Pular para o conteúdo principal

Rádio PolicialBR 24 horas com você. Notícias e entretenimento.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Juiz é criticado por usar expressão 'esquerda caviar' contra ativistas

Líderes do MPL, MTST e professor da PUC apontam falhas no argumento.
Rafael Lusvarghi e Fábio Harano estão presos desde 23 de junho.


Rafael Marques Lusvarghi, detido no protesto no dia 12 de junho e nesta segunda (23) na Avenida Paulista (Foto: Estadão Conteúdo)
Líderes de movimentos sociais e professores ouvidos pelo G1 criticaram a comparação entre "black blocs" e "esquerda caviar" feita pelo juiz que negou os pedidos de liberdade provisória de Fábio Harano e Rafael Lusvarghi. Os dois manifestantes estão presos desde 23 de junho sob acusação de porte de explosivos, associação criminosa e incitação à depredação do patrimônio público. Na segunda-feira (4), laudo da PM apontou que o material apreendido com a dupla não era explosivo.

“O juiz revelou de uma maneira bastante clara a sua completa parcialidade no caso. Ele julgou esse caso por razões ideológicas, inclusive por uma ideologia direitista e mal fundamentada”, disse Guilherme Boulos, um dos coordenadores do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e formado em Filosofia pela Universidade de São Paulo (USP).
“É um argumento cínico e hipócrita. A gente poderia responder na mesma moeda dizendo para essas pessoas que defendem que ‘bandido bom é bandido morto’: ‘quantas pessoas você já matou?’. É uma coisa tão bizarra quanto. Apenas busca deslegitimar os argumentos de esquerda sem enfrenta-los”, afirmou.
A comparação entre black blocs e "esquerda caviar" foi feita pelo juiz da 10ª Vara Criminal, Marcelo Matias Pereira, do Fórum da Barra Funda, Zona Oeste de São Paulo. "Esquerda caviar" é uma expressão de origem francesa (gauche caviar) para descrever ativistas que dizem ser socialistas, mas que usufruem do capitalismo.
“’Black Blocs’, que passaram a promover todo tipo de arruaça, depredação, destruição e horror, vergonha nacional e mundial (...) sob o argumento de que são contra o capitalismo, mas usam tênis da Nike, telefone celular, conforme se verifica das imagens, postam fotos no Facebook e até utilizam de uma denominação grafada em língua Inglesa, bem ao gosto da denominada ‘esquerda caviar’”, escreveu o juiz Marcelo sobre o estudante Fábio e o professor Rafael.
Não é preciso ser pobre para se preocupar com a situação das pessoas pobres"
Pedro Fassoni Arruda,
professor de Política da PUC-SP
Boulos ainda aponta outras incoerências no argumento do juiz. “Ele dizia que as pessoas se dizem de esquerda, mas usam celular e tênis Nike. Ele busca fundamentar uma suposta incoerência sem qualquer noção sobre a esquerda. Quem não tem celular hoje? O Brasil tem mais linha de celular do que população. Isso demonstra um desconhecimento de quem nunca saiu de Higienópolis e não sabe a vida do povo”, finalizou.
O professor do departamento de Política da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Pedro Fassoni Arruda, chamou de “inadequada” a comparação feita pelo juiz. “O propósito das pessoas que têm reivindicações de esquerda nunca foi uma socialização da pobreza, mas sim a distribuição da riqueza”, explicou.
De acordo com o professor, a expressão “esquerda caviar” é utilizada com propósito de depreciar ou tentar desqualificar a esquerda. “A gente podia pensar diferente, pensar que são pessoas que têm uma vida confortável, tiveram acesso à instrução e moradia e se preocupam com pessoas que não tiveram a mesma sorte”, disse o professor.
“Não é preciso ser pobre para se preocupar com a situação das pessoas pobres. Não precisa ser sem-teto para se preocupar com quem não tem moradia. É um sentimento de solidariedade”, disse. Segundo o professor Arruda, o juiz saiu de sua função ao emitir um juízo de valor e “uma opinião completamente desnecessária”.
O estudante Fabio Hideki Arano, um dos presos no protesto de 12 de junho (Foto: Reprodução/TV Globo)O estudante Fabio Hideki, um dos presos no
protesto de 12 de junho. (Foto:
Reprodução/TV Globo)
A ativista Mayara Vivian, garçonete e uma das líderes do Movimento Passe Livre (MPL), partiu em defesa dos acusados, um dos quais, Fábio Hideki, ela diz conhecer.
“Eu trabalho todo dia e o Fábio, conheço há muitos anos, trabalha também. Trabalha, estuda, faz coisa para cacete. Queria saber quem ele [juiz] chamou de caviar porque acho que ele trabalha menos que a gente, se for colocar no papel”, afirmou. Para ela, a prisão dos dois jovens foi política. “Já foi provado que eles não estavam com explosivos”, lembrou.
Laudos não apontam explosivos
Os dois ativistas, apontados como ‘black blocs’ estão presos preventivamente desde 23 de junho. Eles são acusados de porte de explosivos, associação criminosa e incitação à depredação do patrimônio público.
“As imagens indicam que os acusados possuíam liderança e comando sob a massa de alineados, sendo que há depoimentos consistentes que apontam que em poder dos mesmos foram apreendidos artefatos explosivos/incendiários, de modo que presentes estão os indícios suficientes de autoria”, determinou o magistrado, alegando que a soltura deles poderia ocasionar “consequências mais grave como mortes.”
Apesar de a Justiça considerar que a dupla portava explosivos, laudos do Instituto de Criminalística (IC) e do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) revelaram que os artefatos encontrados pela Polícia Civil com Fábio e Rafael não eram bombas.
O porte de explosivos foi um dos argumentos usados pelo Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) para pedir a prisão dos dois manifestantes.
Do G1 São Paulo

Comentários

  1. Realmente, o juiz tem que melhorar o trato com esse tipo de gente. O uso correto mais adequado pra qualificar esses seres da banda comunista, é a palavra "esquerdopata". Essa gentalha tinha que ser isolada em um lugar bem distante da sociedade conservadora.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

ANTES DE ESCREVER LEIA COM ATENÇÃO: Palavras de baixo calão, racismo, ofensas, ameaças e tudo mais de não estejam de acordo com os bons costumes e as leis vigentes não será aprovado. Expressão do pensamento é um direito Constitucional, expresse o seu com educação e propriedade. Os comentários publicados não traduzem a opinião do blog. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo. O IP do comentarista fica arquivado e pode ser fornecido por Ordem Judicial.

| Mais Acessados na Última Semana |

Usar arma de uso restrito com porte ilegal agora é crime hediondo

Aprovada urgência para projeto que torna crime hediondo o porte ilegal de armas de uso restrito O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 332 votos a 7 e 2 abstenções, o regime de urgência para o Projeto de Lei 3376/15, do Senado, que torna crime hediondo a posse ou o porte ilegal de arma de fogo de uso restrito das forças policiais e militares. Após a votação, a sessão ordinária foi encerrada. Projeto de Lei do Senado nº 230, de 2014, de autoria do Senador Marcelo Crivella, constante dos autógrafos em anexo, que “Altera a Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o crime de posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito no rol dos crimes hediondos”. A Lei 8.072/90 define como hediondos os crimes de homicídio praticado por grupo de extermínio; homicídio qualificado; latrocínio; genocídio; extorsão qualificada por morte; extorsão mediante sequestro; estupro; disseminação de epidemia que provoque morte; falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto …

Deputado capitão Augusto requer moção de repúdio contra Secretário de Segurança Pública e Governador de São Paulo Geraldo Alckmin

DEPUTADO CAPITÃO AUGUSTO REQUER MOÇÃO DE REPÚDIO CONTRA O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO E CONTRA O GOVERNADOR POR TANTO DESRESPEITO ÀS LEIS E AOS POLICIAIS MILITARES DE SÃO PAULO
O Deputado Capitão Augusto entrou hoje, 10, com dois Requerimentos de Moção de Repúdio contra o Secretário de Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, e contra o Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, por desrespeitar as leis e aos policiais militares. Essas moções fazem parte de uma série de medidas que o parlamentar está adotando para tornar público as medidas descabíveis desse governo contra os policiais militares e a segurança pública do país, e para que entendam que tudo tem um limite. A categoria não vai tolerar mais tanto descaso e desrespeito. O Deputado estará revelando ao país e ao mundo que Alckmin não serve para governar o país, deve ser ignorado e descartado como candidato à Presidência da República. CAPITÃO AUGUSTO conclama os militares e familiares a somarem esforços para…

Policiais e bombeiros militares não sabem a força que tem

Deputado Federal Capitão Augusto orienta os militares de São Paulo sobre a força política da classe
Por mais que façamos aqui pela Câmara dos Deputados, aprovando projetos dando mais direitos e garantias aos policiais e não deixando ser aprovado nenhum projeto que os prejudique, a grande reivindicação que recebo dos policiais refere-se a questão do aumento salarial.
Infelizmente Deputados não podem apresentar projetos que gerem despesas para o executivo, então está fora de nossa competência atender essa solicitação, o que nos resta é cobrar (e muito) do governador e fazer articulação para que ele conceda o tão esperado aumento salarial.
Hoje temos força política para eleger representantes para Assembleia Legislativa, Câmara dos Deputados e para todos cargos nas eleições municipais. Está na hora de influenciarmos as eleições para Governador e Senador, um que reconheça nosso valor, ou ficaremos fadados a apenas reclamar nos bastidores.
Nós podemos muito mais que isso! Somos quase 150.000 po…

Qual a responsabilidade que a sociedade civil possui na segurança pública?

Policiais militares foram assassinados por criminosos neste fim de semana; secretário de Segurança do Rio pediu mudanças no sistema judiciário Neste final de semana dois Policiais Militares foram assassinados no Rio de Janeiro: a Cabo PM Elisângela Bessa Cordeiro, com um tiro na cabeça disparado por um menor, e o Soldado PM Samir da Silva Oliveira, com um tiro no pescoço disparado por um fuzil de combate.
Qual é a pena para o menor assassino da PM ? Em média oito meses. Qual é a pena para quem porta um fuzil? Três anos. Como se isso já não fosse suficientemente patético, nossa legislação acrescenta o insulto à injuria ao prever a concessão do beneficio da progressão de pena, fazendo com que o criminoso cumpra apenas 1/6 da pena, ou seja, o guerrilheiro urbano que porta uma arma de uso restrito do Exército, pode estar solto em seis meses.
Quem é o responsável por essa baderna? Você que está lendo este artigo e eu que o escrevi. Somos nós que consistentemente fazemos o mesmo erro de ele…

Leis desestimulam policiais e bombeiros militares a exercerem plenos direitos políticos.

Deputado federal capitão Augusto luta para acabar com injustiças políticas que sofrem os policiais militares e bombeiros do Brasil Até mesmo politicamente os policiais ele são injustiçados. Em tempos onde a representatividade política se faz de extrema necessidade e, do soldado ao coronel, buscam eleger seus representantes da mesma forma que outras categorias, Leis desestimulam a participação efetiva na política Nacional dos policiais e bombeiros militares. Com uma democracia atrasada em relação a outros países o Brasil ainda tem mecanismos para desestimular a elegibilidade dos policiais e bombeiros militares. Buscando corrigir estas injustiças o deputado federal capitão Augusto busca direitos políticos e de elegibilidade aos policiais militares e bombeiros. Um policial ou bombeiro militar se candidatando a cargo eletivo com menos de dez anos de serviço é exonerado e com mais se eleito também é exonerado, sendo aposentado com o tempo proporcional ao que trabalhou. Ouça entrevistas co…