Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Ultra Secreto - Documentos sigilosos


A Câmara vem liberando para consulta pública centenas de documentos até então secretos. Com isso, estão vindo à tona detalhes até então desconhecidos da história brasileira recente. É o caso da Revolta dos Sargentos, em 1963, quando os presidentes da Câmara e do Supremo foram presos por algumas horas por sargentos e fuzileiros que promoveram uma rebelião em Brasilia. Os documentos sigilosos são o tema da reportagem especial. Nesta semana, em capítulo único. Confira com João Arnolfo.

Brasilia, início dos anos 60. Após a renúncia de Jânio Quadros, o vice João Goulart precisou de muito apoio para virar presidente da República. Entre os que o apoiaram estavam marinheiros, sargentos e outros militares de baixa patente, que queriam eleger representantes no legislativo.

A Constituição não permitia, mas no Rio de Janeiro conseguiram eleger um sargento do exército como deputado federal. No Rio Grande do Sul, o Tribunal Regional Eleitoral vetou a posse de outro sargento, eleito deputado estadual.

Quando o Supremo Tribunal Federal confirmou a proibição de se eleger militares, em 11 de setembro de 1963, estourou em Brasília a Revolta dos Sargentos.

Mais de 600 cabos, sargentos e suboficiais da aeronáutica e marinha tomaram a base aérea, a Rádio Nacional, as centrais telefônicas e alguns prédios públicos, isolando a capital do resto do país.

Alertado pelo serviço de segurança, o presidente em exercício da Câmara, deputado Clovis Motta, saiu de casa de madrugada. Viu que a central telefônica estava ocupada por soldados da aeronáutica e tentou chegar ao prédio do Congresso. Foi preso pelos revoltosos ainda na esplanada dos ministérios e levado para o Departamento Federal de Segurança Pública. 

Ao ser solto, no início da manhã, o deputado recorreu ao telex da Câmara para se comunicar com o Rio de Janeiro, pois os telefones estavam cortados. Contou que houve choques armados e que tropas do exército conseguiram controlar a situação no decorrer do dia, prendendo os líderes da revolta.

Assim como centenas de outros documentos históricos do período de 1947 a 1976, os telegramas do deputado Clovis Motta sobre sua prisão permaneceram secretos por quase meio século, guardados nos arquivos da Câmara dos Deputados.

Em 2009, foi criada uma Comissão Especial de Documentos Sigilosos. Desde então, documentos secretos, ultrassecretos e reservados vêm passando pelo crivo da comissão, antes de serem liberados para consulta pública, como conta o presidente da comissão, deputado Fábio Trad, do PMDB do Mato Grosso do Sul.

(sonora Fábio Trad)

Um destes papéis, que eram secretos e agora estão liberados, é um manuscrito, de agosto de 1963, escrito pelo então deputado Rubens Paiva. Ele autorizava a investigação do seu patrimônio pessoal e do de sua mulher.

Na época, Rubens Paiva era vice-presidente da CPI que investigava o IBAD, uma organização anticomunista, financiada por empresários e suspeita de fazer parte da conspiração que resultaria no Golpe de 1964. Anos depois, em 1971, o próprio Rubens Paiva seria preso, torturado e morto no Rio de Janeiro, vítima da ditadura militar.

O deputado Chico Alencar, do PSol do Rio de Janeiro, destaca a importância histórica do documento.

(sonora dep. Chico Alencar)

Os documentos agora liberados mostram que durante a ditadura os telefones dos deputados eram grampeados pelo Serviço Nacional de Informações. Em agosto de 1970, o general Carlos Alberto Fontoura, chefe do SNI, enviou à presidência da Câmara um relatório sobre o uso de telefones por parte de dois deputados da ARENA, partido que apoiava os militares. Eles estariam fazendo chamadas interurbanas particulares e debitando na conta da Câmara.

Chico Alencar disse que isso gerou uma situação inusitada.

(sonora dep. Chico Alencar)

Muitos dos pacotes de documentos secretos guardados pela Câmara dizem respeito a relações com outros países. Em um destes lotes, agora liberado, aparecem detalhes da apreensão, em Salvador, Bahia, em 1968, de um navio de bandeira americana. A embarcação só foi liberada para seguir viagem após entregar à marinha todo o material de pesquisa que vinha recolhendo em águas territoriais brasileiras. 

A marinha informou à Câmara dos Deputados ter apreendido cartas de navegação e centenas de rolos de fita magnética, com dados sobre o subsolo do mar territorial brasileiro. O material foi parar na Petrobras. E os documentos secretos estão agora abertos à consulta pública, na biblioteca da Câmara dos Deputados.

Repórter: João Arnolfo - Rádio Câmara

Comentários

  1. COM TODO RESPEITO, ACHO TUDO ISSO UMA PERCA DE TEMPO E DINHEIRO; QUE EU SAIBA SÓ TEVE UM QUE RESSUSCITOU ATÉ HOJE NA HISTÓRIA= SERÁ QUE ESTÃO QUERENDO RESSUSCITAR MAIS PESSOAS: DEIXEM O PESSOAL DAQUELA ÉPOCA EM PAZ.

    ResponderExcluir
  2. É a indústria da indenização, e quem paga somos nós, os "bocós", que não se manifesta dando um basta nesse circo...

    ResponderExcluir
  3. Nós brasileiros do bem queremos ver estas "CARTAS NAÚTICAS" do subsolo do mar territoial...

    ResponderExcluir
  4. Valdemiro Dusi Junior11 de maio de 2013 13:47

    Isto tem uma só missão, que é vitimizar os espoliadores do Brasil, Dilma, José Genuino, José Dirceu, entre tantos outros. Isto, de positivo, mostra uma parte importante da história do Brasil. Mostra também a garra com que os militares defenderam nossa terra, nosso solo, nosso mar, hoje entregue a americanos. Mostra que tínhamos segurança e tranquilidade e hoje o que eles nos trazem com este falso moralismo? E a verdade de quem roubou bancos, sequestrou embaixadores e explodiu quartéis em nosso País? O que eles vão pagar as famílias dos roubados sequestrados e mortos? O que eles vão pagar ao Patrimônio Nacional? No mais concordo com a postagem anterior sobre a indústria das indenizações, que serão pagas as nossas custas, trabalhadores pagadores de impostos. Já é hora de acabar com esta palhaçada. Ou então, daqui a algum tempo vou orientar meus filhos e netos a solicitar indenização pelos prejuízos daqueles que hoje estão no poder, nos pilhando, com licitações fraudulentas, mensalões, desvios de verbas, etc... E quem vai cobrar do poder, contra o próprio poder? Este País é uma vergonha!

    ResponderExcluir
  5. "...fazendo chamadas telefônicas particulares e debitando na conta da Cãmara"...Perto do que se vê hoje em dia,parece piada!!!... Gostaria de sugerir a divulgação dos famosos "Atos Secrteos", como por exemplo , o que nomeou um Mordomo para servir ao Senador Renan Canalheiros pela bagatela de R$ 18 mil mensais!

    ResponderExcluir
  6. E o salário Ó! E a saúde Ó! E a educação Ó! E a segurança então é Ó, Ó, Ó.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.


| Mais Acessados na Última Semana |

PL 920: uma bomba atômica no funcionalismo público que Alckmin quer ver aprovado a todo custo.

O governador Geraldo Alckmin protocolou na quinta-feira, 5/10, o Projeto de Lei 920/2017, que representa uma verdadeira bomba atômica no Estado de São Paulo, sobretudo um verdadeiro ataque aos servidores estaduais e à prestação de serviços públicos. Publicado no Diário Oficial já no dia seguinte, o PL formaliza a renegociação da dívida de São Paulo com a União, ampliando o prazo de pagamento.
            Em contrapartida, o Estado se compromete a cumprir as exigências do governo federal, que impõe um verdadeiro arrocho salarial sobre os servidores públicos. Essa cruel punição aos servidores foi aprovada no ano passado pelo Congresso Nacional. Seu embrião foi o PLP 257, apresentado pela presidente Dilma, que depois foi maquiado pelo governo Temer e transformado na Lei Complementar federal 156/2016.
            Se o PL 920 for aprovado – e espero que não seja –, haverá um congelamento não só de salários, mas também da evolução funcional de todos os servidores estaduais, ficando suspens…

GENERAL QUE COMANDA A ABIN FALA EM VAZIO DE LIDERANÇAS E ELOGIA FEITOS DA DITADURA

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional do governo Temer, Sérgio Westphalen Etchegoyen, causou incômodo em parte da comunidade diplomática durante uma palestra no Instituto Rio Branco. O general sugeriu “medidas extremas” para a segurança pública, elogiou feitos dos anos de chumbo e disse que o país sofre com amoralidade e com patrulha do “politicamente correto”.
Etchegoyen começou a fala de quase duas horas contando que tinha sido soldado por 47 anos e que era por essa ótica, militar, que enxergava e
interpretava o mundo. Depois do alerta, tentou quebrar o gelo:
“Sou da arma de cavalaria e tem um problema que a ausência do meu cavalo reduz minha capacidade intelectual em uns 45, 40 por cento”, começou general da reserva que comanda, entre outros órgãos, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin). A plateia, majoritariamente composta por futuros diplomatas, riu discretamente.
Foi um dos poucos momentos de descontração. No restante do tempo, segundo pessoas que estiveram present…

Justiça Militar manda PM reintegrar cabo acusado de matar atriz durante blitz em Presidente Prudente

Decisão publicada nesta quarta-feira (18) atende a um pedido de tutela de urgência feito pela defesa. Marcelo Aparecido Domingos Coelho foi demitido da corporação em abril de 2015. oi publicada nesta quarta-feira (18) no Diário da Justiça Militar a decisão do juiz substituto da 2ª Auditoria do Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo (TJM-SP), Marcos Fernando Theodoro Pinheiro, que determina a imediata reintegração de Marcelo Aparecido Domingos Coelho aos quadros da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Em abril de 2015, o então cabo da PM foi demitido pela corporação, após ser acusado no processo que envolveu a morte da atriz e produtora cultural Luana Barbosa durante uma blitz policial na Avenida Joaquim Constantino, na Vila Formosa, em Presidente Prudente.
O juiz levou em consideração a absolvição que Coelho obteve na Justiça Militar, sob o argumento de “legítima defesa” e do “estrito cumprimento do dever legal”, o que, segundo o magistrado, de certa forma, contradiz c…

Alckmin propõe reajuste de 7% para policiais

ATENÇÃO- ATENÇÃO ESTA NOTÍCIA É DO ANO DE 2013 E ESTA CIRCULANDO NAS REDES SOCIAIS COMO SENDO ATUAL

O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta sexta-feira, 13, o envio à Assembleia Legislativa de um projeto de lei que concede aumento salarial de 7% para os membros da Polícia Militar, da Polícia Civil e da Polícia Técnico-Científica. O reajuste também será estendido aos agentes penitenciários. Aposentados e pensionistas das quatro categorias também terão o mesmo benefício. No total, serão beneficiados 172 mil policiais militares, 53 mil policiais civis e 33 mil agentes penitenciários. O custo para o Tesouro do Estado será de R$ 983 milhões por ano. Esta é a terceira vez que o governador Alckmin concede aumento salarial acima da inflação do período. Desde o último reajuste, o índice oficial de inflação acumulada é 5,66%. Em outubro de 2011, os policiais tiveram 15% de aumento retroativo a julho de 2011. Em agosto de 2012, o aumento foi de 11%. Com a nova proposta, o reajus…

Policial civil morto em mega-assalto a empresa de valores é enterrado

Vítima foi morta a tiros durante ação dos criminosos que explodiram sede da Protege em Araçatuba (SP). Policial estava de folga. O corpo do policial civil André Luís Ferro da Silva, morto durante o mega-assalto a empresa Protege em Araçatuba (SP) nesta segunda-feira (16), foi enterrado na manhã desta terça-feira (17) em um cemitério particular da cidade. Ferro tinha 37 anos e foi baleado durante a ação. Ele foi socorrido com vida, mas morreu durante atendimento na Santa Casa. Silva era investigador e integrante do Grupo de Operações Especiais (GOE), e deixou filhos e a esposa.
O velório da vítima foi feito em um salão de uma funerária em Araçatuba e, do local, o caixão seguiu em um caminhão do Corpo de Bombeiros em cortejo com viaturas das polícias Militar e Civil até o cemitério. Segundo a Polícia Militar, o policial civil estava de folga do serviço e foi ao local para ver o que acontecia após ser chamado pelos pais, que moram perto da sede da Protege.
O grupo criminoso, cerca de 40 la…