Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Começa júri de policiais acusados de execução em cemitério de Ferraz

Trabalhos tiveram início com depoimentos de testemunhas sigilosas.
Mulher que visitava túmulo do pai presenciou crime e chamou a polícia.
Os policiais acusados de executar um homem em um cemitério de Ferraz de Vasconcelos (SP) chegaram ao fórum do município para o júri popular, nesta quinta-feira (23), com semblante tranquilo. Eles respondem pelo assassinato de Dileone Lacerda de Aquino, de 27 anos, em 2011. A vítima tinha várias passagens pela polícia.
Um mulher que visitava o túmulo do pai no momento do crime testemunhou a ação e denunciou o prefixo da viatura em que estavam os policiais Ailton Vital da Silva e Felipe Daniel da Silva pelo 190, relatando com detalhes o que eles estavam fazendo. O caso ficou conhecido em todo o Brasil porque a gravação da chamada para a polícia foi divulgada pela imprensa e mostra a coragem da mulher, que chegou a avisar para os policiais que os estava denunciando 
Os jurados foram sorteados às 9h. A acusação recusou um jurado e a defesa dois. De 25 pessoas, sete foram escolhidas. Quatro homens e três mulheres compõem o júri.
Os trabalhos começaram com os depoimentos de testemunhas de acusação sigilosas. Os réus foram retirados da sala do Tribunal do Júri, assim como a maioria dos presentes. Ficaram apenas a juíza Patrícia Pires, promotor, jurados, oficiais de justiça e os advogados de defesa.
Acusados de homicídio, os réus aguardavam o julgamento no Presídio Militar Romão Gomes. O advogado que defende os dois, Celso Vendramini disse em entrevista ao G1 na quarta-feira (22) que acredita em um julgamento imparcial. "A defesa vai alegar legítima defesa para Vital e e negativa de autoria para o Felipe. A razão é que no interior do cemítério o indivíduo tentou pegar a arma de Vital e ele efetuou o disparo para se defender", afirma o advogado, que também aposta em um julgamento que se estenda além de quinta-feira.
Júri
O julgamento começa com a leitura do processo seguida do depoimento das testemunhas de acusação e defesa. Os réus são interrogados e em seguida acontecem os debates das partes. Na etapa seguinte os sete jurados se retiram para uma sala onde respondem a uma série de perguntas e a maioria do júri decide pela culpa ou inocência dos acusados. Em caso de condenação, o juiz definirá a sentença. Ainda há a possibilidade dos advogados da defesa apresentarem recurso.
O caso
No dia 12 de março de 2011, uma mulher que visitava a sepultura do pai entrou em contato com a Polícia Militar pelo telefone 190, dizendo que estava no interior do cemitério Palmeiras, em Ferraz de Vasconcelos e que viu quando policiais militares entraram com o carro da polícia no cemitério, retiraram uma pessoa de dentro do veículo e atiraram contra ela. Em sua denúncia, ela indicou o prefixo do carro envolvido.
Os policiais são Felipe Daniel da Silva (que tinha cinco anos de polícia na época) e Ailton Vidal da Silva (com 18 anos de carreira), conhecidos na corporação até então pela boa conduta e pelas prisões em flagrante.
Os dois contam que faziam ronda na Zona Leste de São Paulo, quando interceptaram um furgão que tinha acabado de ser roubado. Perseguiram o veículo em alta velocidade e, dentro de um condomínio residencial, trocaram tiros com o motorista. O furgão era dirigido por Dileone Lacerda de Aquino, de 27 anos, que já tinha várias passagens pela polícia. Ele morreu a caminho do pronto-socorro.
No entanto, a versão dos policiais não inclui uma passagem pelo cemitério, onde a  testemunha viu quando eles tiraram o rapaz do carro e o executaram com um tiro. Na mesma hora ela ligou para a polícia.
“Eu estou aqui no Cemitério das Palmeiras, em Ferraz de Vasconcelos, e a Polícia Militar acabou de entrar com uma viatura aqui no cemitério com uma pessoa dentro do carro, tirou essa pessoa do carro e deu um tiro”, relata a testemunha em uma gravação.
A central da PM pergunta se ela consegue ver a placa e o prefixo da viatura policial. “Não. Eu não vou chegar perto para olhar. Eu estou olhando a viatura, mas não dá para ver o prefixo. Essa hora do dia fazer isso? Dizem que é normal fazer isso aqui, mas não é normal eu assistir a isso. Eu estou no Cemitério das Palmeiras, a viatura está parada”, completa.
O carro dos policiais parte em direção à saída do cemitério. “Espera só um pouquinho que eles vão passar por mim agora”, continua a testemunha. “Espero que eles não me matem, também. A placa é DJL-0451. O prefixo é 29411, M29411.”
O carro para e um dos policiais se aproxima: “Eu não sei por que ele está vindo agora. Tem um PM vindo na nossa direção”, diz.
Mas a mulher não se intimida e enfrenta o policial. “Desculpa, senhor. O senhor que estava naquela viatura ali? O senhor que efetuou o disparo? Foi o senhor que tirou a pessoa de dentro, atrás de onde nós estávamos? Eu estou falando com a Polícia Militar”, diz a mulher ao policial.
“Não, não. Eu estava socorrendo o rapaz”, responde o PM suspeito.
“Socorrendo? Meu senhor, olha bem para a minha cara”, enfrenta a testemunha.
“A senhora não sabe o que o rapaz fez”, responde o policial.
“Ele falou que estava socorrendo, mentira”, relata a mulher ao telefone. “É mentira, senhor, é mentira. Eu não quero conversar com o senhor. O senhor paga o que o senhor faz. O senhor tem a sua consciência.”
Uma pessoa ao lado da testemunha se preocupa: “Vai complicar para você”, diz.
“Não vou me complicar. Vou me complicar por quê?”, questiona a testemunha. “Ele está dizendo que estava socorrendo, ele entrou no cemitério.”
A mulher que ligou para a polícia está em um programa de proteção a testemunhas.
Do G1 Mogi das Cruzes e Suzano

Comentários

  1. Quem deveria ir a julgamento é essa mulher pelo deserviço que fez pra sociedade.

    ResponderExcluir
  2. Essa mulher merecia que esse indivíduo que tem várias passagens pelos Dps da vida entrasse em sua casa e roubasse tudo que ela tem ai ela ia dar valor para o policial que está tirando da face da terra mais um inútil que só serve pra fazer peso na terra ,e fazer com que eu ,vc e ela pague pra ele comer beber e dormir nas minhas custas ,sem contar que ainda usam drogas que só Deus e eu e várias pessoas sabem como entra nas delegacias ,falei.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …