Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Soldado do Exército é detido por desacato durante briga generalizada

Confusão iniciou dentro de uma danceteria e fechou com 4 presos.
Soldado tentou interferir no atendimento da ocorrência, segundo a PM.
Um soldado do Exército, segundo a Polícia Civil, foi detido após tentar interferir em uma briga, que começou dentro do El Divino, danceteria que fica no centro de Florianópolis, e continuou no lado de fora. O caso aconteceu na madrugada desta quinta-feira (4). Outras três pessoas foram detidas por terem se envolvido em uma briga, que resultou em dois feridos e um carro deprededo. O local foi fechado às 3h pela PM, para conter as brigas generalizadas que ocorriam dentro e fira do estabelecimento.
De acordo com a Polícia Militar, o soldado do Exército desacatou os policiais que atendiam à ocorrência. O comandante do 4º Batalhão de Polícia Militar, tenente-coronel Araújo Gomes, explicou que depois de receber a ordem de se retirar, o rapaz passou a ofender os policiais e proferir xingamentos. Ele foi encaminhado para a Delegacia e depois entregue ao oficial de dia da autoridade militar.
No local, outras três pessoas foram detidas por se envolveram em uma briga na boate. O tenente-coronel Araújo Gomes comentou que ocorreu um tumulto generalizado dentro da danceteria, por volta das 2h30 desta quinta-feira (4), durante um baile funk. Algumas pessoas foram expulsas pelos seguranças, mas continuaram os confrontos do lado de fora. Por causa desta situação, a PM exigiu o fechamento do estabelecimento, às 3h, mas as pessoas só esvaziaram completamente o local por volta das 5h.
De acordo com assessora de imprensa e gerente de comunicação do El Divino, Giuliana Korzenowski, não houve um pedido para o fechamento da casa, que funcionou até o horário normal, às 5h. Segundo ela, a briga começou entre duas pessoas no camarote. "Os seguranças, em um procedimento normal, colocaram os dois para fora na boate. Na rua, já havia dois carros da polícia e policiais, que pediram reforço e, como ninguém vai à festa sozinho, os amigos dos dois se envolveram na briga", explicou ela. Além disso, conforme a assessora, a festa não era um baile funk. "Na quarta-feira a casa tem uma festa que traz música eletrônica e também outros ritmos, inclusive funk. Na quinta-feira também ocorre isso, atendendo a uma tendência mundial, que são festas com diferentes tipos de música. Nesta quinta (4), a casa reabre normalmente, às 19h", afirmou.    
Em uma das brigas, um carro foi depredado. O caso aconteceu depois que um jovem se envolver em um confronto na parte interna da danceteria e ser expulso pelos seguranças. Do lado de fora, amigos do outro jovem que brigou com ele o receberam a pancadas. Ele foi agredido com uma barra de ferro e espancado. Em seguida, os agressores viram o carro do amigo da vítima e passaram a danificar o automóvel, com uma barra de ferro. Três pessoas foram detidas e encaminhadas para a Central de Polícia.
Do G1 SC

Comentários

  1. o soldadoestava em condicoes fisicas para ajudar pois a segurança nao acabou com a brigae na briga usa-se vidros cadeiras e acerta os outroso soldadosabendo da lotaçao viu que as pessoas poderiam ser pisoteadasnaosendo um desacato e os civis nao detiveram os agressores levandoa extensao do fato

    ResponderExcluir
  2. Um militar em um baile Funk, é o fim da picada! Pede para sair!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …