Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Deputado propõe alteração na jornada de trabalho como forma de combater a criminalidade

PMs rechaçam mudança na escala de serviço.
O presidente da Associação dos Praças da Polícia Militar (PM), soldado Wagner Simas, rebateu ontem o pronunciamento do deputado estadual Joãozinho Pereira (PSDB), que sugeriu, na última terça-feira, como forma de combater a criminalidade no Estado, uma escala de serviço para os policiais militares de Alagoas de 12 horas de serviço por 12 horas de descanso.
Segundo o deputado estadual, esse tipo de escala é aplicado nas PMs de Estados como São Paulo, Rio Grande do Sul e Pernambuco e apresenta resultados positivos. Em Alagoas, os PMs trabalham em escalas de 12 horas de trabalho por 36 horas de descanso.
“Na realidade, nenhum militar de Alagoas trabalha nessa escala de 12 por 36, como o deputado Joãozinho Pereira falou, justamente pela falta de efetivo”, disse Simas, ao explicar que a jornada de serviço adotada tem sido a de 24 horas de trabalho por 48 horas de descanso.
Para Simas, a sugestão do deputado Joãozinho Pereira não resolve o problema da criminalidade em Alagoas. “Precisamos é de concurso público. Temos um deficit de 5 mil policiais no nosso efetivo”, disse Wagner Simas. Ele também rebateu a afirmativa de Joãozinho Pereira, que disse que, nos dois dias de folga, policiais se dedicam aos próprios negócios, como bares e mercearias, quando deveriam estar combatendo o crime.
“Na verdade, 80% da tropa está se arriscando e fazendo bico para complementar a renda”, disse Simas.
O deputado Joãozinho Pereira explicou que a escala de 12h de trabalho, por 12 horas de descanso seria aplicada ao policial que quisesse trabalhar desta forma. “Mas ele receberia pelas horas a mais trabalhadas. O Estado teria que pagar. Ele iria exercer sua função com prazer”, disse o deputado.
Ele conta que esteve pessoalmente em São Paulo, no momento em que estava havendo a perseguição a policiais. “Vi lá que, naquele momento, a escala era de 12 por 12 e a PM estava dando a resposta, os policiais estavam na rua. Gostaria muito de ver a PM trabalhando da mesma forma aqui em Alagoas, pois a criminalidade está muito grande”, disse Joãozinho Pereira.
Wagner Simas disse que os policiais militares de Alagoas já adotam a escala de 12 horas de trabalho por 12 horas de descanso em períodos de carnaval e de eleições. (GAZETA DE ALAGOAS).

Comentários

  1. É O PSDB QUERENDO ESCRAVIZAR TODAS AS POLICIAS, JÁ NÃO BASTA A ESCRAVIDÃO DA PMESP COM ALCKMIN O CARRASCO [-(

    ResponderExcluir
  2. Isso poderia até acontecer, desde que os deputados cumprissem sua carga horária de 44 horas semanais, o que em muitos casos não chega nem a 10 horas por semana, no mesmo sentido de tornar mais eficiente o trabalho dos deputados, que ao contrário dos militares na ocorrência de falta são punidos, porém os deputados nunca o são.

    ResponderExcluir
  3. E so criar leis melhor e diminuir a maioridade né deputado joãozinho é mais facio mexer na PM.

    ResponderExcluir
  4. Vamos propor a mesma jornada de trabalho para esses deputados, quem sabe eles comecem a trabalhar realmente e parem de brincar com a população.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. :p Concordo deveriam ter a mesma jornada para melhorar a política

      Excluir
    2. É muito facil para este Deputado sou de São Paulo e a policia não esta dando resposta coisa nenhuma é só ver os Telejornais tenho familiar na PM, esta falando bobagens! Qto a escala eu sou a favor desde que os Deputados trabalhasse com a mesma escala e com o salário de um PM, assim vossa senhoria daria mais valor a Segurança do seu Estado!

      Excluir
  5. Concordo, desde que troquemos o salario, só podreria ser um joãozinho. Isso deve ser mais uma piada

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.


| Mais Acessados na Última Semana |

Morre segundo policial militar atingido por tiro de fuzil em Pompéu

Cabo Lucas Reis Rosa foi internado e teve braço amputado após confronto com criminosos que explodiram uma agência bancária. Outro policial e um entregador também foram mortos. A Polícia Militar (PM) confirmou, na manhã desta sexta-feira (8), a morte do cabo Lucas Reis Rosa. Ele estava internado desde a madrugada de terça-feira (5) quando foi atingido por um tiro de fuzil durante confronto com criminosos que explodiram uma agência bancária em Pompéu. Segundo a Polícia Militar, o óbito foi constatado as 9h50 desta sexta. Em nota, a PM informou que o cabo teve reações inflamatórias graves, pós-cirúrgicas ao trauma. Na quarta-feira (6), Lucas Reis passou por duas cirurgias, uma delas foi para a amputação total do braço direito. “Estamos entrando em contato com a família para dar o devido apoio e verificar questões relacionadas a local e horário do velório e enterro”, informou o comandante da 7ª Região da Polícia Militar, coronel Helbert Willian Carvalhaes. Confronto Na madrugada de terça…

Policial militar é sequestrado e assassinado a tiros em Paulista

Um policial militar foi assassinado com nove tiros, na Estrada do Pica-Pau, em Paulista, na Região Metropolitana do Recife. A vítima foi identificada como Lindembergue Gomes da Silva, de 53 anos, foi encontrado ás margens da estrada, em Paratibe. De acordo com os peritos do instituto de Criminalidade (IC), ele foi atingido por um tiro no rosto e os outros nas costas. Os peritos acreditam que o PM pode ter sido morto com a própria arma.
Segundo a polícia, o militar, que atuava como comerciante, teria sido levado da casa dele, no bairro da Mirueira, por dois homens. Ele teria sido levado para o local do crime no próprio carro, uma caminhonete, que foi abandonada em Abreu e Lima. Nenhum pertence da vitima foi encontrado. A policia recebeu a informação de que o PM reformado era agiota, o que pode ter motivado o assassinato.

Fonte: Tv jornal uol

Brasil dobra número de presos em 11 anos, diz levantamento; de 726 mil detentos, 40% não foram julgados

Estudo divulgado pelo Ministério da Justiça é de junho de 2016. País é o terceiro do mundo em número de detentos. Estado com maior superlotação é o Amazonas (cinco presos por vaga). Uma nova edição do Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen) divulgada nesta sexta-feira (8) pelo Ministério da Justiça informa que, em junho de 2016, a população carcerária do Brasil atingiu a marca de 726,7 mil presos, mais que o dobro de 2005, quando o estudo começou a ser realizado. Naquele ano, o Brasil tinha 361,4 mil presos, de acordo com o levantamento. Esses 726 mil presos ocupam 368 mil vagas, média de dois presos por vaga (leia mais abaixo sobre superlotação). "Houve um pequeno acréscimo de unidades prisionais a partir de 2014, muito embora não seja o suficiente para abrigar a massa carcerária que vem aumentando no Brasil. Então, o que nos temos, é um aumento da população carcerária e, praticamente, uma estabilidade no que se refere à oferta de vagas e oferta de estabel…

AFAM: NOVIDADES SOBRE AÇÃO JUDICIAL DA INCORPORAÇÃO DE 100% DO ALE NOS VENCIMENTOS DOS POLICIAIS E BOMBEIROS DE SÃO PAULO

Agora já são em número de 05 as Câmaras de Direito Público a adotar esse entendimento. Novas e recentes decisões do Tribunal de Justiça de São Paulo, em Mandados de Segurança individuais, têm confirmado o entendimento de que a incorporação total do ALE ao Salário-Base (Padrão) é direito de todos os policiais militares. Em Acórdão de 11 de março de 2013, relativo à Apelação/Reexame Necessário nº. 0029083-82.2012.8.26.0053, assim se manifestou a 6 ª. Câmara de Direito Público do TJ/SP: “Assim, no caso do impetrante, policial em atividade, quinquênios, sexta-parte e RETP incidem sobre as vantagens efetivamente incorporadas, dentre as quais, a partir da LC nº 1.114/10, o ALE”.... http://www.afam.com.br/
Veja abaixo todas as novidades:






REVOLTA DA ASSOCIAÇÃO DOS CABOS E SOLDADOS DA PMESP COM GOVERNO ALCKMIN

A Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo luta contra uma mentira da Procuradoria Geral do Estado; e, infelizmente, endossada pelo Governador do Estado. Ocorre que a Procuradoria, por meio da suspensão da Tutela Antecipada nº 678 junto ao Supremo Tribunal Federal fez constar em sua petição o valor aproximado de R$ 1,5 bilhão. Em síntese, disse ao Presidente do STF, Exmo. Senhor Ministro Ayres Britto que o custo criaria uma lesão ao erário público, assim, permitiu suprimir verbas alimentares de Policiais Militares. Neste sentido, passamos a conhecer melhor o Governo Geraldo Alckmin.
O Governo do Estado tinha conhecimento que o Policial Militar recebia o recálculo retroativo a novembro de 2010 por intermédio de uma ação judicial; e que nunca se tratou de uma tutela antecipada mas sim, de cumprimento provisório de sentença, iniciado após o Tribunal de Justiça de São Paulo, na 2ª Instância, ter garantido a fórmula correta de cálculo da verba aos Policiais…