Pular para o conteúdo principal

Rádio PolicialBR 24 horas com você. Notícias e entretenimento.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Homem é preso depois de criticar abordagem da PM no Facebook

Rapaz reclamou de blitz em Sarandi e, um dia depois, foi preso no trabalho.
Comissão de Direitos Humanos condenou a ação: 'Abusiva e humilhante'.


O homem disse que os policiais queriam prejudicar os trabalhadores. (Foto: Facebook/Reprodução)O homem disse que os policiais queriam prejudicar os trabalhadores. (Foto: Facebook/Reprodução)
Um homem de 33 anos foi preso, na manhã desta sexta-feira (22), depois reclamar no Facebook de uma abordagem feita pela Polícia Militar (PM) durante uma blitz em Sarandi, no norte do Paraná. O comentário foi feito na noite de quinta-feira (21), mesmo dia da operação, na página de um site de notícias da cidade.
Clodoaldo Lima criticou a forma com que os policiais abordaram as pessoas na blitz. "Com puro abuso de autoridade, falta de bom senso por parte dos policiais e principalmente pelo comandante da operação [...], que fizeram essa blitz com o único intuito de ferrar trabalhadores, sem o mínimo de bom senso, ao invés de ir atrás de bandidos", postou ele.
Algumas horas depois do comentário, um policial militar comentou no mesmo post, citando a prisão do rapaz, feita no local de trabalho dele.
"Uma equipe de policiais foi até a empresa onde [...] trabalha no Parque Industrial e o deteve, em seguida, algemado o encaminhou até a Delegacia de Policia de Sarandi. [...] tem 33 anos, é casado e pai de dois filhos. Os policiais continuarão investigando outras pessoas, a fim de localizar e identificar, que fizeram comentários na página sobre a atuação da PM", dizia a mensagem.
Para o comandante da 4ª Companhia de Polícia Militar de Sarandi, capitão Luciano Mazeto, o homem fez comentários que prejudicaram o policial, já que citou o nome dele e o imputou o crime de abuso de autoridade.
'Cometi o erro de emitir minha opinião', diz o homem preso. (Foto: Agnaldo Vieira/Manchete)'Cometi o erro de emitir minha opinião', diz o
homem preso. (Foto: Agnaldo Vieira/Manchete)
"Vai muito da interpretação, mas o rapaz pode ser enquadrado no crime de difamação, por ele ter citado o nome do policial. Ele o imputou a prática do crime de abuso de autoridade. Isso também pode ser considerado calúnia", explicou o comandante.
Segundo Mazeto, a prisão era necessária. "É um crime contra a honra do policial. Ele se sentiu ofendido e prejudicado. Nós, então, identificamos o suspeito, fomos até onde ele estava e, como é procedimento normal, encaminhamos para a delegacia", afirmou o capitão.
Lima prestou depoimento na delegacia e, pouco depois, foi liberado, ainda nesta sexta-feira. "Para mim, a blitz se faz necessária, mas, talvez, eu não escrevi certo. O que acho é que, às vezes, naquele horário [a blitz foi feita no fim da tarde], pode acontecer de pegar muita gente que está trabalhando. Devido à situação de hoje no país, não é todo trabalhador que tem 800, 900 reais para manter o carro em dia. Foi só o que quis dizer. Eu respeito muito o trabalho de todo mundo, inclusive o dos policiais. Eu sou um cidadão de bem, não ofendi ninguém. Só cometi o erro de emitir minha opinião", defendeu-se, na saída da delegacia.
O presidente da Comissão de Diretos Humanos da OAB Maringá, Fulvio Stadler Kaipers, considera a prática abusiva e humilhante. Para ele, não cabia prisão ao homem, na ocasião. "Não cabe prisão neste caso. Os crimes de calúnia e de injúria têm pena mínima, em regime aberto. Mesmo que o comentário tenha sido injurioso, há um procedimento, que passa pelo Poder Judiciário. Os policiais fizeram isso para humilhar um cidadão de bem, apenas", ponderou.
Segundo Kaipers, Lima pode representar contra o policial pelo crime de abuso de autoridade. "O rapaz pode procurar um advogado e ir atrás de seus direitos, já que foi humilhado. Toda vez que um policial age de forma violento, deve ser coibido. Estamos expondo nosso cidadão de bem", explicou.
Do G1 PR

Comentários

| Mais Acessados na Última Semana |

ROTA invade tribunal e resgata ex-presidiário

Sim, o título acima está correto. Numa incrível operação relâmpago, PMs de ROTA impedem que tribunal do crime assassine um ex-presidiário

A ROTA está nas ruas 24 horas por dia, todos os dias, o ano inteiro. Seu efetivo é dividido em três Companhias: Noturna, Matutina e Vespertina. Esta matéria relata uma incrível ocorrência de resgate conduzida pelo Pelotão do Tenente PM Soares, que patrulhava a Zona Leste de São Paulo às 21:40 nesta segunda-feira, dia 14. “O despacho do Policiamento de Choque do COPOM nos informou que uma pessoa estava sendo torturada na favela Eliane, numa casa com detalhes verdes no seu portão, localizada na rua Esperança. Pelas particularidades que nos foram relatadas, estava claro que a ocorrência envolvia a ação de um ‘tribunal do crime’ provavelmente comandado pelo PCC. Imediatamente acionei meu Pelotão”, relata o Tenente de ROTA Soares. O nome dessa rua, 'Esperança', não podia ser menos adequado em função do cenário que os PMs iriam encontrar em poucos…

Aprovado PL que da poder de polícia administrativa às polícias e bombeiros militares do Brasil

O poder de polícia administrativa trás condições das polícia militares e bombeiros atuarem de forma efetiva em eventos, estabelecimentos comerciais e outros. Autor: Capitão Augusto - PR/SPData da apresentação:  04/02/2015 Ementa: Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Polícia de Preservação da Ordem Pública, e dá outras ...Leia integra do PL 196/2015Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Pol…

Usar arma de uso restrito com porte ilegal agora é crime hediondo

Aprovada urgência para projeto que torna crime hediondo o porte ilegal de armas de uso restrito O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 332 votos a 7 e 2 abstenções, o regime de urgência para o Projeto de Lei 3376/15, do Senado, que torna crime hediondo a posse ou o porte ilegal de arma de fogo de uso restrito das forças policiais e militares. Após a votação, a sessão ordinária foi encerrada. Projeto de Lei do Senado nº 230, de 2014, de autoria do Senador Marcelo Crivella, constante dos autógrafos em anexo, que “Altera a Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o crime de posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito no rol dos crimes hediondos”. A Lei 8.072/90 define como hediondos os crimes de homicídio praticado por grupo de extermínio; homicídio qualificado; latrocínio; genocídio; extorsão qualificada por morte; extorsão mediante sequestro; estupro; disseminação de epidemia que provoque morte; falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto …

Policiais e bombeiros militares não sabem a força que tem

Deputado Federal Capitão Augusto orienta os militares de São Paulo sobre a força política da classe
Por mais que façamos aqui pela Câmara dos Deputados, aprovando projetos dando mais direitos e garantias aos policiais e não deixando ser aprovado nenhum projeto que os prejudique, a grande reivindicação que recebo dos policiais refere-se a questão do aumento salarial.
Infelizmente Deputados não podem apresentar projetos que gerem despesas para o executivo, então está fora de nossa competência atender essa solicitação, o que nos resta é cobrar (e muito) do governador e fazer articulação para que ele conceda o tão esperado aumento salarial.
Hoje temos força política para eleger representantes para Assembleia Legislativa, Câmara dos Deputados e para todos cargos nas eleições municipais. Está na hora de influenciarmos as eleições para Governador e Senador, um que reconheça nosso valor, ou ficaremos fadados a apenas reclamar nos bastidores.
Nós podemos muito mais que isso! Somos quase 150.000 po…

Vaccarezza é preso em nova fase da Operação Lava Jato em São Paulo

Ex-deputado, que deixou o PT, foi líder dos governos Lula e Dilma. Segundo o MPF, ele recebeu a maior parte de um total de propina que soma US$ 500 mil. O ex-líder dos governos Lula e Dilma na Câmara dos Deputados Cândido Vaccarezza, que deixou o PT, foi preso nesta sexta-feira (18) em São Paulo. Ele é alvo da Operação Abate, uma das duas novas fases da Operação Lava Jato deflagradas nesta manhã. A prisão é temporária, válida por cinco dias. Por volta das 9h, Vaccarezza estava em casa sob custódia da PF. Ele deve seguir para Curitiba ainda nesta sexta. O G1 tenta contato com a defesa do ex-deputado, com PT e com as empresas citadas. Principais pontos das investigações Ações apuram o favorecimento de empresas estrangeiras em contratos com Petrobras. Operação Abate investiga fraudes no fornecimento de asfalto para a Petrobras por uma empresa norte-americana, entre 2010 e 2013. Funcionários da Petrobras, o PT e, principalmente, Cândido Vaccarezza teriam recebido propinas que somam US$ 5…