Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Jovem sem antecedentes criminais é morto com tiro na cabeça disparado por PM em Matão (SP)

O policial militar André Luís Bento da Silva, 30, foi preso em flagrante nessa quarta-feira (1º) acusado de ter assassinado um jovem de 25 anos com um tiro à queima-roupa em Matão (305 km de São Paulo).
O soldador Daniel da Silva França ia até a casa da sogra, na Vila Burnardi, na companhia da mulher, Franciele, 25, grávida de dois meses, numa moto Falcon 250 cilindradas.
Segundo o irmão dele, Tomaz da Silva França, 32, durante o trajeto, dois policiais da Rocam (Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicletas) fizeram sinal para ele encostar o veículo. "Meu irmão parou, a esposa desceu e, do nada, um dos policiais atirou na cabeça dele. Meu irmão nem sequer falou com o PM e foi morto."
Em nota, a assessoria de imprensa da Polícia Militar informou nesta quinta-feira (2) que o tiro foi "acidental". Ainda segundo a nota, a vítima teria fugido de uma abordagem e foi parada pouco depois.
"Durante a abordagem, houve um disparo acidental de arma, e o condutor da motocicleta foi atingido, socorrido, mas não resistiu aos ferimentos e faleceu", informou a Polícia Militar. O irmão do morto dá outra versão.
Segundo ele, o policial que fez o disparo trocou de moto com o colega PM e fugiu da cena do crime. O Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foi chamado pela mulher do rapaz. O soldador foi levado ao pronto-socorro e morreu pouco depois.
A família vai processar o Estado. "Absurdo o que aconteceu. Meu irmão era um ótimo pai de família e não tem antecedentes criminais. Esse policial é um despreparado", afirmou o irmão mais velho da vítima.
Contrato de experiência
O soldador trabalhava na empresa Agromatão. O contrato de experiência dele terminou ontem, no dia em que foi morto. Ele ia ser contratado por ser funcionário "exemplar e uma pessoa do bem", segundo uma funcionária que não quis ser identificada.
O soldador foi convidado pela empresa para participar ontem da Agrishow, feira de máquinas em Ribeirão Preto (313 km de São Paulo), mas não aceitou porque tinha compromissos familiares. Os funcionários da empresa estão trabalhando na feira e ficaram abalados com a notícia do assassinato.
O soldador deixa a mulher, a filha, Sofia, de quatro anos, dois irmãos e a mãe, que está em viagem no Piauí. O corpo será enterrado nesta sexta (3) de manhã em Matão. A Polícia Civil abriu inquérito contra o PM por homicídio culposo. A Polícia Militar informou que "todas as circunstâncias em que se deram os fatos serão apuradas".
Do UOL, em Ribeirão Preto (SP)

Comentários

  1. Fico me perguntando: Quando acontece algo desse tipo, todos dizem que o policial é despreparado, mas ninguem se apresenta para dizer como deve ser feito. Qual o modo certo de agir. Cade esses exert em Segurança Pública que não sai de suas casas e enfrenta a criminalidade nas ruas?

    ResponderExcluir
  2. cabe me perguntar uma coisa. será que essa arma não é uma daquelas que vem apresentando problemas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …