Pular para o conteúdo principal

Rádio PolicialBR 24 horas com você. Notícias e entretenimento.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Delegado geral alerta policiais civis e diz que quem fizer greve vai sofrer as consequências

O delegado geral da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul, Jorge Razanauskas Neto, advertiu os policiais civis nesta quarta-feira (15). Ele afirmou que o policial que aderir a greve, encabeçada pelo Sinpol/MS (Sindicato dos Policiais Civis de Mato Grosso do Sul), sofrerá as consequências previstas em lei. “Do jeito que vier, será devolvido. Ação e Reação”, disse o delegado se referindo aos descontos de faltas.
Razanauskas explicou que agirá de acordo com o que determina a lei. “Espero que seja tudo tranquilo. Não precisa ter ameaça. A lei é tranquila. Eles [policiais] entendem que a greve é legal, mas o governo entende que a greve é ilegal”, afirmou o delegado, que também disse que aqueles que paralisarem as atividades terão a promoção prejudicada, elem do corte do ponto.
A ameaça de greve foi debatida ontem, em Campo Grande, por Razanauskas e outros 40 delegados, titulares e regionais. Eles aproveitaram a “Reunião de Avaliação de Metas da Polícia Civil” para discutirem o assunto. “Mandei eles [delegados] repassarem as informações aos policiais, para não aderirem à greve”, conta.
O delegado ainda garantiu que, entre hoje e amanhã (16), mandará publicar um ofício circular destinado a todos os policiais civis: escrivães, peritos papiloscopistas, investigadores e agentes de polícia científica. Esse documento contará com informações e orientações a respeito da greve. O ofício mostra como os dirigentes devem agir em caso de paralisação.
“Esse ofício é de 2009 e será republicado. Ele foi elaborado em outra época, quando os policiais também quiseram se organizar para proclamarem uma greve”, lembra Razanauskas.
Greve
Os policiais civis, comandados pelo Sinpol/MS, organizam uma greve da categoria a partir da próxima sexta-feira (17). O principal motivo para os policiais insurgirem contra o governo do Estado é o reajuste salarial da categoria.
A data base dos policiais é maio e eles pedem um aumento de 25%. O governador André Puccinelli (PMDB) ofereceu 7% em 2013, 8% em 2014 e 12% em 2015 mais vantagens.
Como não entraram em um meio termo, o sindicato programou a greve para o fim da semana.
Assédio moral
A respeito do possível assédio moral sofrido por agentes de um Distrito Policial de Campo Grande, o delegado geral disse que os policiais civis “estão criando um fato absurdo”.
Para o delegado, os agentes não podem abandonar as delegacias e irem para outros lugares. Na opinião dele, isso é gasto desnecessário de dinheiro público.
Agora, sobre a real possibilidade de greve, Razanauskas foi incisivo: “se eu fizer greve, eu vou sofrer as consequências. Se eles fizeram a greve, também vão sofrer. No começo, vão levar falta, como manda a lei, e desconto salarial”.
Midiamax

Comentários

  1. promoção e direito, e não pode ser prejudicada delegado.

    ResponderExcluir
  2. Delegado lambe botas do governo,ele faria melhor se reunindo com a Categoria,saber de seus pleitos e aí então fazer chegar até o Governo as reivindicações da classe.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

ANTES DE ESCREVER LEIA COM ATENÇÃO: Palavras de baixo calão, racismo, ofensas, ameaças e tudo mais de não estejam de acordo com os bons costumes e as leis vigentes não será aprovado. Expressão do pensamento é um direito Constitucional, expresse o seu com educação e propriedade. Os comentários publicados não traduzem a opinião do blog. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo. O IP do comentarista fica arquivado e pode ser fornecido por Ordem Judicial.

| Mais Acessados na Última Semana |

ROTA invade tribunal e resgata ex-presidiário

Sim, o título acima está correto. Numa incrível operação relâmpago, PMs de ROTA impedem que tribunal do crime assassine um ex-presidiário

A ROTA está nas ruas 24 horas por dia, todos os dias, o ano inteiro. Seu efetivo é dividido em três Companhias: Noturna, Matutina e Vespertina. Esta matéria relata uma incrível ocorrência de resgate conduzida pelo Pelotão do Tenente PM Soares, que patrulhava a Zona Leste de São Paulo às 21:40 nesta segunda-feira, dia 14. “O despacho do Policiamento de Choque do COPOM nos informou que uma pessoa estava sendo torturada na favela Eliane, numa casa com detalhes verdes no seu portão, localizada na rua Esperança. Pelas particularidades que nos foram relatadas, estava claro que a ocorrência envolvia a ação de um ‘tribunal do crime’ provavelmente comandado pelo PCC. Imediatamente acionei meu Pelotão”, relata o Tenente de ROTA Soares. O nome dessa rua, 'Esperança', não podia ser menos adequado em função do cenário que os PMs iriam encontrar em poucos…

Aprovado PL que da poder de polícia administrativa às polícias e bombeiros militares do Brasil

O poder de polícia administrativa trás condições das polícia militares e bombeiros atuarem de forma efetiva em eventos, estabelecimentos comerciais e outros. Autor: Capitão Augusto - PR/SPData da apresentação:  04/02/2015 Ementa: Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Polícia de Preservação da Ordem Pública, e dá outras ...Leia integra do PL 196/2015Regula as ações de Polícia Administrativa exercida pelos Corpos de Bombeiros Militares dentro das suas atribuições de prevenção e extinção de incêndio, e perícias de incêndios e ações de defesa civil, de busca salvamento, de resgate e atendimento pré-hospitalar e de emergência; e pelas Polícias Militares no exercício da Polícia Ostensiva e Pol…

Usar arma de uso restrito com porte ilegal agora é crime hediondo

Aprovada urgência para projeto que torna crime hediondo o porte ilegal de armas de uso restrito O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 332 votos a 7 e 2 abstenções, o regime de urgência para o Projeto de Lei 3376/15, do Senado, que torna crime hediondo a posse ou o porte ilegal de arma de fogo de uso restrito das forças policiais e militares. Após a votação, a sessão ordinária foi encerrada. Projeto de Lei do Senado nº 230, de 2014, de autoria do Senador Marcelo Crivella, constante dos autógrafos em anexo, que “Altera a Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o crime de posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito no rol dos crimes hediondos”. A Lei 8.072/90 define como hediondos os crimes de homicídio praticado por grupo de extermínio; homicídio qualificado; latrocínio; genocídio; extorsão qualificada por morte; extorsão mediante sequestro; estupro; disseminação de epidemia que provoque morte; falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto …

Policiais e bombeiros militares não sabem a força que tem

Deputado Federal Capitão Augusto orienta os militares de São Paulo sobre a força política da classe
Por mais que façamos aqui pela Câmara dos Deputados, aprovando projetos dando mais direitos e garantias aos policiais e não deixando ser aprovado nenhum projeto que os prejudique, a grande reivindicação que recebo dos policiais refere-se a questão do aumento salarial.
Infelizmente Deputados não podem apresentar projetos que gerem despesas para o executivo, então está fora de nossa competência atender essa solicitação, o que nos resta é cobrar (e muito) do governador e fazer articulação para que ele conceda o tão esperado aumento salarial.
Hoje temos força política para eleger representantes para Assembleia Legislativa, Câmara dos Deputados e para todos cargos nas eleições municipais. Está na hora de influenciarmos as eleições para Governador e Senador, um que reconheça nosso valor, ou ficaremos fadados a apenas reclamar nos bastidores.
Nós podemos muito mais que isso! Somos quase 150.000 po…

Vaccarezza é preso em nova fase da Operação Lava Jato em São Paulo

Ex-deputado, que deixou o PT, foi líder dos governos Lula e Dilma. Segundo o MPF, ele recebeu a maior parte de um total de propina que soma US$ 500 mil. O ex-líder dos governos Lula e Dilma na Câmara dos Deputados Cândido Vaccarezza, que deixou o PT, foi preso nesta sexta-feira (18) em São Paulo. Ele é alvo da Operação Abate, uma das duas novas fases da Operação Lava Jato deflagradas nesta manhã. A prisão é temporária, válida por cinco dias. Por volta das 9h, Vaccarezza estava em casa sob custódia da PF. Ele deve seguir para Curitiba ainda nesta sexta. O G1 tenta contato com a defesa do ex-deputado, com PT e com as empresas citadas. Principais pontos das investigações Ações apuram o favorecimento de empresas estrangeiras em contratos com Petrobras. Operação Abate investiga fraudes no fornecimento de asfalto para a Petrobras por uma empresa norte-americana, entre 2010 e 2013. Funcionários da Petrobras, o PT e, principalmente, Cândido Vaccarezza teriam recebido propinas que somam US$ 5…