Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

PMs grevistas são demitidos após processo administrativo

PMs que participaram de movimento grevista no CE de 2012 são demitidos.
Policiais foram demitidos após processo administrativo disciplinar.
44 PMs e 21 bombeiros estão respondendo a processos disciplinares.
O Comando da Polícia Militar do Ceará demitiu policiais militares que participaram domovimento grevista de 2011, segundo informações do tenente-coronel Fernando Albano, relações públicas da corporação.
Entre os demitidos estão o presidente da Associação dos Cabos e Soldados Militares do Estado do Ceará (ACSMCE), Pedro Queiroz, e o dirigente da associação, Flávio Sabino. A ACSMCE diz que vai recorrer das demissões.
As oito demissões estão publicadas no Boletim do Comando Geral do dia 14 de maio de 2013. Os demitidos estão entre os 44 PMs e 21 bombeiros indiciados por participar de uma reunião de avaliação da greve ocorrida entre dezembro de 2011 e janeiro de 2012, de acordo com a ACSMCE.
Os processos disciplinares contra os PMS foram publicados no Boletim do Comando do dia 25 de janeiro de 2013. De acordo com o documento, os policiais são "acusados [...] de participarem de reunião ocorrida no dia 03.01.2013, sob a liderança de integrantes da Associação dos Profissionais de Segurança Pública do Ceará (Aprospec), com o objetivo de deliberar sobre a deflagração, ou não, de novo movimento paredista". Os policiais indiciados atuam em Fortaleza e nas cidades de Juazeiro do Norte, Sobral, Iguatu, Quixadá, Canindé, Baturité, Crateús, Itapipoca e Acaraú.
Greve
A greve dos policiais militares começou em de dezembro de 2011. A categoria reivindicava melhores salários e condições de trabalho. Do acordo, fazem parte ainda implantação de um auxílio alimentação, no valor de R$ 220 por mês; a promoção de servidores; escala de serviço de 40 horas semanais e reajustes salariais de 2013 e 2014, além da elaboração de um Código de Ética. Os PMs ocuparam o quartel do 6ª Companhia do 5º Batalhão (BPM), no Bairro Antônio Bezerra.
Exatamente 30 dias após o fim da greve dos policiais militares do Ceará, em 3 de fevereiro de 2012, representantes da categoria se reuniram com representantes do Governo do Estado para definir os últimos pontos da mensagem que seria encaminhada à Assembleia Legislativa, entre eles, a anistia para aqueles que participaram do movimento. À época, o secretário de planejamento e gestão do estado, Eduardo Diogo, afirmou que o governo só poderia dar anistia "exclusivamente" na área administrativa. "Com relação à parte criminal, o Poder Executivo não tem competência para deliberar sobre o assunto", afirmou Diogo. (G1).

Comentários

  1. Esse país está virando uma bagunça, quem tem direitos garantidos nesse País são, os políticos corruptos, mensaleiros, traficantes, drogados, prostitutas, familiares de presos, sonegadores e Ex. TERORISTAS será que é difícil reconhecer que os Policiais Militares não são brasileiros de segunda classe e, o que estão tentando fazer com os integrantes da Segurança Publica poderá desencadear uma revolta geral desses agentes e, quem pagará um alto preço é a população brasileira. Pelo amor de Deus acorde Brasil me ajuda ai pô.

    ResponderExcluir
  2. Nascimento PM : É triste e inaceitável que pais de famílias sejam demitidos por reivindicar seus direitos por conta de governos que não estão nem ai e se apossam de uma legislação militar arcaica.Está na hora de pensarmos seriamente na desmilitarização das polícias e unificação.Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Se todos os policiais e bombeiros militares do Ceara em solidariedade aos colegas excluídos se aquartelassem, queria ver o que o comando geral e o governador iria fazer excluir todos? Não eles não seriam loucos de fazer isso. Ou todos permanecem ou todos são excluídos. É claro que os praças não podem contar com oficiais, eles vivem em função de promoção, estando bom para eles, praças que se fodam. A base de sustentação da polícia militar são praças se todos pararem, oficiais não tem efetivo para dar segurança à população. Praças tem força e não sabem a força que tem, é como se fosse uns burros amarrados em pés de alface. Essa pouca vergonha de excluir praças que lutam por melhores salários e condições de serviço só vão parar quando todos se conscientizar e parar geral ai o governador vai pular igual pipoca para dar segurança à população ou então que todos se fodam. Tendo policia nas ruas o Brasil já esta uma merda imagina se não tiver.

    ResponderExcluir
  4. Este Governo cearense está com seus dias contados. Os colegas "demitidos", não serão abandonados por seus companheiros, iremos manter seus vencimentos até seu retorno. O nosso objetivo é muito maior do esse governo imagina. Cada atitude sua reforça a nossa luta em favor dáquilo que queremos.....

    ResponderExcluir
  5. Vão ser todos reintegrados é só uma questão de tempo, pois são todos pessoas de bem.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.


| Mais Acessados na Última Semana |

PL 920: uma bomba atômica no funcionalismo público que Alckmin quer ver aprovado a todo custo.

O governador Geraldo Alckmin protocolou na quinta-feira, 5/10, o Projeto de Lei 920/2017, que representa uma verdadeira bomba atômica no Estado de São Paulo, sobretudo um verdadeiro ataque aos servidores estaduais e à prestação de serviços públicos. Publicado no Diário Oficial já no dia seguinte, o PL formaliza a renegociação da dívida de São Paulo com a União, ampliando o prazo de pagamento.
            Em contrapartida, o Estado se compromete a cumprir as exigências do governo federal, que impõe um verdadeiro arrocho salarial sobre os servidores públicos. Essa cruel punição aos servidores foi aprovada no ano passado pelo Congresso Nacional. Seu embrião foi o PLP 257, apresentado pela presidente Dilma, que depois foi maquiado pelo governo Temer e transformado na Lei Complementar federal 156/2016.
            Se o PL 920 for aprovado – e espero que não seja –, haverá um congelamento não só de salários, mas também da evolução funcional de todos os servidores estaduais, ficando suspens…

GENERAL QUE COMANDA A ABIN FALA EM VAZIO DE LIDERANÇAS E ELOGIA FEITOS DA DITADURA

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional do governo Temer, Sérgio Westphalen Etchegoyen, causou incômodo em parte da comunidade diplomática durante uma palestra no Instituto Rio Branco. O general sugeriu “medidas extremas” para a segurança pública, elogiou feitos dos anos de chumbo e disse que o país sofre com amoralidade e com patrulha do “politicamente correto”.
Etchegoyen começou a fala de quase duas horas contando que tinha sido soldado por 47 anos e que era por essa ótica, militar, que enxergava e
interpretava o mundo. Depois do alerta, tentou quebrar o gelo:
“Sou da arma de cavalaria e tem um problema que a ausência do meu cavalo reduz minha capacidade intelectual em uns 45, 40 por cento”, começou general da reserva que comanda, entre outros órgãos, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin). A plateia, majoritariamente composta por futuros diplomatas, riu discretamente.
Foi um dos poucos momentos de descontração. No restante do tempo, segundo pessoas que estiveram present…

Alckmin propõe reajuste de 7% para policiais

ATENÇÃO- ATENÇÃO ESTA NOTÍCIA É DO ANO DE 2013 E ESTA CIRCULANDO NAS REDES SOCIAIS COMO SENDO ATUAL

O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta sexta-feira, 13, o envio à Assembleia Legislativa de um projeto de lei que concede aumento salarial de 7% para os membros da Polícia Militar, da Polícia Civil e da Polícia Técnico-Científica. O reajuste também será estendido aos agentes penitenciários. Aposentados e pensionistas das quatro categorias também terão o mesmo benefício. No total, serão beneficiados 172 mil policiais militares, 53 mil policiais civis e 33 mil agentes penitenciários. O custo para o Tesouro do Estado será de R$ 983 milhões por ano. Esta é a terceira vez que o governador Alckmin concede aumento salarial acima da inflação do período. Desde o último reajuste, o índice oficial de inflação acumulada é 5,66%. Em outubro de 2011, os policiais tiveram 15% de aumento retroativo a julho de 2011. Em agosto de 2012, o aumento foi de 11%. Com a nova proposta, o reajus…

Após vaga para relator, Temer recebe presidente do PSC, que cobra fatura...Vergonha para o Brasil!

O presidente Michel Temer recebeu nesta segunda-feira (9), no Palácio do Planalto, o presidente do PSC, Pastor Everaldo, para agradecer pela vaga na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) cedida por seu partido ao deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), relator da denúncia contra Temer.
Everaldo foi ao Planalto acompanhado pelo líder do governo no Congresso, deputado André Moura (PSC-SE). 
Segundo o Blog apurou, Pastor Everaldo cobra do governo a fatura pela operação que permitiu a permanência do relator que Temer queria na comissão. Entre os pedidos, ele quer que o Planalto o ajude em questões de sua base eleitoral, o Rio de Janeiro. 
Com a pressão do PSDB – partido de Bonifácio –, o parlamentar mineiro só pôde seguir na relatoria da denúncia na CCJ porque o PSC cedeu sua vaga na comissão. A articulação foi coordenada na semana passada pelo ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, e por André Moura. 
O encontro com o pastor Everaldo não constou na agenda oficial de Temer até a últ…

Cabo da PM é preso após pegar bastão de tenente

O caso ocorreu neste domingo (15) no 9º Batalhão de Polícia Militar do DF, no Gama. O homem ficou detido por três horas na Corregedoria.
A Corregedoria da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) apura um atrito entre um cabo e um tenente do 9º Batalhão, no Gama. O cabo teria recebido voz de prisão porque, segundo o tenente, pegou o seu bastão sem autorização. O caso ocorreu neste domingo (15/10), por volta das 16h. O oficial deu voz de prisão ao subordinado após alegar que o bastão pertencia a ele. O cabo, por sua vez, disse que tinha ganho o mastro de presente de outro policial. Foi, então, que o chefe retrucou e mandou ele guardar o objeto na reserva. No entanto, o subordinado alegou que só o faria se houvesse uma ordem feita por escrito. Neste momento, o tenente lhe deu voz de prisão por desobediência.
O cabo foi encaminhado à Corregedoria onde ficou detido por pouco mais de três horas. Após a verificação dos fatos, ele foi liberado. O tenente, por sua vez, pode será investigad…