Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Tenente é levado para delegacia e policiais militares protestam, em GO

Policiais militares cercaram o 8º Distrito Policial de Goiânia em forma de protesto a ação de agentes da delegacia, que apreenderam a arma de um tenente e o levaram para prestar esclarecimentos no local. Os manifestantes, que estavam em 18 carros, declararam que a atitude foi abusiva. O tenente estava em um bar da capital quando foi abordado, na madrugada de sábado (6).
O delegado que comandou a ação "Tolerância Zero", Waldir Soares, informou que a arma não tinha registro e o policial estava bebendo, o que é proibido pelo estatuto do desarmamento. "Temos diversos policiais que cumprem a lei. Outros preferem a noite e têm que responder pelos seus atos, como qualquer pessoa comum", afirma o titular do 8º DP.
A assessoria de impresa da Polícia Militar defendeu o tenente. "Todas essas acusações serão objeto de apuração, mas, por enquanto, não existe nada que indique que o policial estivesse cometendo qualquer tipo de desvio de conduta ou atitude criminosa", ressalta o tenente-coronel Anésio Barbosa.
O comando da PM acompanhou a opinião dos manifestantes e enviou uma nota de repúdio à imprensa, classificando o comportamento do delegado como abusivo e contrário aos princípios básicos de urbanidade e respeito. “A Polícia Militar buscará a reparação dos danos e abusos sofridos nas esferas administrativa, penal e civil”, informa a nota. O documento considera ainda o episódio como lamentável e um fato isolado.
Em resposta ao posicionamento do comando da PM, o delegado Waldir Soares afirmou que se trata de um documento  corporativista. “A sociedade não pode aceitar a censura ou alguém que esteja acima da lei”, declarou.
A corregedoria da Polícia Militar já está averiguando o caso. “A princípio, não vimos irregularidade na conduta do tenente, mas continuaremos apurando os fatos”, afirma o corregedor, Lourival Camargo.
O delegado Waldir Soares disse que vai pedir ao Ministério Público de Goiás que acompanhe as investigações. (G1).

Comentários


  1. Não dá nem para comentar nada, essa atitude deste delegado é brincadeira, tem que prender sim, mas aqueles que agem a margem da sociedade. O fato de ofcial da pm esta bebendo e não esta comentendo nenhuma inflação penal ou a grave perturbação da ordem publica, não esta perturbando ninguem então não é motivo para prende lo. Faça o seguinte, proiba a venda de bebidas alcoolicicas. Pronto!!

    Carlos taquara Rio de janeiro

    ResponderExcluir
  2. em um bar é um individuofora de seu trabalho e perante a lei todos sao iguaismas com isso o tenente diz que todos podem portar armas que é para sua segurançae como a segurança ao abordar qualquer cidadao aponta armas estas já em punho entende como um direito do cidadaoentao o juíz será o definidor desse direito

    ResponderExcluir
  3. *PARABÉNS AO DELEGADO,indiciou o ofial pm "EM TRAJES CIVIS,ARMA IRREGULAR (provavelmente sem procedência,CABRITO MESMO)FAZENDO INGESTÃO DE BEBIDA ALCOÓLICA (dentro de um bar) Ainda tem "MAÇANETAS AQUI"que acham que o oficial pm não estava fazendo nada de mais.A LEI É PARA SER CUMPRIDA SEJA OFICIAL PM OU QUALQUER OUTRO SUBORDINADO- EU MESMO JÁ DETIVE E ENCAMINHEI AO DP,UM CIDADÃO "oficial de justiça,bebendo e portando arma sem documentação,veículo sem documentação,etc, SE O JUIZ VAI "quebrar o galho dele não é problema meu A MINHA PARTE EU FIZ,SEM PREVARICAR-SIMPLES ASSIM.

    ResponderExcluir
  4. isto que a pc faz .temos que dar o troco a eles, somos mais fortes e mais inteligentes

    ResponderExcluir
  5. O Delegado informou que a arma utilizada pelo policial não tinha registro. ao meu ver se isso for verdade, ele cometeu crime previsto no estatudo do desarmamento. Agora errou o Delegado em não providênciar para o local dos fatos um outro oficial de maior patente para acompanhar o fato. É que nas faculdades infelizmente o Código Penal Militar nem passa pela grade de estudos dos bachareis o que é uma vergonha. Neste caso se realmente a arma não possuir registro trata-se de uma armanento irregular e ele responderá criminal e administrativamente sendo até expulso da corporação, mais por um devido processo legal. Precipitou-se esse delegado, pois, o militar é da ativa, portanto, deve ser tratado como militar.

    ResponderExcluir
  6. Se a arma não tem registro, tem que apreende-la sim, pois somente o fato de ser TENENTE não lhe dá o direito de andar amado.

    ResponderExcluir
  7. O Delegado de Polícia só pode apreender a arma de alguém, quando legalizada, em casos de crime. E pelo que me parece não houve crime na conduta do Oficial. Se estivesse ocorrendo alguma transgressão disciplinar, caberia ao Delegado acionar a Corregedoria, mas não apreender a arma do Oficial. Isso é abuso de autoridade.

    ResponderExcluir
  8. É por essas e outras que sou a favor da UNIFICAÇÃO, pq se fosse um AGENTE DA PC, o tratamento seria outro.
    Não precisamos de DUAS POLÍCIAS.

    ResponderExcluir
  9. Ano passado apareceu um video de um soldado sendo espancado por um tenente da pm, e não vi protestos, são um bando de covardes essa policia de goias mesmo.

    ResponderExcluir
  10. A policia Militar é cara e não presta.

    ResponderExcluir
  11. Realmente não se estuda Cod. Penal Militar na faculdade, mas se o ANTONIO CARLOS BARONI JUNIOR, tivesse estudado o curso de Direito, saberia com certeza a diferença entre Leis e Agente, só pra resaltar o agente tem que obedecer fielmente a Lei, e foi isso que o Delegado fez. Não devemos comparar, mas o TENENTE usou a patente para burlar a lei, e é isso que fazem os Criminosos.

    ResponderExcluir
  12. E ainda tem mais, ele será levado a uma delegacia pois não se trata de crime propriamente militar, e será dado a ele o direito a Ampla Defesa. No Brasil está faltando uma Agencia Nacional que cuide (fiscalise) da Policia, somente assim acabará com esses abusos.

    ResponderExcluir
  13. parabens ao delegado waldir pelomenos esses cumpre a lei e tem coragem de impor a ordem em nossa cidade q continue assim dr fazendo seu trabalho coretamente !

    ResponderExcluir
  14. Se fosse um praça será que o comando da PM de Goiás iria defendê-lo? É Claro que não, iria ficar do lado do delegado e o coitado do praça poderia até ser expulso por porte ilegal de arma. Vale lembrar que tempos atrás em Goiás um praça apanhou na cara de um tenente ditador e covarde e até hoje o comando da PM não deu uma resposta à sociedade se o tenente foi punido ou não. O corporativismo entre oficiais falam mais alto. Só falta os praças irem em defesa do tenente também, por que se fosse um praça estaria fudido.

    ResponderExcluir
  15. `Pois amigos PMs de todo o Brasil, aqui na PARAIBA mais precisamente JOÃO PESSOA, os oficiais fazem questão de autuar o Policial Militar que estiver armado sem o porte. Não se sabe de quem é a ordem dada.Eu vejo nesse Estado as Praças fazendo movimento em favor de U
    um PM, isso é que é companheirismo!!!

    ResponderExcluir
  16. O delegado só errou em não informar, convocar um oficial de maior patente para acompanhar o caso, pois portar arma de fogo, sem o devido registro, é crime com tipificação na Lei 10.826 e todos, até mesmo o delegado que fez a prisão do militar, está sujeito a essa lei. Ademais, conforme a nossa legislação, caso de crime cometido por militar, sendo ou não propriamente militar, o local de permanecer preso é o quartel e não a delegacia, assim sendo, após a lavratura de o flagrante, este deverá ser recambiado para um quartel, ficando lá sub custódia do comando da unidade, todavia, sob a responsabilidade jurídica do juiz comum...

    ResponderExcluir
  17. Só porque é um oficial, se fosse uma praça ninguém protestaria. Quantos ST's, Sgt"s, Cb"s e Sd"s já foram preso nestas circunstâncias e ninguém fez nada.

    ResponderExcluir
  18. Parabéns Doutor Delegado!!!

    ResponderExcluir
  19. questão simples. Policial militar não tem autorização para portar pistola 9mm, nem a própria corporação. Apenas Exército e Polícia Federal. Partindo disso o Tenente já estava errado. Caso ele seja colecionador ou atirador profissional, ele poderia ter uma 9mm, mas deveria possuir o certificado de registro e guia de transporte, nunca estar bebendo com ela sem o certificado de registro. A conduta do delegado foi técnica e dentro da lei. O q não se pode aceitar são as atitudes dos PMs, que devem observar a autoridade do delegado, pois são subordinados à autoridade policial.

    ResponderExcluir
  20. Isso que é Brasil polícia contra polícia, bandido mesmo ninguém prende, não é delegado pequenininho.

    ResponderExcluir
  21. Todo policial, seja civil, militar, federal, tem que ter a autorização para portar arma de fogo de calibre de uso permitido ou restrito, particular ou carga da organização, bem como o seu devido registro. Há que ser rever os comentários, haja vista não haver qualquer outra informação mais detalhada em relação ao episódio protagonizado pela PC. O fato do oficial estar armado, de folga e bebendo num bar, não caracteriza nenhuma tipificação de crime ou desvio de conduta, decoro ou pundonor, desde que o seu comportamento não tivesse afetando ou agredindo as demais pessoas presentes no recinto. Fora isso, não vejo nenhuma razão lógica que embase positivamente a atitude do comportamento operacional do referido delegado e, diga-se de passagem que, mesmo que a conduta do oficial estivesse em desacordo, o nobre colega delegado, por dever de ofício, teria de informar de imediato o comandante do referido oficial. fora isso...ABUSO DE AUTORIDADE!!! Que cumpra-se a Lei!!!

    ResponderExcluir
  22. Parabéns ao TC Anésio Barbosa! Se nós não edificarmos a nossa casa que a edificará?! Parabéns ao Cmdo Geral da PMGo.
    Um por todos e todos por um. Parabéns a toda equipe de PPMM que cercaram a Delegacia. Esse exemplo tem que ser seguido por todos, esteja o envolvido certo ou errado, temos que demonstrar solidariedade a todos os integrantes da família policial militar, não importando de qual Estado "UF" pertence. Faço votos de que o Tenente PM envolvido saia vitorioso e o delegado com rabo murcho entre as pernas.

    ResponderExcluir
  23. Tem que ser tolerância zero? então vamos começar a autuar os motoristas de viaturas da polícia civil que não usam cinto de segurança por ex.

    ResponderExcluir
  24. Acho um absurdo o que esse delegoado fez com esse oficial.É falta de lealdde, pois as duas corporações estão juntas para combater o crime. Isso só faz aumentar as rixas que já existem nessas corporações.Esse Delegado tá querendo guerra com a PM e por isso a PM tem que dar o troco. Tem muito agentes civis que cometem erros graves e no entanto não são punidos. Parabéns ao comando que deu apoio ao aficial. Nessa hora a classe tem que se unir para que fatos dessa natureza não venha mais ocorrer

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.


| Mais Acessados na Última Semana |

Justiça Militar manda PM reintegrar cabo acusado de matar atriz durante blitz em Presidente Prudente

Decisão publicada nesta quarta-feira (18) atende a um pedido de tutela de urgência feito pela defesa. Marcelo Aparecido Domingos Coelho foi demitido da corporação em abril de 2015. oi publicada nesta quarta-feira (18) no Diário da Justiça Militar a decisão do juiz substituto da 2ª Auditoria do Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo (TJM-SP), Marcos Fernando Theodoro Pinheiro, que determina a imediata reintegração de Marcelo Aparecido Domingos Coelho aos quadros da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Em abril de 2015, o então cabo da PM foi demitido pela corporação, após ser acusado no processo que envolveu a morte da atriz e produtora cultural Luana Barbosa durante uma blitz policial na Avenida Joaquim Constantino, na Vila Formosa, em Presidente Prudente.
O juiz levou em consideração a absolvição que Coelho obteve na Justiça Militar, sob o argumento de “legítima defesa” e do “estrito cumprimento do dever legal”, o que, segundo o magistrado, de certa forma, contradiz c…

GENERAL QUE COMANDA A ABIN FALA EM VAZIO DE LIDERANÇAS E ELOGIA FEITOS DA DITADURA

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional do governo Temer, Sérgio Westphalen Etchegoyen, causou incômodo em parte da comunidade diplomática durante uma palestra no Instituto Rio Branco. O general sugeriu “medidas extremas” para a segurança pública, elogiou feitos dos anos de chumbo e disse que o país sofre com amoralidade e com patrulha do “politicamente correto”.
Etchegoyen começou a fala de quase duas horas contando que tinha sido soldado por 47 anos e que era por essa ótica, militar, que enxergava e
interpretava o mundo. Depois do alerta, tentou quebrar o gelo:
“Sou da arma de cavalaria e tem um problema que a ausência do meu cavalo reduz minha capacidade intelectual em uns 45, 40 por cento”, começou general da reserva que comanda, entre outros órgãos, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin). A plateia, majoritariamente composta por futuros diplomatas, riu discretamente.
Foi um dos poucos momentos de descontração. No restante do tempo, segundo pessoas que estiveram present…

PL 920: uma bomba atômica no funcionalismo público que Alckmin quer ver aprovado a todo custo.

O governador Geraldo Alckmin protocolou na quinta-feira, 5/10, o Projeto de Lei 920/2017, que representa uma verdadeira bomba atômica no Estado de São Paulo, sobretudo um verdadeiro ataque aos servidores estaduais e à prestação de serviços públicos. Publicado no Diário Oficial já no dia seguinte, o PL formaliza a renegociação da dívida de São Paulo com a União, ampliando o prazo de pagamento.
            Em contrapartida, o Estado se compromete a cumprir as exigências do governo federal, que impõe um verdadeiro arrocho salarial sobre os servidores públicos. Essa cruel punição aos servidores foi aprovada no ano passado pelo Congresso Nacional. Seu embrião foi o PLP 257, apresentado pela presidente Dilma, que depois foi maquiado pelo governo Temer e transformado na Lei Complementar federal 156/2016.
            Se o PL 920 for aprovado – e espero que não seja –, haverá um congelamento não só de salários, mas também da evolução funcional de todos os servidores estaduais, ficando suspens…

Alckmin propõe reajuste de 7% para policiais

ATENÇÃO- ATENÇÃO ESTA NOTÍCIA É DO ANO DE 2013 E ESTA CIRCULANDO NAS REDES SOCIAIS COMO SENDO ATUAL

O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta sexta-feira, 13, o envio à Assembleia Legislativa de um projeto de lei que concede aumento salarial de 7% para os membros da Polícia Militar, da Polícia Civil e da Polícia Técnico-Científica. O reajuste também será estendido aos agentes penitenciários. Aposentados e pensionistas das quatro categorias também terão o mesmo benefício. No total, serão beneficiados 172 mil policiais militares, 53 mil policiais civis e 33 mil agentes penitenciários. O custo para o Tesouro do Estado será de R$ 983 milhões por ano. Esta é a terceira vez que o governador Alckmin concede aumento salarial acima da inflação do período. Desde o último reajuste, o índice oficial de inflação acumulada é 5,66%. Em outubro de 2011, os policiais tiveram 15% de aumento retroativo a julho de 2011. Em agosto de 2012, o aumento foi de 11%. Com a nova proposta, o reajus…

Policial civil morto em mega-assalto a empresa de valores é enterrado

Vítima foi morta a tiros durante ação dos criminosos que explodiram sede da Protege em Araçatuba (SP). Policial estava de folga. O corpo do policial civil André Luís Ferro da Silva, morto durante o mega-assalto a empresa Protege em Araçatuba (SP) nesta segunda-feira (16), foi enterrado na manhã desta terça-feira (17) em um cemitério particular da cidade. Ferro tinha 37 anos e foi baleado durante a ação. Ele foi socorrido com vida, mas morreu durante atendimento na Santa Casa. Silva era investigador e integrante do Grupo de Operações Especiais (GOE), e deixou filhos e a esposa.
O velório da vítima foi feito em um salão de uma funerária em Araçatuba e, do local, o caixão seguiu em um caminhão do Corpo de Bombeiros em cortejo com viaturas das polícias Militar e Civil até o cemitério. Segundo a Polícia Militar, o policial civil estava de folga do serviço e foi ao local para ver o que acontecia após ser chamado pelos pais, que moram perto da sede da Protege.
O grupo criminoso, cerca de 40 la…