Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Primeira reunião do grupo que discute a PEC 37 acontece na terça-feira

Um grupo de trabalho criado pelo presidente da Câmara, Henrique Alves (PMDB-RN), começa a discutir amanhã novo texto da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 37 - que retira do Ministério Público o poder de investigar crimes.
O prazo para entregar a nova versão é dia 30. A missão é chegar a um texto que concilie as funções de polícia e promotoria nas investigações. “Queremos o aperfeiçoamento da emenda constitucional. Não queremos que esse tema tenha vencedores ou vencidos”, explicou, a respeito, o presidente da Câmara. Para evitar queixas, procurou um equilíbrio na formação do grupo. Assim, o Ministério Público terá quatro representantes - o mesmo número dos que representarão as polícias. Também integrarão a tarefa dois representantes do Senado, dois da Câmara e um do Ministério da Justiça.
A decisão de rever o texto original, que levou a uma situação de quase total falta de diálogo entre os dois lados, foi adotada após encontro entre o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello Coimbra, e representantes das polícias e do Ministério Público.
A PEC 37 foi apresentada em junho de 2011 pelo deputado - e delegado de polícia - Lourival Mendes (PT do B - MA).
Aprovada em novembro do ano passado por uma comissão especial, ficou pronta para ir ao plenário da Câmara.
POLÊMICA
No seu ponto central, fonte da polêmica, determina que é função privativa das polícias civil e federal a apuração de infrações penais. Afastados dessa tarefa, procuradores e promotores se organizaram em campanhas contra o que começaram a chamar, ironicamente, de “PEC da Impunidade”.
Uma das ações de protesto contra o projeto foi um grande mutirão anticorrupção organizado no dia 9 de abril. Uma força de 158 promotores e procuradores, com apoio do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, fez megaoperação que resultou na prisão de 92 pessoas, entre prefeitos, ex-prefeitos e secretários municipais envolvidos em diversas operações. A tarefa incluiu 337 mandados de buscas.
A reação de delegados da Polícia Federal foi imediata: chamaram a operação de “cena teatral”. Defensora dos promotores, a seção paulista da Ordem dos Advogados do Brasil afirmou, por sua vez, que o debate “está desfocado” e criou comissão de notáveis para defender a proposta.
O Ministério da Justiça tem procurado manter-se neutro: para o ministro José Eduardo Cardozo, a atual disputa não é boa para ninguém. “Temos de encontrar um regramento, um equilíbrio que seja bom para a sociedade, que facilite a investigação criminal”, disse Cardozo. O grupo de trabalho, afirma o ministro, deverá definir o que cabe a cada um dos lados na tarefa de investigar.

(Diário do Pará)

Comentários

  1. creio que temos legislação de sobra o que devemos é cumprir as normas com clareza e honestidade o problema no nosso querido Brasil não é falta de lei aliás devia ter menos deputados já tem demais o problema no Brasil é o cumprimento das leis, porque os delegados tem tanto interesse de não ter os promotores fiscalizando os inquéritos é só fazer a coisa certo dentro dos conformes e tá tudo bem, porque o interesse de amordaçar o Ministério Publico Federal e Estadual, pode ter certeza que coisas tem por trás disso tudo, não é só problema de legislação.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …