Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

DILEMA URGENTE DA PRESIDENTE DILMA: DEMITE O GENERAL OU EXTINGUE A COMISSÃO DA VERDADE

GENERAL PROÍBE COLABORAÇÃO DO EXÉRCITO PARA APURAR CRIMES DA DITADURA

Por Luiz Cláudio Cunha:A presidente Dilma Rousseff acordou estarrecida nesta sexta-feira, 22, como qualquer brasileiro que se respeita.  E diante de um dilema inadiável, indelegável, inquestionável:Ou Dilma demite o Comandante do Exército ou Dilma extingue a Comissão Nacional da Verdade (CNV).O ofício cala-boca do Comandante do Exército…Não há mais clima de convivência possível entre o general Enzo Peri, chefe do Exército, e os seis comissários da CNV, diante da espantosa manchete de hoje do jornal O Globo: “Anos de chumbo: comandante impõe silêncio ao Exército.”O repórter Chico Otávio recebeu do procurador Sérgio Suiama, da Procuradoria da República do Rio de Janeiro, um inacreditável ofício enviado em 25 de fevereiro passado aos quartéis de todo o País pelo comandante do Exército, general Enzo Peri, proibindo qualquer colaboração para apurar crimes da ditadura que derrubou o presidente João Goulart. O general Peri chega ao requinte de mandar um modelo de ofício, em branco, instruindo cada quartel a rebater pedidos do Procurador-Geral da República para o seu gabinete em Brasília, no quarto andar do Bloco A do QG do Exército (veja cópia abaixo].O cala-boca nacional do general Peri abrange qualquer pedido ou requisição de documentos feitos pelo “Poder Executivo (federal, estadual e municipal), Poder Legislativo (federal, estadual e municipal), Ministério Público, Defensoria Pública e missivistas que tenham relação ao período de 1964 a 1985”).  Só quem pode responder a tudo isso, esclarece o ofício, é o Gabinete do Comandante do Exército, ou seja, o próprio general Peri, erigido agora com uma autoridade que transborda todas as esferas de poder.É útil lembrar que os desmandos e abusos cometidos entre 1964 e 1985 constituem o foco principal da investigação da CNV, que apresentará ao País em dezembro próximo o seu relatório final.A solução do impasse agora revelado cabe exclusivamente à Suprema-Comandante das Forças Armadas (FFAA), a quem o general se subordina nos termos da Constituição, e à Presidente da República, que criou a CNV em 2011 e a instalou no ano seguinte justamente para apurar graves violações dos direitos humanos no País. Dilma acumula as duas funções e a dupla responsabilidade.Cabe a ela, e a mais ninguém, repor a autoridade de seu comando e o prestígio de seu cargo. Se nada fizer, Dilma perderá ambos — a autoridade e o prestígio. Tudo isso em meio a uma brava campanha eleitoral, que não permite hesitações ou fraquezas. À esquerda ou à direita.É útil lembrar que o ofício do general Peri foi remetido a todas OM (organizações militares) e com difusão para todos os Comandantes de OM e Estado-Maior, ou seja, todos os 108 generais da tropa – os 14 generais de Exército, os 32 generais de Divisão e os 62 generais de Brigada que integram a maior e mais poderosa força militar terrestre da América Latina, com 220 mil homens e a maior concentração de blindados do continente, com 2.000 tanques, 500 deles pesados.…e o modelo de resposta-padrão para não dizer nada e desviar tudo para o QG do Exército.Existe aqui uma clara confrontação da estrela máxima da República, a da presidente Dilma,  com o firmamento das 276 estrelas que comandam a tropa — 14 generais de exército (quatro estrelas), 32 de divisão (três estrelas) e 62 de brigada (duas estrelas). A estrela maior deve brilhar sobre todas as outras, nos termos da Constituição e da hierarquia militar, ou então se apaga irremediavelmente.O grave tom de insubordinação do general Peri se constata pela data em que enviou o ofício cala-boca a seus subordinados de todo o País: 25 de fevereiro de 2014, exatamente uma semana após a entrega pela CNV de seu relatório ao ministro Celso Amorim pedindo informações às Forças Armadas. Quatro meses depois a CNV recebeu um insolente, imprestável conjunto de 455 páginas de relatórios das FFAA que não investigam, não relatam e não respondem às perguntas objetivas e documentadas da Comissão da Verdade. Uma nota oficial assinada pelos seis comissários da CNV definiu, em junho passado, a qualidade da maçaroca de papel sem serventia recolhida pelos oficiais-generais: “Deplorável, lamentável”, acusou a CNV.O relatório minucioso da Comissão da Verdade relacionava, com nomes e datas, graves violações aos direitos humanos nos sete endereços mais notórios da repressão coordenada pelos militares, situados no Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Pernambuco. São cinco quartéis do Exército — incluindo os DO-CODI do Rio e São Paulo, os endereços mais letais da repressão, onde morreram pelo menos 81 pessoas, segundo levantamento da CNV —, uma base da Marinha e outra da Aeronáutica, com os nomes, sobrenomes, datas, depoimentos e horrores sobre nove casos de mortes sob tortura e de outros 17 presos políticos torturados. O relatório do Exército de Peri tinha 42 páginas e, como constatou o procurador Suiama, cobria uma encenação.O Exército, descobriu o procurador, fingiu que trabalhou durante quatro meses para atender ao pedido da CNV, mas uma semana após a solicitação já cumpria uma determinação exatamente oposta de seu comandante em chefe, o general Enzo Peri.O dúplice comportamento do comandante da corporação, de um lado chefiando uma investigação e de outro lado impondo o silêncio aos quartéis, lança um manto de dúvida sobre o objetivo real do Exército. Na prática, o ofício cala-boca de Peri submete a CNV à zombaria pública de militares insubmissos e de generais refratários ao interesse nacional, à hierarquia e à verdade, escancarando um deboche corporativo que tripudia sobre a inteligência dos cidadãos e a própria democracia.O documento da Procuradoria da República revelado pelo O Globo lança uma suspeita terrível sobre o Exército: a CNV foi vítima inocente de uma fraude, de uma farsa? Como o Exército poderia produzir um relatório consistente e crível diante de uma ordem de silêncio imposta por seu comandante?O Brasil não pode mais conviver com esta grave contradição.Ou o Exército leva a sério a missão institucional da Comissão da Verdade, ou não.Instalação da Comissão da Verdade, em maio de 2012: é mesmo Dilma a chefe suprema?A presidente da República, num gesto altivo e corajoso, instituiu a CNV em 2012 com a missão expressa de apurar tudo. Agora, o comandante do Exército ordena o contrário: ninguém subordinado a ele pode ajudar nas apurações.O general Peri não está zombando apenas da CNV.Está achincalhando a autoridade da comandante-suprema, a presidente da República.O Brasil deve agora se perguntar: o que fará a CNV?O que fará o Ministro Celso Amorim?O que fará a presidente Dilma Rousseff?Se ninguém fizer nada, já, agora, de forma clara, decisiva, contundente, todos se desmoralizam perante o País e os brasileiros.Os comissários da CNV precisam dar ao país uma resposta urgente, clara, digna, altiva.O ministro Amorim precisa explicar ao país que confusão é esta. A quem ele presta contas: à presidente Dilma, que criou uma CNV para apurar, ou ao seu subordinado, o general Peri, que impôs o silêncio sobre a tropa?A presidente Dilma precisa esclarecer ao país quem manda no Governo Federal.É Dilma, chefe suprema do Executivo, ou é o comandante do Exército?O Exército, que sonegou em seu relatório a constatação de que a guerrilheira Dilma é uma das torturadas no DOI-CODI da rua Tutoia onde o Exército jura não ter havido tortura, precisa explicar agora que confusão essa.Quem manda, afinal: Dilma ou Peri? A presidente ou o general?Os atuais comandantes, se não a compostura, perderam o prazo de validade.Os três comandantes das FFAA — o general Peri, o brigadeiro Saito e o almirante Moura Neto — são gente do bem, fichas limpas em relação à repressão e aos abusos da ditadura. Nada têm a ver com elas, como o esmagador conjunto de seus 330 mil companheiros de farda no Exército, na Aeronáutica e na Marinha. Todos os três chegaram ao generalato, por nomeação do presidente Fernando Henrique Cardoso, apenas em 1995, quando a ditadura já era defunta há uma década.São boa gente, mas atuam e agem como comandantes fracos e acomodados.Estão em seus cargos desde 2007, como herança gelatinosa de Lula para a Dilma. Estão, portanto, há sete anos no cargo, mais do que o mandato de um presidente, quase o mandato de dois presidentes…O DIÁRIO DO PODER contou que, na terça-feira, logo após ler o estarrecedor relato da jornalista Miriam Leitão sobre as torturas sofridas durante três num quartel do Exército em Vila Velha, ES, a partir de dezembro de 1972, o senador Cristovam Buarque mandou por fax um bilhete ao ministro Celso Amorim, fortalecendo o pedido de desculpas das FFAA à jornalista torturada. “Nenhum soldado de hoje pode ser acusado de responsabilidade por fatos do passado, mas serão responsabilizados por esconderem os fatos, o que também macula a História, ferida por escondida. O silêncio é uma conivência e cumplicidade”, ensinou Buarque.Amorim ligou de volta, na manhã de quarta-feira, 20, dizendo-se também ‘impactado’ pelo depoimento de Míriam Leitão. E completou com uma frase enigmática: “Eu sei das coisas que precisam ser ditas, mas tenho algumas limitações…”.As únicas duas limitações que Amorim tem para cima são o vice-presidente Michel Temer e a presidente Dilma Rousseff. Se um ou outro estão limitando o Ministro da Defesa são passíveis de crime de prevaricação.As limitações que Amorim tem para baixo só podem ser os 108 oficiais que compõem sua tropa de generais. Se algum deles está limitando o Ministro da Defesa são passíveis do crime de insubordinação.Amorim está obrigado a esclarecer quem limita suas ações na pasta da Defesa.A presidente da República, chefe de Amorim e comandante do general Peri, está obrigada a procurar esta resposta.Nenhuma eleição, nenhuma conveniência eleitoral justifica agora o silêncio, a omissão, a covardia, a inércia da Dilma.Não se investiga o passado em cima do silêncio.Não se constrói um país em cima do medo.Não se consolida a democracia em cima da mentira.A presidente Dilma precisa escolher entre o general Peri e a Comissão da Verdade.Os dois não podem mais conviver no Estado Democrático de Direito.​LUIZ CLÁUDIO CUNHA   -  cunha.luizclaudio@gmail.com

Comentários

  1. Caracas, agora vai "pegar". Não entendo porque é que não se revela tudo logo de uma vez e acaba com isto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tá na hora do bicho pegar mesmo. Parabéns General, espero que o senhor tenha apoio de todos os demais Generais. Chega de hipocrisia neste país.

      Excluir
  2. VIVA O BRASIL! VIVA AS FORÇAS ARMADAS! PARABENS PARA O EXMO. SR. GAL. EX. ENZO PERI COMT. DO EXÉRCITO BRASILEIRO PELA BRAVURA EXORTIVO CUMPRIMENTO DO DEVER!

    ResponderExcluir
  3. Essa tal de comissão da verdade quer apurar somente os crimes cometidos pelo Exercito e quer abafar os crimes cometidos pelos bandos armados ( terroristas ) os quais a presidente Dilma e seu bando fez parte. Concordo com o Gen. Enzo, não deve fornecer nada a eles.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa "tal de comissão da verdade" caledias_vale, só busca a verdade, você tem medo da verdade?

      Excluir
    2. Caro anônimo do dia 24 de agosto de 2014 12:21 claro que não tenho medo da verdade e a verdade tem que vir atona, só acho que deve ouvir os dois lados. Por que somente os militares. E as atrocidades cometidas pelos bandos armados liderados pela Dilma. Você acha que não deve ser apurados ou você fez parte desse bando? Eu não publico como anônimo. Não tenho pretensão nenhuma de lhe ofender, só pra te dizer que tenho medo da verdade, embora naquela época eu era criança.

      Excluir
    3. Concordo com você, deve apurar os dois lados, afinal de contas, ambos os lados cometeram atrocidades, fui uma "guerra" entre eles, ocorre que a CNV foi criada para apurar os crimes de agentes do estado, assim, a Federação ou estados federativos serão responsabilizados, quanto ao outro lado que você se refere (esquerda) eles eram civis e seus crimes devem ser julgados pela Justiça comum, é ai que esta a grande diferença que muitos não entendem e acabam se confundindo achando que a CNV é só para "ferrar" os militares.

      Excluir
    4. Beleza meu caro Anônimo do dia 24 de agosto de 2014 22:02, Concordo com você em parte, só que os crimes cometidos pelos bandos armados da época liderados pela Dilma Rousseff, jamais vão ser julgados pela justiça comum. Os terroristas civis da época e que hoje estão no poder jamais vão ser julgados pela justiça comum, muitos dos que poderiam julgá-los tem o rabo preso. A Suprema Corte (STF) todos os ministros são indicados pelo Presidente da República com aprovação do Congresso Nacional, por isso todos ficam com o rabo preso, com exceção do Ministro Joaquim Barbosa e o que aconteceu com ele? Teve que se aposentar antes do tempo, não agüentou a pressão. Vivemos num País onde se diz que a justiça é cega, só que ela enxerga muito bem. Portanto ainda acho que os crimes cometidos pelos militares e pelos bandos armados da época deveriam ser apurados e não um dos lados, os militares.

      Excluir
  4. Já faz tempo que o Comandante do Exército ou mesmo das outras forças deveriam ter dado um basta a esta Comissão da Verdade, que somente apura as violências cometidas por apenas um lado, exatamente aqueles que combatiam a implantação de um regime de exceção. Se é Comissão da Verdade porquê não apurar também os crimes cometidos pelos terroristas da época, inclusive a Presidente Dilma, que sai na história como heroína, o que não foi verdade; esses bandos armados que diziam estar combatendo a ditadura, pura balela e conversa mole, o que eles queriam era implantar o regime comunista no Brasil. Sou a favor de uma Comissão da Verdade que tenha pessoas dos dois lados e que realizem as suas pesquisas a partir dos dois lados, voltando a dizer, terroristas e FFAA e Policias Militares. Lembrando que os militares de hoje nada tem com os momentos de outrora, porém os de hoje se sentem indignados por tanto revanchismo. Vamos aguardar os acontecimentos. Tenho dito.

    ResponderExcluir
  5. Esta porra toda já passou há mais de 35 anos. Os safados petistas querem rever tudo só e exclusivamente para continuar pagando indenizações milionarias aos seus consortes. Segura a onda general. Manda esses vermelhos as favas.

    ResponderExcluir
  6. A Comissão da Verdade deveria ter a ombridade de revelar, também, as verdades sobre o terrorismo implantado na época da Ditadura Militar, inclusive com a participação da presidenta Dilma, porque da forma como essa pseudo comissão está atuando, visa a apurar somente meia verdade.

    ResponderExcluir
  7. Parabéns Gen ENZO, mais vale uma ação tardia do que a inercia e a acomodação. Já era tempo de alguém dizer um basta a essa farsa que é a CNV que só apura um lado da questão. Os brasileiros precisam saber o que realmente aconteceu e porque aconteceu a Revolução de março de 64 e não fcar falando porque ouvi dizer etc.

    ResponderExcluir
  8. Parabéns Gen Enzo, embora tardio a sua ação. Mais Vale uma ação tardia do que a INERCIA E A ACOMODAÇÃO.Já era tempo de dizer um basta a essa CNV que só apura um lado da questão. Os brasileiros sabem desse fato por ouvi dizer, continuam sendo inocentes uteis daqueles que queriam colocar a foice e o martelo na bandeira do Brasil.

    ResponderExcluir
  9. Sensacionalismo desnecessário. Não vi nenhum procedimento desrespeitoso...o que depreendi da determinação foi um ato perfeitamente normal e adequado, afinal a coisa não pode nem deve ser bagunçada.
    Brasileiro a favor da verdade (e não da meia verdade).

    ResponderExcluir
  10. Ele fez a mesma coisa que a Dilma quando passou, SECRETAMENTE, ordem aos seus cupinchas para esconder e manter a sete chaves os documentos que o Exército tinha sobre sua vida PODRE DE TERRORISTA.... Pau no C... desses PETRALHAS...Viva o Brasil.

    ResponderExcluir
  11. Será possível, que esses guerrilheiros ajam mesmo que o povo brasileiro é idiota, que não tem discernimento das coisas. Não era nem preciso essa comissão da metade, é só vê quem são os corruptos atual, são os mesmos que pensaram uma dia tomar o nosso Brasil, tão rico, mais,
    tão pobre de memoria que dá dó. Parabéns ao General de Exército Enzo, estou com o senhor.

    ResponderExcluir
  12. A "CNV" QUER SABER SOMENTE QUEM FOI O AUTOR DO PAU QUE LEVARAM, MAS NÃO INTERESSA DIVULGAR OS CRIMES QUE COMETERAM, ESTÁ NA HORA DE ALGUÉM DE SACO ROXO ASSUMIR, OI GOVERNO QUE AÍ ESTA, ESTÁ DESTRUINDO NOSSAS RIQUEZAS, DEPOIS DO PERÍODO DE EXCEÇÃO, O BRASIL VIROU TERRA DA ALEGRIA PARA POLITICOS CORRUPTOS E ANARQUISTAS, POLITICO CORRUPTO É SINAL DE HEROISMO E AINDA LEVANTAM O PUNHO PARA CIMA E GRITAM PALAVRAS DE ORDEM, A UNICA PALAVRA DE ORDEM QUE QUERO OUVIR É " ESTEJE PRESO LADRÃO " .
    QUERO NOSSA TERRA DE VOLTA, PODER ANDAR NAS RUAS COM A CABEÇA ERGUIDA E COM SEGURANÇA, QUERO QUE MINHA FAMÍLIA TENHA CHANCE DE VIVER.
    TRATAR MARGINAIS COMO HERÓIS É CRIME TAMBÉM EXEMPLO ESSE MENSALÃO ENTRE OUTROS, GOSTARIA DE VER MUITOS NO PAREDÃO E QUE A FAMÍLIA PAGUE A MUNIÇÃO QUE FOR GASTA PARA ISSO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aí se instala a barbárie. Apenas elogiar a excelente atitude do GAL Enzo. Comissão Nacional da Verdade é uma Cópia fiel dos Direitos Humanos que só visam os Direitos do Tortos. Apura tudo e com uma comissão multidisciplinar... Veremos quem ficará preso. Será que no futuro o país montará uma comissão Nacional da Verdade Para apurar toda a safadeza feita pelo PT no nosso país... Peeeeennnnse, pennnnnse, pennnnnse.

      Excluir
  13. A "CNV" QUER SABER SOMENTE QUEM FOI O AUTOR DO PAU QUE LEVARAM, MAS NÃO INTERESSA DIVULGAR OS CRIMES QUE COMETERAM, ESTÁ NA HORA DE ALGUÉM DE SACO ROXO ASSUMIR, OI GOVERNO QUE AÍ ESTA, ESTÁ DESTRUINDO NOSSAS RIQUEZAS, DEPOIS DO PERÍODO DE EXCEÇÃO, O BRASIL VIROU TERRA DA ALEGRIA PARA POLITICOS CORRUPTOS E ANARQUISTAS, POLITICO CORRUPTO É SINAL DE HEROISMO E AINDA LEVANTAM O PUNHO PARA CIMA E GRITAM PALAVRAS DE ORDEM, A UNICA PALAVRA DE ORDEM QUE QUERO OUVIR É " ESTEJE PRESO LADRÃO " .
    QUERO NOSSA TERRA DE VOLTA, PODER ANDAR NAS RUAS COM A CABEÇA ERGUIDA E COM SEGURANÇA, QUERO QUE MINHA FAMÍLIA TENHA CHANCE DE VIVER.
    TRATAR MARGINAIS COMO HERÓIS É CRIME TAMBÉM EXEMPLO ESSE MENSALÃO ENTRE OUTROS, GOSTARIA DE VER MUITOS NO PAREDÃO E QUE A FAMÍLIA PAGUE A MUNIÇÃO QUE FOR GASTA PARA ISSO, COMO SE FAZ NA CHINA.

    ResponderExcluir
  14. Façamos um levantamento dos crimes praticados pelo bando da Sra Dilma e seus asseclas.... pq não fazer? não é para efeitos de transparência? então porque não fazer? hi po cri sia pura. Nosso pais esta necessitado de disciplina.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.


| Mais Acessados na Última Semana |

Justiça Militar manda PM reintegrar cabo acusado de matar atriz durante blitz em Presidente Prudente

Decisão publicada nesta quarta-feira (18) atende a um pedido de tutela de urgência feito pela defesa. Marcelo Aparecido Domingos Coelho foi demitido da corporação em abril de 2015. oi publicada nesta quarta-feira (18) no Diário da Justiça Militar a decisão do juiz substituto da 2ª Auditoria do Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo (TJM-SP), Marcos Fernando Theodoro Pinheiro, que determina a imediata reintegração de Marcelo Aparecido Domingos Coelho aos quadros da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Em abril de 2015, o então cabo da PM foi demitido pela corporação, após ser acusado no processo que envolveu a morte da atriz e produtora cultural Luana Barbosa durante uma blitz policial na Avenida Joaquim Constantino, na Vila Formosa, em Presidente Prudente.
O juiz levou em consideração a absolvição que Coelho obteve na Justiça Militar, sob o argumento de “legítima defesa” e do “estrito cumprimento do dever legal”, o que, segundo o magistrado, de certa forma, contradiz c…

Alckmin propõe reajuste de 7% para policiais

ATENÇÃO- ATENÇÃO ESTA NOTÍCIA É DO ANO DE 2013 E ESTA CIRCULANDO NAS REDES SOCIAIS COMO SENDO ATUAL

O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta sexta-feira, 13, o envio à Assembleia Legislativa de um projeto de lei que concede aumento salarial de 7% para os membros da Polícia Militar, da Polícia Civil e da Polícia Técnico-Científica. O reajuste também será estendido aos agentes penitenciários. Aposentados e pensionistas das quatro categorias também terão o mesmo benefício. No total, serão beneficiados 172 mil policiais militares, 53 mil policiais civis e 33 mil agentes penitenciários. O custo para o Tesouro do Estado será de R$ 983 milhões por ano. Esta é a terceira vez que o governador Alckmin concede aumento salarial acima da inflação do período. Desde o último reajuste, o índice oficial de inflação acumulada é 5,66%. Em outubro de 2011, os policiais tiveram 15% de aumento retroativo a julho de 2011. Em agosto de 2012, o aumento foi de 11%. Com a nova proposta, o reajus…

GENERAL QUE COMANDA A ABIN FALA EM VAZIO DE LIDERANÇAS E ELOGIA FEITOS DA DITADURA

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional do governo Temer, Sérgio Westphalen Etchegoyen, causou incômodo em parte da comunidade diplomática durante uma palestra no Instituto Rio Branco. O general sugeriu “medidas extremas” para a segurança pública, elogiou feitos dos anos de chumbo e disse que o país sofre com amoralidade e com patrulha do “politicamente correto”.
Etchegoyen começou a fala de quase duas horas contando que tinha sido soldado por 47 anos e que era por essa ótica, militar, que enxergava e
interpretava o mundo. Depois do alerta, tentou quebrar o gelo:
“Sou da arma de cavalaria e tem um problema que a ausência do meu cavalo reduz minha capacidade intelectual em uns 45, 40 por cento”, começou general da reserva que comanda, entre outros órgãos, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin). A plateia, majoritariamente composta por futuros diplomatas, riu discretamente.
Foi um dos poucos momentos de descontração. No restante do tempo, segundo pessoas que estiveram present…

Policial civil morto em mega-assalto a empresa de valores é enterrado

Vítima foi morta a tiros durante ação dos criminosos que explodiram sede da Protege em Araçatuba (SP). Policial estava de folga. O corpo do policial civil André Luís Ferro da Silva, morto durante o mega-assalto a empresa Protege em Araçatuba (SP) nesta segunda-feira (16), foi enterrado na manhã desta terça-feira (17) em um cemitério particular da cidade. Ferro tinha 37 anos e foi baleado durante a ação. Ele foi socorrido com vida, mas morreu durante atendimento na Santa Casa. Silva era investigador e integrante do Grupo de Operações Especiais (GOE), e deixou filhos e a esposa.
O velório da vítima foi feito em um salão de uma funerária em Araçatuba e, do local, o caixão seguiu em um caminhão do Corpo de Bombeiros em cortejo com viaturas das polícias Militar e Civil até o cemitério. Segundo a Polícia Militar, o policial civil estava de folga do serviço e foi ao local para ver o que acontecia após ser chamado pelos pais, que moram perto da sede da Protege.
O grupo criminoso, cerca de 40 la…

PL 920: uma bomba atômica no funcionalismo público que Alckmin quer ver aprovado a todo custo.

O governador Geraldo Alckmin protocolou na quinta-feira, 5/10, o Projeto de Lei 920/2017, que representa uma verdadeira bomba atômica no Estado de São Paulo, sobretudo um verdadeiro ataque aos servidores estaduais e à prestação de serviços públicos. Publicado no Diário Oficial já no dia seguinte, o PL formaliza a renegociação da dívida de São Paulo com a União, ampliando o prazo de pagamento.
            Em contrapartida, o Estado se compromete a cumprir as exigências do governo federal, que impõe um verdadeiro arrocho salarial sobre os servidores públicos. Essa cruel punição aos servidores foi aprovada no ano passado pelo Congresso Nacional. Seu embrião foi o PLP 257, apresentado pela presidente Dilma, que depois foi maquiado pelo governo Temer e transformado na Lei Complementar federal 156/2016.
            Se o PL 920 for aprovado – e espero que não seja –, haverá um congelamento não só de salários, mas também da evolução funcional de todos os servidores estaduais, ficando suspens…