Pular para o conteúdo principal

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Presos consomem drogas, recebem mulheres e têm trânsito livre no RS


Presos consomem drogas, recebem mulheres e têm trânsito livre no RS
RBS TV obteve imagens exclusivas de saídas de detentos de prisão.
'Estamos trabalhando', afirma superintendente de serviços penitenciários.
No meio da noite, presos fogem de uma casa de detenção por uma escada para buscar drogas. Depois, voltam carregados para dentro da cadeia. As imagens (veja no vídeo abaixo) mostradas pelo programa Fantástico na noite deste domingo (19) foram feitas por um agente penitenciário no Instituto Penal de Viamão (IPV), na Região Metropolitana de Porto Alegre, considerado o maior do regime semiaberto no Rio Grande do Sul, com 278 detentos.
As gravações foram obtidas com exclusividade pelo repórter Fábio Almeida, da RBS TV, em Porto Alegre. Nas imagens, um dos detentos aparece em cima do muro. Ele apoia uma escada de madeira na parede e desce para o pátio. Ao todo, 10 detentos caminham tranquilamente para fora da prisão. Alguns usam touca ninja, outros carregam armas. A polícia afirma que eles voltam ao presídio com drogas que serão consumidas e vendidas dentro do IPV.
"Eu jamais pude imaginar uma situação como esta dentro de um presídio", diz a juíza Liliane Michels Ortiz. As imagens são do fim de 2012, e foram entregues à polícia em janeiro deste ano. No mesmo mês, uma revista no IPV expôs a falta de segurança no local. Os agentes penitenciários encontraram armas até no pátio. Em razão do problema, a Justiça proibiu o ingresso de novos detentos.
"Foram apreendidas muitas armas, uma enorme quantidade de drogas. Celulares, chips e uma coisa que demonstra perfeitamente, e isso não foi apreensão, isso é constatação da precariedade da segurança, é que foram encontradas seis mulheres dentro do presídio. E o presídio é só masculino", acrescenta a juíza.
"Rola tudo. Rola sexo, rola droga, rola dinheiro, rola arma, traficante", relata uma prostituta que não se identificou à reportagem. "Eu fiquei dois, três dias. Eu ia, saía e voltava, entendeu? Eu fui para fazer programa. Eu fui atrás de um dinheiro. E aí, como eu uso droga, tinha os dois. Eles me davam o dinheiro e eu usava a droga livremente. Quem é drogada vê tanta droga lá dentro que não quer sair. Vai sair para quê?", completa a mulher.
Os presos cumprem penas do regime semiaberto. Alguns têm autorização da Justiça para trabalhar e podem passar o dia nas ruas. Mas todos precisam passar a noite atrás das grades. Os confrontos entre a polícia e os criminosos são constantes.
"Eles dão um tempo, eles fazem, como se diz ali, a hora do sol, ou seja, a simulação desta hora do sol. E daqui a uma meia hora, uma hora, eles começam a sair aos poucos. Todos os dias, toda hora", afirma o tenente-coronel Marcelo Giusti.
Muitos dos que saem, no entanto, não retornam. Somente nos primeiros quatro meses do ano, 280 presos escaparam, o que representa uma média de mais de duas fugas por dia. Nas ruas, a população convive com o perigo.
O comerciante Élgio Luiz da Cunha perdeu a mulher e o enteado, um jovem de 23 anos, que era policial, durante um assalto. No momento do crime, o assassino deveria estar dentro do Instituto Penal de Viamão. Na troca de tiros, o criminoso também foi morto.
"Ele só falou que era um assalto. Quando eu olhei para trás, o Michel já estava caindo, foi um monte de estampidos. O assaltante descarregou 15 tiros. Em questão de minutos desabou o mundo. Foi lastimável também... pelas costas. O sentimento é de impunidade. O trabalhador não tem segurança nenhuma", lamenta o comerciante.
Criada em 2004, a casa de detenção sempre foi motivo de reclamação na vizinhança. "Ser vizinho é estar no inferno, porque não se tem descanso para comer, não se tem descanso para nada. De dia eles atravessam a hora que eles querem. Ali eles que mandam. Andam armados, de canhão, de revólver, de pistola, de tudo", relata um morador que não se identificou.
"Eles encostaram o revólver na minha cabeça e ameaçaram me matar. Levaram celular, dinheiro, revistaram todo o carro. Tentaram me colocar no porta-malas", diz um taxista assaltado na região. Em apenas uma investigação, feita este ano, a Polícia Civil identificou 36 detentos do IPV como autores de assaltos na região. Todos eles serão julgados e podem ter as penas ampliadas.
O superintendente dos serviços penitenciários, responsável pela administração dos presídios gaúchos, disse ao Fantástico que achava que o problema com os buracos nas grades do instituto já estava solucionado, e que vai cobrar explicações da direção. Mas ele reconhece que o local não é seguro.
"A estrutura física daquele local não oferece segurança. Ela está dentro de um parque, nos fundos de um parque, próximo a uma escola, próximo a residências ali ao redor, uma facilidade imensa de evasão. Hoje eu não tenho condições de fechá-lo. Porque eu não tenho um outro local que possa servir de referência, que venha a suprir a deficiência daquela casa. Mas estamos trabalhando sim. Estamos em projetos de construção de quatro casas com capacidade para 150", destaca o superintendente Gelson Treiesleben.
Enquanto as soluções são discutidas, os criminosos entram e saem à vontade da prisão. "Eles não identificam como regime semiaberto, mas como regime sempre aberto. E esta alcunha colocada aí pela população acabou pegando. Um tom jocoso, um tom de brincadeira, mas que infelizmente é sério e reflete bem a situação que nos vivemos", salientou Marcelo Giusti.
Nem as câmeras do IPV intimidam os detentos. Nas gravações, eles conversam sobre a presença das lentes apontadas para eles. "Tampa a cara quando sair, que eles estão cuidando por aqui. Tá ali a câmera, ali", diz um deles. "Não entendi", responde o outro. "Tá ali a câmera, ali", repete.
Da RBS TV

Comentários

| Mais Acessados na Última Semana |

ROTA invade tribunal e resgata ex-presidiário

Sim, o título acima está correto. Numa incrível operação relâmpago, PMs de ROTA impedem que tribunal do crime assassine um ex-presidiário

A ROTA está nas ruas 24 horas por dia, todos os dias, o ano inteiro. Seu efetivo é dividido em três Companhias: Noturna, Matutina e Vespertina. Esta matéria relata uma incrível ocorrência de resgate conduzida pelo Pelotão do Tenente PM Soares, que patrulhava a Zona Leste de São Paulo às 21:40 nesta segunda-feira, dia 14. “O despacho do Policiamento de Choque do COPOM nos informou que uma pessoa estava sendo torturada na favela Eliane, numa casa com detalhes verdes no seu portão, localizada na rua Esperança. Pelas particularidades que nos foram relatadas, estava claro que a ocorrência envolvia a ação de um ‘tribunal do crime’ provavelmente comandado pelo PCC. Imediatamente acionei meu Pelotão”, relata o Tenente de ROTA Soares. O nome dessa rua, 'Esperança', não podia ser menos adequado em função do cenário que os PMs iriam encontrar em poucos…

Aprovado PL que da poder de polícia administrativa às polícias e bombeiros militares do Brasil

O poder de polícia administrativa trás condições das polícia militares e bombeiros atuarem de forma efetiva em eventos, estabelecimentos comerciais e outros. Autor: Capitão Augusto - PR/SPData da apresentação:  04/02/2015 Ementa: Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Polícia de Preservação da Ordem Pública, e dá outras ...Leia integra do PL 196/2015Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Pol…

Para "comemorar aniversário", PCC planeja matar juiz, procurador, delegado e agentes

dia 31 de agosto, data em que a facção criminosa faz aniversário de 24 anos. O PCC (Primeiro Comando da Capital) planeja matar um juiz federal, um procurador da República, um delegado federal e pelo menos quatro agentes penitenciários de Porto Velho (RO) até o
A maior facção criminosa do país já matou três agentes penitenciários federais, entre setembro de 2016 e maio deste ano, de acordo com investigações da PF (Polícia Federal). Para executar os atentados, o PCC criou células de inteligência que, entre outras ações, monitoram a rotina dos agentes públicos escolhidos como alvos.
A informação sobre a possibilidade de novos assassinatos consta em ofício assinado pelo diretor do presídio federal de Porto Velho, Cristiano Tavares Torquato, a cujo conteúdo o UOL teve acesso com exclusividade. O documento foi encaminhado no último dia 17 de agosto ao superintendente regional da Polícia Federal de Rondônia, Araquém Alencar Tavares de Lima. A reportagem confirmou a veracidad…

Polícia Civil decide hoje se cruza os braços a partir de amanhã

Executivo local reforça que, neste ano, não tem dinheiro para pagar o reajuste salarial pleiteado pelos agentes.Policiais civis podem entrar em greve ou interromper serviços essenciais para a população a partir de amanhã. Em uma assembleia com indicativo de greve, marcada para as 14h de hoje, a categoria deve decidir o que fazer para pressionar o governo a conceder o reajuste salarial pleiteado desde o ano passado. Eles reivindicam a manutenção da paridade salarial com a Polícia Federal, que conseguiu reajuste de 37% parcelado em três anos.

Na semana passada, policiais civis se reuniram com o chefe da Casa Civil, secretário Sérgio Sampaio; a secretária de Planejamento, Orçamento e Gestão, Leany Lemos; o secretário interino de Fazenda, Wilson de Paula, além dos deputados distritais e agentes da Polícia Civil Wellington Luiz (PMDB) e Claudio Abrantes (sem partido) e o deputado federal Roney Nemer (PP-DF). O deputado distrital Wasny de Roure mandou representante.
Durante o encontro, o Exec…

Vaccarezza é preso em nova fase da Operação Lava Jato em São Paulo

Ex-deputado, que deixou o PT, foi líder dos governos Lula e Dilma. Segundo o MPF, ele recebeu a maior parte de um total de propina que soma US$ 500 mil. O ex-líder dos governos Lula e Dilma na Câmara dos Deputados Cândido Vaccarezza, que deixou o PT, foi preso nesta sexta-feira (18) em São Paulo. Ele é alvo da Operação Abate, uma das duas novas fases da Operação Lava Jato deflagradas nesta manhã. A prisão é temporária, válida por cinco dias. Por volta das 9h, Vaccarezza estava em casa sob custódia da PF. Ele deve seguir para Curitiba ainda nesta sexta. O G1 tenta contato com a defesa do ex-deputado, com PT e com as empresas citadas. Principais pontos das investigações Ações apuram o favorecimento de empresas estrangeiras em contratos com Petrobras. Operação Abate investiga fraudes no fornecimento de asfalto para a Petrobras por uma empresa norte-americana, entre 2010 e 2013. Funcionários da Petrobras, o PT e, principalmente, Cândido Vaccarezza teriam recebido propinas que somam US$ 5…