Pular para o conteúdo principal

Rádio PolicialBR 24 horas com você. Notícias e entretenimento.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Retratos de Polícia As polícias no Brasil

Polícia no Brasil é um tema delicado. Não se aceita uma polícia militar que possa se submeter ao Exército, como manda a lei, nem se convence de que uma Polícia Civil seria suficientemente capaz de manter a ordem e cumprir a lei sem a austeridade militar. Assim, melhor é não tratar do assunto em público. Desta forma, o assunto mantém-se latente no Congresso sem que haja uma decisão. Isto, sem falar no loby das instituições.
Grande equivoco é pensar que polícia brasileira se resume a isto. Não é. Examinando o artigo 144 da Constituição Federal descobriremos que a Segurança Pública do país está entregue, primeiramente, nas mãos das polícias Federal, Rodoviária Federal e Ferroviária Federal. Esta última, agonizando juntamente com o que resta de ferrovias nacionais, um folclore quase, conta com menos de 1.200 integrantes. Já a Polícia Rodoviária Federal, especializada como o nome já diz no patrulhamento, tenta afirmar-se como polícia, condição que conquistou a partir de 88, fazendo um policiamento ostensivo preventivo. Isto, lhe perturba a identidade, pois não sendo militar, usa uniforme e atua como o que seria, no Brasil, uma instituição militar. Trata-se de situação cultural, não factual. Já a Polícia Federal, esta sim, a verdadeira policia Brasileira, tem alcance nacional, não se uniformiza totalmente mas tem a seu carga a ação preventiva e repressiva dos chamados crimes federais ou crimes que ofendem ao País, tais como o contrabando, o descaminho, etc. Estas duas polícias são realmente importantes para o povo do ponto de vista que, militares ou não, fazem o que precisam fazer na esfera de sua atuação. Contudo, por ser alçada à condição de policia recentemente, criou-se uma crise velada entre as duas no âmbito do ministério da Justiça que, de certa forma traz benefícios. Há uma concorrência salutar por resultados. De onde vem então o foco nas polícias estaduais? Vêm do fato de que estas polícias tratam do crime miúdo, o varejo do crime, aquele que ocorre dia a dia nas cidades e acomete o cidadão comum.
Neste contexto estadual existem, como dito, duas polícias que atuam complementarmente. Trata-se das polícias Militar e Civil. À primeira cabe o Policiamento Ostensivo Preventivo, isto é, o policiamento fardado, em viatura caracterizada, que se destina à prevenção do crime. Já à Polícia Civil incumbe o papel de Polícia Judiciária ou seja, a aplicação da lei que nada mais é que a investigação criminal, o que ocorre posteriormente ao fato delituoso. Isto quer dizer que, a Polícia Militar patrulha e previne o crime mas quando o crime acontece cabe à Polícia Civil registrar e investigar o crime. Como esta polícia não dispõe de efetivo compatível, e nunca terá como não o tem polícia nenhuma do mundo, então a PM atende a ocorrência e a encaminha ao delegado que investigará ou não conforme diferentes variáveis.
Importa saber que a manutenção da ordem ou ação preventiva pertence à PM e ação investigativa ou repressiva cabe à PC. Via de regra esta convivência é harmoniosa, mais por pessoas que por funções, mas não é raro que haja desacordo entre os integrantes das duas corporações que se culpam mutuamente pelos desvãos da criminalidade.
Tudo parece teoricamente perfeito, mas não é o que se percebe no sentimento coletivo da Nação. A segurança degenera apesar das soluções apontadas. Muitos especialistas em segurança pública, cuja especialização não se sabe bem de onde vem, apresentam pareceres sobre o assunto. Discute-se calorosamente, mas tudo parece continuar como antes. Não se avança, a não ser nas estatísticas que, salvo raras exceções, parecem piorar. Onde está a falha então? Na quantidade de polícia é certo que não pois, como vimos em textos pretéritos, países com bons resultados na segurança tem tantas ou até mais policias que nós. É preciso refletir e este é o nosso objetivo: fazer pensar.
Há um novo elemento neste cenário que vem crescendo. São as guardas municipais. Mas delas, falo depois.

(Coronel Avelar Lopes de Viveiros, comandante – Academia da Policia Militar)

Comentários

  1. O que ocorre é que segurança pública não se resume apenas em polícia e policiamento a "máquina" chamada segurança pública é composta de algumas engrenagens e assim se uma falha as outras não podem trabalhar direito. É necessário termos uma polícia só, desmilitarizada e cidadã, é preciso reformas profundas no judiciário e no sistema penitenciário. Nosso código penal e processo penal estão desatualizados, é preciso revê-los também. Sem reformas profundas nas polícias, judiciário e sistema penitenciário nada vai adiantar.

    ResponderExcluir
  2. é só baboseira, cada uma puxando a sardinha pro seu lado, o comentário acima tais que claro, é criar uma polícia só policia e fazer as reformas, esse negócio de ordinário marche, detenção, prisão, etc, etc, é para as FORÇAS ARMADAS, esse militarismo na PM e tão arcaico como o código penal, ultrapassado, nas PM continua a DITADURA, PM É CIDADÃO BRASILEIRO, TEM QUE SER DEMOCRACIA TOTAL, NÃO PODE SER MEIA DEMOCRACIA, é lógico que os oficiais PM vão defender os seus interesses, mordomia e mais mordomia, acabem logo com esse militarismo nas PMs, já passou muito tempo.

    ResponderExcluir
  3. Falou!!!falou!!!mas não disse nada, este coronel esta falando como todos deste pais, estão com medo das guardas municipais e de perder sua Barbada pois dentro de seu "quartelzinho" manda prender e soltar e brica de ser o todo poderoso!!!AH e precisa ser coronel para escrever esta merda!!!as vezes estes senhores feudais tiram o soldado para ignorante e analfabetos!!!
    SDPM do RGS indignado com este sistema falidooooooo

    ResponderExcluir
  4. Que matéria sem pé nem cabeça, é mais que sabido que o Brasil necessita de uma Polícia Estadual única que disponha do ciclo completo de polícia. Mas devido ao interesse de delegados e coronéis e seus "lobbys" não avançamos nesse assunto. São cargos inúteis major, tenente coronel e coronel que só inflam a máquina. Simples seria que o capitão fosse bacharel em direito e atuasse como no E.U.A administrando tanto a polícia ostensiva quanto a investigativa. Integrando banco de dados e dando enfase na integração tanto da investigação qto o policiamento ostensivo. Mais ainda estamos a mercê do interesse pessoal de alguns. ACORDA BRASIL.........

    ResponderExcluir
  5. falar e não fazer nada continua sendo nada, hoje as policias não tem mais (lideres/comandantes) o que se tem dentro dos quarteis são ditador/comando, pois os comandados, não tem os seus direitos respeitados, tanto pelos comandantes ou pelos governantes que são os patrões, por isso os integrantes desta grande empresa estão trabalhando insatisfeitos e isto é o prato cheio para quem quer o fim das policias .

    ResponderExcluir

Postar um comentário

ANTES DE ESCREVER LEIA COM ATENÇÃO: Palavras de baixo calão, racismo, ofensas, ameaças e tudo mais de não estejam de acordo com os bons costumes e as leis vigentes não será aprovado. Expressão do pensamento é um direito Constitucional, expresse o seu com educação e propriedade. Os comentários publicados não traduzem a opinião do blog. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo. O IP do comentarista fica arquivado e pode ser fornecido por Ordem Judicial.

| Mais Acessados na Última Semana |

Usar arma de uso restrito com porte ilegal agora é crime hediondo

Aprovada urgência para projeto que torna crime hediondo o porte ilegal de armas de uso restrito O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 332 votos a 7 e 2 abstenções, o regime de urgência para o Projeto de Lei 3376/15, do Senado, que torna crime hediondo a posse ou o porte ilegal de arma de fogo de uso restrito das forças policiais e militares. Após a votação, a sessão ordinária foi encerrada. Projeto de Lei do Senado nº 230, de 2014, de autoria do Senador Marcelo Crivella, constante dos autógrafos em anexo, que “Altera a Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o crime de posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito no rol dos crimes hediondos”. A Lei 8.072/90 define como hediondos os crimes de homicídio praticado por grupo de extermínio; homicídio qualificado; latrocínio; genocídio; extorsão qualificada por morte; extorsão mediante sequestro; estupro; disseminação de epidemia que provoque morte; falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto …

Deputado capitão Augusto requer moção de repúdio contra Secretário de Segurança Pública e Governador de São Paulo Geraldo Alckmin

DEPUTADO CAPITÃO AUGUSTO REQUER MOÇÃO DE REPÚDIO CONTRA O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO E CONTRA O GOVERNADOR POR TANTO DESRESPEITO ÀS LEIS E AOS POLICIAIS MILITARES DE SÃO PAULO
O Deputado Capitão Augusto entrou hoje, 10, com dois Requerimentos de Moção de Repúdio contra o Secretário de Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, e contra o Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, por desrespeitar as leis e aos policiais militares. Essas moções fazem parte de uma série de medidas que o parlamentar está adotando para tornar público as medidas descabíveis desse governo contra os policiais militares e a segurança pública do país, e para que entendam que tudo tem um limite. A categoria não vai tolerar mais tanto descaso e desrespeito. O Deputado estará revelando ao país e ao mundo que Alckmin não serve para governar o país, deve ser ignorado e descartado como candidato à Presidência da República. CAPITÃO AUGUSTO conclama os militares e familiares a somarem esforços para…

Policiais e bombeiros militares não sabem a força que tem

Deputado Federal Capitão Augusto orienta os militares de São Paulo sobre a força política da classe
Por mais que façamos aqui pela Câmara dos Deputados, aprovando projetos dando mais direitos e garantias aos policiais e não deixando ser aprovado nenhum projeto que os prejudique, a grande reivindicação que recebo dos policiais refere-se a questão do aumento salarial.
Infelizmente Deputados não podem apresentar projetos que gerem despesas para o executivo, então está fora de nossa competência atender essa solicitação, o que nos resta é cobrar (e muito) do governador e fazer articulação para que ele conceda o tão esperado aumento salarial.
Hoje temos força política para eleger representantes para Assembleia Legislativa, Câmara dos Deputados e para todos cargos nas eleições municipais. Está na hora de influenciarmos as eleições para Governador e Senador, um que reconheça nosso valor, ou ficaremos fadados a apenas reclamar nos bastidores.
Nós podemos muito mais que isso! Somos quase 150.000 po…

Qual a responsabilidade que a sociedade civil possui na segurança pública?

Policiais militares foram assassinados por criminosos neste fim de semana; secretário de Segurança do Rio pediu mudanças no sistema judiciário Neste final de semana dois Policiais Militares foram assassinados no Rio de Janeiro: a Cabo PM Elisângela Bessa Cordeiro, com um tiro na cabeça disparado por um menor, e o Soldado PM Samir da Silva Oliveira, com um tiro no pescoço disparado por um fuzil de combate.
Qual é a pena para o menor assassino da PM ? Em média oito meses. Qual é a pena para quem porta um fuzil? Três anos. Como se isso já não fosse suficientemente patético, nossa legislação acrescenta o insulto à injuria ao prever a concessão do beneficio da progressão de pena, fazendo com que o criminoso cumpra apenas 1/6 da pena, ou seja, o guerrilheiro urbano que porta uma arma de uso restrito do Exército, pode estar solto em seis meses.
Quem é o responsável por essa baderna? Você que está lendo este artigo e eu que o escrevi. Somos nós que consistentemente fazemos o mesmo erro de ele…

Leis desestimulam policiais e bombeiros militares a exercerem plenos direitos políticos.

Deputado federal capitão Augusto luta para acabar com injustiças políticas que sofrem os policiais militares e bombeiros do Brasil Até mesmo politicamente os policiais ele são injustiçados. Em tempos onde a representatividade política se faz de extrema necessidade e, do soldado ao coronel, buscam eleger seus representantes da mesma forma que outras categorias, Leis desestimulam a participação efetiva na política Nacional dos policiais e bombeiros militares. Com uma democracia atrasada em relação a outros países o Brasil ainda tem mecanismos para desestimular a elegibilidade dos policiais e bombeiros militares. Buscando corrigir estas injustiças o deputado federal capitão Augusto busca direitos políticos e de elegibilidade aos policiais militares e bombeiros. Um policial ou bombeiro militar se candidatando a cargo eletivo com menos de dez anos de serviço é exonerado e com mais se eleito também é exonerado, sendo aposentado com o tempo proporcional ao que trabalhou. Ouça entrevistas co…