Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Socorro a vítimas de crimes abre crise na cúpula da polícia de SP


A prática de proibir civis de socorrer vítimas da violência nas ruas, adotada por policiais militares, abriu uma crise na cúpula da Secretaria da Segurança Pública de São Paulo.
O Comando da PM, que defendia a proibição do socorro a vítimas por parte de moradores, foi desautorizado ontem pelo governo.
A cúpula da secretaria afirmou que os policiais não podem proibir que familiares ou vizinhos socorram um ferido de assalto, por exemplo, o que contraria posicionamento oficial por parte da PM.
Resolução do governo publicada em janeiro pelo secretário da Segurança, Fernando Grella, proíbe os policiais de levar vítimas de violência para hospitais. A ordem é para que eles acionem unidades especializadas, como Samu, e preservem o local do crime.
A PM entendia que a proibição também valia para quem não é policial.
"Os policiais militares não podem autorizar a condução ao hospital por conhecidos ou mesmo familiares", disse a PM em nota enviada à Folha na sexta-feira.
BRASILÂNDIA
A corporação usou a nota para justificar a ação de PMs que tentaram impedir que moradores da Brasilândia (zona norte) socorressem oito jovens baleados por criminosos na quarta passada.
Na ação, segundo moradores, os PMs ficaram parados observando as vítimas, com idades entre 14 e 20 anos, agonizando.
Na ocasião, vizinhos entraram em confronto com os policiais para levar os baleados ao hospital. Dois feridos que aguardavam resgate morreram.
"A resolução [...] é clara na preocupação de que o socorro seja o adequado", finalizava a nota da PM.
Anteontem, porém, em resposta à Folha, a Secretaria da Segurança disse que a interpretação da PM estava equivocada.
"A resolução também não proíbe civis ou familiares de vítimas transportar feridos."
Procurada novamente, a PM mudou de posicionamento. Disse que a interpretação dos policiais foi equivocada "e por isso uma sindicância havia sido aberta". A corporação ressaltou, porém, que foi a própria secretaria que avalizou a nota enviada à Folha na sexta-feira.
A secretaria não fez comentários sobre essa afirmação.
Desde fevereiro, a Promotoria, com base em informações do Samu, recomenda a Grella mudanças na resolução e melhor orientação aos policiais sobre a norma. Grella, no entanto, disse à Promotoria que a PM estava bem orientada e que não precisava mudar a resolução.
Folha de São Paulo

Comentários

  1. A ordem é clara, qualquer um pode socorrer, menos os PM!

    ResponderExcluir
  2. A ordem é clara, qualquer um pode socorrer menos o PM!

    ResponderExcluir
  3. Isso já era público e notório. O governador e secretário legislam sobre algo que contraria leis e quando a bomba estoura, não são homens suficientes para assumir a responsabilidade e jogam a culpa naqueles que estão nas ruas trabalhando. Se houvesse o socorro por parte dos parentes da vitimas e essas viessem a falecer, com toda certeza o secretario de (in)Segurança Pública estaria da mesma forma acusando os policiais. O que o MP deve é entrar com ação na justiça para revogar a Resolução do Pinochio e desse secretario que ao que parece nada entende de serviço policial nas ruas.

    ResponderExcluir
  4. Ninguém assume nada e o pobre coitado do PM que atendeu a ocorrência ainda vai ser punido, parem de trabalhar.

    ResponderExcluir
  5. Quer dizer que, a população pode prejudicar a área de crime ao prestar o devido socorro, porem , a PM não? Que loucura! Pode então o PM permitir o prejuízo do local de crime? Essas diretrizes estão até mesmos se conflitando com as ICC (Instrução Continuada do Comando)que são irradiadas aos PM em preleção.

    ResponderExcluir
  6. O braço forte do governo? Não sei não, parece mais outra parte, aquela que só leva ferro!

    ResponderExcluir
  7. A VERDADE É UMA SÓ É IGUAL A DETENÇÃO OS LIXOS DAO ORDEM PARA INVADIR E DEPOIS SAEM IGUAL CACHORROS COM MEDO DE AÇÃO, O TAL DO GRELLA EO PINÓQUIO ESTAO NO MESMO MOLDE, SAO COVARDES E NAO ASSUMEM O QUE FIZERAM, E ESTAO MAU ASSESSORADOS E NAO ENTENDEM NADA DE POLICIA, ELES MEXEM COM SENTIMENTOS E NAO COM RAZÕES, SAO INCOMPETENTES NO TRATO POLICIAL, QUE LIXO!!!!

    ResponderExcluir
  8. Isso demonstra os demandos de um Governo incompetente, acrescidos aos "auxiliares" que deixam de lado questões legais, portanto, legítimas, para determinar por meio de Resoluções comportamentos que ferem integralmente o direito à vida, garntido de forma constitucional. O Senhor Secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo é Promotor de Justiça, entretanto, se vendeu à um Governo a tal ponto de determinar tal excremência jurídica. É um problema quando as decisões do alto escalão são tomadas no interese da política, apenas e tão somente, desprezando por completo o interesse público da sociedade. Nós, o Povo do Estado de São Paulo, por conta da política inescrupulosa estamos largados à própria sorte, sem comando, sem orientação, sem direção, sem esperança, enfim, e isto nos basta, com DEUS no coração!!!!!!!!!!! Lamentável esta falta de capacidade na gestão da coisa pública!

    ResponderExcluir
  9. é uma aberração essa resolução que foi editada para cumprir legislaçao federal da secretaria de direitos humanos que elaborada para não deixar os policiais trabalhar, então o governo de sao paulo, baixou a resolução. aí vem a contradição, pois como o policial vai preservar o local se as pessoas ja estiveram mexendo com as provas. outra coisa! essa resolução é só para PM? agora todo mundo tira o corpo fora e a corda vai estourar no mais fraco, como sempre. nos bons tempos de policia, esse tipo de coisa não acontecia, o policial tinha respaldo para trabalhar. o aumento da criminalidade é em decorrencia dessas pequenas coisas que vai acabando com o animo da tropa trabalhar. se não mudar, vai ficar ipor do que está.

    ResponderExcluir
  10. já foi dito varias vezes mais tem PM que ainda não aprendeu, é só arroz com feijão, parem de inventar, ocorrência de vulto , redonda, é promoção para o oficial, houve alguma duvida, cadeia e exoneração do praça, oficial errou, transferência e promoção, praça errou, transferência e cadeia, praça ganha medalha, oficial medalha e promoção, praça comanda destacamento, responsabilidade e cadeia, oficial ganha porcentagem nos vencimentos, adivinha se não vai sobrar para os praças, o governo pouco tá se linchando para os praças, é só não inventar, patrulhamento ostensivo, preventivo e sem novidades, término do turno de serviço saída para o emprego, o bicão.

    ResponderExcluir
  11. O foco da resolução é a preservação do local de crime, pois a justificativa é que o socorro inadequado por parte da PM, além de agravar o quadro da vítima também prejudicava o processo, já que a prova no local seria prejudicada. Autorizar agora os parentes em socorrer, é no mínimo estranho, haja vista que o policial é responsável pela preservação do local de crime, e o aguardo do socorro faz parte deste cenário.

    ResponderExcluir
  12. Primeiro: A POLICIA NÃO PODE SOCORRER OS FERIDOS...

    Depois: NÃO, PODE ATÉ PODE, DEPENDE DO CASO, NÃO ESTAMOS DIZENDO QUE PODEM OU QUE NÃO PODEM.....

    Mais depois ainda; NÃO OS MILICOS NÃO PODEM, MAS OS PAISANOS PODEM, QUALQUER PAISANO, INCLUSIVE AQUELE QUE TENTOU MATAR O PAISANO QUE ESTA AGONIZANDO A ESPERA DE SOCORRO...

    MEU DEUS...QUE LOUCURA....SERIA CÔMICO SE NÃO FOSSE TRÁGICO...O ULTIMO APAGA A LUZ!!!!

    ResponderExcluir
  13. Essa postura é discriminatória e vexatória para os policiais militares e enseja ação judicial, pelas associaçãoes de classe dos pms, por assédio moral. Deve-se requerer indenização por danos morais em cada caso concreto em que o assédio ocorrer.
    Estão enterrando as esperanças do povo paulista de ter uma polícia mais motivada. Faltam especialistas nessa área de motivação nos comandos para propiciar estímulos aos pms.
    Desse jeito humilhante em que a coisa esiá posta a desmoralização e desmotivação resualtantes disso já estão em curso. Abram os olhos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.


| Mais Acessados na Última Semana |

Justiça Militar manda PM reintegrar cabo acusado de matar atriz durante blitz em Presidente Prudente

Decisão publicada nesta quarta-feira (18) atende a um pedido de tutela de urgência feito pela defesa. Marcelo Aparecido Domingos Coelho foi demitido da corporação em abril de 2015. oi publicada nesta quarta-feira (18) no Diário da Justiça Militar a decisão do juiz substituto da 2ª Auditoria do Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo (TJM-SP), Marcos Fernando Theodoro Pinheiro, que determina a imediata reintegração de Marcelo Aparecido Domingos Coelho aos quadros da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Em abril de 2015, o então cabo da PM foi demitido pela corporação, após ser acusado no processo que envolveu a morte da atriz e produtora cultural Luana Barbosa durante uma blitz policial na Avenida Joaquim Constantino, na Vila Formosa, em Presidente Prudente.
O juiz levou em consideração a absolvição que Coelho obteve na Justiça Militar, sob o argumento de “legítima defesa” e do “estrito cumprimento do dever legal”, o que, segundo o magistrado, de certa forma, contradiz c…

PL 920: uma bomba atômica no funcionalismo público que Alckmin quer ver aprovado a todo custo.

O governador Geraldo Alckmin protocolou na quinta-feira, 5/10, o Projeto de Lei 920/2017, que representa uma verdadeira bomba atômica no Estado de São Paulo, sobretudo um verdadeiro ataque aos servidores estaduais e à prestação de serviços públicos. Publicado no Diário Oficial já no dia seguinte, o PL formaliza a renegociação da dívida de São Paulo com a União, ampliando o prazo de pagamento.
            Em contrapartida, o Estado se compromete a cumprir as exigências do governo federal, que impõe um verdadeiro arrocho salarial sobre os servidores públicos. Essa cruel punição aos servidores foi aprovada no ano passado pelo Congresso Nacional. Seu embrião foi o PLP 257, apresentado pela presidente Dilma, que depois foi maquiado pelo governo Temer e transformado na Lei Complementar federal 156/2016.
            Se o PL 920 for aprovado – e espero que não seja –, haverá um congelamento não só de salários, mas também da evolução funcional de todos os servidores estaduais, ficando suspens…

GENERAL QUE COMANDA A ABIN FALA EM VAZIO DE LIDERANÇAS E ELOGIA FEITOS DA DITADURA

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional do governo Temer, Sérgio Westphalen Etchegoyen, causou incômodo em parte da comunidade diplomática durante uma palestra no Instituto Rio Branco. O general sugeriu “medidas extremas” para a segurança pública, elogiou feitos dos anos de chumbo e disse que o país sofre com amoralidade e com patrulha do “politicamente correto”.
Etchegoyen começou a fala de quase duas horas contando que tinha sido soldado por 47 anos e que era por essa ótica, militar, que enxergava e
interpretava o mundo. Depois do alerta, tentou quebrar o gelo:
“Sou da arma de cavalaria e tem um problema que a ausência do meu cavalo reduz minha capacidade intelectual em uns 45, 40 por cento”, começou general da reserva que comanda, entre outros órgãos, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin). A plateia, majoritariamente composta por futuros diplomatas, riu discretamente.
Foi um dos poucos momentos de descontração. No restante do tempo, segundo pessoas que estiveram present…

Alckmin propõe reajuste de 7% para policiais

ATENÇÃO- ATENÇÃO ESTA NOTÍCIA É DO ANO DE 2013 E ESTA CIRCULANDO NAS REDES SOCIAIS COMO SENDO ATUAL

O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta sexta-feira, 13, o envio à Assembleia Legislativa de um projeto de lei que concede aumento salarial de 7% para os membros da Polícia Militar, da Polícia Civil e da Polícia Técnico-Científica. O reajuste também será estendido aos agentes penitenciários. Aposentados e pensionistas das quatro categorias também terão o mesmo benefício. No total, serão beneficiados 172 mil policiais militares, 53 mil policiais civis e 33 mil agentes penitenciários. O custo para o Tesouro do Estado será de R$ 983 milhões por ano. Esta é a terceira vez que o governador Alckmin concede aumento salarial acima da inflação do período. Desde o último reajuste, o índice oficial de inflação acumulada é 5,66%. Em outubro de 2011, os policiais tiveram 15% de aumento retroativo a julho de 2011. Em agosto de 2012, o aumento foi de 11%. Com a nova proposta, o reajus…

Policial civil morto em mega-assalto a empresa de valores é enterrado

Vítima foi morta a tiros durante ação dos criminosos que explodiram sede da Protege em Araçatuba (SP). Policial estava de folga. O corpo do policial civil André Luís Ferro da Silva, morto durante o mega-assalto a empresa Protege em Araçatuba (SP) nesta segunda-feira (16), foi enterrado na manhã desta terça-feira (17) em um cemitério particular da cidade. Ferro tinha 37 anos e foi baleado durante a ação. Ele foi socorrido com vida, mas morreu durante atendimento na Santa Casa. Silva era investigador e integrante do Grupo de Operações Especiais (GOE), e deixou filhos e a esposa.
O velório da vítima foi feito em um salão de uma funerária em Araçatuba e, do local, o caixão seguiu em um caminhão do Corpo de Bombeiros em cortejo com viaturas das polícias Militar e Civil até o cemitério. Segundo a Polícia Militar, o policial civil estava de folga do serviço e foi ao local para ver o que acontecia após ser chamado pelos pais, que moram perto da sede da Protege.
O grupo criminoso, cerca de 40 la…