Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Coronel ameaça processar Comandante Geral da PM por improbidade administrativa


Continua tenso o clima nas hostes da PM em razão da política de discriminação e retaliação imposta pelo comandante geral, coronel Euller Chaves, que estaria atropelando os princípios da legalidade, da hierarquia e da disciplina, ao nomear subalternos para cargos de oficiais superiores.
Essa política tem suscitado uma série de reclamações da parte de coronéis preteridos em cargos exclusivos do posto, por tenentes-coronéis, por atos administrativos determinados pelo comandante geral que, agindo dessa forma, estaria exposto a ações penais por improbidade administrativa, como argumenta o coronel Jarlon Cabral Fagundes, um dos atingidos pela política de perseguição e retaliação do comandante.
O coronel Jarlon é o mais antigo dos coronéis e até pouco tempo respondia pelo Estado Maior Estratégico da corporação sendo afastado por ter emprestado apoio as reivindicações das praças e comparecido a uma audiência pública na Assembleia Legislativa para cobrar do Governador e do comandante a regularização das promoções que vinham sendo procrastinadas desde 2011.
Um dia depois de sua participação no ato público, o coronel foi exonerado da função e substituído por outro oficial mais “moderno”, o que só seria possível em casos excepcionais, como determina a legislação militar.
De acordo com o que apurou o Jampanews são várias os tenentes-coronéis ocupando função de coronel na gestão de Euller Chaves, o que se constitui, segundo o coronel Jarlon, crime gravíssimo que atenta contra os princípios basilares da corporação. 
Ele aponta a Corregedoria, o Comando da Região Metropolitana e a Ouvidoria, entre outros cargos da corporação exclusivos de coronéis, que estão sendo ocupados por tenentes-coronéis numa violação ao que determina a legislação e o regimento da instituição.
A gota d’água veio na última semana quando o coronel Jarlon interpelou o comandante através de ofício mostrando na letra da Lei que ele não poderia ficar sem função dentro da corporação, o que significaria o estado pagar a um servidor algo em torno de R$ 10.000,00 para ele ficar sem trabalhar.
Pressionado, o comandante designou o coronel para assumir a função de adjunto no Estado Maior Estratégico em BOL PM nº 0085 de 08 de maio de 2013, nomeação da qual o oficial declinou por entender que o ato atropela o princípio da legalidade; a Hierarquia e a Disciplina, consoante a Lei Complementar nº 87/2008, nos dispostos do artigo 17, caput, § único, incisos, I e II. 
Esse duelo jurídico entre o comandante e o coronel Jarlon se estenderá e deverá terminar na Justiça, onde o prejudicado pretende reparar os prejuízos causados pela política de perseguição e retaliação do comandante geral. De acordo com ele, cabe entre outras ações, a de improbidade administrativa, o que pode suscitar uma devassa na gestão do atual comandante geral.
Essa briga está sendo acompanhada pelo Clube dos Oficiais que vê na política de discriminação do comandante um risco aos princípios basilares da corporação. 
De acordo com o presidente do Clube, coronel Francisco de Assis, não seria apenas no Comando Geral que essa política estaria causando insatisfações. Ela estendeu-se a Secretaria de Segurança, onde um coronel teria sido substituído por um tenente-coronel, uma exceção que se tornou regra no comando do coronel Euller e no governo de Ricardo Coutinho.
O coronel Getúlio Bezerra foi afastado do cargo de assessor especial do secretário Cláudio Lima para dar vaga ao tenente-coronel Costa, candidato derrotado do comandante nas eleições para o Clube dos Oficiais.

Matéria sugerida por Denylson - Participe você também sugerindo a sua!

Comentários

  1. o poder militar na constituiçao é subordinado ao poder executivo e insubordinaçao é crime segundo a constituiçao e fica como nadar contra a maré

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.


| Mais Acessados na Última Semana |

AFAM: NOVIDADES SOBRE AÇÃO JUDICIAL DA INCORPORAÇÃO DE 100% DO ALE NOS VENCIMENTOS DOS POLICIAIS E BOMBEIROS DE SÃO PAULO

Agora já são em número de 05 as Câmaras de Direito Público a adotar esse entendimento. Novas e recentes decisões do Tribunal de Justiça de São Paulo, em Mandados de Segurança individuais, têm confirmado o entendimento de que a incorporação total do ALE ao Salário-Base (Padrão) é direito de todos os policiais militares. Em Acórdão de 11 de março de 2013, relativo à Apelação/Reexame Necessário nº. 0029083-82.2012.8.26.0053, assim se manifestou a 6 ª. Câmara de Direito Público do TJ/SP: “Assim, no caso do impetrante, policial em atividade, quinquênios, sexta-parte e RETP incidem sobre as vantagens efetivamente incorporadas, dentre as quais, a partir da LC nº 1.114/10, o ALE”.... http://www.afam.com.br/
Veja abaixo todas as novidades:






Com filho no colo, PM de folga reage a assalto e mata ladrões em farmácia; vídeo

Segundo informações em boletim de ocorrência, assaltante chegou a apontar arma para policial que segurava a criança. Dupla não resistiu aos ferimentos e morreu no local.
Um policial militar de folga matou dois ladrões que tentaram assaltar uma farmácia no Jardim Paulista, em Campo Limpo Paulista (SP), na noite de sábado (18). O policial estava na farmácia com a mulher e com o filho pequeno no colo, quando os criminosos – um deles armado – entraram e anunciaram o assalto (veja no vídeo acima). De acordo com o boletim de ocorrência, logo que entrou na farmácia, um dos suspeitos apontou a arma em direção ao policial militar com a criança no colo. Na hora, o PM se identificou, sacou o revólver e deu ordem de prisão para os criminosos. No entanto, o suspeito passou a atirar contra o policial que, mesmo com o filho no colo, revidou os disparos, matando o ladrão armado e também o comparsa – que já havia rendido o gerente da farmácia, ainda segundo o boletim de ocorrência.A perícia técnica f…

Ministro Dias Toffoli recebe ACS e advocacia Pereira Martins no STF

No dia 16/11/2017, o Ministro Dias Toffoli recebeu em seu gabinete no Supremo Tribunal Federal (STF) o vice-presidente e o diretor Jurídico da Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo (ACSPMESP), respectivamente Antonio Carlos do Amaral Duca e Marcelo A. Camargo, acompanhados do Dr. Eliezer Pereira Martinspara despacho que versou sobre o recurso extraordinário com repercussão geral 565089 –indenização pelo não encaminhamento de projeto de Lei de reajuste anual dos vencimentos dos servidores públicos (Tema 19 de repercussão geral – mora do Executivo – Art. 37, X da Constituição Federal). Na oportunidade, argumentou-se com o Ministro a peculiar condição de vulnerabilidade dos agentes públicos que são privados do direito à sindicalização e à greve, a exemplo dos policiais militares, destituídos que são de mecanismos de proteção legal em face de políticas governamentais de omissão em relação à reposição da inflação e os efeitos nefastos da corrosão do pod…

REVOLTA DA ASSOCIAÇÃO DOS CABOS E SOLDADOS DA PMESP COM GOVERNO ALCKMIN

A Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo luta contra uma mentira da Procuradoria Geral do Estado; e, infelizmente, endossada pelo Governador do Estado. Ocorre que a Procuradoria, por meio da suspensão da Tutela Antecipada nº 678 junto ao Supremo Tribunal Federal fez constar em sua petição o valor aproximado de R$ 1,5 bilhão. Em síntese, disse ao Presidente do STF, Exmo. Senhor Ministro Ayres Britto que o custo criaria uma lesão ao erário público, assim, permitiu suprimir verbas alimentares de Policiais Militares. Neste sentido, passamos a conhecer melhor o Governo Geraldo Alckmin.
O Governo do Estado tinha conhecimento que o Policial Militar recebia o recálculo retroativo a novembro de 2010 por intermédio de uma ação judicial; e que nunca se tratou de uma tutela antecipada mas sim, de cumprimento provisório de sentença, iniciado após o Tribunal de Justiça de São Paulo, na 2ª Instância, ter garantido a fórmula correta de cálculo da verba aos Policiais…

Policial civil é encontrada morta dentro de casa e com sinais de violência em Sorocaba

Corpo foi achado em imóvel no Jardim Novo Horizonte, na Zona Norte da cidade. Polícia trata o caso como homicídio, que será investigado. Uma policial civil foi encontrada morta dentro da casa, na manhã desta quinta-feira (16), no bairro Jardim Novo Horizonte, na Zona Norte de Sorocaba (SP). Esmarlei Demétrio da Silva tinha 56 anos, completados na terça-feira (14). Segundo informações da Polícia Civil, o corpo da vítima, que trabalhava no 4º Distrito policial de Sorocaba, foi encontrado com sinais de violência. O caso será tratado pela polícia como homicídio. Não há informações sobre suspeitos e a motivação do crime. Fonte: G1