Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Em bilhetes, presos informam sofrer tortura em presídio de Jequié, diz DP

Defensores afirma que tiveram acesso aos módulos impedidos pela diretoria.
Interventor nega uso de violência e diz que clima no local é de normalidade.


Presos denunciam casos de tortura no presídio de Jequié, na Bahia (Foto: Defensoria/Divulgação)Presos denunciam casos de tortura no presídio de Jequié, na Bahia (Foto: Defensoria/Divulgação)

Presos denunciam casos de tortura no presídio de Jequié, na Bahia (Foto: Defensoria/Divulgação)Presos denunciam casos de tortura no presídio de Jequié, na Bahia (Foto: Defensoria/Divulgação)

Detentos do Conjunto Penal de Jequié, cidade situada no sudoeste da Bahia, enviaram bilhetes, sem identificação, aos defensores públicos estaduais, denunciando casos de tortura na unidade prisional. A situação foi informada na tarde desta sexta-feira (8) pela Defensoria Pública da Bahia. Entre elas, são apontadas a permanência de internos em salas isoladas e a falta de atendimento médico. Por outro lado, o interventor Paulo Sabina nega anormalidade na condução da unidade e afirma que as agressões sofridas foram provocadas pela própria população carcerária durante a última rebelião.
No dia 4 de julho, ocorreu um conflito dentro da unidade penitenciária durante operação policial. O interventor Paulo Salina informou que a rebelião, que deixou 10 presos feridos, foi gerada após a transferência de líderes de facções criminosas. A Secretaria de Administração Penitenciária da Bahia (Seap) informou que 13 internos foram levados para outras unidades e que a agitação foi iniciada durante revista geral, que recolheu celulares, chips, facas, facões e dinheiro.
Aos defensores, os presos informaram que foram abordados por policiais com "chutes, golpes de cassetete e gás de efeito moral, alguns inclusive sendo alvejados com balas de borracha". A Defensoria comenta que eles afirmaram que os policiais apreenderam um material usado para a costura de bolsas, trabalho que é realizado dentro do presídio, o dinheiro que ganham fruto dessa atividade, além de alimentos levados por familiares. Os presos alegaram aos defensores que há pessoas feridas, com fratura exposta, que foram levadas para locais de acesso restrito.
Segundo a Defensoria, a gestão do Conjunto Penal alegou impediu a entrada de defensores alegando que a visita ajudaria a "inflar o descontentamento dos detentos" e afirmou também que não podia garantir segurança. "Normalmente costuma ocorrer operações 'baculejos' feitos pela Polícia Civil. Dessa vez, foi com a Polícia de Choque, não sabemos ainda por qual motivo. Fomos ao presídio três vezes e só tivemos acesso em um único módulo, quando colhemos depoimentos informais, registramos fotos. Já pedimos exames de corpo de delito e estamos aguardando a lista de presos atual. O receio é que as pessoas feridas fiquem sem atendimento médico. Vamos acionar órgãos de Direitos Humanos e o Ministério Público, essa parte tem que ser fiscalizada. Vamos tentar preservar a integridade física dos detentos", disse a defensora Itanna Pelegrini, que esteve no local junto aos colegas Yana Melo e Rafson Ximenes.
Paulo Sabina, o interventor, informou que a unidade funciona normalmente, que na quinta-feira (7) houve a saída de presos no indulto do dia dos pais e, nesta sexta-feira, o local foi aberto para as visitas. Segundo ele, a intervenção da Polícia de Choque e dos agentes penitenciários foi o que possibilitou a preservação da vida dos 10 feridos durante o conflito. "As fotos são de presos que nós socorremos. Se não fosse a intervenção, eles teriam morrido. Eu tinha pessoas para morrer, já sendo agredidas. Inclusive, já iam tocar fogo em duas delas. A polícia teve que usar a técnica moderana e necessária", afirmou. Dos 10, seis foram socorridos para unidades de saúde e já retornaram à unidade.
Conflito
Atualmente, o Conjunto Penal de Jequié está sob intervenção do estado, após denúncias de facilitação da entrada de drogas e celulares. "Nós tivemos uma revista geral em todos os sete módulos, no quais achamos aparelhos celulares, chips. Também para organizar, tiramos as lideranças maléficas, que estavam oprimindo os presos e comandando crime organizado em Jequié e cidades vizinhas, e transferimos. Depois disso, os presos tentaram fazer uma rebelião em dois módulos, mas foram prontamente contidos", garantiu, na terça-feira (5), o interventor Paulo Salina.
Segundo os familiares de alguns os internos, a confusão ocorrida na unidade foi resultado de um protesto contra o excesso de força policial aplicado pelos cerca de 140 policiais militares e agentes penitenciários que revistavam o conjunto penal. No entanto, conforme a coordenação da operação, a ação policial seguiu seguiu todos os padrões de segurança recomendados, sendo realizada sem excessos. O Conjunto Penal de Jequié tem capacidade para receber 380 presos, mas atualmente mantém 903 internos custodiados.
Do G1 BA

Comentários

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …