Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

'Não sou ladrão', diz comandante da PM do DF afastado por capas

Ele disse que documento foi assinado por subordinado, mas assumiu culpa.
Em nota, governador Agnelo Queiroz disse que compra era 'ato desmedido'.
Afastado do cargo por causa do anúncio da aquisição de capas de chuva por R$ 5,3 milhões, o ex-comandante da Polícia Militar do Distrito Federal coronel Suamy Santana afirmou nesta quinta-feira (2) que a inclusão dos itens como material necessário para as copas das Confederações e do Mundo foi um "erro administrativo". “Não sou ladrão, não sou corrupto, tenho 30 anos de serviço e ficha imaculada”, disse.
Santana foi exonerado do cargo pelo governador Agnelo Queiroz nesta quarta-feira (1º). Em nota, o governador considerou a compra do material como um "ato desmedido" e determinou a suspensão da licitação. O anúncio da compra causou embaraço ao governo porque nos meses em que serão dispuatadas as copas das Confederações e do Mundo – junho e julho – são de seca em Brasília.

"Burro eu não sou e seria incapaz de comprar 17 mil capas de chuva para serem usadas no período de seca no Distrito Federal na Copa do Mundo. Seria o cúmulo da idiotice", disse o coronel durante entrevista nesta quarta.
O valor da licitação também levantou questionamentos. Pelo valor da licitação, cada capa custaria mais de R$ 300. Capas semelhantes no mercado custam entre R$ 50 e R$ 60, de acordo com levantamento feito pela reportagem do DFTV nesta quarta-feira.
Santana defendeu a compra de novas capas em substituição às antigas, que têm anos de uso, e disse que as que seriam licitadas são diferentes das convencionais e garantia de cinco anos dada pelo fabricante. Segundo ele, as capas relacionads para os dois eventos esportivos têm material refletor, para serem enxergadas à distância, e dão mais mobilidade para os policiais.
O coronel disse ainda que não assinou o documento autorizando a compra do material, mas que tinha conhecimento da situação e que não poderia responsabilizar um subordinado pelo suposto erro. “A culpa foi minha”, afirmou.
Auditoria
Nesta quinta, a secretária de Transparência e Controle do Distrito Federal, Vânia Lúcia Vieira, abriu auditoria para apurar a aquisitação dos itens.
“Chama a atenção a quantidade [17 mil capas, quando a PM tem 15 mil integrantes dos quais não todos trabalham na rua], o preço e também a questão de especificação. A gente precisa analisar qual é a diferença de uma capa normal para essa, o que justificaria um eventual preço maior da capa de um policial para a que um cidadão comum usa”, disse.
De acordo com a secretária, dois auditores estão voltados exclusivamente para o exame do processo. Vânia disse que, a princípio, a apuração vai se concentrar na compra das capas de chuva, mas a auditoria deve se estender a todos os itens envolvidos na licitação.
A secretária disse também que ainda não é possível falar em punição. “Precisaria haver indícios de que houve má-fé. Eu, particularmente, acho que foi falha mesmo. E é um processo mais simples, a princípio, porque ele foi suspenso antes de que houvesse a licitação, antes de dano ao erário. A partir de agora, com a análise da auditoria, poderemos recomendar adequações, sugerir uma nova cotação, por exemplo.”
Ela afirmou que pretende concluir as investigações, determinadas pelo governador, até o final da próxima semana. Segundo a Lei de Acesso à Informação, o tempo estimado de resposta é de até 20 dias corridos, que podem ser prorrogados, dependendo do caso.
Após o anúncio da troca de comando, a PM adiou a entrega de 15 bases comunitárias móveis. De acordo com a corporação, a nova data só será definida depois da posse do novo comandante, Jooziel de Melo Freire. A entidade disse que não vai se pronunciar sobre o assunto até a cerimônia de troca de comando.
Compra
O investimento com as capas estava previsto entre os projetos da Secretaria de Segurança do DF para a Copa do Mundo de 2014, que somam ao todo R$ 60 milhões. O preço final de cada capa dependeria do resultado do pregão eletrônico. Segundo o GDF, os R$ 5,3 milhões previstos para aquisição deveria ser suficiente para a compra de até 17 mil unidades.
A assessoria do governador informou nesta quarta que a compra das capas de chuva não era prioritária para os eventos e que, apesar de ser uma necessidade da PM, deveria ter sido colocada em outra licitação.
Isabella Formiga
Do G1 DF

Comentários

  1. esse governador deveria se preoculpar é com os devios de verbas para construçoes de estadios. copa do mundo pra que se o povo ta morrendo de fome

    ResponderExcluir
  2. Como se diz no velho jargão militar, explicou mas não justificou. Está na hora de revermos nossos conceitos....

    ResponderExcluir
  3. esse ja tirou o corpo fora,,,,FOI UM SUBORDINADO QUEM ASSINOU,,HE HE HE HE HE HE HE HE VAI SOBRAR COMO SEMPRE PRA UM PATÁ,,,,,,,,,,,,,,,CERTOS OFICIAIS SÃO DEUSES MESMOOOOOOOOOOOOOOOOO

    ResponderExcluir
  4. Caro comandante;
    Nós policiais sabemos como funciona para comprar um determinado material dentro da PM... No caso das capas certamente foram feitas diversas reuniões para se decidir e com certeza nenhum praça participou, como sempre só oficiais tomam decisões dentro da PM seja qual for o estado. Eu tenho certeza que o senhor não é ladrão, más é um péssimo administrador, espero que sua punição seja a mesma aplicada caso fosse um praça o responsável por esta cagada.

    ResponderExcluir
  5. esses e um ciclo vicioso dentro das pms do brasil tem muito coronel rico ILICITAMENTE com patrimônio incompatível com SEU VENCIMENTO quando cai dentro da PM que e oficial o CORPORATIVISMO E GRANDE as corregedoria são CORPORATIVISTAS OLHE BEM SÓ COM OS OFICIAIS com os praças e expulsão e presídios os GOVERNO TEM QUE CRIAR CORREGEDORIA EXTERNA COM UM PROMOTOR A FRENTE e não com um coronel vejam esses vídeo http://www.youtube.com/watch?v=T_dW7c5B4DU nesse video o cabo sergio sergio rafael DENUNCIANDO DESVIO NA PM PB http://www.youtube.com/watch?v=1Bjy8AJMuEk AQUI NESSE VÍDEO O CABO JULIO DENUNCIA CORPORATIVISMO NA CORREGEDORIA DA PM DE MG

    ResponderExcluir
  6. Gente boa e honesta o Coronel. Mas todo militar que se envolve com políticos termina se lascando, conheço vários que foram para a reserva por causo de maracutaia de políticos. O erro do coronel foi confiar em subordinado, assinando um documento sem ler minuciosamente. O Militar superior não pode comer pela mão do aluno, do subordinado, etc. A pessoa que preparou o documento deveria ser penalizada também. Espero que o novo comandante faça isso, pois pode ser a próxima vítima.

    ResponderExcluir
  7. prezados colegas, ja trabalhei em qrus parecidos, e digo, o muitas vezes, o Cmt que assinou, pode até não ter culpa, pois, no caso de SP, existe o tal "pregão", verifiquem os senhores, quanto ficaria para "levantar" a vtr em oficina particular, e quanto fica no "Pregão" vcs verão que a bateria que custa R$ 150,00, no pregão é muuuuuuito mais cara, e quem começou esse tal pregão, a administração publica, é evidente que se Cmt quizer ele também tem sua parte...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.


| Mais Acessados na Última Semana |

Justiça Militar manda PM reintegrar cabo acusado de matar atriz durante blitz em Presidente Prudente

Decisão publicada nesta quarta-feira (18) atende a um pedido de tutela de urgência feito pela defesa. Marcelo Aparecido Domingos Coelho foi demitido da corporação em abril de 2015. oi publicada nesta quarta-feira (18) no Diário da Justiça Militar a decisão do juiz substituto da 2ª Auditoria do Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo (TJM-SP), Marcos Fernando Theodoro Pinheiro, que determina a imediata reintegração de Marcelo Aparecido Domingos Coelho aos quadros da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Em abril de 2015, o então cabo da PM foi demitido pela corporação, após ser acusado no processo que envolveu a morte da atriz e produtora cultural Luana Barbosa durante uma blitz policial na Avenida Joaquim Constantino, na Vila Formosa, em Presidente Prudente.
O juiz levou em consideração a absolvição que Coelho obteve na Justiça Militar, sob o argumento de “legítima defesa” e do “estrito cumprimento do dever legal”, o que, segundo o magistrado, de certa forma, contradiz c…

Alckmin propõe reajuste de 7% para policiais

ATENÇÃO- ATENÇÃO ESTA NOTÍCIA É DO ANO DE 2013 E ESTA CIRCULANDO NAS REDES SOCIAIS COMO SENDO ATUAL

O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta sexta-feira, 13, o envio à Assembleia Legislativa de um projeto de lei que concede aumento salarial de 7% para os membros da Polícia Militar, da Polícia Civil e da Polícia Técnico-Científica. O reajuste também será estendido aos agentes penitenciários. Aposentados e pensionistas das quatro categorias também terão o mesmo benefício. No total, serão beneficiados 172 mil policiais militares, 53 mil policiais civis e 33 mil agentes penitenciários. O custo para o Tesouro do Estado será de R$ 983 milhões por ano. Esta é a terceira vez que o governador Alckmin concede aumento salarial acima da inflação do período. Desde o último reajuste, o índice oficial de inflação acumulada é 5,66%. Em outubro de 2011, os policiais tiveram 15% de aumento retroativo a julho de 2011. Em agosto de 2012, o aumento foi de 11%. Com a nova proposta, o reajus…

GENERAL QUE COMANDA A ABIN FALA EM VAZIO DE LIDERANÇAS E ELOGIA FEITOS DA DITADURA

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional do governo Temer, Sérgio Westphalen Etchegoyen, causou incômodo em parte da comunidade diplomática durante uma palestra no Instituto Rio Branco. O general sugeriu “medidas extremas” para a segurança pública, elogiou feitos dos anos de chumbo e disse que o país sofre com amoralidade e com patrulha do “politicamente correto”.
Etchegoyen começou a fala de quase duas horas contando que tinha sido soldado por 47 anos e que era por essa ótica, militar, que enxergava e
interpretava o mundo. Depois do alerta, tentou quebrar o gelo:
“Sou da arma de cavalaria e tem um problema que a ausência do meu cavalo reduz minha capacidade intelectual em uns 45, 40 por cento”, começou general da reserva que comanda, entre outros órgãos, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin). A plateia, majoritariamente composta por futuros diplomatas, riu discretamente.
Foi um dos poucos momentos de descontração. No restante do tempo, segundo pessoas que estiveram present…

Policial civil morto em mega-assalto a empresa de valores é enterrado

Vítima foi morta a tiros durante ação dos criminosos que explodiram sede da Protege em Araçatuba (SP). Policial estava de folga. O corpo do policial civil André Luís Ferro da Silva, morto durante o mega-assalto a empresa Protege em Araçatuba (SP) nesta segunda-feira (16), foi enterrado na manhã desta terça-feira (17) em um cemitério particular da cidade. Ferro tinha 37 anos e foi baleado durante a ação. Ele foi socorrido com vida, mas morreu durante atendimento na Santa Casa. Silva era investigador e integrante do Grupo de Operações Especiais (GOE), e deixou filhos e a esposa.
O velório da vítima foi feito em um salão de uma funerária em Araçatuba e, do local, o caixão seguiu em um caminhão do Corpo de Bombeiros em cortejo com viaturas das polícias Militar e Civil até o cemitério. Segundo a Polícia Militar, o policial civil estava de folga do serviço e foi ao local para ver o que acontecia após ser chamado pelos pais, que moram perto da sede da Protege.
O grupo criminoso, cerca de 40 la…

PL 920: uma bomba atômica no funcionalismo público que Alckmin quer ver aprovado a todo custo.

O governador Geraldo Alckmin protocolou na quinta-feira, 5/10, o Projeto de Lei 920/2017, que representa uma verdadeira bomba atômica no Estado de São Paulo, sobretudo um verdadeiro ataque aos servidores estaduais e à prestação de serviços públicos. Publicado no Diário Oficial já no dia seguinte, o PL formaliza a renegociação da dívida de São Paulo com a União, ampliando o prazo de pagamento.
            Em contrapartida, o Estado se compromete a cumprir as exigências do governo federal, que impõe um verdadeiro arrocho salarial sobre os servidores públicos. Essa cruel punição aos servidores foi aprovada no ano passado pelo Congresso Nacional. Seu embrião foi o PLP 257, apresentado pela presidente Dilma, que depois foi maquiado pelo governo Temer e transformado na Lei Complementar federal 156/2016.
            Se o PL 920 for aprovado – e espero que não seja –, haverá um congelamento não só de salários, mas também da evolução funcional de todos os servidores estaduais, ficando suspens…