Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Morador relata medo em cidade onde 60% dos PMs foram presos

Operação Dilúvio prendeu 18 militares que atuavam na região de Goianira.
Eles são acusados de homicídio, tráfico de drogas, extorsão e quadrilha.
A pequena Goianira, cidade a 20 quilômetros de Goiânia, teve mais de 60% dos policiais militares presos durante a operação Dilúvio, realizada pela Polícia Civil de Goiás na madrugada de quinta-feira (9). Um dia após a ação, um morador relatou que o medo dominava a cidade: "O sentimento aqui era de um verdadeiro faroeste" (veja vídeo ao lado).
Para o morador, a única surpresa foi a quantidade de prisões. Dos 18 PMs presos na região de Goianira, 11 trabalhavam no único pelotão da cidade e um é militar da reserva. Eles são suspeitos dos crimes de homicídio, tráfico de drogas, extorsão e formação de quadrilha.
O morador conta que se sentia nas mãos dos bandidos. "Muitas vezes, um cara com salário de polícia tem um patrimônio gigantesco. Ninguém sabia de onde vinha”, denuncia. Ele espera que os crimes na cidade sejam esclarecidos.
A ação foi resultado de uma investigação que apura crimes cometidos há 15 anos na região de Goianira.O comando da PM disse que tinha conhecimento das denúncias.
"Nós estamos cortando na própria carne. Não temos nenhuma dificuldade de tirar do nosso meio essas pessoas que desvirtuam. Mas precisa ser provado e ser dado o direito de ampla defesa", disse o coronel Sílvio Benedito Torres, comandante-geral da corporação.
Com mais da metade do efetivo preso, a PM de Goianira precisou de reforços de outras cidades. Nove policiais de Anápolis e oito de cidades vizinhas substituem os presos que estavam na ativa.
"Vão permanecer no mínimo por 30 dias, até que se apure os fatos. Se perdurar a prisão, nós vamos fazer gestão junto ao comando para suprir definitivamente o efetivo que for afastado", informou o coronel Juverson Augusto de Oliveira, comandante regional de Anápolis.
Para o funcionário público Vitor Jorge da Silva, o momento é preocupante. "Onde você espera proteção, você se depara com uma situação dessas é custoso. Segurança, não tem", reclama.
Delegado
As suspeitas atingiram também a Polícia Civil da cidade. O delegado da cidade, Raulph de Melo Gonzaga, está afastado temporariamente. Há suspeita que ele não investigava os crimes cometidos pelos militares. Raulph de Melo rebate as críticas e diz que as investigações não caminhavam por falta de estrutura.
A delegacia funciona numa casa adaptada. Três agentes e um escrivão continuam trabalhando normalmente, enquanto uma auditoria apura se houve mesmo falha nas investigações.
"Apurar inquéritos com três policiais, não temos capacidade. Ainda mais inquéritos desse porte, de homicídio envolvendo policiais. O nosso carro está parado. O aluguel do prédio está caminhando para cinco meses [sem pagamento], daqui um pouquinho vão me despejar daqui. Omissão, eu acho que não é minha não. Omissão eu acho que é do poder público, é da direção da Polícia Civil", justificou o delegado.

Sobre as críticas feitas pelo delegado Rauph de Melo, a diretoria da Polícia Civil preferiu não se manifestar. Disse apenas que investigar é função de qualquer delegacia.
Do G1 GO, com informações da TV Anhaguera

Comentários

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …