Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Policiais ignoram regra e prestam socorro ao saber que ferido era PM


Registro em vídeo (sem som) feito por uma câmera de segurança em Moema, bairro nobre na zona sul de São Paulo, mostra policiais militares descumprindo resolução do governo ao socorrerem um homem baleado por ladrões, em vez de chamar o resgate.
As imagens mostram uma tentativa de roubo de carro em que o motorista é atingido. Ele ainda consegue revidar com um tiro, mas os ladrões fogem. A ação acontece em poucos segundos, às 21h08.
O primeiro carro da Polícia Militar chega ao local do crime cinco minutos depois. Durante 5 minutos e 50 segundos, os soldados nada fazem para socorrer a vítima, que sangra abundantemente. Parecem aguardar o Samu ou outro serviço especializado.
Os PMs vasculham os bolsos do baleado, que caiu de bruços, e o veículo Toyota Camry que ele dirigia.
O vídeo mostra, porém, uma mudança na atitude dos policiais a partir do momento em que um soldado retira do bolso da vítima uma carteira de documentos.
Um facho intenso de luz ilumina a cena. O soldado usa a luz para examinar os documentos. A vítima era Edson Luiz Camargo da Cunha, 47, policial militar reformado.
O soldado que examina os documentos fala com seus colegas e, de repente, os cinco PMs que aparecem no vídeo cercam o ferido.
Rapidamente, os policiais decidem removê-lo. Um carro de polícia leva o ferido ao Pronto-Socorro do Hospital São Paulo (zona sul).
Durante dez minutos e 50 segundos, Cunha ficou jogado no chão. Pelo menos 10 minutos a mais foram consumidos no transporte entre o local do crime e o hospital.
Às 21h35, o ferido teve uma parada cardiorrespiratória. Até tentaram reanimá-lo, mas sem sucesso.
OMISSÃO DE SOCORRO
O vídeo foi gravado no dia 10 de janeiro, três dias depois de o secretário da Segurança Pública de São Paulo, Fernando Grella, ter assinado a Resolução SSP-05 que determina que, em casos de lesões corporais graves, os policiais que primeiro atenderem a ocorrência deverão preservar o local do crime até a chegada da perícia e, em vez de socorrer o ferido, devem acionar imediatamente a equipe do resgate, Samu ou o serviço de emergência.
"O que o vídeo sugere fortemente é que os policiais que atenderam a ocorrência só se dispuseram a socorrer o ferido quando perceberam que se tratava de um colega de farda", disse à Folha a advogada criminalista Roselle Adriane Soglio, 37, recém-chegada de um curso de perícia forense na Universidade George Washington (EUA).

"TUDO ERRADO"
Segundo a advogada, a polícia fez tudo errado neste caso. "O que se vê no vídeo é que os policiais nem ofereceram socorro (e tratava-se de um caso emergencial), nem preservaram a cena, já que eles mesmos vasculharam o carro e a vítima, além de terem permitido a permanência de populares no local."
Para piorar a situação, se fosse esperar pela chegada do Samu, a vítima teria morrido na calçada mesmo. Não existe, nos registros do Samu, nenhum pedido de socorro para vítima na rua dos Guaramomis (onde ocorreu o crime) em janeiro de 2013. A informação é da Secretaria Municipal de Saúde, operadora do
Samu na cidade.
A Secretaria da Segurança Pública disse por meio de nota oficial que "já abriu investigação para apurar as circunstâncias das ocorrências relatadas pela reportagem".
Segundo o promotor de Justiça Luiz Roberto Faggioni, a resolução do secretário Grella "gerou o caos". "Se tenta salvar, o policial pode ser punido. Se não tenta, pode condenar feridos à morte por omissão de socorro."
OUTRO LADO
A Folha mostrou o vídeo para a Secretaria da Segurança Pública de São Paulo na sexta-feira (3). Deixou, inclusive, cópia dele com os assessores de Fernando Grella, a fim de embasar pedido de entrevista sobre o episódio ocorrido em Moema em janeiro.
A secretaria, entretanto, preferiu emitir nota oficial em que afirma já ter aberto "investigação para apurar as circunstâncias das ocorrências relatadas pela reportagem da Folha de S.Paulo".
Segundo a secretaria, "se houve erros ou condução irregular dos policiais neste episódio, eles serão punidos após a devida investigação".
A nota oficial diz que a "resolução 5, de 2013, determina a preservação da cena do crime para garantir melhores condições de investigação. Também recomenda que o resgate das vítimas de agressões e crimes seja feito por serviços especializados, nas cidades onde eles estejam presentes".
Até a conclusão desta reportagem a secretaria não respondeu se os policiais chamaram o resgate para o baleado.
Folha de São Paulo

Comentários

  1. Correto, uma resolução não pode estar acima do Código Penal tão pouco da Constituição.

    ResponderExcluir
  2. Vejam a situação do pobre Policial Militar: Se socorre a vítima é punido por não preservar o local de crime e por não observar a resolução; Se não socorre a vítima entra por omissão de socorro. Eita profissão maldita...

    ResponderExcluir
  3. Se tivesse morrido então haveria preservação de local: como estava ferido os policiais fizeram bem em socorre-lo. Agora vem uma advogada que fez curso no exterior para falar sobre procedimentos aqui no Brasil.É fácil criticar; o difícil é tomar decisão em frações de minutos, quando a gente está na ocorrencia. Ficar sentado (a) numa sala confortável para criticar e julgar os outros é muito comodo. Não tem mais jeito para o policial trabalhar. O unico jeito é cruzar os braços e deixar o circo pegar fogo; talvez a policia seja mais valorizada.

    ResponderExcluir
  4. A partir do momento que o SAMU for o primeiro a chegar nos locais de crimes com vitimas, então essa resolução pode ser aplicada. Mas enquanto a Policia for a unica instituição que tem capacidade de chegar ao local onde se faz necessário e sem enrolação, deve sim ter a autonomia para socorrer a vitima, seja esta policial ou não. Ao Senhor Secretario e a Advogada citada, só saberão a quão importante é cumprir tais procedimentos quando estiverem na situação das vitimas aguardando o socorro, "especializado", para si ou para alguém próximo e cercados de policiais, ter ouvir daqueles que poderiam lhes salvar a vida que não podem socorrer por não estar de acordo com a nova resolução... Tenso...

    ResponderExcluir
  5. A Sra Advogada criticaria do mesmo jeito se eles não socorressem, ela diria que eles seriam indiferentes até mesmo com seus colegas, não sei qual a verdadeira intensão desse movimento para denegrir os policiais de São Paulo, juro que não entendo, talvez se tentar entender ficaríamos loucos. Ninguém precisa da polícia? Eu preciso!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …