Pular para o conteúdo principal

Rádio PolicialBR 24 horas com você. Notícias e entretenimento.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Família acredita que garota foi vítima de assassino em série: 'Por que ela?'

Para avó de criação, crimes contra mulheres em GO têm ligação entre eles.
Polícia não crê em suposto 'serial killer', mas também investiga a hipótese.


A família da estudante Ana Lídia Gomes, 14 anos, assassinada em um ponto de ônibus no último sábado (2), acredita que a adolescente foi mais uma das vítimas de um suposto assassino em série que estaria assustado a população de Goiânia. Segundo a polícia, nenhum pertence foi levado da vítima e os parentes afirmam que ela não tinha nenhuma inimizade ou envolvimento com drogas. “A gente se pergunta: por que ela? Nós não entendemos o porquê”, lamenta a avó de criação da menina, Ivone de Sousa, de 54 anos.
Desde maio, quando surgiu a informação de que existe um "serial killer" na capital, a Polícia Civil tratava o caso como um boato. No último domingo (3), a corporação voltou a afirmar que não crê na possibilidade de que um assassino em série esteja agindo em Goiânia, mas revelou, pela primeira vez, que também investigará a hipótese.
“A princípio, a gente não descarta a hipótese de um ‘serial killer’, embora as investigações apontem que não é apenas um motociclista que venha agindo dessa forma. Temos pessoas com características semelhantes, mas em motocicletas diferentes. Não podemos afirmar, mas também não podemos negar até efetuarmos a prisão desses suspeitos”, afirmou o delegado Murilo Polati, titular da Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH).
O assassinato da menor aumentou a desconfiança em relação a um assassino em série devido as semelhanças dos crimes. O suspeito chega de moto, saca a arma, dispara contra a vítima e foge sem levar nada. A família de Ana Lídia acredita que todos os crimes cometidos nos últimos meses contra jovens na capital estejam interligados. “Não é coincidência. Até quando vão falar que não é [um assassino em série]?”, questiona a avó.
Ivone ainda cobra respostas das autoridades sobre os diversos crimes. “Infelizmente, um louco está nas ruas fazendo o que quer. É claro que tem a ver [os crimes uns com os outros], porque senão não tinha essa sequência de mortes. A polícia não tem pessoas especializadas para estudar e agir? Então por que não pegaram esse homem até hoje?”, cobra a mulher.
A garota morreu após ser baleada no Setor Conjunto Morada Nova. Segundo a investigação, a garota estava em um ponto de ônibus para se encontrar com a mãe, quando um homem passou pelo local em uma moto escura e efetuou três disparos na direção da vítima. Dois dos tiros atingiram o peito da menina, que morreu na hora. O suspeito fugiu logo após o crime.
Após a morte de Ana Lídia, diversas pessoas passaram a comentar sobre o assunto nas redes sociais e a pedir que as autoridades se mobilizem. Em diversos perfis, internautas colocaram fotos com símbolos e frases de luto, cobrando respostas nos casos ainda em aberto e também maior segurança na capital.
Ana Lídia Gomes, 14, foi baleada e morta em ponto de ônibus (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)Ana Lídia Gomes foi baleada e morta em ponto de
ônibus (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Investigação
De acordo com Polatti, as investigações apontam que as motocicletas usadas são de marcas e cilindradas diferentes, além das descrições físicas dos suspeitos não serem as mesmas. O delegado afirma ainda que dois casos já possuem mandado de prisão em aberto contra os suspeitos, que estão foragidos.
