalha menos que a gente, se for colocar no papel”, afirmou. Para ela, a prisão dos dois jovens foi política. “Já foi provado que eles não estavam com explosivos”, lembrou.
Laudos não apontam explosivos
Os dois ativistas, apontados como ‘black blocs’ estão presos preventivamente desde 23 de junho. Eles são acusados de porte de explosivos, associação criminosa e incitação à depredação do patrimônio público.
“As imagens indicam que os acusados possuíam liderança e comando sob a massa de alineados, sendo que há depoimentos consistentes que apontam que em poder dos mesmos foram apreendidos artefatos explosivos/incendiários, de modo que presentes estão os indícios suficientes de autoria”, determinou o magistrado, alegando que a soltura deles poderia ocasionar “consequências mais grave como mortes.”
Apesar de a Justiça considerar que a dupla portava explosivos, laudos do Instituto de Criminalística (IC) e do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) revelaram que os artefatos encontrados pela Polícia Civil com Fábio e Rafael não eram bombas.
O porte de explosivos foi um dos argumentos usados pelo Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) para pedir a prisão dos dois manifestantes.
Do G1 São Paulo

Comentários

  1. Realmente, o juiz tem que melhorar o trato com esse tipo de gente. O uso correto mais adequado pra qualificar esses seres da banda comunista, é a palavra "esquerdopata". Essa gentalha tinha que ser isolada em um lugar bem distante da sociedade conservadora.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.


| Mais Acessados na Última Semana |

Justiça Militar manda PM reintegrar cabo acusado de matar atriz durante blitz em Presidente Prudente

Decisão publicada nesta quarta-feira (18) atende a um pedido de tutela de urgência feito pela defesa. Marcelo Aparecido Domingos Coelho foi demitido da corporação em abril de 2015. oi publicada nesta quarta-feira (18) no Diário da Justiça Militar a decisão do juiz substituto da 2ª Auditoria do Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo (TJM-SP), Marcos Fernando Theodoro Pinheiro, que determina a imediata reintegração de Marcelo Aparecido Domingos Coelho aos quadros da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Em abril de 2015, o então cabo da PM foi demitido pela corporação, após ser acusado no processo que envolveu a morte da atriz e produtora cultural Luana Barbosa durante uma blitz policial na Avenida Joaquim Constantino, na Vila Formosa, em Presidente Prudente.
O juiz levou em consideração a absolvição que Coelho obteve na Justiça Militar, sob o argumento de “legítima defesa” e do “estrito cumprimento do dever legal”, o que, segundo o magistrado, de certa forma, contradiz c…

GENERAL QUE COMANDA A ABIN FALA EM VAZIO DE LIDERANÇAS E ELOGIA FEITOS DA DITADURA

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional do governo Temer, Sérgio Westphalen Etchegoyen, causou incômodo em parte da comunidade diplomática durante uma palestra no Instituto Rio Branco. O general sugeriu “medidas extremas” para a segurança pública, elogiou feitos dos anos de chumbo e disse que o país sofre com amoralidade e com patrulha do “politicamente correto”.
Etchegoyen começou a fala de quase duas horas contando que tinha sido soldado por 47 anos e que era por essa ótica, militar, que enxergava e
interpretava o mundo. Depois do alerta, tentou quebrar o gelo:
“Sou da arma de cavalaria e tem um problema que a ausência do meu cavalo reduz minha capacidade intelectual em uns 45, 40 por cento”, começou general da reserva que comanda, entre outros órgãos, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin). A plateia, majoritariamente composta por futuros diplomatas, riu discretamente.
Foi um dos poucos momentos de descontração. No restante do tempo, segundo pessoas que estiveram present…

PL 920: uma bomba atômica no funcionalismo público que Alckmin quer ver aprovado a todo custo.

O governador Geraldo Alckmin protocolou na quinta-feira, 5/10, o Projeto de Lei 920/2017, que representa uma verdadeira bomba atômica no Estado de São Paulo, sobretudo um verdadeiro ataque aos servidores estaduais e à prestação de serviços públicos. Publicado no Diário Oficial já no dia seguinte, o PL formaliza a renegociação da dívida de São Paulo com a União, ampliando o prazo de pagamento.
            Em contrapartida, o Estado se compromete a cumprir as exigências do governo federal, que impõe um verdadeiro arrocho salarial sobre os servidores públicos. Essa cruel punição aos servidores foi aprovada no ano passado pelo Congresso Nacional. Seu embrião foi o PLP 257, apresentado pela presidente Dilma, que depois foi maquiado pelo governo Temer e transformado na Lei Complementar federal 156/2016.
            Se o PL 920 for aprovado – e espero que não seja –, haverá um congelamento não só de salários, mas também da evolução funcional de todos os servidores estaduais, ficando suspens…

Alckmin propõe reajuste de 7% para policiais

ATENÇÃO- ATENÇÃO ESTA NOTÍCIA É DO ANO DE 2013 E ESTA CIRCULANDO NAS REDES SOCIAIS COMO SENDO ATUAL

O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta sexta-feira, 13, o envio à Assembleia Legislativa de um projeto de lei que concede aumento salarial de 7% para os membros da Polícia Militar, da Polícia Civil e da Polícia Técnico-Científica. O reajuste também será estendido aos agentes penitenciários. Aposentados e pensionistas das quatro categorias também terão o mesmo benefício. No total, serão beneficiados 172 mil policiais militares, 53 mil policiais civis e 33 mil agentes penitenciários. O custo para o Tesouro do Estado será de R$ 983 milhões por ano. Esta é a terceira vez que o governador Alckmin concede aumento salarial acima da inflação do período. Desde o último reajuste, o índice oficial de inflação acumulada é 5,66%. Em outubro de 2011, os policiais tiveram 15% de aumento retroativo a julho de 2011. Em agosto de 2012, o aumento foi de 11%. Com a nova proposta, o reajus…

Policial civil morto em mega-assalto a empresa de valores é enterrado

Vítima foi morta a tiros durante ação dos criminosos que explodiram sede da Protege em Araçatuba (SP). Policial estava de folga. O corpo do policial civil André Luís Ferro da Silva, morto durante o mega-assalto a empresa Protege em Araçatuba (SP) nesta segunda-feira (16), foi enterrado na manhã desta terça-feira (17) em um cemitério particular da cidade. Ferro tinha 37 anos e foi baleado durante a ação. Ele foi socorrido com vida, mas morreu durante atendimento na Santa Casa. Silva era investigador e integrante do Grupo de Operações Especiais (GOE), e deixou filhos e a esposa.
O velório da vítima foi feito em um salão de uma funerária em Araçatuba e, do local, o caixão seguiu em um caminhão do Corpo de Bombeiros em cortejo com viaturas das polícias Militar e Civil até o cemitério. Segundo a Polícia Militar, o policial civil estava de folga do serviço e foi ao local para ver o que acontecia após ser chamado pelos pais, que moram perto da sede da Protege.
O grupo criminoso, cerca de 40 la…