Pular para o conteúdo principal

Rádio PolicialBR 24 horas com você. Notícias e entretenimento.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Jovem sem antecedentes criminais é morto com tiro na cabeça disparado por PM em Matão (SP)

O policial militar André Luís Bento da Silva, 30, foi preso em flagrante nessa quarta-feira (1º) acusado de ter assassinado um jovem de 25 anos com um tiro à queima-roupa em Matão (305 km de São Paulo).
O soldador Daniel da Silva França ia até a casa da sogra, na Vila Burnardi, na companhia da mulher, Franciele, 25, grávida de dois meses, numa moto Falcon 250 cilindradas.
Segundo o irmão dele, Tomaz da Silva França, 32, durante o trajeto, dois policiais da Rocam (Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicletas) fizeram sinal para ele encostar o veículo. "Meu irmão parou, a esposa desceu e, do nada, um dos policiais atirou na cabeça dele. Meu irmão nem sequer falou com o PM e foi morto."
Em nota, a assessoria de imprensa da Polícia Militar informou nesta quinta-feira (2) que o tiro foi "acidental". Ainda segundo a nota, a vítima teria fugido de uma abordagem e foi parada pouco depois.
"Durante a abordagem, houve um disparo acidental de arma, e o condutor da motocicleta foi atingido, socorrido, mas não resistiu aos ferimentos e faleceu", informou a Polícia Militar. O irmão do morto dá outra versão.
Segundo ele, o policial que fez o disparo trocou de moto com o colega PM e fugiu da cena do crime. O Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foi chamado pela mulher do rapaz. O soldador foi levado ao pronto-socorro e morreu pouco depois.
A família vai processar o Estado. "Absurdo o que aconteceu. Meu irmão era um ótimo pai de família e não tem antecedentes criminais. Esse policial é um despreparado", afirmou o irmão mais velho da vítima.
Contrato de experiência
O soldador trabalhava na empresa Agromatão. O contrato de experiência dele terminou ontem, no dia em que foi morto. Ele ia ser contratado por ser funcionário "exemplar e uma pessoa do bem", segundo uma funcionária que não quis ser identificada.
O soldador foi convidado pela empresa para participar ontem da Agrishow, feira de máquinas em Ribeirão Preto (313 km de São Paulo), mas não aceitou porque tinha compromissos familiares. Os funcionários da empresa estão trabalhando na feira e ficaram abalados com a notícia do assassinato.
O soldador deixa a mulher, a filha, Sofia, de quatro anos, dois irmãos e a mãe, que está em viagem no Piauí. O corpo será enterrado nesta sexta (3) de manhã em Matão. A Polícia Civil abriu inquérito contra o PM por homicídio culposo. A Polícia Militar informou que "todas as circunstâncias em que se deram os fatos serão apuradas".
Do UOL, em Ribeirão Preto (SP)

Comentários

  1. Fico me perguntando: Quando acontece algo desse tipo, todos dizem que o policial é despreparado, mas ninguem se apresenta para dizer como deve ser feito. Qual o modo certo de agir. Cade esses exert em Segurança Pública que não sai de suas casas e enfrenta a criminalidade nas ruas?

    ResponderExcluir
  2. cabe me perguntar uma coisa. será que essa arma não é uma daquelas que vem apresentando problemas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

ANTES DE ESCREVER LEIA COM ATENÇÃO: Palavras de baixo calão, racismo, ofensas, ameaças e tudo mais de não estejam de acordo com os bons costumes e as leis vigentes não será aprovado. Expressão do pensamento é um direito Constitucional, expresse o seu com educação e propriedade. Os comentários publicados não traduzem a opinião do blog. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo. O IP do comentarista fica arquivado e pode ser fornecido por Ordem Judicial.

| Mais Acessados na Última Semana |

Usar arma de uso restrito com porte ilegal agora é crime hediondo

Aprovada urgência para projeto que torna crime hediondo o porte ilegal de armas de uso restrito O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 332 votos a 7 e 2 abstenções, o regime de urgência para o Projeto de Lei 3376/15, do Senado, que torna crime hediondo a posse ou o porte ilegal de arma de fogo de uso restrito das forças policiais e militares. Após a votação, a sessão ordinária foi encerrada. Projeto de Lei do Senado nº 230, de 2014, de autoria do Senador Marcelo Crivella, constante dos autógrafos em anexo, que “Altera a Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o crime de posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito no rol dos crimes hediondos”. A Lei 8.072/90 define como hediondos os crimes de homicídio praticado por grupo de extermínio; homicídio qualificado; latrocínio; genocídio; extorsão qualificada por morte; extorsão mediante sequestro; estupro; disseminação de epidemia que provoque morte; falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto …

Deputado capitão Augusto requer moção de repúdio contra Secretário de Segurança Pública e Governador de São Paulo Geraldo Alckmin

DEPUTADO CAPITÃO AUGUSTO REQUER MOÇÃO DE REPÚDIO CONTRA O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO E CONTRA O GOVERNADOR POR TANTO DESRESPEITO ÀS LEIS E AOS POLICIAIS MILITARES DE SÃO PAULO
O Deputado Capitão Augusto entrou hoje, 10, com dois Requerimentos de Moção de Repúdio contra o Secretário de Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, e contra o Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, por desrespeitar as leis e aos policiais militares. Essas moções fazem parte de uma série de medidas que o parlamentar está adotando para tornar público as medidas descabíveis desse governo contra os policiais militares e a segurança pública do país, e para que entendam que tudo tem um limite. A categoria não vai tolerar mais tanto descaso e desrespeito. O Deputado estará revelando ao país e ao mundo que Alckmin não serve para governar o país, deve ser ignorado e descartado como candidato à Presidência da República. CAPITÃO AUGUSTO conclama os militares e familiares a somarem esforços para…

Policiais e bombeiros militares não sabem a força que tem

Deputado Federal Capitão Augusto orienta os militares de São Paulo sobre a força política da classe
Por mais que façamos aqui pela Câmara dos Deputados, aprovando projetos dando mais direitos e garantias aos policiais e não deixando ser aprovado nenhum projeto que os prejudique, a grande reivindicação que recebo dos policiais refere-se a questão do aumento salarial.
Infelizmente Deputados não podem apresentar projetos que gerem despesas para o executivo, então está fora de nossa competência atender essa solicitação, o que nos resta é cobrar (e muito) do governador e fazer articulação para que ele conceda o tão esperado aumento salarial.
Hoje temos força política para eleger representantes para Assembleia Legislativa, Câmara dos Deputados e para todos cargos nas eleições municipais. Está na hora de influenciarmos as eleições para Governador e Senador, um que reconheça nosso valor, ou ficaremos fadados a apenas reclamar nos bastidores.
Nós podemos muito mais que isso! Somos quase 150.000 po…

Qual a responsabilidade que a sociedade civil possui na segurança pública?

Policiais militares foram assassinados por criminosos neste fim de semana; secretário de Segurança do Rio pediu mudanças no sistema judiciário Neste final de semana dois Policiais Militares foram assassinados no Rio de Janeiro: a Cabo PM Elisângela Bessa Cordeiro, com um tiro na cabeça disparado por um menor, e o Soldado PM Samir da Silva Oliveira, com um tiro no pescoço disparado por um fuzil de combate.
Qual é a pena para o menor assassino da PM ? Em média oito meses. Qual é a pena para quem porta um fuzil? Três anos. Como se isso já não fosse suficientemente patético, nossa legislação acrescenta o insulto à injuria ao prever a concessão do beneficio da progressão de pena, fazendo com que o criminoso cumpra apenas 1/6 da pena, ou seja, o guerrilheiro urbano que porta uma arma de uso restrito do Exército, pode estar solto em seis meses.
Quem é o responsável por essa baderna? Você que está lendo este artigo e eu que o escrevi. Somos nós que consistentemente fazemos o mesmo erro de ele…

Leis desestimulam policiais e bombeiros militares a exercerem plenos direitos políticos.

Deputado federal capitão Augusto luta para acabar com injustiças políticas que sofrem os policiais militares e bombeiros do Brasil Até mesmo politicamente os policiais ele são injustiçados. Em tempos onde a representatividade política se faz de extrema necessidade e, do soldado ao coronel, buscam eleger seus representantes da mesma forma que outras categorias, Leis desestimulam a participação efetiva na política Nacional dos policiais e bombeiros militares. Com uma democracia atrasada em relação a outros países o Brasil ainda tem mecanismos para desestimular a elegibilidade dos policiais e bombeiros militares. Buscando corrigir estas injustiças o deputado federal capitão Augusto busca direitos políticos e de elegibilidade aos policiais militares e bombeiros. Um policial ou bombeiro militar se candidatando a cargo eletivo com menos de dez anos de serviço é exonerado e com mais se eleito também é exonerado, sendo aposentado com o tempo proporcional ao que trabalhou. Ouça entrevistas co…