Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Violência durante a Virada provoca crise entre PM e Prefeitura de São Paulo

Os episódios de violência na Virada Cultural --furtos, roubos, arrastões e brigas-- provocaram uma crise entre a Polícia Militar e a Prefeitura de São Paulo.
Sem acordo prévio com a organização da Virada, a PM anunciou que daria uma entrevista ao meio-dia deste domingo (19), no escritório central do evento, na avenida São João. Ao tomar conhecimento da iniciativa da polícia, a prefeitura iniciou negociações que caminham para se consolidar numa coletiva conjunta, em horário ainda a ser definido. O teor do que será dito é motivo de intensas negociações.
Representantes da organização do evento disseram ter recebido, ao longo da madrugada, relatos de uma suposta inércia de policiais militares diante de atos de violência. Procurada, a Prefeitura de São Paulo não comentou o caso. Segundo esses representantes ouvidos pela Folha, a atitude da polícia visaria comprometer um evento-vitrine da gestão petista --embora tenha sido criado na administração do tucano José Serra, em 2005.
A decisão na Secretaria de Cultura do município é não comentar essa versão para não abrir uma crise institucional, ao mesmo tempo em que trabalha para apurar se ela é procedente, segundo a Folha apurou com pessoas próximas à gestão muncipial.
O clima ficou tenso no escritório da Virada Cultural. Os jornalistas presentes foram convidados a se posicionar na antessala do escritório do Comando, para ouvir o tenente-coronel Marcelo da Silva Pignatari, o comandante da operação. A PM, no entanto, acabou cancelando a entrevista.
Enquanto representantes de diversos órgãos de imprensa aguardavam, a poucos metros, Pignatari falava ao celular. A Folha entreouviu a frase "Tudo sobra para nós". Antes de desligar, o tenente informou ao seu interlocutor que os jornalistas o esperavam e que ele iria falar.
Em seguida, o comandante observou relatórios, junto com alguns auxiliares. E voltou ao celular.
Os jornalistas seguiram aguardando, até que o tentente-coronel terminou a segunda ligação e anunciou o cancelamento.
Pignatari informou que apenas no fim do dia haverá um encontro com a imprensa do qual participarão "a organização, a guarda, a Prefeitura --todos os órgãos (participantes da Virada), cada um vai falar da sua área".
Segundo o comandante, a decisão de suspender a coletiva se deu porque "o evento está em andamento. Não temos os números fechados". Ele afirmou que "a organização como um todo, da qual faz parte a Polícia Militar, vai consolidar esses dados e vai passar de forma oficial para a imprensa".
No Twitter, Serra disse que o evento está sedo usado para "aparelhamento". "Quando prefeito de São Paulo, em 2005, criei a Virada Cultural, que deu certo e até vem sendo reproduzida em outras cidades do Brasil. Só me preocupa que a Virada Cultural seja usada para aparelhamento político-partidário, o que já começou a acontecer este ano."
O secretário municipal de Cultura, Juca Ferreira, não quis comentar sobre a violência. Segundo ele, os arrastões não atrapalharam o evento. "Foram casos isolados. Aqui [no palco 25 de Março], por exemplo, não senti falta de segurança".
A assessoria da Secretaria de Estado da Segurança Pública nega a existência de crise.
MORTES
Até as 14h do domingo (19), quatro pessoas haviam sido baleadas, cinco esfaqueadas e 25 pessoas presas, de acordo com a secretaria estadual. Ao todo, 3.400 policiais militares trabalham nos locais da Virada.
Na madrugada deste domingo (19), durante a Virada, um homem morreu atingido por um tiro na avenida Rio Branco, segundo a polícia. Elias Martins Morais Neto teria reagido a um assalto e foi atingido na cabeça por volta das 5h. A vítima foi levada à Santa Casa, mas não resistiu.
Um outro homem morreu na Santa Casa, vítima de uma parada cardíaca após ter sofrido uma overdose. Cinco pessoas foram atendidas com ferimentos por armas brancas no pronto-socorro do hospital.
Policiais militares ouvidos pela Folha disseram que foram registrados inúmeros casos de arrastões durante a madrugada. A reportagem flagrou pelo menos onze deles: nas avenidas São João, Ipiranga, Rio Branco e Duque de Caxias, dois na praça da República e outro no viaduto Jaceguai --onde, por volta das 2h30 da madrugada, dezenas de assaltantes desceram a partir da avenida São Luís.
A reportagem esteve entre as 2h e 3h no 3º DP (Campos Elíseos) e constatou pelo menos 15 casos de vítimas.
Policiais militares informaram que pelo menos 15 jovens foram detidos como suspeitos dos arrastões, a maioria deles menores de idade.
Em todos os casos, a descrição é a mesma. Grupos de aproximadamente 50 pessoas passavam abordando os frequentadores da festa e, após agressões, arrancavam à força celulares, carteiras, bonés e blusas.
"Arrancaram meu boné, meu tênis e minha carteira. Me chutaram quando estava caído. Levei um chute no rosto", disse o estudante C., 16, enquanto era atendido na delegacia.
O ajudante de serralheiro Jeferson Silva, 19, foi agredido antes de ter o celular e o boné roubados. "Eles chegam gritando 'olha o bonde' e roubam tudo", disse Silva, roubado quando saía de um dos palcos em direção ao metrô, acompanhado de três amigos. Todos foram roubados.
"Chegavam, arrastavam a gente mesmo, juntavam e e arrancavam tudo, corrente, tênis, carteira", disse o conferente Fabio Viana, 24. "A gente vem para se divertir e acaba sem nada".
Na maioria dos casos, os policiais de plantão nas delegacias orientam a fazer o registro da ocorrência pela internet, pois os crimes são considerados furtos. Porém houve casos de pessoas que foram rendidas por pessoas armadas.
"Pior é que está cheio de PMs nas ruas. É muita gente, impossível evitar", disse um PM à Folha.
RECLAMAÇÕES
Participantes da Virada vítimas de ladrões reclamaram do policiamento. "Os PMs ficam nas viaturas, nas esquinas. Não estão a postos para evitar os roubos. Só nos orientam a fazer o boletim de ocorrência. Na delegacia, querem que a gente registre pela internet", disse Stefani Fernanda, 21, enquanto aguardava por informações no 3º DP.
Ela afirma que foi roubada quando aguardava um ônibus no ponto da avenida São João. "Estavam armados. Pediram o celular e a carteira e eu dei. Roubaram outros que estavam no ponto também", disse ela, que mora no Jaraguá (zona norte).
Nas redes sociais, a falta de segurança também foi alvo de críticas. "Se você não quer ser roubado na Virada Cultural faça o seguinte: não vá", escreveu um usuário do Twitter. "Atenção você que está na Virada Cultural: Pare de ver o Twittter senão vão roubar seu celular", escreveu Gentili na rede social. O humorista se apresentou na abertura do evento na praça da Sé.
Já Marcelo Tas compartilhou notícias sobre a violência também no Twitter.
O senador Eduardo Suplicy (PT-SP), que também foi vítima de furto, chegou a subir no palco no sábado pedir seus pertences de volta.
"Uma pena ver um evento tão legal como a Virada Cultural, que levou o paulistano de volta ao centro, tomado pela violência", lamentou o usuário do Twitter Christiano Panvechi.
(COM GIBA BERGAMIM JR., DE SÃO PAULO, E JULIANA GRAGNANI, COLABORAÇÃO PARA A FOLHA).

Comentários

  1. Acho que não seria difícil imaginar que para quatro milhões de espectadores, o efetivo da PM escalado no evento não daria contar de evitar os crimes praticados durante a virada.

    ResponderExcluir
  2. Não sou a favor da barbarie, do desrespeito aos direitos humanos. Não sou facista nem nazista como esses idiotas da canalha petista costuma rotular quem é a favor da ordem e da segurança pública e contra suas estúpidas idéias de um socialismo utópico, falido e que na prática só gera esas asneiras e muita corrupção (a lista é enorme). O PSDB é "farinha do mesmo saco", com alguns caras mais cultos, não analfabetos e não tão corruptos. Não temos esperanças porque não há HOMENS para tais tarefas, só mal intencionados. Quando a coisa aperta aí chamam "a GENI", inclusive para assumir a culpa da incompetência, burrice e atos estúpidos.

    ResponderExcluir
  3. Eu acho é pouco.Vê se pagaram ao menos um real para os policiais que trabalharam de escala extra no horario de suas folgas neste evento idiota, que só tem maconheiro ,vagabundos, e gente para falar mal do governo ,até mesmo o defensor do publico carcerario e menores infratores ,o sr"" exelentissimo"" senhor senador eduardo suplicy,foi vitima do proprio veneno.É uma pena que não aconteceu nada de mais grave contra sua pessoa.QUEREM CULPAR A POLICIA EM TUDO ,E NÃO RECONHECEM NADA ,NÃO VALORIZAM O TRABALHO POLICIAL,MÁS QUANDO PRECISAM ....

    ResponderExcluir
  4. Não deixo meu filho ir a um lugar como esse!! Se vc deixa seu filho ir, ou vai, então num reclame... Deveria mesmo é deixar essa "festa cultural" sem nenhum policiamento... Seria melhor pra td mundo!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …