Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Aposentadoria aos 25 anos: Audiência avalia aposentadoria especial para quem exerce atividade de risco

Projeto do governo beneficia policiais e agente prisionais. Oficiais de Justiça, agentes da Justiça Federal e auditores fiscais do Trabalho e da Receita Federal também querem ser incluídos no texto.
A Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público discute hoje o Projeto de Lei Complementar 554/10, que trata da concessão de aposentadoria especial a policiais e agentes penitenciários.
A Constituição já prevê a concessão de aposentadoria especial para servidores que exercem atividade de risco, mas esse dispositivo ainda não foi regulamentado. O projeto do governo deixa de fora categorias como oficiais de justiça, integrantes do Ministério Público e juízes. 
O PLP 554/10 foi apensado ao PLP 330/06, que trata de assunto semelhante. Os textos já foram aprovados pelas comissões de Seguridade Social e Família; de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado (na forma de substitutivo que estende o benefício para outras atividades de risco, como guardas municipais); e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Faltam ser analisados pela Comissão de Trabalho e pelo Plenário.
Críticas
Entidades representativas de policiais afirmam que o PLP 554/10 representa um retrocesso em relação à atual Lei Complementar 51/85, recepcionada pela emendas constitucionais 20, 41 e 47. O projeto pretende substituir a LC 51, mas não garante a integralidade no ato da aposentadoria, bem como a paridade entre ativos e inativos, além de exigir que o servidor que exerce atividade de riscos só faça jus à aposentadoria especial se cumprir, cumulativamente, os seguintes requisitos:
- 30 anos de contribuição, sendo 25 deles de efetivo exercício em atividade de risco;
- 5 anos no cargo em que se dará a aposentadoria;
- 55 anos de idade, se homem, e 50, se mulher.
A Lei Complementar 51/85 concede ao policial o direito à aposentadoria integral após 30 anos de serviço e 20 em cargo de natureza estritamente policial. A lei não menciona paridade, que garante aposentadoria com proventos integrais, nem faz distinção entre homens e mulheres. A legislação atual também é aplicada aos policiais da Câmara e do Senado.
Debatedores
A audiência, proposta pelo deputado Policarpo (PT-DF), ouvirá: 
- o presidente da Federação das Entidades Representativas dos Oficiais de Justiça Estaduais do Brasil (Fojebra), Paulo Sérgio Costa da Costa; 
- o presidente da Federação Nacional das Associações de Oficiais de Justiça Avaliadores Federais (Fenassojaf), Joaquim José Teixeira Castrillon; 
- o presidente do Sindicato dos Policiais Civil (Sinpol/DF), Ciro José de Freitas; 
- presidente do Sindicato Nacional dos Auditores-fiscais da Receita Federal do Brasil (Sindfisco), Pedro Delarue Tolentino Filho; 
- a presidente do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho (Sinait), Rosangela Silva Rassy; 
- o presidente da Associação Nacional dos Agentes de Segurança do Poder Judiciário da União (Agepoljus), Edmilton Gomes de Oliveira; 
- o presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Jones Borges Leal; 
- diretor parlamentar da Federação Nacional dos Policias Rodovoários Federais (Fenaprf), Renato Antônio Borges Dias; 
- vice-presidente da Associação de Polícia do Congresso Nacional (APCN), Antônio Vandir de Freitas.
- um representante da Casa Civil; 
- um representante do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (Mpog);
- um representante do Ministério da Previdência Social; 
- um representante do Ministério da Justiça.
A reunião será realizada no Plenário 14, a partir das 14h30.
Íntegra da proposta:
Da Redação/ND
A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'

Comentários

  1. CAROS IRMÃOS DE FARDA DE TODO BRASIL: SÓ ACREDITAREI NA APOSENTADORIA AOS 25 ANOS DE TRABALHO DE RISCO E PEC 300, QUANDO FOREM APROVADAS PELO APROVEITADORES DO LEGISLATIVO E EXECUTIVO. SOLDADO DA PMESP.

    ResponderExcluir
  2. ari, se for aprovado to fora, kkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  3. Eu já completei 25 anos de serviço, o STF já forneceu o parecer, com responsabilidade aqueles que negarem e multa diaria de R$ 1.000,00 reais se não cumprirem a Carta Federal. Então se negarem, todos os atos administrativos tem que ser fundamentados, quero ver o que pm vai fundamentar depois do que falou o Presidente do Supremo Ministro Joaquim barbosa, sera que o alkimim do PSDB vai ignorar isso tb? só faltava essa.

    ResponderExcluir
  4. ja completei 27 anos, ja entrei com a documentação e os mais antigos, que eu, tambem ja o fizeram, ocorre que o tucano maldito, deve ter liberado uma nota preta, pois ainda não conheço ninguém que tenha saído tranquilo pela porta da frente , soube que perto do Parana, ainda de SP teve três, que tiveram determinação judicial para afastarem do serviço; Quanto ao Sr BARONI, gostaria de um QSO, se possivel..., fico no aguardo!!!

    ResponderExcluir
  5. Caro colega Antonio Carlos Baroni Junior, por favor, coloque o link da pagina que contem a copia do parecer do STF que o Sr. digitou em seu comentário, no dia 01 de maio as 17;40 hs, não entendi direito o assunto e estou completando 25 anos de Bombeiro e gostaria de me informar sobre o mesmo.De ja agradeço, abração.

    ResponderExcluir
  6. eu só vou acreditar que não é mais uma manobra dos politicos para aparecer nas proximidades das eleições apos aprovadas e sancionadas

    ResponderExcluir
  7. voces vão se aposentar com 25 anos de serviço e mais 5 e olha lá SE NÃO MUDAREM PRA 35,,,,ESTE É NOSSO GOVERNO MINHA GENTE

    ResponderExcluir
  8. Essa PLP-554/2010, para nós seria péssima, pois ela tem a idade mínima para a aposentadoria. Tem que se levar em conta que a jornada de trabalhe de um policial militar é diferente, pois trabalhamos dia e noite,e , finais de semana e feriado, e podemos ser chamados a qualquer horário. Trabalhar a noite é pesado, uma noite perdida, não é mole não.

    ResponderExcluir
  9. Eu gostaria de saber quem vai representar os Policiais Militares nesta audiência proposta pelo deputado Policarpo (PT-DF)?

    ResponderExcluir
  10. gente se Deus qz esse é o ultimo ano do PSDB, eles acabaram com tudo nas penitenciarias e seg publica, em 20 anos de psdb nós só fomos prejudicados, principalmente a aposentadoria especial, q deveria ser no molde da 51/85 ou seja igual a plp 330/2006.

    ResponderExcluir
  11. eu gostaria de saber para quem já saiu pela compulsória como vai ficar e como entrar com mandato de segurança mande me noticia meu mail e cbnunes@r7.com aguardo pois sai com 28 anos tenho 61 anos hoje

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …