Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

CCJ aprova regras para investigar mortes causadas por policiais

Pela proposta, sempre que a ação do agente resulte em lesão corporal ou falecimento, o delegado deverá instaurar imediatamente inquérito para apurar o fato. No caso de “morte violenta”, o exame de corpo de delito será obrigatório. Texto seguirá para o Plenário.
A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) aprovou, nesta terça-feira (7), o Projeto de Lei 4471/12, que cria regras para a apuração de mortes e lesões corporais decorrentes das ações de agentes do Estado, como policiais. Pela proposta, esses casos deverão ter rito de investigação semelhante ao previsto para os crimes praticados por cidadãos comuns.
O projeto – apresentado pelos deputados Paulo Teixeira (PT-SP), Fabio Trad (PMDB-MS), Delegado Protógenes (PCdoB-SP) e Miro Teixeira (PDT-RJ) – recebeu parecer pela aprovação do relator, deputado João Paulo Lima (PT-PE). A matéria ainda será analisada pelo Plenário.
A proposta foi considerada prioritária pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, em comissão geral sobre segurança pública realizada pela Câmara em 19 de março.
O projeto altera o Código de Processo Penal (Decreto-Lei 3.689/41), que autoriza os agentes públicos e seus auxiliares a utilizarem os meios necessários para atuar contra o suspeito que resista à prisão. O código atual não prevê, porém, regras para a investigação no caso de o uso de força policial resultar em morte ou lesão corporal.
Em seu parecer, João Paulo Lima acatou emendas aprovadas anteriormente pela Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado e aceitou ainda emendas apresentadas à CCJ pelo deputado Vieira da Cunha (PDT-RS).
“O projeto prevê que, em caso de ações policiais com agressões e mortes, seja instaurado inquérito com acompanhamento do Ministério Público. Normalmente, quando a vítima é a população mais pobre, não é aberto inquérito, nem são apuradas as condições em que o cidadão foi assassinado”, observou João Paulo Lima.
Inquérito imediato
Pela proposta, sempre que a ação resulte em lesão corporal ou morte, o delegado deverá instaurar imediatamente inquérito para apurar o fato. Uma das emendas permite que o delegado deixe de prender o indivíduo que resistiu à prisão em flagrante e foi vítima de lesão por parte do policial, se entender a medida necessária à formação de provas e à obtenção de informações. O Ministério Público, a Defensoria Pública e a Ouvidoria, onde houver, deverão ser comunicados imediatamente da instauração do processo.
Assim como é previsto para os crimes comuns, na investigação dos incidentes decorrentes da chamada “resistência seguida de morte ou lesão corporal” deverão ser recolhidos todos os objetos envolvidos no evento. Em caso de morte, as autoridades devem requisitar também o exame pericial do local. De acordo com outra emenda, o delegado poderá ainda requisitar registros de comunicação e movimentação das viaturas envolvidas na ocorrência.
Corpo de delito e fotos
A proposta determina ainda que seja realizado exame de corpo de delito em todos os casos de morte violenta envolvendo agentes do Estado. Atualmente, pelo Código de Processo Penal, esse exame é opcional em todos os casos. O laudo da apuração deverá ser entregue à autoridade requisitante e à família da vítima em até dez dias. O texto também proíbe que qualquer pessoa estranha ao quadro de peritos e auxiliares acompanhe o exame, ressalvada a indicação de assistente técnico pelo ofendido ou seu representante legal ou a presença de algum familiar, conforme a redação aprovada na CCJ.
Além do exame de corpo de delito, o projeto exige a documentação fotográfica dos cadáveres “na posição em que forem encontrados”, bem como das lesões externas e de vestígios deixados no local. Os peritos deverão também juntar esquemas e desenhos da ocorrência. Hoje, essa documentação não é obrigatória.

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'

Comentários

  1. JÁ É ASSIM. POLICIAL SÓ SE LASCA. PARA APROVAR PROJETOS QUE VALORIZAM É ESSA SAFADEZA, PEC 300 E OUTRAS FICAM NA GAVETA. PROJETOS QUE BENEFICIAM OS MALAS, BOLSA CRACK, BOLSA ESTUPRO, BOLSA ROUBO, BOLSA FURTO SÃO APROVADOS PELA MAIORIA DOS CONGRESSISTAS.
    ACHO QUE AS ORGANIZAÇÕES CRIMINOSAS JÁ ESTÃO INSTALADAS NO PODER LEGISLATIVO E VOTAM OS PROJETOS BONS PARA OS MAUS.

    ResponderExcluir
  2. a cada dia a policia esta cercada a cada dia os vagabundos terão mais e mais direitos,fazendo isso que esta escrito o POLICIAL A CADA MINUTO DESANIMA MAIS,AFINAL TUDO É CONTRA OS POLICIAS,,QUANDO SERA QUE VAI APAREÇER ALGUEM COM RESERVA MORAL PRA POR LEIS MAIS SERIAS CONTRA POLITICOS ORDINARIOS E VAGABUNDOS DE RUA QUE VIVEM ASSALTANDO E MATANDO? TENHO CERTESA QUE NÃO VOU VIVER PRA VER ISSO NESTE BRASIL,

    ResponderExcluir
  3. pois e cada vez mais os políticos estão preocupados com os ladroes e os policiais que se explodam. E por isso que a sociedade vive a escravidão que vive, por causa dessa corja que não esta preocupado com a sociedade de bem.

    ResponderExcluir
  4. Infelizmente a maioria que está no poder tem essa inclinação marginal, vejo que a preocupação deles é fragilizar a polícia e fortalecer o Crime Organizado (letra maiúscula, instituição poderosa, 4º poder ou 1º) e não defender o cidadão.
    Sr. Ministro Joaquim Barbosa liberta nosso Brasil dessa corja.

    ResponderExcluir
  5. Certa vez eu vi na TV um cientista político dizer que a Constituição do Brasil é uma obra suspeita, porque efetuada por gente de caráter duvidoso; na verdade, muitos deles mau caráter de carteira ( vejam os escândalos de corrupção). A cada dia que passa, compreendo o que aquele homem disse. As emendas que eles fazem são sempre no sentido de beneficiar os criminosos (causa própria). Alguém sabe de alguma lei que estabeleça alguma assistência para as mulheres, crianças e idosos vítimas da violência dos criminosos. A fiança é o imposto do crime. Os políticos brasileiros encontraram uma fórmula tipicamente brasileira de política de reparação: a distribuição mais igualitária de impunidade. Mulheres, crianças e idosos, preparem-se... No brasil vocês tem menos importância do que aqueles que os vitimam.

    ResponderExcluir
  6. É a política a serviço do crime.
    Isso é uma prova que o crime no Brasil realmente compensa.
    É a Comissão fazendo exatamente o que os criminosos querem. Aí tem!!

    ResponderExcluir
  7. ...estão bem fora de contexto esses Deputados, exceto os Srs Deputados, ninguém mais têm privilégios, muito menos os POLICIAIS, que fazem muito pelo que ganham.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …