Pular para o conteúdo principal

Rádio PolicialBR 24 horas com você. Notícias e entretenimento.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Condenado pelo assassinato da juíza Patrícia Acioli, policial preso recebe R$ 26 mil de salário

Tenente-coronel da PM Cláudio Oliveira cumpre pena de 36 anos de prisão após ser julgado pelo Tribunal do Júri de Niterói

O tenente-coronel Claudio Luiz Oliveira acusado de ser o mandante do assassinato da juíza Patrícia Acioli no momento em que se apresentou à Delegacia em 2011- Bruno Gonzalez / Agência O Globo 


NITERÓI — Os 11 policiais militares condenados pela participação no assassinato de Patricia Acioli - com 21 tiros, no dia 11 de agosto de 2011 - ainda não foram expulsos da corporação. A Justiça determina como efeito da condenação a perda da função. No entanto, o comando da Polícia Militar informa que não foi notificado oficialmente sobre a decisão do Tribunal do Júri de Niterói. Com isso, os PMs ainda recebem seus salários na cadeia.
Numa consulta feita na sexta-feira ao Portal Transparência do governo estadual, o GLOBO-Niterói verificou que os salários dos 11 condenados variam de R$ 26, 2 mil (para tenente-coronel) a R$ 2.655,89 para soldado.

O tenente-coronel Cláudio Oliveira — que na época do crime comandava o batalhão de São Gonçalo e teria sido o mandante do crime — ainda recebe a remuneração de R$ 26.295,09.

Cláudio Oliveira foi julgado pelo Tribunal do Júri em março. O oficial foi condenado a 36 anos de prisão e responde por homicídio triplamente qualificado e formação de quadrilha.

Já o tenente Daniel Santos Benitez Lopez, apontado pelo Ministério Público como um dos mentores do assassinato, ganha R$ 6.751,60. De acordo com a sentença, Benitez “acabou por assassinar barbaramente a vítima" e seria o “homem de confiança" do coronel Cláudio. Em dezembro, ele foi condenado a 36 anos de prisão em regime fechado.

Outro que tem seus vencimentos disponíveis para consulta é o soldado Handerson Lents Henriques da Silva, cuja remuneração mensal é R$ 2.655,89. Handerson recebeu a menor pena entre os réus: quatro anos e seis meses, em regime semiaberto. Ele foi condenado apenas por violação de sigilo funcional, já que confessou ter fornecido o endereço de Patricia Acioli para os colegas executarem a juíza.

A PM informa, por meio de nota, que já abriu o processo de exclusão dos policiais.

"Em função de o processo de expulsão dos policiais ter sido anteriormente sobrestado pela Justiça, e em seguida ter havido muitos recursos, os condenados ainda permanecem como integrantes da corporação. No entanto, assim que o Tribunal de Justiça enviar a conclusão do processo com o pedido de perda do cargo público, a exclusão vai se confirmar", diz a nota.

MP PEDE REDUÇÃO DE PENAS

A família e os amigos da vítima se mostram indignados com a permanência dos policiais militares na corporação. O advogado da família, Técio Lins e Silva, acusa o poder público de omissão:

— Houve um crime bárbaro, que foi praticado por um grupo de extermínio. Eles estão condenados a quase 200 anos de prisão e já cumprem pena. Mesmo assim, ainda estão na ativa. Não aconteceu nada do ponto de vista administrativo, embora a pena implique a demissão do cargo. O governo estadual foi omisso em relação a isso. Nem se manifestou sobre isso, para a nossa tristeza — disse o advogado, que foi procurador geral da Defensoria Pública entre 1987 e 1990, quando chefiou Patricia Acioli ainda como defensora.
— Ela foi morta por combater o que ninguém combate — disse Lins e Silva.
O processo, após a condenação dos policiais, está em fase de apelação dos réus, que solicitaram a redução das penas no crime de formação de quadrilha. O Ministério Público (MP) se manifestou favorável `à redução, já que a Justiça havia levado em consideração antecedentes criminais referentes a outros processos a que os réus já respondiam, mas ainda não existe condenação criminal transitada em julgado.

O pronunciamento do MP, que ainda será apreciado pela Justiça, provocou revolta no ex-marido da vítima, o advogado Wilson Maciel Chagas Junior:

— Isso é levar em consideração somente a questão técnica, embora esse caso seja de clamor popular, e eles saibam que esses policiais são criminosos — lamentou.

O GLOBO

Comentários

| Mais Acessados na Última Semana |

Usar arma de uso restrito com porte ilegal agora é crime hediondo

Aprovada urgência para projeto que torna crime hediondo o porte ilegal de armas de uso restrito O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 332 votos a 7 e 2 abstenções, o regime de urgência para o Projeto de Lei 3376/15, do Senado, que torna crime hediondo a posse ou o porte ilegal de arma de fogo de uso restrito das forças policiais e militares. Após a votação, a sessão ordinária foi encerrada. Projeto de Lei do Senado nº 230, de 2014, de autoria do Senador Marcelo Crivella, constante dos autógrafos em anexo, que “Altera a Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o crime de posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito no rol dos crimes hediondos”. A Lei 8.072/90 define como hediondos os crimes de homicídio praticado por grupo de extermínio; homicídio qualificado; latrocínio; genocídio; extorsão qualificada por morte; extorsão mediante sequestro; estupro; disseminação de epidemia que provoque morte; falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto …

Deputado capitão Augusto requer moção de repúdio contra Secretário de Segurança Pública e Governador de São Paulo Geraldo Alckmin

DEPUTADO CAPITÃO AUGUSTO REQUER MOÇÃO DE REPÚDIO CONTRA O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO E CONTRA O GOVERNADOR POR TANTO DESRESPEITO ÀS LEIS E AOS POLICIAIS MILITARES DE SÃO PAULO
O Deputado Capitão Augusto entrou hoje, 10, com dois Requerimentos de Moção de Repúdio contra o Secretário de Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, e contra o Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, por desrespeitar as leis e aos policiais militares. Essas moções fazem parte de uma série de medidas que o parlamentar está adotando para tornar público as medidas descabíveis desse governo contra os policiais militares e a segurança pública do país, e para que entendam que tudo tem um limite. A categoria não vai tolerar mais tanto descaso e desrespeito. O Deputado estará revelando ao país e ao mundo que Alckmin não serve para governar o país, deve ser ignorado e descartado como candidato à Presidência da República. CAPITÃO AUGUSTO conclama os militares e familiares a somarem esforços para…

Policiais e bombeiros militares não sabem a força que tem

Deputado Federal Capitão Augusto orienta os militares de São Paulo sobre a força política da classe
Por mais que façamos aqui pela Câmara dos Deputados, aprovando projetos dando mais direitos e garantias aos policiais e não deixando ser aprovado nenhum projeto que os prejudique, a grande reivindicação que recebo dos policiais refere-se a questão do aumento salarial.
Infelizmente Deputados não podem apresentar projetos que gerem despesas para o executivo, então está fora de nossa competência atender essa solicitação, o que nos resta é cobrar (e muito) do governador e fazer articulação para que ele conceda o tão esperado aumento salarial.
Hoje temos força política para eleger representantes para Assembleia Legislativa, Câmara dos Deputados e para todos cargos nas eleições municipais. Está na hora de influenciarmos as eleições para Governador e Senador, um que reconheça nosso valor, ou ficaremos fadados a apenas reclamar nos bastidores.
Nós podemos muito mais que isso! Somos quase 150.000 po…

Qual a responsabilidade que a sociedade civil possui na segurança pública?

Policiais militares foram assassinados por criminosos neste fim de semana; secretário de Segurança do Rio pediu mudanças no sistema judiciário Neste final de semana dois Policiais Militares foram assassinados no Rio de Janeiro: a Cabo PM Elisângela Bessa Cordeiro, com um tiro na cabeça disparado por um menor, e o Soldado PM Samir da Silva Oliveira, com um tiro no pescoço disparado por um fuzil de combate.
Qual é a pena para o menor assassino da PM ? Em média oito meses. Qual é a pena para quem porta um fuzil? Três anos. Como se isso já não fosse suficientemente patético, nossa legislação acrescenta o insulto à injuria ao prever a concessão do beneficio da progressão de pena, fazendo com que o criminoso cumpra apenas 1/6 da pena, ou seja, o guerrilheiro urbano que porta uma arma de uso restrito do Exército, pode estar solto em seis meses.
Quem é o responsável por essa baderna? Você que está lendo este artigo e eu que o escrevi. Somos nós que consistentemente fazemos o mesmo erro de ele…

Leis desestimulam policiais e bombeiros militares a exercerem plenos direitos políticos.

Deputado federal capitão Augusto luta para acabar com injustiças políticas que sofrem os policiais militares e bombeiros do Brasil Até mesmo politicamente os policiais ele são injustiçados. Em tempos onde a representatividade política se faz de extrema necessidade e, do soldado ao coronel, buscam eleger seus representantes da mesma forma que outras categorias, Leis desestimulam a participação efetiva na política Nacional dos policiais e bombeiros militares. Com uma democracia atrasada em relação a outros países o Brasil ainda tem mecanismos para desestimular a elegibilidade dos policiais e bombeiros militares. Buscando corrigir estas injustiças o deputado federal capitão Augusto busca direitos políticos e de elegibilidade aos policiais militares e bombeiros. Um policial ou bombeiro militar se candidatando a cargo eletivo com menos de dez anos de serviço é exonerado e com mais se eleito também é exonerado, sendo aposentado com o tempo proporcional ao que trabalhou. Ouça entrevistas co…