Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Carandiru: condenação de PMs é um golpe nas heranças da ditadura

O Sr Leonardo Sakamoto, jornalista e cientista político,  publicou em seu blog ( blog do sakamoto ), no dia 21/04, comentário a respeito da condenação dos PM queatuaram na invasão do Carandiru, no ano de 1992.
Em resposta, o Cel Corrêa Leite, um dos filhos do antigo Comandante Geral, Wilson Corrêa Leite, elaborou uma preciosidade que ora transmito aos amigos, para que se interem do assunto e da brilhante defesa de nossa Instituição, frequentemente enxovalhada por aqueles que não a conhecem.
Concito-os a parabenizarem o Cel Corrêa Leite, o que faço agora e transmitam a seus contatos.
Abraço...Veja matéria na integra abaixo:


"O júri condenou, na madrugada deste domingo (21), 23 dos 26 policiais militares acusados pela morte de 13 detentos (eram 15, mas o Ministério Público retirou dois casos), durante  o Massacre do Carandiru, em outubro de 1992. As penas são de 156 anos em regime fechado. Outros 53 policiais ainda devem ser julgados até o final do ano.
É uma decisão de primeira instância e, a ela, cabe recurso. Mas a turminha da escola de samba “Unidos da Lei de Talião”, que canta o lema “olho por olho, dente por dente”, desde que o mundo é mundo, vai ter que engolir o recado: funcionários públicos não possuem o direito de executar sumariamente alguém e ignorar que a pena de morte inexiste no Brasil. Pelo menos, não em tese.
E, se assim fizerem, serão condenados por isso. Pelo menor, por agora. Carandiru não é Raccon City e o Coronel Ubiratan Guimarães (que a terra lhe seja leve) não é Mila Jovovich. Não importa quem, não importa onde, não importa que o Datena diga que não, todos têm direitos. De um julgamento justo, de poderem cumprir sua pena, de serem reintegrados à sociedade sem o risco de um massacre no meio do caminho.
Contudo, estamos falando do estranho sistema judicial paulista, que mantém perigosas senhoras presas por conta do roubo de um xampu, e, por isso, tudo pode acontecer daqui para frente. Vale lembrar que o povo de São Paulo, em 2001, condenou Ubiratan, o comandante da operação no Carandiru, a 632 de prisão. Mas nosso amado Tribunal de Justiça aceitou um recurso, cinco anos mais tarde, e o absolveu. A defesa de Ubiratan afirmou que ele estaria agindo no “estrito cumprimento do dever” quando ordenou a invasão do Pavilhão 9 da Casa de Detenção – a mesma justificativa dos réus de agora. Seu chefe, Luiz Antônio Fleury Filho, então governador do Estado de São Paulo, não foi envolvido como réu no caso. Pelo contrario, acabou arrolado como testemunha de defesa. Fascinante.
A justificativa dada após a sentença pela advogada de defesa Ieda Ribeiro de Souza é de uma sinceridade contundente: “Não é essa a vontade da sociedade brasileira”. E não é mesmo. A massa, não raro, opta pela saída mais fácil, é manipulável, tem medo de tudo. O indivíduo, ele sim, é mais racional. Mas se Justiça fosse pesquisa de opinião, era só acionar o Datafolha e o Ibope e deixar a massa se manifestar antes do martelinho do juiz gongar a mesa.
Como já disse antes, o que ocorreu naquele 2 de outubro de 1992 foi um servicinho sujo que parte de nós, paulistas, desejava (e ainda deseja) em seus sonhos mais íntimos: que bandido esteja morto. A sociedade demorou para julgar esse caso porque não suportava um espelho no banco dos réus. Muitos dos presos perderam a vida por conta de uma irracionalidade coletiva pois, para muita gente, essas limpezas sumárias são lindas, sejam feitam pelas mãos da população, sejam pelas do próprio Estado, ao caçar traficantes em morros cariocas ou na periferia da capital paulista. Se com o devido processo legal, inocentes amargam anos de cadeia devido a erros, imagine sem ele.
Momentos como o julgamento que se encerrou nesta madrugada são importantes para que a sociedade consiga saldar as contas com seu passado, revelando-o, discutindo-o, entendendo-o. Para evitar que ele aconteça de novo.
Mais do que um país sem memória e com pouca Justiça, temos diante de nós um Brasil conivente com a violência como principal instrumento de ação policial. E uma coisa está diretamente relacionada a outra. Durante os anos de chumbo, o regime dos verde-oliva cometeram crimes contra a humanidade – que a esvaziada Comissão da Verdade, criada pelo governo Dilma, está agora remexendo para tentar restabelecer o que realmente ocorreu naquele tempo. Vai ter algum efeito, mas não conseguirá ir a fundo, como deveria. E não foi organizada para punir e sim para resgatar os fatos. Punições que seriam didáticas para o país.
Não estou esquecendo que existe uma Lei da Anistia, que está em vigor, e que o Supremo Tribunal Federal (infelizmente) decidiu por mantê-la quando questionado pela Corte Interamericana dos Direitos Humanos. A discussão aqui não é legal, ou seja, não é um debate sobre a mudança da lei e sim sobre a percepção coletiva sobre a impunidade de um Estado que serve a si mesmo e a grupos sociais que o controlam.
Ao contrário de outros países, como a Argentina (eles têm Messi, eles têm o papa, eles quitam melhor as contas com o passado…), o Brasil não conseguiu tratar suas feridas para que cicatrizassem. Apenas as tapou com a cordialidade que nos é peculiar, o bom e velho, deixa-pra-lá, em nome de um suposto equilíbrio e da governabilidade. Dessa forma, o Estado não deixou claro aos seus quadros que usar da violência, torturar e matar não são coisas aceitáveis. E com a anuência da Justiça que, através do seu silêncio, manteve aqueles crimes impunes. E, ei, para o pessoal que só aciona o seu Tico-e-Teco bissextamente: estou falando de violência de quem deve zelar pela integridade da população.
Enquanto não acertarmos as contas com o nosso passado, não teremos capacidade de entender qual foi a herança deixada por ele – na qual estamos afundados até o pescoço e nos define. Foram-se as garrafas, ficaram-se os rótulos. A ditadura se foi, sua influência permanece. Não somos um país que respeita os direitos humanos e não há perspectivas para que isso passe a acontecer pois, acima de tudo, falta entendimento e, consequentemente, apoio, da própria população.
O impacto desse não-apoio se faz sentir no dia-a-dia dos distritos policiais, nas salas de interrogatórios, nas periferias das grandes cidades, nos grotões da zona rural, em presídios, com o Estado aterrorizando parte da população (normalmente mais pobre) com a anuência da outra parte (quase sempre mais rica). A ponto de ser banalizada em filmes como Tropa de Elite, em que parte de nós torceu para os mocinhos que usavam o mesmo tipo de método dos bandidos no afã de arrancar a “verdade”.
A justificativa é a mesma usada nos anos de chumbo brasileiros ou nas prisões no Iraque e em Guantánamo, em Cuba: estamos em guerra. Guerra contra a violência, guerra contra as drogas, guerra contra inimigos externos. Ninguém explicou, contudo que essa guerra é contra os valores que nos fazem humanos e que, a cada batalha, vamos deixando um pouco para trás.
Não é de estranhar que boa parte da sociedade que grita que “bandido bom é bandido morto” também esteja entre os 93% de paulistanos que concorda com a redução da maioridade penal para os 16 anos e fique radiante com as ações truculentas da polícia militar na Cracolândia do Centro de São Paulo. São as mesmas pessoas que, no fundo, pensam “Bem feito!” ao lembrar dos 19 sem-terra mortos na Chacina de Eldorado dos Carajás, no Pará, que completou 17 anos no ultimo dia 17.
Não querem discutir (atenção, discutir, não empurrar goela abaixo) propostas para garantir direitos pela mesma razão que não se importam se alguma pessoa foi tratada de forma injusta por forças de segurança do Estado. São seguidores da doutrina: “se você apanhou da polícia é porque alguma culpa tem”. E se não se importam com inocentes, imagine então com quem é culpado. Para eles, é pena de morte e depois derrubar a casa e salgar o terreno onde a pessoa nasceu, além de esterilizar a mãe para que não gere outro meliante.
Enfim, não estou falando de qualquer espelho que deveria estar no banco dos réus. A verdade é que não queremos olhar para um retrovisor por ele mostrar nossa cara hoje, mas também por nos lembrar que , apesar de um longo caminho percorrido, temos a mesma cara do passado que, só em tese, deixamos para trás"...(Fonte Blog do Sakamoto).


Resposta ao Blogueiro:

Sr Sakamoto

É provável que o que vou escrever não chegue ao senhor mas vou fazê-lo
mesmo assim, para que eu possa me expressar e contribuir um pouco com o
grande desconhecimento que assola as pessoas que se julgam abalizadas para
escrever sobre determinados assuntos.

A julgar por sua aparência o senhor não deve ter vivido o período conhecido
como "ditadura"... eu que tenho 47 anos quase não o vivi.

A influência que sofreu, talvez na universidade (também sou pós graduado
pela PUC em gestão de políticas públicas em segurança), determinou uma
visão bastante distorcida de que, tudo que aconteceu naquele período foi um
desastre e tudo o que aconteceu após, promovido por uma "esquerda festiva"
foi ótimo.

Sinto em desapontá-lo mas nem uma coisa nem outra é verdade.

É Fato que nem tudo na ditadura foi bom, tampouco agora temos muitas coisas
para nos orgulhar, considerando que alguns métodos são tão ou mais
extremistas do que os vividos naquela época.

Aprendi em uma das minhas graduações (vi seu currículo e me permita
expor-lhe que tenho quatro delas, além de três especializações, um mestrado
e um doutorado) que há uma expressão em latim que indica: "virtus in medium
est", ou seja, a virtude está no meio.

Assim, me incomoda pessoas que exprimem suas opiniões com expressões que
sugerem que o "bandido bom é o bandido morto", mas me incomoda igualmente
a ideia de ser chamado de "ASSASSINO".

Isto mesmo senhor Sakamoto, eu estava lá.

Sou um dos 78 réus deste processo.

Não estou falando por ouvir dizer nem comentando assuntos cujo conhecimento
não possuo e reproduzo da mesma forma que o fez, carregado de preconceito e
de premissas falsas que o levam a conclusões mais falsas ainda.

Vivi trinta anos entregues a vocação de ajudar as pessoas e ao longo deles,
perdi a conta de quantas vezes arrisquei minha vida em favor de pessoas que
mal conhecia, inclui-se aí, 13 anos no Corpo de Bombeiros entre estruturas
colapsadas para retirar uma vida...ou apenas um corpo, apenas para
justificar a família o direito de enterrar seu ente querido, dois acidentes
de aviões, queda da Igreja Universal do Reino de Deus, acidente de trem em
Perus, além é claro do fatídico episódio do Carandirú.

O senhor não deve estar entendendo o que estou falando... afinal, duvido
que a maioria das pessoas pudessem entender tamanho desprendimento... isto
serve para “Idiotas”... “Assassinos”, Incultos e mal preparados idealistas
como eu.

Não é assim que o senhor e parte das pessoas nos chamam?

Vou lhe dizer qual o meu erro neste episódio, mas espero que não conte isto
à ninguém.

Meu erro foi não ter trabalhado no dia anterior ou no dia seguinte àquele
acionamento, era a minha escala de serviço o meu pelotão.

Não fosse isto, hoje talvez não seria tratado como vi alguns companheiros
serem tratados : "assassinos".

O problema era tão meu quanto seu... (integrante da sociedade) quanto do
Ministério Público (que nos acusou) ou da Magistratura (que nos julgou) ou
ainda de nossos dirigentes que nos transferem problemas como forma quase
exclusiva de mostrar que o problema não é deles.

A velha máxima simplistas...a exemplo de seus comentários... de que, o
importante é ter em quem colocar a culpa.

Termino contando uma última passagem.

Há cerca de 8 anos, fui chamado para intervir em um suicídio em uma torre
de alta tensão no trevo de Alphaville.

Era um egresso do sistema prisional cuja família (esposa e filha) não o
queria mais em casa.

Fiquei quase três horas pendurado a um cabo de segurança próximo a rede
elétrica até conseguir sua contenção e descer com esta pessoa sã e salva
para que, dias depois, ela estivesse sendo valorizada num programa de TV
relatando seu drama.

Fui agraciado com um elogio interno mas jamais as pessoas ficaram sabendo
meu nome.

Hoje, entretanto, vejo eu e meus companheiros depois de nos arriscarmos em
favor de pessoas que não nos emprestam nenhuma consideração nos chamar de
assassinos e "filhos de uma ditadura" que sequer eu vivi.

Permita-me então, faça um favor a si mesmo e a seus leitores, que são
muitos a julgar pelo número de acessos de seu Bolg, não fale sobre o que o
senhor não sabe ou não viveu ou ao menos tenha mínima percepção.

Isto torna seus argumentos ridículos e dão o direito a todo tipo de
comentário, entre eles, alguns dos quais eu também não concordo.

O de que "bandido bom é bandido morto" ou de que "morreram poucos".

À proposito, apesar de não mais atuar nas ruas com a mesma frequência (nem
sei como será daqui para frente até o recurso a que teremos direito), caso
o senhor precise por qualquer motivo, é possível que a mão amiga que
será estendida para lhe ajudar será a minha ... e eu o farei, porque é da
minha índole (prefiro me expor na ação do que me acomodar apenas
criticando), até meu último dia de serviço ou até que eu esteja, quem sabe,
cumprindo a pena que o senhor exultante divulgou em seu Blog.

Felicidades !

Corrêa Leite, Coronel da PM da São Paulo, enviou este texto a Leonardo Sakamoto, jornalista e cientista político, que publicou em seu Blog do Sakamoto, no dia 21/04, comentário a respeito da condenação dos PM que atuaram na invasão do Carandiru,no ano de 1992.

Comentários

  1. um sabio disse que um dia, o homem teria vergonha de ser honesto. hoje, o policial militar está tendo vergonha de ser um herói. Cel Ubiratã foi heroi de bater no peito e dizer "eu dei a ordem", os subordinados cumpriram a ordem e se não cumprissem, seriam condenados a prisão por insubordinação. A ordem foi absurda? claro que não. estrito cumprimento do dever legal, exercicio regular de direito. Ao adentrarem os PMs, já viram dezenas de mortos, pois os presos já tinham ACERTADO AS CONTAS, os leigos que me perdoem, mas na cadeia funciona assim, uns matam os outros. Inclusive atiraram com armas de fogo contra a tropa da pm (graças as revistas mal feitas) e no final, os PMs foram condenados pela morte de presos mortos a bala, foram condenados pela morte de presos esmagados com pauladas na cabeça, foram condenados por presos esfaqueados. Por acaso a tropa PM usa facas? por acaso a tropa PM usa vigas como porretes? e de fora um infeliz acha que foi assim, acha que foi assado, e para dar uma resposta à população, condena quem cumpriu as ordens já que o comandante que deu a ordem esta morto e não pode ser apontado. Hipocrisia ridícula de quem nunca viu um revolver de um criminoso tirando a vida de seu filho, de seu pai, de sua mãe, por causa de uma carteira vazia como a da dentista que foi incendiada. Cel Correia leite, só posso elogiar suas palavras, e torcer para que na instância superior a justiça seja feita e esses condenados indevidamente sejam inocentados, sem a pressão dessa imprensa marrom.

    ResponderExcluir
  2. Eu condocrdo PLENAMENTE com o Sr Correa Leite, pois esses ativistas que SEQUER viveram a situação ou o momento, mas como são contrários a qualquer vestigio militar, não se preocupam com o que realmente houve. Ali era morrer ou matar. EU, SINCERAMENTE, prefiro viver, mesmo que para isso tenha que matar os meus algozes. Diante disso, só posso dizer que esse blog está errado e por conta de seu produtor; tendo em vista que ele está muito tendencioso, mesmo com todo excelente curriculo mostrado. Eu, na minha santa ignorância de Gestor Público sou mais pé no chão, pois isso me traz segurança e me dá a certeza de errar menos. Não sou a favor de extremismo mas, também, sou contra omissões e, principalmente, de COMISSÕES, revanchistas e que se fossem sérias colocariam o nome de DILMA ROUSSEF no TOPO DA LISTA para ser analizado. Por que é que esse blog não cobra isso? Por que esse blog não cobra para que os LADRÕES DO MENSALÃO SEJA PRESOS E DEVOLVAM O DINHENIRO QUE É DO CIDADÃO? Porque esse blog luta para que haja LIBERDADE DE IMPRENSA? Porque esse blog não briga para que a nossa DEMOCRACIA SEJA VERDADEIRA? Porque apoia movimento populistas que só enganam o povo? Porque não cobra do governo que a bolsa familia seja conforme foi criada, ou seja: o cidadão que tem direito a bolsa familia terá DIREITO A RECEBÊ-LA , APENAS , por 24(vinte e quatro) meses, podendo ser renovada por mais 24(vinte e quatro) meses e enquanto isso o GOVERNO faria a sua parte. E qual será essa parte? Criar empregos para que essas pessoas do bolsa familia que, OBRIGATORIAMENTE, estariam sendo PROFISSIONALIZADAS, ASSUMAM o seu posto e seja DESCREDENCIADA do Bolsa Familia. Mas o que ocorre atualmente? A cada dia mais pessoas entram no bolsa familia e, muitas familias, sem ter necessidade desse serviço social. E agora Sr Sakamoto? O senhor irá se informar da realidade para ter fundamentação que não seja IDEOLÓGICA pára explicar aquilo que não tem explicação pois a realidade é que se quer condenar os militares e não para saber da realidade? Combater o errado com outro erro ainda maior não é a saída. Combater discriminação com uma discriminação ainda maior, também, não é a saída. Agora podemos ser inteligentes e nos informarmos com segurança e, aí sim, nos pronunciarmos a fa vor ou contra uma situação porque estaremos sabendo o que estamos fazendo, pois agiremos com fundamentação legal. O resto é especulação tendenciosa que trabalha para ideologias falidas que tentam se reerguer. Sr Correa Leite, meus parabéns pela fundamentada exposição dos fatos.
    Adamir Nivaldo (Mazzarolo) ANGHINONI
    Gestor Público- Pres. PMB Dir. Olinda-PE

    ResponderExcluir
  3. Realmente estamos vivendo hoje em dia uma verdadeira "Caça as Bruxas" onde quem esta no poder quer acertar as contas do que ocorreu no passado pois se consideram vítimas dele, esquecendo-se contudo de todos os atos de terrorismo e crimes comuns que também cometeram, e que também foram agraciados pela Lei da Anistia. Daqui a pouco as pessoas que fazem parte da oposição deste salutar "jogo democrático" que vivemos deverão ser perseguidas, julgadas e condenadas pelo simples fato de fazerem a oposição quer seja por ações ou idéias contrárias ao atual governante ou partido de situação, como assim já o fizeram contras seus próprios membros como a Heloísa Helena entre outros que foram execrados á opinião pública e expulsos por simplesmente discordarem. Estamos caminhando para uma "Ditadura Branca" que nem se precisa usar armas para se opor e esmagar o oponente, perpetuando-se assim no poder. Esta ditadura é muito pior que a anterior, pois vem disfarçada de uma falsa democracia e as pessoas nem se dão conta disso. Vale lembrar que "milagres econõmicos" também existiram na ditadura anterior e não podem ser usados como argumentos ou justificativas. Por favor, me digam que estou errado, que estou apenas paranóico.

    ResponderExcluir
  4. Certa feita ouvi um comentário onde o PT afirmava que bastaria 20 anos no poder para infundir a sua ideologia "comunista" em solo brasileiro. - E não é que estão chegando lá! Uma presidenta "ex- guerrilheira", "ex-terrorista" e ex-qualquer outra coisa"; ladeados por um bando de condenados nas "lideranças" ministeriais; "comissão da verdade" que só apuram o que lhes interessa; "bolsas cabresto" pelo país afora. Isso é que é ditadura "camuflada"; e algumas pessoas, à semelhança deste "cientista político" e outros preferem ou não querem enxergar tais realidades. Lamentável! Muito triste mesmo! Senhor "cientista político Sakamoto" como sugestão, procure esclarecer o povo brasileiro sobre o "nióbio" - uma valiosa riqueza brasileira que poucos conhecem e que está sendo retirada do brasil a preço de banana - mas que vale ouro!Quem sabe se saia melhor.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns Cel. Corrêa Leite. Concordo em gênero, número e grau.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …