Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

PC e PM trocam voz de prisão e os dois vão para delegacia

Policiais civil e militar trocam voz de prisão e os dois vão para delegacia.
Confusão aconteceu durante uma ação da Polícia Civil, em Porto Velho.
Guarnição militar não soube como proceder no caso e recorreu ao Ciop.
Um policial civil e um militar foram presos nesta sexta-feira (24), em Porto Velho, após um dar voz de prisão ao outro. O caso aconteceu próximo ao Mercado Central, no cruzamento da Rua Brasília com Avenida Sete de Setembro, região central da capital.
No depoimento, o policial civil alegou que estava em serviço acompanhando um suposto 'racha' entre dois automóveis, quando os motoristas pararam no estacionamento do Mercado Central. O policial, então, fez a abordagem a um dos envolvidos e o outro fugiu. Para tentar evitar a fuga, o policial afirma que efetuou dois disparos contra o veículo.
O policial militar conta que ao sair do mercado viu a confusão, mas que continuou caminhando em direção ao veículo. De acordo com o depoimento, o militar foi impedido de sair porque o carro do policial civil - uma viatura oficial - estava parado atrás. Neste momento iniciou a confusão, pois os dois se apresentaram como policiais.
Com a confusão, o policial militar afirma que ficou irritado porque o civil não mostrou a identificação e começou a ofendê-lo, foi quando recebeu voz de prisão por desacato a autoridade. Ao mesmo tempo, o policial militar deu voz de prisão ao civil por disparo de arma de fogo.
Uma guarnição da Polícia Militar (PM) foi ao local, mas não soube como proceder para a solução do caso, sendo necessário recorrer ao Centro Integrado de Operação Policial (Ciop) que decidiu encaminhar os envolvidos para a Central de Flagrantes.
Na delegacia, após serem ouvidos, os dois foram liberados e devem responder processo administrativo na Corregedoria Geral de Polícia.
O motorista abordado pelo policial civil foi levado à Central de Flagrantes, o outro conseguiu fugir. (G1).

Comentários

  1. o policial militar no momento em que deu voz de prisão ao civil estava certo sim, pois de acordo com ele, o policial civil o desacatou e nem se identificou. Já o fato do disparo ter ocorrido em ocorrencia, só o PM é que pode justificar a ação, ele avaliou na hr isso, é claro que disparo não foi dado sem motivação, pode até ter sido imoral, mas não ilegal, claro, este disparo poderia ter acertado alguém. Se fosse eu na ocorrência neste caso não atiraria ou atiraria nos pneus, é dificil avaliar sentado na frente de um computador.....

    ResponderExcluir
  2. Dois idiotas que deveriam estar fora da polícia, tanto civil quanto militar. :-b

    ResponderExcluir
  3. De acordo com a Lei 10826 de 2003, disparo de arma de fogo em via publica é crime, pois não foi em legítima defesa, como opróprio policial civil afirmou. não basta tomar uma atitude, também tem que saber justificar suas ações. Dois despreparados.

    ResponderExcluir
  4. 1º Estando o policial de serviço eu iria verificar se ele comunicou o fato via rádio a ação e nesse caso sendo dois veículos envolvidos seria necessário "apoio". 2ºSse a suposta viatura que esvava no local era caracterizado como sendo "Polícia Civil", sabendo que em se tratando de "Viaturas" e não "veículo oficial" deve ter os síbolos e etc das forças a qual pertencem.. Sendo um veículo oficial sendo usado como "viatura" o mesmo policial deveria de imediato se identificar, e não apenas dizer que é. Sendo assim não haveria problema e algum e inclusive o Policial Civil poderia até ter tido apoio do militar de folga não fosse ignorante e arrogante. Por isso eu apoio a unificação das polícias para acabar com essa palhaçada de se acharem que uma manda mais que o outro e vice versa...

    Em Observação queira ou não, se for pesar na balança entre a PM e PC, é a PC que necessita de mais de apoio, pois e sempre a PM quem é solicitado pra dar apoio. É só verificar quando ocorre rebelião ou fuga de presos em delegacias a qual é de extrema responsabilidade da PC. A PC por incrível que pareça eu só vejo eles agindo com diversas Vtrs quando se trata de assalto a "joalherias".. mas em se tratando de assalto a residência como os demais estabelecimanto é sempre a Militar.

    ResponderExcluir
  5. POLICIAL EM SÃO PAULO,,,EM TELA O POLICIAL CIVIL FALHOU EM DISPARAR A ARMA,SÓ O FATO DE UM INDIVIDO FUGIR NÃO AMPARA O POLICIAL EM DISPARAR SUA ARMA.EM RELAÇÃO O POLICIAL MILITAR DEVERIA TER CHAMADO UMA GUARNIÇÃO PM ANTES DE SE ENVOLVER NA CONFUSÃO SERIA MAIS SENSATO....AGORA MAIS SENSATO AINDA SERIA SE ESSA OCORRENCIA TIVESSE SIDO ADMINISTRADA NO LOCAL E NÃO FOSSE PARAR NA DELEGACIA,,,,,

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.


| Mais Acessados na Última Semana |

Morre segundo policial militar atingido por tiro de fuzil em Pompéu

Cabo Lucas Reis Rosa foi internado e teve braço amputado após confronto com criminosos que explodiram uma agência bancária. Outro policial e um entregador também foram mortos. A Polícia Militar (PM) confirmou, na manhã desta sexta-feira (8), a morte do cabo Lucas Reis Rosa. Ele estava internado desde a madrugada de terça-feira (5) quando foi atingido por um tiro de fuzil durante confronto com criminosos que explodiram uma agência bancária em Pompéu. Segundo a Polícia Militar, o óbito foi constatado as 9h50 desta sexta. Em nota, a PM informou que o cabo teve reações inflamatórias graves, pós-cirúrgicas ao trauma. Na quarta-feira (6), Lucas Reis passou por duas cirurgias, uma delas foi para a amputação total do braço direito. “Estamos entrando em contato com a família para dar o devido apoio e verificar questões relacionadas a local e horário do velório e enterro”, informou o comandante da 7ª Região da Polícia Militar, coronel Helbert Willian Carvalhaes. Confronto Na madrugada de terça…

Policial militar é sequestrado e assassinado a tiros em Paulista

Um policial militar foi assassinado com nove tiros, na Estrada do Pica-Pau, em Paulista, na Região Metropolitana do Recife. A vítima foi identificada como Lindembergue Gomes da Silva, de 53 anos, foi encontrado ás margens da estrada, em Paratibe. De acordo com os peritos do instituto de Criminalidade (IC), ele foi atingido por um tiro no rosto e os outros nas costas. Os peritos acreditam que o PM pode ter sido morto com a própria arma.
Segundo a polícia, o militar, que atuava como comerciante, teria sido levado da casa dele, no bairro da Mirueira, por dois homens. Ele teria sido levado para o local do crime no próprio carro, uma caminhonete, que foi abandonada em Abreu e Lima. Nenhum pertence da vitima foi encontrado. A policia recebeu a informação de que o PM reformado era agiota, o que pode ter motivado o assassinato.

Fonte: Tv jornal uol

Brasil dobra número de presos em 11 anos, diz levantamento; de 726 mil detentos, 40% não foram julgados

Estudo divulgado pelo Ministério da Justiça é de junho de 2016. País é o terceiro do mundo em número de detentos. Estado com maior superlotação é o Amazonas (cinco presos por vaga). Uma nova edição do Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen) divulgada nesta sexta-feira (8) pelo Ministério da Justiça informa que, em junho de 2016, a população carcerária do Brasil atingiu a marca de 726,7 mil presos, mais que o dobro de 2005, quando o estudo começou a ser realizado. Naquele ano, o Brasil tinha 361,4 mil presos, de acordo com o levantamento. Esses 726 mil presos ocupam 368 mil vagas, média de dois presos por vaga (leia mais abaixo sobre superlotação). "Houve um pequeno acréscimo de unidades prisionais a partir de 2014, muito embora não seja o suficiente para abrigar a massa carcerária que vem aumentando no Brasil. Então, o que nos temos, é um aumento da população carcerária e, praticamente, uma estabilidade no que se refere à oferta de vagas e oferta de estabel…

AFAM: NOVIDADES SOBRE AÇÃO JUDICIAL DA INCORPORAÇÃO DE 100% DO ALE NOS VENCIMENTOS DOS POLICIAIS E BOMBEIROS DE SÃO PAULO

Agora já são em número de 05 as Câmaras de Direito Público a adotar esse entendimento. Novas e recentes decisões do Tribunal de Justiça de São Paulo, em Mandados de Segurança individuais, têm confirmado o entendimento de que a incorporação total do ALE ao Salário-Base (Padrão) é direito de todos os policiais militares. Em Acórdão de 11 de março de 2013, relativo à Apelação/Reexame Necessário nº. 0029083-82.2012.8.26.0053, assim se manifestou a 6 ª. Câmara de Direito Público do TJ/SP: “Assim, no caso do impetrante, policial em atividade, quinquênios, sexta-parte e RETP incidem sobre as vantagens efetivamente incorporadas, dentre as quais, a partir da LC nº 1.114/10, o ALE”.... http://www.afam.com.br/
Veja abaixo todas as novidades:






REVOLTA DA ASSOCIAÇÃO DOS CABOS E SOLDADOS DA PMESP COM GOVERNO ALCKMIN

A Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo luta contra uma mentira da Procuradoria Geral do Estado; e, infelizmente, endossada pelo Governador do Estado. Ocorre que a Procuradoria, por meio da suspensão da Tutela Antecipada nº 678 junto ao Supremo Tribunal Federal fez constar em sua petição o valor aproximado de R$ 1,5 bilhão. Em síntese, disse ao Presidente do STF, Exmo. Senhor Ministro Ayres Britto que o custo criaria uma lesão ao erário público, assim, permitiu suprimir verbas alimentares de Policiais Militares. Neste sentido, passamos a conhecer melhor o Governo Geraldo Alckmin.
O Governo do Estado tinha conhecimento que o Policial Militar recebia o recálculo retroativo a novembro de 2010 por intermédio de uma ação judicial; e que nunca se tratou de uma tutela antecipada mas sim, de cumprimento provisório de sentença, iniciado após o Tribunal de Justiça de São Paulo, na 2ª Instância, ter garantido a fórmula correta de cálculo da verba aos Policiais…