Pular para o conteúdo principal

Rádio PolicialBR 24 horas com você. Notícias e entretenimento.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Bairro boêmio do RJ tem venda de droga ao ar livre; policial vê tolerância

Passava das 23h de uma noite de sexta-feira desde mês quando a reportagem do UOL flagrou a venda de entorpecentes num dos bairros boêmios mais procurados por moradores e turistas do Rio de Janeiro, a Lapa, na região central. A ação aconteceu naturalmente, sem qualquer alarde: dinheiro na mão do comprador, papelote de cocaína na do vendedor, um aperto de mãos para a troca. 
O flagrante ocorreu em uma área de bastante burburinho e concentração de visitantes e moradores: a praça João Pessoa, no cruzamento da avenida Mem de Sá com a Gomes Freire, a 500 metros da 5ª Delegacia de Polícia e a uma curta distância de um carro da Polícia Militar estacionado do outro lado da rua. A utilização da droga pelos usuários também foi feita a céu aberto, novamente de forma discreta, aproveitando-se do vai-e-vem de pessoas para evitar chamar a atenção dos policiais.
Contabilizando diversos plantões na 5ª DP, o inspetor de polícia Daniel Marques Gonçalves, 26, tem uma opinião clara sobre a situação de venda de drogas no bairro. "A Lapa é uma zona de tolerância. Existem várias em todos os países do mundo. O Estado sabe que nesses locais circulam muitas coisas ilegais, mas não age de forma rotineira, a não ser que interesses de agentes políticos sejam contrariados", afirmou. "São áreas de vista grossa." 
Ele cita ainda a praça São Salvador, em Laranjeiras, na zona sul, e a Vila Mimosa, no Estácio, zona norte, como outros exemplos de "zonas de tolerância" no Rio. Para Gonçalves, a polícia trabalha de acordo com o interesse do Estado, e cabe à população julgar se esse interesse é o mesmo dela. "Se a população decidir que quer livrar a Lapa das drogas, vai ter que aceitar que sua liberdade seja limitada. Será que é isso que ela quer? Será que as pessoas estão dispostas a passar por revistas rotineiras em seus momentos de diversão?", questiona. 
Na tentativa de baixar os número de violência e venda de drogas na Lapa, foi lançada em 1º de janeiro deste ano a Operação Lapa Presente. Do lançamento até a madrugada do último dia 19, 1.019 pessoas foram detidas por porte de entorpecentes, sendo 982 por posse para consumo e 37 por tráfico de drogas. Foram aprendidos também aproximadamente 6 kg de drogas (maconha, cocaína, crack e ecstasy). Os dados são da Secretaria de Estado de Governo do Rio.
É possível perceber um aumento considerável na presença de policiais nas ruas da Lapa do ano passado pra cá. De acordo com a Secretaria de Governo, são 81 policiais militares e 59 agentes civis patrulhando a região com 24 bicicletas e 11 viaturas. "Percebo que as coisas estão mais organizadas em termos de segurança", opina o bancário Elídio Filho, que trabalha no centro e frequenta a Lapa em momentos de lazer. 
"A Lapa estava com um índice de violência muito alto, e a sensação de insegurança chegava a ultrapassar a insegurança real. Então entupiram a Lapa de PMs que trouxeram a sensação de segurança de volta. Mas é uma falsa sensação", disse o policial Daniel Marques Gonçalves. "Os crimes continuam ocorrendo, mas a mancha policial acaba se deslocando para outros locais." 

Dados oficiais

Sobre o flagrante de venda de drogas feito pela reportagem do UOL, a Secretaria de Governo disse, em nota, que "os agentes da Operação Lapa Presente, bem como os policiais militares que não fazem parte da ação em si e que atuam no policiamento ostensivo na região da Lapa e adjacências, são orientados a coibir tais práticas".
A nota ressalta ainda que "dados do ISP (Instituto de Segurança Pública) mostram que houve aumento considerável nos registros de apreensões de drogas na região, desde o início da OLP". 
De acordo com os dados disponibilizados no site do ISP, no trimestre que compreende os meses de maio, junho e julho deste ano, foram 290 registros de apreensão de drogas notificados na 5ª DP (que cobre parte do Centro, Lapa e a ilha de Paquetá). O número é seis vezes maior que o mesmo período do ano passado (45 registros) e 115% maior que todos os meses de 2013 (252).
Comparando-se com 2012, as 290 apreensões dos três meses citados deste ano são oito vezes superiores às 36 de maio, junho e julho no ano retrasado.
Apesar dos índices expressivos, o inspetor Daniel Marques Gonçalves diz existir ainda uma grande quantidade de drogas circulando pelas ruas do bairro, seja nas mãos de usuários ou de "esticas" –muitas vezes trabalhadores de dia e vendedores de pequenas quantidades de entorpecentes à noite.
UOL


Comentários

| Mais Acessados na Última Semana |

Usar arma de uso restrito com porte ilegal agora é crime hediondo

Aprovada urgência para projeto que torna crime hediondo o porte ilegal de armas de uso restrito O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 332 votos a 7 e 2 abstenções, o regime de urgência para o Projeto de Lei 3376/15, do Senado, que torna crime hediondo a posse ou o porte ilegal de arma de fogo de uso restrito das forças policiais e militares. Após a votação, a sessão ordinária foi encerrada. Projeto de Lei do Senado nº 230, de 2014, de autoria do Senador Marcelo Crivella, constante dos autógrafos em anexo, que “Altera a Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o crime de posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito no rol dos crimes hediondos”. A Lei 8.072/90 define como hediondos os crimes de homicídio praticado por grupo de extermínio; homicídio qualificado; latrocínio; genocídio; extorsão qualificada por morte; extorsão mediante sequestro; estupro; disseminação de epidemia que provoque morte; falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto …

Deputado capitão Augusto requer moção de repúdio contra Secretário de Segurança Pública e Governador de São Paulo Geraldo Alckmin

DEPUTADO CAPITÃO AUGUSTO REQUER MOÇÃO DE REPÚDIO CONTRA O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO E CONTRA O GOVERNADOR POR TANTO DESRESPEITO ÀS LEIS E AOS POLICIAIS MILITARES DE SÃO PAULO
O Deputado Capitão Augusto entrou hoje, 10, com dois Requerimentos de Moção de Repúdio contra o Secretário de Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, e contra o Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, por desrespeitar as leis e aos policiais militares. Essas moções fazem parte de uma série de medidas que o parlamentar está adotando para tornar público as medidas descabíveis desse governo contra os policiais militares e a segurança pública do país, e para que entendam que tudo tem um limite. A categoria não vai tolerar mais tanto descaso e desrespeito. O Deputado estará revelando ao país e ao mundo que Alckmin não serve para governar o país, deve ser ignorado e descartado como candidato à Presidência da República. CAPITÃO AUGUSTO conclama os militares e familiares a somarem esforços para…

Policiais e bombeiros militares não sabem a força que tem

Deputado Federal Capitão Augusto orienta os militares de São Paulo sobre a força política da classe
Por mais que façamos aqui pela Câmara dos Deputados, aprovando projetos dando mais direitos e garantias aos policiais e não deixando ser aprovado nenhum projeto que os prejudique, a grande reivindicação que recebo dos policiais refere-se a questão do aumento salarial.
Infelizmente Deputados não podem apresentar projetos que gerem despesas para o executivo, então está fora de nossa competência atender essa solicitação, o que nos resta é cobrar (e muito) do governador e fazer articulação para que ele conceda o tão esperado aumento salarial.
Hoje temos força política para eleger representantes para Assembleia Legislativa, Câmara dos Deputados e para todos cargos nas eleições municipais. Está na hora de influenciarmos as eleições para Governador e Senador, um que reconheça nosso valor, ou ficaremos fadados a apenas reclamar nos bastidores.
Nós podemos muito mais que isso! Somos quase 150.000 po…

Qual a responsabilidade que a sociedade civil possui na segurança pública?

Policiais militares foram assassinados por criminosos neste fim de semana; secretário de Segurança do Rio pediu mudanças no sistema judiciário Neste final de semana dois Policiais Militares foram assassinados no Rio de Janeiro: a Cabo PM Elisângela Bessa Cordeiro, com um tiro na cabeça disparado por um menor, e o Soldado PM Samir da Silva Oliveira, com um tiro no pescoço disparado por um fuzil de combate.
Qual é a pena para o menor assassino da PM ? Em média oito meses. Qual é a pena para quem porta um fuzil? Três anos. Como se isso já não fosse suficientemente patético, nossa legislação acrescenta o insulto à injuria ao prever a concessão do beneficio da progressão de pena, fazendo com que o criminoso cumpra apenas 1/6 da pena, ou seja, o guerrilheiro urbano que porta uma arma de uso restrito do Exército, pode estar solto em seis meses.
Quem é o responsável por essa baderna? Você que está lendo este artigo e eu que o escrevi. Somos nós que consistentemente fazemos o mesmo erro de ele…

Leis desestimulam policiais e bombeiros militares a exercerem plenos direitos políticos.

Deputado federal capitão Augusto luta para acabar com injustiças políticas que sofrem os policiais militares e bombeiros do Brasil Até mesmo politicamente os policiais ele são injustiçados. Em tempos onde a representatividade política se faz de extrema necessidade e, do soldado ao coronel, buscam eleger seus representantes da mesma forma que outras categorias, Leis desestimulam a participação efetiva na política Nacional dos policiais e bombeiros militares. Com uma democracia atrasada em relação a outros países o Brasil ainda tem mecanismos para desestimular a elegibilidade dos policiais e bombeiros militares. Buscando corrigir estas injustiças o deputado federal capitão Augusto busca direitos políticos e de elegibilidade aos policiais militares e bombeiros. Um policial ou bombeiro militar se candidatando a cargo eletivo com menos de dez anos de serviço é exonerado e com mais se eleito também é exonerado, sendo aposentado com o tempo proporcional ao que trabalhou. Ouça entrevistas co…