Pular para o conteúdo principal

Rádio PolicialBR 24 horas com você. Notícias e entretenimento.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

'Não sou ladrão', diz comandante da PM do DF afastado por capas

Ele disse que documento foi assinado por subordinado, mas assumiu culpa.
Em nota, governador Agnelo Queiroz disse que compra era 'ato desmedido'.
Afastado do cargo por causa do anúncio da aquisição de capas de chuva por R$ 5,3 milhões, o ex-comandante da Polícia Militar do Distrito Federal coronel Suamy Santana afirmou nesta quinta-feira (2) que a inclusão dos itens como material necessário para as copas das Confederações e do Mundo foi um "erro administrativo". “Não sou ladrão, não sou corrupto, tenho 30 anos de serviço e ficha imaculada”, disse.
Santana foi exonerado do cargo pelo governador Agnelo Queiroz nesta quarta-feira (1º). Em nota, o governador considerou a compra do material como um "ato desmedido" e determinou a suspensão da licitação. O anúncio da compra causou embaraço ao governo porque nos meses em que serão dispuatadas as copas das Confederações e do Mundo – junho e julho – são de seca em Brasília.

"Burro eu não sou e seria incapaz de comprar 17 mil capas de chuva para serem usadas no período de seca no Distrito Federal na Copa do Mundo. Seria o cúmulo da idiotice", disse o coronel durante entrevista nesta quarta.
O valor da licitação também levantou questionamentos. Pelo valor da licitação, cada capa custaria mais de R$ 300. Capas semelhantes no mercado custam entre R$ 50 e R$ 60, de acordo com levantamento feito pela reportagem do DFTV nesta quarta-feira.
Santana defendeu a compra de novas capas em substituição às antigas, que têm anos de uso, e disse que as que seriam licitadas são diferentes das convencionais e garantia de cinco anos dada pelo fabricante. Segundo ele, as capas relacionads para os dois eventos esportivos têm material refletor, para serem enxergadas à distância, e dão mais mobilidade para os policiais.
O coronel disse ainda que não assinou o documento autorizando a compra do material, mas que tinha conhecimento da situação e que não poderia responsabilizar um subordinado pelo suposto erro. “A culpa foi minha”, afirmou.
Auditoria
Nesta quinta, a secretária de Transparência e Controle do Distrito Federal, Vânia Lúcia Vieira, abriu auditoria para apurar a aquisitação dos itens.
“Chama a atenção a quantidade [17 mil capas, quando a PM tem 15 mil integrantes dos quais não todos trabalham na rua], o preço e também a questão de especificação. A gente precisa analisar qual é a diferença de uma capa normal para essa, o que justificaria um eventual preço maior da capa de um policial para a que um cidadão comum usa”, disse.
De acordo com a secretária, dois auditores estão voltados exclusivamente para o exame do processo. Vânia disse que, a princípio, a apuração vai se concentrar na compra das capas de chuva, mas a auditoria deve se estender a todos os itens envolvidos na licitação.
A secretária disse também que ainda não é possível falar em punição. “Precisaria haver indícios de que houve má-fé. Eu, particularmente, acho que foi falha mesmo. E é um processo mais simples, a princípio, porque ele foi suspenso antes de que houvesse a licitação, antes de dano ao erário. A partir de agora, com a análise da auditoria, poderemos recomendar adequações, sugerir uma nova cotação, por exemplo.”
Ela afirmou que pretende concluir as investigações, determinadas pelo governador, até o final da próxima semana. Segundo a Lei de Acesso à Informação, o tempo estimado de resposta é de até 20 dias corridos, que podem ser prorrogados, dependendo do caso.
Após o anúncio da troca de comando, a PM adiou a entrega de 15 bases comunitárias móveis. De acordo com a corporação, a nova data só será definida depois da posse do novo comandante, Jooziel de Melo Freire. A entidade disse que não vai se pronunciar sobre o assunto até a cerimônia de troca de comando.
Compra
O investimento com as capas estava previsto entre os projetos da Secretaria de Segurança do DF para a Copa do Mundo de 2014, que somam ao todo R$ 60 milhões. O preço final de cada capa dependeria do resultado do pregão eletrônico. Segundo o GDF, os R$ 5,3 milhões previstos para aquisição deveria ser suficiente para a compra de até 17 mil unidades.
A assessoria do governador informou nesta quarta que a compra das capas de chuva não era prioritária para os eventos e que, apesar de ser uma necessidade da PM, deveria ter sido colocada em outra licitação.
Isabella Formiga
Do G1 DF

Comentários

  1. esse governador deveria se preoculpar é com os devios de verbas para construçoes de estadios. copa do mundo pra que se o povo ta morrendo de fome

    ResponderExcluir
  2. Como se diz no velho jargão militar, explicou mas não justificou. Está na hora de revermos nossos conceitos....

    ResponderExcluir
  3. esse ja tirou o corpo fora,,,,FOI UM SUBORDINADO QUEM ASSINOU,,HE HE HE HE HE HE HE HE VAI SOBRAR COMO SEMPRE PRA UM PATÁ,,,,,,,,,,,,,,,CERTOS OFICIAIS SÃO DEUSES MESMOOOOOOOOOOOOOOOOO

    ResponderExcluir
  4. Caro comandante;
    Nós policiais sabemos como funciona para comprar um determinado material dentro da PM... No caso das capas certamente foram feitas diversas reuniões para se decidir e com certeza nenhum praça participou, como sempre só oficiais tomam decisões dentro da PM seja qual for o estado. Eu tenho certeza que o senhor não é ladrão, más é um péssimo administrador, espero que sua punição seja a mesma aplicada caso fosse um praça o responsável por esta cagada.

    ResponderExcluir
  5. esses e um ciclo vicioso dentro das pms do brasil tem muito coronel rico ILICITAMENTE com patrimônio incompatível com SEU VENCIMENTO quando cai dentro da PM que e oficial o CORPORATIVISMO E GRANDE as corregedoria são CORPORATIVISTAS OLHE BEM SÓ COM OS OFICIAIS com os praças e expulsão e presídios os GOVERNO TEM QUE CRIAR CORREGEDORIA EXTERNA COM UM PROMOTOR A FRENTE e não com um coronel vejam esses vídeo http://www.youtube.com/watch?v=T_dW7c5B4DU nesse video o cabo sergio sergio rafael DENUNCIANDO DESVIO NA PM PB http://www.youtube.com/watch?v=1Bjy8AJMuEk AQUI NESSE VÍDEO O CABO JULIO DENUNCIA CORPORATIVISMO NA CORREGEDORIA DA PM DE MG

    ResponderExcluir
  6. Gente boa e honesta o Coronel. Mas todo militar que se envolve com políticos termina se lascando, conheço vários que foram para a reserva por causo de maracutaia de políticos. O erro do coronel foi confiar em subordinado, assinando um documento sem ler minuciosamente. O Militar superior não pode comer pela mão do aluno, do subordinado, etc. A pessoa que preparou o documento deveria ser penalizada também. Espero que o novo comandante faça isso, pois pode ser a próxima vítima.

    ResponderExcluir
  7. prezados colegas, ja trabalhei em qrus parecidos, e digo, o muitas vezes, o Cmt que assinou, pode até não ter culpa, pois, no caso de SP, existe o tal "pregão", verifiquem os senhores, quanto ficaria para "levantar" a vtr em oficina particular, e quanto fica no "Pregão" vcs verão que a bateria que custa R$ 150,00, no pregão é muuuuuuito mais cara, e quem começou esse tal pregão, a administração publica, é evidente que se Cmt quizer ele também tem sua parte...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

ANTES DE ESCREVER LEIA COM ATENÇÃO: Palavras de baixo calão, racismo, ofensas, ameaças e tudo mais de não estejam de acordo com os bons costumes e as leis vigentes não será aprovado. Expressão do pensamento é um direito Constitucional, expresse o seu com educação e propriedade. Os comentários publicados não traduzem a opinião do blog. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo. O IP do comentarista fica arquivado e pode ser fornecido por Ordem Judicial.

| Mais Acessados na Última Semana |

Usar arma de uso restrito com porte ilegal agora é crime hediondo

Aprovada urgência para projeto que torna crime hediondo o porte ilegal de armas de uso restrito O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 332 votos a 7 e 2 abstenções, o regime de urgência para o Projeto de Lei 3376/15, do Senado, que torna crime hediondo a posse ou o porte ilegal de arma de fogo de uso restrito das forças policiais e militares. Após a votação, a sessão ordinária foi encerrada. Projeto de Lei do Senado nº 230, de 2014, de autoria do Senador Marcelo Crivella, constante dos autógrafos em anexo, que “Altera a Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o crime de posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito no rol dos crimes hediondos”. A Lei 8.072/90 define como hediondos os crimes de homicídio praticado por grupo de extermínio; homicídio qualificado; latrocínio; genocídio; extorsão qualificada por morte; extorsão mediante sequestro; estupro; disseminação de epidemia que provoque morte; falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto …

Policiais e bombeiros militares não sabem a força que tem

Deputado Federal Capitão Augusto orienta os militares de São Paulo sobre a força política da classe
Por mais que façamos aqui pela Câmara dos Deputados, aprovando projetos dando mais direitos e garantias aos policiais e não deixando ser aprovado nenhum projeto que os prejudique, a grande reivindicação que recebo dos policiais refere-se a questão do aumento salarial.
Infelizmente Deputados não podem apresentar projetos que gerem despesas para o executivo, então está fora de nossa competência atender essa solicitação, o que nos resta é cobrar (e muito) do governador e fazer articulação para que ele conceda o tão esperado aumento salarial.
Hoje temos força política para eleger representantes para Assembleia Legislativa, Câmara dos Deputados e para todos cargos nas eleições municipais. Está na hora de influenciarmos as eleições para Governador e Senador, um que reconheça nosso valor, ou ficaremos fadados a apenas reclamar nos bastidores.
Nós podemos muito mais que isso! Somos quase 150.000 po…

Deputado capitão Augusto requer moção de repúdio contra Secretário de Segurança Pública e Governador de São Paulo Geraldo Alckmin

DEPUTADO CAPITÃO AUGUSTO REQUER MOÇÃO DE REPÚDIO CONTRA O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO E CONTRA O GOVERNADOR POR TANTO DESRESPEITO ÀS LEIS E AOS POLICIAIS MILITARES DE SÃO PAULO
O Deputado Capitão Augusto entrou hoje, 10, com dois Requerimentos de Moção de Repúdio contra o Secretário de Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, e contra o Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, por desrespeitar as leis e aos policiais militares. Essas moções fazem parte de uma série de medidas que o parlamentar está adotando para tornar público as medidas descabíveis desse governo contra os policiais militares e a segurança pública do país, e para que entendam que tudo tem um limite. A categoria não vai tolerar mais tanto descaso e desrespeito. O Deputado estará revelando ao país e ao mundo que Alckmin não serve para governar o país, deve ser ignorado e descartado como candidato à Presidência da República. CAPITÃO AUGUSTO conclama os militares e familiares a somarem esforços para…

Qual a responsabilidade que a sociedade civil possui na segurança pública?

Policiais militares foram assassinados por criminosos neste fim de semana; secretário de Segurança do Rio pediu mudanças no sistema judiciário Neste final de semana dois Policiais Militares foram assassinados no Rio de Janeiro: a Cabo PM Elisângela Bessa Cordeiro, com um tiro na cabeça disparado por um menor, e o Soldado PM Samir da Silva Oliveira, com um tiro no pescoço disparado por um fuzil de combate.
Qual é a pena para o menor assassino da PM ? Em média oito meses. Qual é a pena para quem porta um fuzil? Três anos. Como se isso já não fosse suficientemente patético, nossa legislação acrescenta o insulto à injuria ao prever a concessão do beneficio da progressão de pena, fazendo com que o criminoso cumpra apenas 1/6 da pena, ou seja, o guerrilheiro urbano que porta uma arma de uso restrito do Exército, pode estar solto em seis meses.
Quem é o responsável por essa baderna? Você que está lendo este artigo e eu que o escrevi. Somos nós que consistentemente fazemos o mesmo erro de ele…

Leis desestimulam policiais e bombeiros militares a exercerem plenos direitos políticos.

Deputado federal capitão Augusto luta para acabar com injustiças políticas que sofrem os policiais militares e bombeiros do Brasil Até mesmo politicamente os policiais ele são injustiçados. Em tempos onde a representatividade política se faz de extrema necessidade e, do soldado ao coronel, buscam eleger seus representantes da mesma forma que outras categorias, Leis desestimulam a participação efetiva na política Nacional dos policiais e bombeiros militares. Com uma democracia atrasada em relação a outros países o Brasil ainda tem mecanismos para desestimular a elegibilidade dos policiais e bombeiros militares. Buscando corrigir estas injustiças o deputado federal capitão Augusto busca direitos políticos e de elegibilidade aos policiais militares e bombeiros. Um policial ou bombeiro militar se candidatando a cargo eletivo com menos de dez anos de serviço é exonerado e com mais se eleito também é exonerado, sendo aposentado com o tempo proporcional ao que trabalhou. Ouça entrevistas co…