O delegado explica que algumas das investigações indicam crimes passionais e outras apontam envolvimento das vítimas com consumo e tráfico de drogas, mas também não dá detalhes para não comprometer os inquéritos. “Nós não descartamos também que autores venham utilizando esse modo de agir inclusive para desviar a investigação. Dessa forma, seja por crime passional ou envolvimento com tráfico esse crime vai recair para o suposto maníaco”, diz.
A Polícia Civil de Goiás anunciou que delegados do interior do estado vão reforçar a investigação de crimes em Goiânia. O objetivo é acelerar os inquéritos, dentre eles 29 casos de homicídios contra mulheres que ocorreram deste janeiro deste ano na capital. Não há previsão para quantos ou quando os delegados do interior começarão a trabalhar nos casos.
Assessora parlamentar Ana Maria Victor Duarte é assassinada em frente a lanchonete em Goiânia, Goiás (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera)Após morte de Ana Maria, surgiu a suspeita de um
serial killer (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera)
Ao todo, segundo a polícia, 40 casos de homicídios contra mulheres foram registrados em Goiânia neste ano, totalizando 45 vítimas. Destes, 11 inquéritos foram solucionados até o momento.
Gravação
A suspeita de que um serial killer expressão usada para assassinos em série, estaria agindo em Goiânia, surgiu no fim do mês de maio, após uma mensagem de voz compartilhada pelo aplicativo de celular WhatsApp. Nela, uma pessoa não identificada diz que um homem já havia matado 12 mulheres na capital. No entanto, a polícia tratou o caso desde o início como boato.
A mensagem informa que o "serial killer tem uma motocicleta preta e um capacete preto” e que age, principalmente, nos setores Jardim América, Sudoeste e Nova Suíça. Além do áudio, também é compartilhada o retrato falado do suposto assassino. A imagem realmente foi elaborada pela DIH e retrata o suspeito de executar a assessora parlamentar Ana Maria Victor Duarte, de 26 anos, na porta de uma lanchonete do Setor Bela Vista, no dia 14 de março.
O jovem que aparece na imagem é o consultor de vendas Rafael Siqueira Aleixo, de 27 anos. Ele afirmou que teve que mudar sua rotina a aparência por causa da comparação. Com medo de ser morto por justiceiros, ele procurou a Polícia Civil para denunciar a divulgação da mensagem que utiliza sua foto como sendo a do criminoso. “Não é brincadeira ser acusado de algo tão sério, nunca fiz mal a ninguém. Minha família e meus amigos estão muito preocupados. Tenho medo de morrer”, relatou o jovem em entrevista ao G1.
A montagem com a foto do perfil do Facebook de Rafael e com o retrato falado do suposto serial killer. Ele soube por meio de amigos que sua imagem estava sendo compartilhada, de forma indevida, nas redes sociais há três semanas.
Para evitar ser reconhecido, o consultor de vendas passou a cortar o cabelo muito mais baixo do que o usual e a usar óculos constantemente, pois ele está sem o acessório na fotografia. Rafael também deixou de ter vida social. “Meu pai me leva e me busca no trabalho, sendo que antes eu ia de ônibus. Só vou trabalhar e volto para casa. Tive que abdicar de sair para não ter problema, saia muito antes”, lamenta o jovem.
Montagem divulgada em redes sociais com retrato falado do serial killer e foto de Rafael, em Goiânia, Goiás (Foto: Reprodução/ Polícia Civil)



Rafael diz que ficou com 'medo de morrer' após ser apontado como homicída (Foto: Reprodução/ Polícia Civil)

Do G1 GO, com informações da TV Anhanguera

Comentários

| Mais Acessados na Última Semana |

Usar arma de uso restrito com porte ilegal agora é crime hediondo

Aprovada urgência para projeto que torna crime hediondo o porte ilegal de armas de uso restrito O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 332 votos a 7 e 2 abstenções, o regime de urgência para o Projeto de Lei 3376/15, do Senado, que torna crime hediondo a posse ou o porte ilegal de arma de fogo de uso restrito das forças policiais e militares. Após a votação, a sessão ordinária foi encerrada. Projeto de Lei do Senado nº 230, de 2014, de autoria do Senador Marcelo Crivella, constante dos autógrafos em anexo, que “Altera a Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o crime de posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito no rol dos crimes hediondos”. A Lei 8.072/90 define como hediondos os crimes de homicídio praticado por grupo de extermínio; homicídio qualificado; latrocínio; genocídio; extorsão qualificada por morte; extorsão mediante sequestro; estupro; disseminação de epidemia que provoque morte; falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto …

Policiais e bombeiros militares não sabem a força que tem

Deputado Federal Capitão Augusto orienta os militares de São Paulo sobre a força política da classe
Por mais que façamos aqui pela Câmara dos Deputados, aprovando projetos dando mais direitos e garantias aos policiais e não deixando ser aprovado nenhum projeto que os prejudique, a grande reivindicação que recebo dos policiais refere-se a questão do aumento salarial.
Infelizmente Deputados não podem apresentar projetos que gerem despesas para o executivo, então está fora de nossa competência atender essa solicitação, o que nos resta é cobrar (e muito) do governador e fazer articulação para que ele conceda o tão esperado aumento salarial.
Hoje temos força política para eleger representantes para Assembleia Legislativa, Câmara dos Deputados e para todos cargos nas eleições municipais. Está na hora de influenciarmos as eleições para Governador e Senador, um que reconheça nosso valor, ou ficaremos fadados a apenas reclamar nos bastidores.
Nós podemos muito mais que isso! Somos quase 150.000 po…

Deputado capitão Augusto requer moção de repúdio contra Secretário de Segurança Pública e Governador de São Paulo Geraldo Alckmin

DEPUTADO CAPITÃO AUGUSTO REQUER MOÇÃO DE REPÚDIO CONTRA O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO E CONTRA O GOVERNADOR POR TANTO DESRESPEITO ÀS LEIS E AOS POLICIAIS MILITARES DE SÃO PAULO
O Deputado Capitão Augusto entrou hoje, 10, com dois Requerimentos de Moção de Repúdio contra o Secretário de Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, e contra o Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, por desrespeitar as leis e aos policiais militares. Essas moções fazem parte de uma série de medidas que o parlamentar está adotando para tornar público as medidas descabíveis desse governo contra os policiais militares e a segurança pública do país, e para que entendam que tudo tem um limite. A categoria não vai tolerar mais tanto descaso e desrespeito. O Deputado estará revelando ao país e ao mundo que Alckmin não serve para governar o país, deve ser ignorado e descartado como candidato à Presidência da República. CAPITÃO AUGUSTO conclama os militares e familiares a somarem esforços para…

Qual a responsabilidade que a sociedade civil possui na segurança pública?

Policiais militares foram assassinados por criminosos neste fim de semana; secretário de Segurança do Rio pediu mudanças no sistema judiciário Neste final de semana dois Policiais Militares foram assassinados no Rio de Janeiro: a Cabo PM Elisângela Bessa Cordeiro, com um tiro na cabeça disparado por um menor, e o Soldado PM Samir da Silva Oliveira, com um tiro no pescoço disparado por um fuzil de combate.
Qual é a pena para o menor assassino da PM ? Em média oito meses. Qual é a pena para quem porta um fuzil? Três anos. Como se isso já não fosse suficientemente patético, nossa legislação acrescenta o insulto à injuria ao prever a concessão do beneficio da progressão de pena, fazendo com que o criminoso cumpra apenas 1/6 da pena, ou seja, o guerrilheiro urbano que porta uma arma de uso restrito do Exército, pode estar solto em seis meses.
Quem é o responsável por essa baderna? Você que está lendo este artigo e eu que o escrevi. Somos nós que consistentemente fazemos o mesmo erro de ele…

Leis desestimulam policiais e bombeiros militares a exercerem plenos direitos políticos.

Deputado federal capitão Augusto luta para acabar com injustiças políticas que sofrem os policiais militares e bombeiros do Brasil Até mesmo politicamente os policiais ele são injustiçados. Em tempos onde a representatividade política se faz de extrema necessidade e, do soldado ao coronel, buscam eleger seus representantes da mesma forma que outras categorias, Leis desestimulam a participação efetiva na política Nacional dos policiais e bombeiros militares. Com uma democracia atrasada em relação a outros países o Brasil ainda tem mecanismos para desestimular a elegibilidade dos policiais e bombeiros militares. Buscando corrigir estas injustiças o deputado federal capitão Augusto busca direitos políticos e de elegibilidade aos policiais militares e bombeiros. Um policial ou bombeiro militar se candidatando a cargo eletivo com menos de dez anos de serviço é exonerado e com mais se eleito também é exonerado, sendo aposentado com o tempo proporcional ao que trabalhou. Ouça entrevistas co…