Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Deputado acusado na 'Eclésia' diz que não lia documentos que assinava

Parlamentar está entre os acusados de desviar R$ 820 mil no Amapá.
Declaração ocorreu durante audiência no Tjap, nesta terça-feira (12).


Deputado Eider Pena foi o único parlamentar envolvido a comparecer (Foto: Dyeperson Martins/G1)Deputado Eider Pena (PSD) foi o único parlamentar
a comparecer (Foto: Dyeperson Martins/G1)
O deputado Eider Pena (PSD) disse que não lia os documentos assinados por ele na Assembleia Legislativa do Amapá (Alap) no período em que exercia o cargo de primeiro secretário da mesa diretora da instituição. A declaração foi dada no Tribunal de Justiça do Amapá (Tjap), nesta terça-feira (12), durante a segunda audiência de instrução do processo que apura o desvio de R$ 820 mil da Casa. A ação é resultado da Operação ‘Eclésia’, deflagrada em maio de 2012 pelo Ministério Público (MP) do estado com o apoio da Polícia Civil.
Além do pessedista, são réus na ação o ex-presidente da Assembleia, Jorge Amanajás (PPS), o presidente afastado Moisés Souza e outras três pessoas.
Segunda audiência que julga acusados de desviar dinheiro da Assembleia Legislativa do Amapá (Foto: Dyepeson Martins/G1)Segunda audiência que julga acusados de desviar
dinheiro da Assembleia Legislativa do Amapá
(Foto: Dyepeson Martins/G1)
“São muitos processos. Muito difícil você pegar e analisar cada um deles. Não tem como analisar profundamente. Os processos passavam por todas as pastas antes de chegar a mim. Eu assinava [os documentos] porque o servidor tem 'fé pública' e os processos passavam por todos os setores da Assembleia, principalmente, pelo setor da legalidade: a Procuradoria”, afirmou Eider Pena, defendendo-se da acusação de que, quando na mesa diretora da Casa, teria compactuado com a autorização do pagamento do valor suspostamente desviado a uma empresa contratada sem licitação, segundo a denúncia do MP.
Eider Pena foi o primeiro acusado no processo a ser ouvido. Além dele, foi interrogada a ex-assessora jurídica de Moisés Souza. O dinheiro desviado teria sido depositado na conta da advogada, ainda de acordo com a denúncia do Ministério Público. Ela negou as acusações e disse nunca ter tido conhecimento sobre processos ilegais e afirmou que só analisava documentos referentes ao gabinete do parlamentar para o qual trabalhava.
Jorge Amanajás (à esquerda), Moisés Souza e Eider Pena são acusados (Foto: John Pacheco/G1; Abinoan Santiago/G1)Jorge Amanajás, Moisés Souza e Eider Pena são
acusados de desviar recursos da Assembleia
(Foto: John Pacheco/G1; Abinoan Santiago/G1)
A sessão, que iniciou por volta das 10h, teve como primeiro depoimento o do promotor de Justiça Pedro Leite, ouvido como testemunha de defesa de Moisés Souza. Leite afirmou “ter tido conhecimento sobre o suposto desvio de recursos públicos somente através da imprensa”.
Jorge Amanajás não compareceu na audiência e foi representado pelo seu advogado particular. Moisés Souza também faltou à sessão e foi representado pelo defensor público Rivaldo Valente, que chegou a pedir a suspensão da audiência pela não notificação de um delegado que participou da 'Eclésia'. O pedido foi negado pelo relator do processo, desembargador Carlos Tork.
A próxima audiência está marcada para o dia 25 de agosto, às 9h, na plenária do Tribunal de Justiça do Amapá.
Desvio
Segundo documentos reunidos pelo Ministério Público, os pagamentos para a empresa foram efetuados em duas parcelas de R$ 140 mil e três de R$ 180 mil, totalizando R$ 820 mil. O recebimento dos valores ocorreu no período de 21 a 25 de janeiro de 2011. Ainda de acordo com o MP, mais R$ 132 mil foram depositados em uma conta corrente diferente das demais. O valor teria sido recebido no dia 12 de janeiro de 2011, totalizando R$ 952 mil de verbas supostamente desviadas.
Primeira sessão
A primeira audiência de instrução aconteceu em 28 de julho. Na ocasião, três testemunhas de acusação e outras três de defesa foram ouvidas. Nos depoimentos, ex-servidores da Assembleia Legislativa disseram que não sabiam se os serviços referentes aos pagamentos realizados pela Casa eram prestados.
As testemunhas, que afirmaram desconhecer a prestação do serviço, trabalhavam na secretaria de orçamento e finanças da Assembleia. Todos foram exonerados dos cargos após a operação.
Advogados de dois réus no processo protocolaram, antes do início da audiência, pedidos de suspeição contra o relator do caso, desembargador Carlos Tork, que disse não se declarar suspeito e afirmou que os pedidos serão submetidos ao Pleno do Tribunal de Justiça.
Eclésia
A operação foi deflagrada pelo Ministério Público do Amapá com o apoio da Polícia Civil, em maio de 2012. Buscas de documentos foram realizadas em prédios da Assembleia e na casa dos deputados Moisés Souza e Edinho Duarte (PP).
A denúncia mais antiga contra os deputados foi ajuizada em 31 de outubro de 2011. Ela aponta o desvio de R$ 5,4 milhões na Assembleia Legislativa, com a utilização de um contrato com uma empresa de locação de veículos, o que segundo o MP, permitiu a apropriação ilegal do dinheiro público pelos denunciados.
Ao menos 15 ações penais foram ajuizadas contra deputados da Assembleia Legislativa. As investigações apontam o desvio de R$ 29 milhões dos cofres públicos.
Todos os julgamentos de ações penais vão ocorrer no plenário do Tribunal de Justiça do Amapá. As outras 38 ações de improbidade administrativa ocorrem em varas cíveis da Justiça de primeiro grau. Elas apontam o desvio de R$ 36 milhões.
Do G1 AP

Comentários


| Mais Acessados na Última Semana |

COMANDANTE DO EXÉRCITO DESCARTA INTERVENÇÃO MILITAR SUGERIDA POR GENERAL

O comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, afirma que "não há qualquer possibilidade" de intervenção militar no Brasil, em resposta ao general Antônio Mourão, que levantou a possibilidade no caso de o Judiciário "não resolver essa questão" política; "Desde 1985 não somos responsáveis por turbulência na vida nacional e assim vai prosseguir. Além disso, o emprego nosso será sempre por iniciativa de um dos Poderes", diz o comandante Villas Bôas; ele diz ainda que teve uma conversa com Mourão e que o problema "já está superado" Sempre polêmico, o general do Exército Antônio Hamilton Martins Mourão afirmou na última sexta-feira que é possível uma intervenção militar no Brasil, caso a crise política que o país atravessa não seja solucionada pelas próprias instituições. As afirmações de Mourão foram feitas em uma palestra realizada na Loja Maçônica Grande Oriente, em Brasília, horas após o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denu…

Justiça condena 2 PMs e guarda civil a mais de 600 anos de prisão por maior chacina de SP

Os policiais militares Fabrício Eleutério e Thiago Henklain, além do guarda civil municipal Sérgio Manhanhã foram condenados nesta sexta-feira (22) a mais de 600 anos de prisão de terem participado da maior chacina de São Paulo, em agosto de 2015. Eles foram acusados de envolvimento em 17 dos 23 homicídios ocorridos nos dias 8 e 13 daquele mês. Eleutério foi condenado a 255 anos, 7 meses e 10 dias em regime fechado. Henklain pegou 247 anos, 7 meses e 10 dias, também em regime fechado. O guarda civil Manhanhã recebeu pena menor do que os policiais militares, condenado a 100 anos e 10 meses. A defesa dos três condenados já recorreu da sentença. O julgamento durou cinco dias, menos do que estava previsto. Os jurados se reuniram na sala secreta às 16h07. Eleutério entrou no plenário para ouvir a sentença, tremendo, chorando e segurando uma bíblia. Manhanhã e Hanklain aparentavam estar mais calmos.  Às 18h11, a juíza Élia Bulman divulgou a sentença. "A missão dos senhores foi muito b…

Homem é detido por suspeita de injúria racial após xingar policial de 'preto sem-vergonha', em Campinas

O policial estava a serviço em um bloqueio de trânsito e deu ordem de parada ao homem, de 36 anos, que se revoltou. Um homem de 36 anos foi detido em flagrante por suspeita de injúria racial e desacato após xingar um policial militar de "preto sem-vergonha", em Campinas (SP), nesta quarta-feira (20). O ato racista ocorreu, segundo a PM, após o homem ser abordado em uma blitz durante uma fiscalização de rotina e se revoltar contra os policiais. O suspeito estava sem o cinto de segurança e se exaltou ao questionar os policiais sobre a necessidade de realizar a blitz no bairro, localizado na periferia da cidade. Segundo o cabo Laudevino Ferreira Júnior, vítima da injúria, o homem entregou os documentos usando palavras de baixo calão.
"No momento em que eu saí de perto, ele falou: 'Esse preto sem-vergonha'. Eu retornei até ele e perguntei: 'Você me chamou do quê?' E ele estava exaltado e disse: 'Eu te chamei de preto sem-vergonha'. Foi o momento em q…

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online