Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Ministra critica ação da Polícia Civil do Rio

Maria do Rosário ataca agentes que mudaram cadáver de lugar para forjar auto de resistência DIÁRIO SP
Após a divulgação pelo jornal “Extra”, no sábado, de um vídeo feito pela própria Polícia Civil durante operação na região de Santa Cruz, na zona oeste do Rio de Janeiro, que mostra agentes mexendo em uma cena de crime e mudando cadáveres de lugar para forjar auto de resistência, a ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário Nunes, afirmou que vai cobrar explicações do governo do Rio. A ministra disse  que não existe nas imagens  nada que possa ser chamado de auto de resistência, forma como as mortes foram registradas pela Polícia Civil.
“São imagens muito fortes, demonstram que não existiu nenhuma situação que possa ser caracterizada como auto de resistência. O objetivo da polícia deve ser localizar e deter o criminoso, jamais perseguir e matar”, disse.
A partir desta segunda-feira, segundo Maria do Rosário, o caso passará a ser acompanhado de perto pela secretaria. A ministra  preside o Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana, composto por autoridades e especialistas em direito constitucional e criminal. “Vou solicitar ao governo do Rio explicações sobre isso. Que prática é essa de sobrevoar comunidade atirando? Que tipo de prática é essa de modificar uma cena de morte? Uma série de coisas impressionantes em termos de violações de direitos hu manos”, lamentou. “O vídeo indica, e isso é muito grave, a iniciativa para desconstituir a cena toda e, portanto, impedir uma perícia isenta de atuar”, continuou, sobre o fato de os policiais, ao perceberem que o homem morto minutos antes estava desarmado, levarem o corpo para um bar onde traficantes tinham sido assassinados.
Maria do Rosário criticou ainda o uso de armas que coloquem a população em risco. “A polícia deve ser o lado bom. Uma abordagem desse tipo, sinceramente, atirar de um helicóptero sobre as casas e modificar as cenas de morte daquelas pessoas, tudo isso é contra lei”, criticou.
A ministra lamentou a forma como os corpos são carregados e a atitude dos policiais diante das mortes. “Não é saudável alguém comemorar uma morte. Isso produz adoecimentos que podem gerar pessoas que perdem a noção do que é violência e de seu papel”.
Dia a Dia

Comentários

  1. Dona Maria do Rosário, como a Senhora aí de Brasilia pode afirmar que Agentes Policiais mudaram cadáver de lugar para forjar auto de resistência, se testemunhas, eu disse, testemunhas, isso quer dizer mais de uma pessoa afirmaram que houve sim troca de tiros entre policiais e seus queridinhos. As imagens mostradas levando um dos corpos para ficar juntos aos outros mortos não quer dizer que os policiais alí presentes estavam forjando algo.

    ResponderExcluir
  2. VOCÊS, POLÍTICOS, ATUAIS, JÁ MATARAM, E ESTÃO MATANDO MAIS CIDADÃO DO QUE QUALQUER GUERRA OU DITADURA JÁ EXISTENTE NO PLANETA TERRA, O QUE VOCÊS MATAM DE CIDADÃO TRABALHADOR, JOVENS, MULHERES, ETC, POR DIA NESSE PAIS, ATRAVÉS DO CRIME ORGANIZADO, DENTRO DOS HOSPITAIS PÚBLICOS, ETC , NÃO SE MATA EM QUALQUER PAIS QUE ESTA EM GUERRA ATUALMENTE, DITADOR PERTO DO QUE VOCÊS SÃO É REFRESCO PARA QUALQUER CIDADÃO, É O PARAÍSO, É VIVER EM PAZ.

    ResponderExcluir
  3. esta ministra e outros caras que critica a policia deve participa do movimento do trafico porque eita pessoal que gosta de proteger bandidos neste pais jamais sera 1 mundo.

    ResponderExcluir
  4. Isto mesmo ministra a Srª esta certa eu concordo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …