Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Piloto de helicóptero que participou de caçada a Matemático é afastado

Decisão foi tomada após exibição no Fantástico de imagens aéreas da ação.
Caso havia sido arquivado em novembro de 2012 e MP pediu reabertura.
A Polícia Civil informou nesta segunda-feira (6) que decidiu afastar das funções o piloto Adonis Lopes de Oliveira, que pilotava o helicóptero usado para capturar o traficante conhecido como Matemático, em maio de 2012. O caso foi arquivado em novembro, mas ganhou novos rumos depois da exibição, no último domingo (5), pelo Fantástico, da caçada da polícia ao traficante, como mostrou o RJTV.
As imagens foram entregues ao Ministério Público Estadual e Federal. Elas foram levadas pelo deputado Marcelo Freixo, presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa.
“Eles vão abrir investigação e vão oficiar a Civil e a Federal pra saber o nível de responsabilidade de cada uma delas para a partir dai poder proceder nas suas responsabilidades”, disse Freixo.
O Procurador Geral de Justiça do Estado, Marfan Vieira, determinou a reabertura imediata do inquérito. O caso tinha sido arquivado havia seis meses.
“As imagens são efetivamente muito fortes. Me pareceu uma operação muito desastrada feita de maneira inconseqüente”, afirmou Marfan.
Caçada ao traficante
A caçada a Márcio José Sabino Pereira, o Matemático, considerado um dos maiores traficantes do Rio, foi em maio de 2012. A Polícia Federal repassou informações às equipes da polícia militar e à equipe da polícia civil, que estava a bordo do helicóptero.
A câmera da aeronave tem um sensor que detecta o calor de corpos e objetos e as imagens captadas por ela são vistas apenas pelo operador do equipamento.
A perseguição a Matemático se estendeu por cerca de nove quarteirões da favela da Coreia, na Zona Oeste do Rio e durou menos de dois minutos.
Casas atingidas
Enquanto os disparos eram feitos pessoas passavam nas ruas, casas foram atingidas e um prédio levou pelo menos cinco tiros. Segundo os policiais, os bandidos atiraram contra o helicóptero. O corpo do traficante foi abandonado cinco horas depois, durante uma troca de tiros com a PM, a três quilômetros do fim da perseguição.
O RJTV procurou a Secretaria de Segurança para saber se a operação foi oficial, se a Secretaria sabia dos riscos que uma ação como essa oferecia e se, logo depois, tomou conhecimento da forma como ela foi realizada. Mas a Secretaria de Segurança voltou a divulgar a mesma nota enviada antes da exibição das imagens pelo Fantástico.
"Há um setor especializado nessas ações que tem que dar uma resposta à sociedade. Quem teve a responsabilidade de agir, tem que ter a responsabilidade de arcar com as consequências".
Ao Fantástico, a Chefe de Polícia Civil, Martha Rocha, informou que só tomou conhecimento de como a operação foi executada na última sexta-feira (3) pela Corregedoria.
A Polícia Federal informou que investigava a quadrilha de Matemático e que forneceu a possível localização dele à Polícia Civil, que realizou a operação. Já a Polícia Militar confirma que participou do cerco ao traficante e afirmou que, durante a ação, o blindado teve os pneus furados e as equipes seguiram para o local a pé.
Do G1 Rio

Comentários

  1. Gostaria de saber como isso vazou para imprensa??? e quanto o cara que vazou ganhou com isso??

    ResponderExcluir
  2. Gostaria de saber como isso vazou para imprensa??? e quanto o cara que vazou ganhou com isso??

    Boa pergunta...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …