Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Socorro a vítimas de crimes abre crise na cúpula da polícia de SP


A prática de proibir civis de socorrer vítimas da violência nas ruas, adotada por policiais militares, abriu uma crise na cúpula da Secretaria da Segurança Pública de São Paulo.
O Comando da PM, que defendia a proibição do socorro a vítimas por parte de moradores, foi desautorizado ontem pelo governo.
A cúpula da secretaria afirmou que os policiais não podem proibir que familiares ou vizinhos socorram um ferido de assalto, por exemplo, o que contraria posicionamento oficial por parte da PM.
Resolução do governo publicada em janeiro pelo secretário da Segurança, Fernando Grella, proíbe os policiais de levar vítimas de violência para hospitais. A ordem é para que eles acionem unidades especializadas, como Samu, e preservem o local do crime.
A PM entendia que a proibição também valia para quem não é policial.
"Os policiais militares não podem autorizar a condução ao hospital por conhecidos ou mesmo familiares", disse a PM em nota enviada à Folha na sexta-feira.
BRASILÂNDIA
A corporação usou a nota para justificar a ação de PMs que tentaram impedir que moradores da Brasilândia (zona norte) socorressem oito jovens baleados por criminosos na quarta passada.
Na ação, segundo moradores, os PMs ficaram parados observando as vítimas, com idades entre 14 e 20 anos, agonizando.
Na ocasião, vizinhos entraram em confronto com os policiais para levar os baleados ao hospital. Dois feridos que aguardavam resgate morreram.
"A resolução [...] é clara na preocupação de que o socorro seja o adequado", finalizava a nota da PM.
Anteontem, porém, em resposta à Folha, a Secretaria da Segurança disse que a interpretação da PM estava equivocada.
"A resolução também não proíbe civis ou familiares de vítimas transportar feridos."
Procurada novamente, a PM mudou de posicionamento. Disse que a interpretação dos policiais foi equivocada "e por isso uma sindicância havia sido aberta". A corporação ressaltou, porém, que foi a própria secretaria que avalizou a nota enviada à Folha na sexta-feira.
A secretaria não fez comentários sobre essa afirmação.
Desde fevereiro, a Promotoria, com base em informações do Samu, recomenda a Grella mudanças na resolução e melhor orientação aos policiais sobre a norma. Grella, no entanto, disse à Promotoria que a PM estava bem orientada e que não precisava mudar a resolução.
Folha de São Paulo

Comentários

  1. A ordem é clara, qualquer um pode socorrer, menos os PM!

    ResponderExcluir
  2. A ordem é clara, qualquer um pode socorrer menos o PM!

    ResponderExcluir
  3. Isso já era público e notório. O governador e secretário legislam sobre algo que contraria leis e quando a bomba estoura, não são homens suficientes para assumir a responsabilidade e jogam a culpa naqueles que estão nas ruas trabalhando. Se houvesse o socorro por parte dos parentes da vitimas e essas viessem a falecer, com toda certeza o secretario de (in)Segurança Pública estaria da mesma forma acusando os policiais. O que o MP deve é entrar com ação na justiça para revogar a Resolução do Pinochio e desse secretario que ao que parece nada entende de serviço policial nas ruas.

    ResponderExcluir
  4. Ninguém assume nada e o pobre coitado do PM que atendeu a ocorrência ainda vai ser punido, parem de trabalhar.

    ResponderExcluir
  5. Quer dizer que, a população pode prejudicar a área de crime ao prestar o devido socorro, porem , a PM não? Que loucura! Pode então o PM permitir o prejuízo do local de crime? Essas diretrizes estão até mesmos se conflitando com as ICC (Instrução Continuada do Comando)que são irradiadas aos PM em preleção.

    ResponderExcluir
  6. O braço forte do governo? Não sei não, parece mais outra parte, aquela que só leva ferro!

    ResponderExcluir
  7. A VERDADE É UMA SÓ É IGUAL A DETENÇÃO OS LIXOS DAO ORDEM PARA INVADIR E DEPOIS SAEM IGUAL CACHORROS COM MEDO DE AÇÃO, O TAL DO GRELLA EO PINÓQUIO ESTAO NO MESMO MOLDE, SAO COVARDES E NAO ASSUMEM O QUE FIZERAM, E ESTAO MAU ASSESSORADOS E NAO ENTENDEM NADA DE POLICIA, ELES MEXEM COM SENTIMENTOS E NAO COM RAZÕES, SAO INCOMPETENTES NO TRATO POLICIAL, QUE LIXO!!!!

    ResponderExcluir
  8. Isso demonstra os demandos de um Governo incompetente, acrescidos aos "auxiliares" que deixam de lado questões legais, portanto, legítimas, para determinar por meio de Resoluções comportamentos que ferem integralmente o direito à vida, garntido de forma constitucional. O Senhor Secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo é Promotor de Justiça, entretanto, se vendeu à um Governo a tal ponto de determinar tal excremência jurídica. É um problema quando as decisões do alto escalão são tomadas no interese da política, apenas e tão somente, desprezando por completo o interesse público da sociedade. Nós, o Povo do Estado de São Paulo, por conta da política inescrupulosa estamos largados à própria sorte, sem comando, sem orientação, sem direção, sem esperança, enfim, e isto nos basta, com DEUS no coração!!!!!!!!!!! Lamentável esta falta de capacidade na gestão da coisa pública!

    ResponderExcluir
  9. é uma aberração essa resolução que foi editada para cumprir legislaçao federal da secretaria de direitos humanos que elaborada para não deixar os policiais trabalhar, então o governo de sao paulo, baixou a resolução. aí vem a contradição, pois como o policial vai preservar o local se as pessoas ja estiveram mexendo com as provas. outra coisa! essa resolução é só para PM? agora todo mundo tira o corpo fora e a corda vai estourar no mais fraco, como sempre. nos bons tempos de policia, esse tipo de coisa não acontecia, o policial tinha respaldo para trabalhar. o aumento da criminalidade é em decorrencia dessas pequenas coisas que vai acabando com o animo da tropa trabalhar. se não mudar, vai ficar ipor do que está.

    ResponderExcluir
  10. já foi dito varias vezes mais tem PM que ainda não aprendeu, é só arroz com feijão, parem de inventar, ocorrência de vulto , redonda, é promoção para o oficial, houve alguma duvida, cadeia e exoneração do praça, oficial errou, transferência e promoção, praça errou, transferência e cadeia, praça ganha medalha, oficial medalha e promoção, praça comanda destacamento, responsabilidade e cadeia, oficial ganha porcentagem nos vencimentos, adivinha se não vai sobrar para os praças, o governo pouco tá se linchando para os praças, é só não inventar, patrulhamento ostensivo, preventivo e sem novidades, término do turno de serviço saída para o emprego, o bicão.

    ResponderExcluir
  11. O foco da resolução é a preservação do local de crime, pois a justificativa é que o socorro inadequado por parte da PM, além de agravar o quadro da vítima também prejudicava o processo, já que a prova no local seria prejudicada. Autorizar agora os parentes em socorrer, é no mínimo estranho, haja vista que o policial é responsável pela preservação do local de crime, e o aguardo do socorro faz parte deste cenário.

    ResponderExcluir
  12. Primeiro: A POLICIA NÃO PODE SOCORRER OS FERIDOS...

    Depois: NÃO, PODE ATÉ PODE, DEPENDE DO CASO, NÃO ESTAMOS DIZENDO QUE PODEM OU QUE NÃO PODEM.....

    Mais depois ainda; NÃO OS MILICOS NÃO PODEM, MAS OS PAISANOS PODEM, QUALQUER PAISANO, INCLUSIVE AQUELE QUE TENTOU MATAR O PAISANO QUE ESTA AGONIZANDO A ESPERA DE SOCORRO...

    MEU DEUS...QUE LOUCURA....SERIA CÔMICO SE NÃO FOSSE TRÁGICO...O ULTIMO APAGA A LUZ!!!!

    ResponderExcluir
  13. Essa postura é discriminatória e vexatória para os policiais militares e enseja ação judicial, pelas associaçãoes de classe dos pms, por assédio moral. Deve-se requerer indenização por danos morais em cada caso concreto em que o assédio ocorrer.
    Estão enterrando as esperanças do povo paulista de ter uma polícia mais motivada. Faltam especialistas nessa área de motivação nos comandos para propiciar estímulos aos pms.
    Desse jeito humilhante em que a coisa esiá posta a desmoralização e desmotivação resualtantes disso já estão em curso. Abram os olhos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.


| Mais Acessados na Última Semana |

Morre segundo policial militar atingido por tiro de fuzil em Pompéu

Cabo Lucas Reis Rosa foi internado e teve braço amputado após confronto com criminosos que explodiram uma agência bancária. Outro policial e um entregador também foram mortos. A Polícia Militar (PM) confirmou, na manhã desta sexta-feira (8), a morte do cabo Lucas Reis Rosa. Ele estava internado desde a madrugada de terça-feira (5) quando foi atingido por um tiro de fuzil durante confronto com criminosos que explodiram uma agência bancária em Pompéu. Segundo a Polícia Militar, o óbito foi constatado as 9h50 desta sexta. Em nota, a PM informou que o cabo teve reações inflamatórias graves, pós-cirúrgicas ao trauma. Na quarta-feira (6), Lucas Reis passou por duas cirurgias, uma delas foi para a amputação total do braço direito. “Estamos entrando em contato com a família para dar o devido apoio e verificar questões relacionadas a local e horário do velório e enterro”, informou o comandante da 7ª Região da Polícia Militar, coronel Helbert Willian Carvalhaes. Confronto Na madrugada de terça…

Policial militar é sequestrado e assassinado a tiros em Paulista

Um policial militar foi assassinado com nove tiros, na Estrada do Pica-Pau, em Paulista, na Região Metropolitana do Recife. A vítima foi identificada como Lindembergue Gomes da Silva, de 53 anos, foi encontrado ás margens da estrada, em Paratibe. De acordo com os peritos do instituto de Criminalidade (IC), ele foi atingido por um tiro no rosto e os outros nas costas. Os peritos acreditam que o PM pode ter sido morto com a própria arma.
Segundo a polícia, o militar, que atuava como comerciante, teria sido levado da casa dele, no bairro da Mirueira, por dois homens. Ele teria sido levado para o local do crime no próprio carro, uma caminhonete, que foi abandonada em Abreu e Lima. Nenhum pertence da vitima foi encontrado. A policia recebeu a informação de que o PM reformado era agiota, o que pode ter motivado o assassinato.

Fonte: Tv jornal uol

Brasil dobra número de presos em 11 anos, diz levantamento; de 726 mil detentos, 40% não foram julgados

Estudo divulgado pelo Ministério da Justiça é de junho de 2016. País é o terceiro do mundo em número de detentos. Estado com maior superlotação é o Amazonas (cinco presos por vaga). Uma nova edição do Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen) divulgada nesta sexta-feira (8) pelo Ministério da Justiça informa que, em junho de 2016, a população carcerária do Brasil atingiu a marca de 726,7 mil presos, mais que o dobro de 2005, quando o estudo começou a ser realizado. Naquele ano, o Brasil tinha 361,4 mil presos, de acordo com o levantamento. Esses 726 mil presos ocupam 368 mil vagas, média de dois presos por vaga (leia mais abaixo sobre superlotação). "Houve um pequeno acréscimo de unidades prisionais a partir de 2014, muito embora não seja o suficiente para abrigar a massa carcerária que vem aumentando no Brasil. Então, o que nos temos, é um aumento da população carcerária e, praticamente, uma estabilidade no que se refere à oferta de vagas e oferta de estabel…

AFAM: NOVIDADES SOBRE AÇÃO JUDICIAL DA INCORPORAÇÃO DE 100% DO ALE NOS VENCIMENTOS DOS POLICIAIS E BOMBEIROS DE SÃO PAULO

Agora já são em número de 05 as Câmaras de Direito Público a adotar esse entendimento. Novas e recentes decisões do Tribunal de Justiça de São Paulo, em Mandados de Segurança individuais, têm confirmado o entendimento de que a incorporação total do ALE ao Salário-Base (Padrão) é direito de todos os policiais militares. Em Acórdão de 11 de março de 2013, relativo à Apelação/Reexame Necessário nº. 0029083-82.2012.8.26.0053, assim se manifestou a 6 ª. Câmara de Direito Público do TJ/SP: “Assim, no caso do impetrante, policial em atividade, quinquênios, sexta-parte e RETP incidem sobre as vantagens efetivamente incorporadas, dentre as quais, a partir da LC nº 1.114/10, o ALE”.... http://www.afam.com.br/
Veja abaixo todas as novidades:






REVOLTA DA ASSOCIAÇÃO DOS CABOS E SOLDADOS DA PMESP COM GOVERNO ALCKMIN

A Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar do Estado de São Paulo luta contra uma mentira da Procuradoria Geral do Estado; e, infelizmente, endossada pelo Governador do Estado. Ocorre que a Procuradoria, por meio da suspensão da Tutela Antecipada nº 678 junto ao Supremo Tribunal Federal fez constar em sua petição o valor aproximado de R$ 1,5 bilhão. Em síntese, disse ao Presidente do STF, Exmo. Senhor Ministro Ayres Britto que o custo criaria uma lesão ao erário público, assim, permitiu suprimir verbas alimentares de Policiais Militares. Neste sentido, passamos a conhecer melhor o Governo Geraldo Alckmin.
O Governo do Estado tinha conhecimento que o Policial Militar recebia o recálculo retroativo a novembro de 2010 por intermédio de uma ação judicial; e que nunca se tratou de uma tutela antecipada mas sim, de cumprimento provisório de sentença, iniciado após o Tribunal de Justiça de São Paulo, na 2ª Instância, ter garantido a fórmula correta de cálculo da verba aos Policiais…