Pular para o conteúdo principal

Rádio PolicialBR 24 horas com você. Notícias e entretenimento.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Policiais ignoram regra e prestam socorro ao saber que ferido era PM


Registro em vídeo (sem som) feito por uma câmera de segurança em Moema, bairro nobre na zona sul de São Paulo, mostra policiais militares descumprindo resolução do governo ao socorrerem um homem baleado por ladrões, em vez de chamar o resgate.
As imagens mostram uma tentativa de roubo de carro em que o motorista é atingido. Ele ainda consegue revidar com um tiro, mas os ladrões fogem. A ação acontece em poucos segundos, às 21h08.
O primeiro carro da Polícia Militar chega ao local do crime cinco minutos depois. Durante 5 minutos e 50 segundos, os soldados nada fazem para socorrer a vítima, que sangra abundantemente. Parecem aguardar o Samu ou outro serviço especializado.
Os PMs vasculham os bolsos do baleado, que caiu de bruços, e o veículo Toyota Camry que ele dirigia.
O vídeo mostra, porém, uma mudança na atitude dos policiais a partir do momento em que um soldado retira do bolso da vítima uma carteira de documentos.
Um facho intenso de luz ilumina a cena. O soldado usa a luz para examinar os documentos. A vítima era Edson Luiz Camargo da Cunha, 47, policial militar reformado.
O soldado que examina os documentos fala com seus colegas e, de repente, os cinco PMs que aparecem no vídeo cercam o ferido.
Rapidamente, os policiais decidem removê-lo. Um carro de polícia leva o ferido ao Pronto-Socorro do Hospital São Paulo (zona sul).
Durante dez minutos e 50 segundos, Cunha ficou jogado no chão. Pelo menos 10 minutos a mais foram consumidos no transporte entre o local do crime e o hospital.
Às 21h35, o ferido teve uma parada cardiorrespiratória. Até tentaram reanimá-lo, mas sem sucesso.
OMISSÃO DE SOCORRO
O vídeo foi gravado no dia 10 de janeiro, três dias depois de o secretário da Segurança Pública de São Paulo, Fernando Grella, ter assinado a Resolução SSP-05 que determina que, em casos de lesões corporais graves, os policiais que primeiro atenderem a ocorrência deverão preservar o local do crime até a chegada da perícia e, em vez de socorrer o ferido, devem acionar imediatamente a equipe do resgate, Samu ou o serviço de emergência.
"O que o vídeo sugere fortemente é que os policiais que atenderam a ocorrência só se dispuseram a socorrer o ferido quando perceberam que se tratava de um colega de farda", disse à Folha a advogada criminalista Roselle Adriane Soglio, 37, recém-chegada de um curso de perícia forense na Universidade George Washington (EUA).

"TUDO ERRADO"
Segundo a advogada, a polícia fez tudo errado neste caso. "O que se vê no vídeo é que os policiais nem ofereceram socorro (e tratava-se de um caso emergencial), nem preservaram a cena, já que eles mesmos vasculharam o carro e a vítima, além de terem permitido a permanência de populares no local."
Para piorar a situação, se fosse esperar pela chegada do Samu, a vítima teria morrido na calçada mesmo. Não existe, nos registros do Samu, nenhum pedido de socorro para vítima na rua dos Guaramomis (onde ocorreu o crime) em janeiro de 2013. A informação é da Secretaria Municipal de Saúde, operadora do
Samu na cidade.
A Secretaria da Segurança Pública disse por meio de nota oficial que "já abriu investigação para apurar as circunstâncias das ocorrências relatadas pela reportagem".
Segundo o promotor de Justiça Luiz Roberto Faggioni, a resolução do secretário Grella "gerou o caos". "Se tenta salvar, o policial pode ser punido. Se não tenta, pode condenar feridos à morte por omissão de socorro."
OUTRO LADO
A Folha mostrou o vídeo para a Secretaria da Segurança Pública de São Paulo na sexta-feira (3). Deixou, inclusive, cópia dele com os assessores de Fernando Grella, a fim de embasar pedido de entrevista sobre o episódio ocorrido em Moema em janeiro.
A secretaria, entretanto, preferiu emitir nota oficial em que afirma já ter aberto "investigação para apurar as circunstâncias das ocorrências relatadas pela reportagem da Folha de S.Paulo".
Segundo a secretaria, "se houve erros ou condução irregular dos policiais neste episódio, eles serão punidos após a devida investigação".
A nota oficial diz que a "resolução 5, de 2013, determina a preservação da cena do crime para garantir melhores condições de investigação. Também recomenda que o resgate das vítimas de agressões e crimes seja feito por serviços especializados, nas cidades onde eles estejam presentes".
Até a conclusão desta reportagem a secretaria não respondeu se os policiais chamaram o resgate para o baleado.
Folha de São Paulo

Comentários

  1. Correto, uma resolução não pode estar acima do Código Penal tão pouco da Constituição.

    ResponderExcluir
  2. Vejam a situação do pobre Policial Militar: Se socorre a vítima é punido por não preservar o local de crime e por não observar a resolução; Se não socorre a vítima entra por omissão de socorro. Eita profissão maldita...

    ResponderExcluir
  3. Se tivesse morrido então haveria preservação de local: como estava ferido os policiais fizeram bem em socorre-lo. Agora vem uma advogada que fez curso no exterior para falar sobre procedimentos aqui no Brasil.É fácil criticar; o difícil é tomar decisão em frações de minutos, quando a gente está na ocorrencia. Ficar sentado (a) numa sala confortável para criticar e julgar os outros é muito comodo. Não tem mais jeito para o policial trabalhar. O unico jeito é cruzar os braços e deixar o circo pegar fogo; talvez a policia seja mais valorizada.

    ResponderExcluir
  4. A partir do momento que o SAMU for o primeiro a chegar nos locais de crimes com vitimas, então essa resolução pode ser aplicada. Mas enquanto a Policia for a unica instituição que tem capacidade de chegar ao local onde se faz necessário e sem enrolação, deve sim ter a autonomia para socorrer a vitima, seja esta policial ou não. Ao Senhor Secretario e a Advogada citada, só saberão a quão importante é cumprir tais procedimentos quando estiverem na situação das vitimas aguardando o socorro, "especializado", para si ou para alguém próximo e cercados de policiais, ter ouvir daqueles que poderiam lhes salvar a vida que não podem socorrer por não estar de acordo com a nova resolução... Tenso...

    ResponderExcluir
  5. A Sra Advogada criticaria do mesmo jeito se eles não socorressem, ela diria que eles seriam indiferentes até mesmo com seus colegas, não sei qual a verdadeira intensão desse movimento para denegrir os policiais de São Paulo, juro que não entendo, talvez se tentar entender ficaríamos loucos. Ninguém precisa da polícia? Eu preciso!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

ANTES DE ESCREVER LEIA COM ATENÇÃO: Palavras de baixo calão, racismo, ofensas, ameaças e tudo mais de não estejam de acordo com os bons costumes e as leis vigentes não será aprovado. Expressão do pensamento é um direito Constitucional, expresse o seu com educação e propriedade. Os comentários publicados não traduzem a opinião do blog. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo. O IP do comentarista fica arquivado e pode ser fornecido por Ordem Judicial.

| Mais Acessados na Última Semana |

ROTA invade tribunal e resgata ex-presidiário

Sim, o título acima está correto. Numa incrível operação relâmpago, PMs de ROTA impedem que tribunal do crime assassine um ex-presidiário

A ROTA está nas ruas 24 horas por dia, todos os dias, o ano inteiro. Seu efetivo é dividido em três Companhias: Noturna, Matutina e Vespertina. Esta matéria relata uma incrível ocorrência de resgate conduzida pelo Pelotão do Tenente PM Soares, que patrulhava a Zona Leste de São Paulo às 21:40 nesta segunda-feira, dia 14. “O despacho do Policiamento de Choque do COPOM nos informou que uma pessoa estava sendo torturada na favela Eliane, numa casa com detalhes verdes no seu portão, localizada na rua Esperança. Pelas particularidades que nos foram relatadas, estava claro que a ocorrência envolvia a ação de um ‘tribunal do crime’ provavelmente comandado pelo PCC. Imediatamente acionei meu Pelotão”, relata o Tenente de ROTA Soares. O nome dessa rua, 'Esperança', não podia ser menos adequado em função do cenário que os PMs iriam encontrar em poucos…

Aprovado PL que da poder de polícia administrativa às polícias e bombeiros militares do Brasil

O poder de polícia administrativa trás condições das polícia militares e bombeiros atuarem de forma efetiva em eventos, estabelecimentos comerciais e outros. Autor: Capitão Augusto - PR/SPData da apresentação:  04/02/2015 Ementa: Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Polícia de Preservação da Ordem Pública, e dá outras ...Leia integra do PL 196/2015Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Pol…

Usar arma de uso restrito com porte ilegal agora é crime hediondo

Aprovada urgência para projeto que torna crime hediondo o porte ilegal de armas de uso restrito O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 332 votos a 7 e 2 abstenções, o regime de urgência para o Projeto de Lei 3376/15, do Senado, que torna crime hediondo a posse ou o porte ilegal de arma de fogo de uso restrito das forças policiais e militares. Após a votação, a sessão ordinária foi encerrada. Projeto de Lei do Senado nº 230, de 2014, de autoria do Senador Marcelo Crivella, constante dos autógrafos em anexo, que “Altera a Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o crime de posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito no rol dos crimes hediondos”. A Lei 8.072/90 define como hediondos os crimes de homicídio praticado por grupo de extermínio; homicídio qualificado; latrocínio; genocídio; extorsão qualificada por morte; extorsão mediante sequestro; estupro; disseminação de epidemia que provoque morte; falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto …

Policiais e bombeiros militares não sabem a força que tem

Deputado Federal Capitão Augusto orienta os militares de São Paulo sobre a força política da classe
Por mais que façamos aqui pela Câmara dos Deputados, aprovando projetos dando mais direitos e garantias aos policiais e não deixando ser aprovado nenhum projeto que os prejudique, a grande reivindicação que recebo dos policiais refere-se a questão do aumento salarial.
Infelizmente Deputados não podem apresentar projetos que gerem despesas para o executivo, então está fora de nossa competência atender essa solicitação, o que nos resta é cobrar (e muito) do governador e fazer articulação para que ele conceda o tão esperado aumento salarial.
Hoje temos força política para eleger representantes para Assembleia Legislativa, Câmara dos Deputados e para todos cargos nas eleições municipais. Está na hora de influenciarmos as eleições para Governador e Senador, um que reconheça nosso valor, ou ficaremos fadados a apenas reclamar nos bastidores.
Nós podemos muito mais que isso! Somos quase 150.000 po…

Vaccarezza é preso em nova fase da Operação Lava Jato em São Paulo

Ex-deputado, que deixou o PT, foi líder dos governos Lula e Dilma. Segundo o MPF, ele recebeu a maior parte de um total de propina que soma US$ 500 mil. O ex-líder dos governos Lula e Dilma na Câmara dos Deputados Cândido Vaccarezza, que deixou o PT, foi preso nesta sexta-feira (18) em São Paulo. Ele é alvo da Operação Abate, uma das duas novas fases da Operação Lava Jato deflagradas nesta manhã. A prisão é temporária, válida por cinco dias. Por volta das 9h, Vaccarezza estava em casa sob custódia da PF. Ele deve seguir para Curitiba ainda nesta sexta. O G1 tenta contato com a defesa do ex-deputado, com PT e com as empresas citadas. Principais pontos das investigações Ações apuram o favorecimento de empresas estrangeiras em contratos com Petrobras. Operação Abate investiga fraudes no fornecimento de asfalto para a Petrobras por uma empresa norte-americana, entre 2010 e 2013. Funcionários da Petrobras, o PT e, principalmente, Cândido Vaccarezza teriam recebido propinas que somam US$ 5…