Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

PM estuda punições a policiais que socorreram colega baleado em SP


A Corregedoria da Polícia Militar diz que vai apurar se os policiais que socorreram um colega baleado em janeiro descumpriram a resolução da Secretaria da Segurança Pública de São Paulo que impede o socorro de vítimas de crimes.
De acordo com a PM, eventuais punições só ocorrerão ao final das investigações.
Ontem, a Folha revelou que um grupo de policiais militares socorreu no dia 10 de janeiro um segurança ferido a tiros numa tentativa de roubo em Moema, na capital.
O socorro, conforme imagens de uma câmera de segurança, ocorreu logo após os policiais retirarem uma carteira de documentos do bolso da vítima --que era um sargento reformado da PM.
Pela resolução, nenhuma pessoa pode ser socorrida por policiais. Em casos de vítimas feridas, o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) ou os bombeiros devem ser chamados.
O perito Gustavo Dalton, da Associação Brasileira de Criminalística, diz que a norma que prevê a preservação da cena do crime em detrimento do socorro é insensata. "Para a Justiça, descobrir quem é o autor de um crime é menos importante que salvar uma vida", afirma.
Para o deputado Olímpio Gomes (PDT), membro da comissão de segurança da Assembleia, os PMs agiram corretamente. "Tenho dito para os policiais descumprirem a norma e socorrerem. Nenhum juiz vai ser louco de punir um PM que salva vidas."
Folha de São Paulo

Comentários

  1. ESTOU REFORMADO A 22 ANOS EXERCI AS FUNÇÕES DE POLICIAL MILITAR NO TEMPO QUE POLÍCIA ERA POLÍCIA, TINHA ORGULHO DA CORPORAÇÃO; COM ESSA NOVA SAFRA DE COMANDO E COMANDADOS ESTOU COM VERGONHA DE DIZER QUE ERA UM POLICIAL: DO (GOVERNADOR AO COMANDO DE UM DESTACAMENTO HONESTAMENTE ESTOU COM NOJO DE VER AS BARBARIES)

    ResponderExcluir
  2. Hélio Vega de Vasconcelos7 de maio de 2013 10:39

    Essa punição eu cumpriria com prazer!!! Minha consciência estaria me acusando se eu não socorresse um colega nessa situação. Mesmo descumprindo Lei.

    ResponderExcluir
  3. Pela hierárquia das normas, uma Resolução não pode ir de encontro a uma Lei então, já que deixar de prestar socorro a alguém é crime, os PM não desrrespeitaram norma alguma pois, simplismente cupriram a Lei que os obrigava a prestar o socorro.

    ResponderExcluir
  4. O problema não são os juízes e sim os comandantes que acatam tudo o que esse maluco da segurança pública diz.

    ResponderExcluir
  5. QUEM SE HABILITA A DESCUMPRIR? TENTEM!RSRSR

    ResponderExcluir
  6. É INADIMISIVEL PUNIR QUEM ESTA SALVANDO VIDAS,ADORARIA QUE O IMBECIL QUE INBECIL QUE INVENTOU ISSO FOSSE BALEADO E MUITAS VTR EM VOLTA ESPERANDO O RESGATE,,HA COMO EU QUERIA VER ISSO,,,,MAS TODA AÇÃO TEM UMA REAÇÃO E CADA UM COLHE O QUE PLANTA,,PARABENS AOS POLICIAIS PELA INICIATIVA DE SOCORRO,,ISSO PROVA QUE SÃO INTELIGENTES E QUANTO A PUNIÇÃO? SÓ UM INBECIL PRA FAZER ISSO.

    ResponderExcluir
  7. Ordem absurda não se cumpre !!!!
    Os PMs não fizeram mais que a obrigação, omissão de socorro é Crime, eles apenas cumpriram a LEI. Nenhum regulamento pode se
    sobre pôr a CF!

    ResponderExcluir
  8. Que situação hein? tudo graças ao contido na legislaçao federal, elaborada pela secretaria de direitos humanos, justamente para impedir o trabalho da PM.O governo de Sao Paulo baixou a resolução e pau nos prejudicados, pois quem está sofrendo as consequencias não é ele. Agora pune os policiais e pronto. Lava-se as maõs, como sempre.Bons tempos quando policia era policia; quando tínhamos cmt que brigava pela tropa. Hoje a primeira coisa é tratar todos policiais como bandidos. Diz um ditado que " o maior inimigo nosso, somos nos mesmos"; pura verdade, pois para agradar governos, massacra-se a tropa com horarios de trabalho, com escalas extras, com baixos salarios, e principalmente com a falta de retaguarda. Toma-se medidas paliativas, acaba-se com o que estava funcionando, somente para mostrar que estão fazendo coisa nova.

    ResponderExcluir
  9. TENHO MUITA SAUDADES DE QUANDO O GOVERNADOR ERA O SR PAULO MALUF, O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA SR ERASMO DIAS E CMT GERAL DA PMESP SR FRANCISCO BATISTA TORRES DE MELO O QUAL ERA UM CORONEL DE SACO RÔXO DO EXÉRCITO BRASILEIRO.
    HOJE ESTOU REFORMADO, MAS TENHO PENA DOS POLICIAIS, POIS NÃO TEM APOIO ALGUM, MUITO PELO CONTRÁRIO, TEM QUE TRATAR BANDIDO DE EXCELÊNCIA. MAS TENHO FÉ QUE UM DIA AS COISAS MUDARÃO, POIS VAI CHEGAR UMA HORA QUE A POPULAÇÃO DO BEM NÃO VAI MAIS SUPORTAR TANTA BARBARIDADES, QUE VÃO SUPLICAR PARA AS FORÇAS ARMADAS TOMAREM UMA ATITUDE, AI SIM AS COISAS VÃO TOMAR UM RUMO QUE ERA MAIS QUE CERTO, QUANDO MANDAVA OS MILITARES.

    ResponderExcluir
  10. Concordo com o Major Olimpio de que nenhum juiz vai aplicar punição a um policial por socorrer o colega e salvar sua vida, no entanto, comandantes e corregedores, para fazer o nome e ficar bem junto ao governador, certamente aplicarão sanções disciplinares. O que oriento aos colegas é que, caso sejam punidos disciplinarmente por isso, recorram ao judiciario que a punição será cancelada, com certeza.

    ResponderExcluir
  11. Essa resolução é totalmente ilegal.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.


| Mais Acessados na Última Semana |

Justiça Militar manda PM reintegrar cabo acusado de matar atriz durante blitz em Presidente Prudente

Decisão publicada nesta quarta-feira (18) atende a um pedido de tutela de urgência feito pela defesa. Marcelo Aparecido Domingos Coelho foi demitido da corporação em abril de 2015. oi publicada nesta quarta-feira (18) no Diário da Justiça Militar a decisão do juiz substituto da 2ª Auditoria do Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo (TJM-SP), Marcos Fernando Theodoro Pinheiro, que determina a imediata reintegração de Marcelo Aparecido Domingos Coelho aos quadros da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Em abril de 2015, o então cabo da PM foi demitido pela corporação, após ser acusado no processo que envolveu a morte da atriz e produtora cultural Luana Barbosa durante uma blitz policial na Avenida Joaquim Constantino, na Vila Formosa, em Presidente Prudente.
O juiz levou em consideração a absolvição que Coelho obteve na Justiça Militar, sob o argumento de “legítima defesa” e do “estrito cumprimento do dever legal”, o que, segundo o magistrado, de certa forma, contradiz c…

GENERAL QUE COMANDA A ABIN FALA EM VAZIO DE LIDERANÇAS E ELOGIA FEITOS DA DITADURA

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional do governo Temer, Sérgio Westphalen Etchegoyen, causou incômodo em parte da comunidade diplomática durante uma palestra no Instituto Rio Branco. O general sugeriu “medidas extremas” para a segurança pública, elogiou feitos dos anos de chumbo e disse que o país sofre com amoralidade e com patrulha do “politicamente correto”.
Etchegoyen começou a fala de quase duas horas contando que tinha sido soldado por 47 anos e que era por essa ótica, militar, que enxergava e
interpretava o mundo. Depois do alerta, tentou quebrar o gelo:
“Sou da arma de cavalaria e tem um problema que a ausência do meu cavalo reduz minha capacidade intelectual em uns 45, 40 por cento”, começou general da reserva que comanda, entre outros órgãos, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin). A plateia, majoritariamente composta por futuros diplomatas, riu discretamente.
Foi um dos poucos momentos de descontração. No restante do tempo, segundo pessoas que estiveram present…

PL 920: uma bomba atômica no funcionalismo público que Alckmin quer ver aprovado a todo custo.

O governador Geraldo Alckmin protocolou na quinta-feira, 5/10, o Projeto de Lei 920/2017, que representa uma verdadeira bomba atômica no Estado de São Paulo, sobretudo um verdadeiro ataque aos servidores estaduais e à prestação de serviços públicos. Publicado no Diário Oficial já no dia seguinte, o PL formaliza a renegociação da dívida de São Paulo com a União, ampliando o prazo de pagamento.
            Em contrapartida, o Estado se compromete a cumprir as exigências do governo federal, que impõe um verdadeiro arrocho salarial sobre os servidores públicos. Essa cruel punição aos servidores foi aprovada no ano passado pelo Congresso Nacional. Seu embrião foi o PLP 257, apresentado pela presidente Dilma, que depois foi maquiado pelo governo Temer e transformado na Lei Complementar federal 156/2016.
            Se o PL 920 for aprovado – e espero que não seja –, haverá um congelamento não só de salários, mas também da evolução funcional de todos os servidores estaduais, ficando suspens…

Alckmin propõe reajuste de 7% para policiais

ATENÇÃO- ATENÇÃO ESTA NOTÍCIA É DO ANO DE 2013 E ESTA CIRCULANDO NAS REDES SOCIAIS COMO SENDO ATUAL

O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta sexta-feira, 13, o envio à Assembleia Legislativa de um projeto de lei que concede aumento salarial de 7% para os membros da Polícia Militar, da Polícia Civil e da Polícia Técnico-Científica. O reajuste também será estendido aos agentes penitenciários. Aposentados e pensionistas das quatro categorias também terão o mesmo benefício. No total, serão beneficiados 172 mil policiais militares, 53 mil policiais civis e 33 mil agentes penitenciários. O custo para o Tesouro do Estado será de R$ 983 milhões por ano. Esta é a terceira vez que o governador Alckmin concede aumento salarial acima da inflação do período. Desde o último reajuste, o índice oficial de inflação acumulada é 5,66%. Em outubro de 2011, os policiais tiveram 15% de aumento retroativo a julho de 2011. Em agosto de 2012, o aumento foi de 11%. Com a nova proposta, o reajus…

Policial civil morto em mega-assalto a empresa de valores é enterrado

Vítima foi morta a tiros durante ação dos criminosos que explodiram sede da Protege em Araçatuba (SP). Policial estava de folga. O corpo do policial civil André Luís Ferro da Silva, morto durante o mega-assalto a empresa Protege em Araçatuba (SP) nesta segunda-feira (16), foi enterrado na manhã desta terça-feira (17) em um cemitério particular da cidade. Ferro tinha 37 anos e foi baleado durante a ação. Ele foi socorrido com vida, mas morreu durante atendimento na Santa Casa. Silva era investigador e integrante do Grupo de Operações Especiais (GOE), e deixou filhos e a esposa.
O velório da vítima foi feito em um salão de uma funerária em Araçatuba e, do local, o caixão seguiu em um caminhão do Corpo de Bombeiros em cortejo com viaturas das polícias Militar e Civil até o cemitério. Segundo a Polícia Militar, o policial civil estava de folga do serviço e foi ao local para ver o que acontecia após ser chamado pelos pais, que moram perto da sede da Protege.
O grupo criminoso, cerca de 40 la…