Pular para o conteúdo principal

Assine a nossa Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias

 


PolíciaBR apóia:

Retirada da caveira como símbolo do Bope gera crise na PM da Paraíba

Trabalho de 65 páginas de oficial do Estado-Maior da corporação critica a medida e comandante da tropa de elite protesta contra decisão, tomada a pedido de entidades de direitos humanos
A decisão da Polícia Militar da Paraíba de retirar a caveira do emblema do Bope (Batalhão de Operações Especiais), em 22 de março, provocou uma crise na corporação, polêmica e reações de oficiais superiores da corporação.
No fim de março, nove entidades de direitos humanos protocolaram pedido de proibição do uso do símbolo ao governador do Estado, Ricardo Coutinho (PSB-PB), à Secretaria de Segurança Pública e ao comando da PM. Os grupos alegaram o descumprimento de resolução da Secretaria Nacional de Direitos Humanos da Presidência da República, de dezembro de 2012, segundo a qual “é vedado o uso, em fardamentos e veículos oficiais das polícias, de símbolos e expressões com conteúdo intimidatório ou ameaçador, assim como de frases e jargões em músicas ou jingles de treinamento que façam apologia ao crime e à violência”.
O movimento foi impulsionado pelo deputado federal Luiz Couto (PT-PB), que se manifestou na Câmara de Deputados contra o emblema. Diante da pressão política, o comando da PM publicou no boletim interno a proibição. Policiais reclamaram não ter havido discussão interna antes da decisão.
Comandante que vestira farda preta assinou medida
Oito dias antes de assinar o boletim interno, o comandante-geral da PM, coronel Euller Chaves, manifestara seu apoio ao Bope, ao trajar a farda preta ornada por uma caveira, na comemoração do primeiro aniversário do batalhão. A bandeira da unidade, com a caveira trespassada por um punhal sobre o mapa da Paraíba, foi hasteada, e Euller gritou ao microfone: “Caveira!”
No dia 22, entretanto, o Bope deixou de usar em seus uniformes e viaturas a "caveira", símbolo de operações especiais no mundo. A página da unidade no Facebook, porém, manteve o símbolo da caveira com o punhal como imagem principal.
Protesto de oficiais superiores e facebook
A medida está gerando protestos formais na PM-PB. Fundador e ex-comandante do Grupo Especial Tático – embrião do Bope –, o tenente-coronel Onivan Elias de Oliveira, coordenador de Planejamento do Estado-Maior da PM, escreveu um trabalho para defender a manutenção do símbolo do Bope e o protocolou no Estado-Maior da PM.
Para ele, a decisão “mexeu com os simbolismos, as tradições, os brios e a cultura da Instituição pública mais antiga do Estado da Paraíba.” O texto, com 65 páginas, é intitulado “O símbolo da Caveira e de Animal nas Forças de Operações Especiais Militares e Policiais no Brasil e as interpretações: uma (in)justiça para quem interpreta diante de contextos imaginários ideológicos”.
"Atirei o pau no gato"
Para contestar a ideia de que a caveira levaria à agressividade, Onivan cita símbolos como a espada do Ministério Público da Paraíba – que poderia ser interpretado como ligada à violência –, a cruz da igreja cristã – suplício e tortura? – ou a cobra, emblema da medicina. Diz ainda que cantigas de ninar, como “Atirei o pau no gato” não desenvolvem nas crianças desejo de matar bichos.
Para o oficial, a caveira tem a simbologia de “fazer lembrar que a morte dele é uma companheira inseparável devido ao alto nível de risco das missões a serem cumpridas”, diz. “Muito da motivação e comprometimento com o serviço dos grupamentos sociais decorrem de seus símbolos, ritos e místicas que são transmitidos de geração a geração”.
O tenente-coronel da PM de Pernambuco Walter Benjamin, citado no trabalho, afirma que “quando tropas policiais ou das forças armadas utilizam a caveira, não é a idolatria à caveira e sim ao simbolismo causado nela”.
Imagem não corresponde à realidade, diz oficial
A caveira é símbolo dos comandos do Exército Brasileiro e dos comandos anfíbios, da Marinha (cujo distintivo é uma caveira alada), assim como a onça representa os especialistas em guerra na selva. Diz-se que o mito da caveira teria nascido quando um comando francês (unidade de operações especiais cujo símbolo era uma adaga) durante a 2ª Guerra Mundial cravou sua adaga em uma caveira que enfeitava a mesa de um oficial nazista alemão. Esse gesto de “faca na caveira” – hoje um brado – simbolizaria a vitória sobre a morte.
Segundo o tenente-coronel Onivan, a imagem de violência não corresponde à realidade paraibana porque, desde 1996, ano de criação do Grupo Especial Tático (GET), nenhum integrante do Bope ou das unidades precursoras sofreu condenação judicial por violência, arbitrariedade, abuso de poder ou tortura. “Provado com isto, que não é um símbolo, uma canção, um jingle que irá estimular a prática de tais atos”, afirmou.
Ele cita ainda que 79 integrantes têm comportamento “excepcional” (sem punição em oito anos de serviço), e 68 “ótimo” (quatro anos sem punição). “Não se encontra eco ou respaldo a assertiva das entidades no campo do real, do concreto, do quantificável ou do mensurável. Permanece assim, no campo da ilação, da ‘alucinação’, do imaginário e da suposição ou ‘torcida negativa’ para que os pacificadores sociais do BOPE/PMPB façam uso de tal prática.
Segundo o tenente-coronel, a resolução federal apenas recomenda práticas para as polícias brasileiras, mas não tem caráter impositivo. Para ele, “a valoração do que venha de ‘conteúdo intimidatório ou ameaçador’ ficará exclusivamente por conta da mente que decodificará o símbolo ou expressão como sendo agressivo”.
O comandante do Bope-PB , major Jerônimo, também publicou carta contra a medida. “Para nós, policiais militares, a caveira simboliza poder, força e invencibilidade. Um poder que, segundo a sociologia, é a habilidade de impor a vontade da lei sobre os outros. A força que representa a superação do treinamento e do rigor da vida policial militar, além do Estado forte que representamos, (...) e, por fim a invencibilidade de nossa caveira, simbolizando que a Polícia Militar deve ser invencível frente à criminalidade em nosso Estado.”
Para conselho de direitos humanos, símbolo é apologia à violência
No texto que pediu a abolição do símbolo, as entidades de direitos humanos afirmam que símbolos como a caveira “fazem apologia ao crime e à violência, com a escusa de que policiais militares se sentem mais estimulados para o trabalho.”
“Essa permissividade contraria princípios constitucionais, tratados de direitos humanos e a resolução ministerial acima mencionada, afrontando o Estado Democrático de Direito. É sabido que a violência impregnada nesses símbolos e práticas desumaniza os trabalhadores da Segurança Pública que acabam manifestando o ódio e a raiva aprendidos no treinamento dispensado à população jovem, negra e mais pobre do Estado, além de contrariar a política de segurança em voga pela Secretaria de Segurança Pública do Estado da Paraíba e do governo do Estado da Paraíba”, escreveram as entidades.
Bope do Rio
Em 2001, o então deputado estadual do Rio Chico Alencar, hoje na Câmara dos Deputados, também defendeu a extinção do uso da caveira para o Bope fluminense, em projeto de lei. "O BOPE não é uma instituição autônoma, com símbolos próprios, nem 'tropa de elite' que atua de forma independente. (...) Caveira, além do mau gosto, é incitação ao ódio contra o 'inimigo' acoitado entre a população pobre, que tem que aturar despotismo de todo lado (...) Segurança Pública não é um estado guerreiro e ameaçador, com a mesma linguagem do banditismo que diz combater!", justificou. A tentativa de Alencar não prosperou, entretanto.
Em sua tese de mestrado “Vitória sobre a Morte: A Glória Prometida”, o ex-capitão do Bope-RJ Paulo Storani, explica o simbolismo do seu “polêmico emblema [criado em 1980]: um disco preto, representando o luto permanente, ornado por uma borda em vermelho, representando o sangue derramado em combate; no centro do disco se inscreve um desenho de crânio humano, representando a morte, com um sabre de combate o trespassando de cima para baixo, representando a vitória sobre a morte em combate; o conjunto é ornado por duas garruchas douradas cruzadas, que simbolizam, internacionalmente, a polícia militarizada”.
Onivan cita o Bope do Rio para dizer que, mesmo com o símbolo da caveira, readaptou sua ação e vem atuando em missões de pacificação de comunidades antes ocupadas pelo tráfico .
Raphael Gomide iG Rio de Janeiro 

Comentários

  1. Apologia a violência é o descaso dos governos com segurança pública e também este monte de maconheiros que não tem o que fazer ficam perturbando que esta querendo prender bandido.

    ResponderExcluir
  2. Esta historinha de apologia a violência é pra boi dormir, dentro da excludentes da ilicitude você pode matar a vontade.

    ResponderExcluir
  3. Simplesmente Ridículo!...Infelizmente somos mais e mais geridos por esse tipo de gente...O Deputado devia chamar "Luiz Coito", pela sua atitude que f.... os colegas Paraibanos!

    ResponderExcluir
  4. reginaldo miranda3 de abril de 2013 17:21

    esses membros de entidades de direitos dos manos, deveriam tomar vergonha na cara e se preocuparem mais com as pessoas de bem necessitadas e ao defendendo vagabundos, marginais, esses sim usam da violencia para praticarem seus crimes..Acorda Estado, vai deixar esses caras mandarem em uma instituicao solida com historia na defesa da sociedade.acho que se intrometem demais defendendo marginais. mandar na policia. chega!!

    ResponderExcluir
  5. eu chamo isso de o nosso infeliz parlamentar de nao ter o que fazer, fica procurando pelo em ovo ao inves de se ocupar com assuntos mais serios e bem mais aproveitaveis pela sociedade!!!infelizmente é brasil né?

    ResponderExcluir
  6. Um povo que elege corruptos (Fichas-sujas), não é vítima, é cúmplice!

    ResponderExcluir
  7. NÃO É PRECISO TER SÍMBOLOS O MENSALÃO É UM EXEMPLO, O GENOINO NA CADEIRA DE DEPUTADOS UM CERTO PASTOR CHEFE DOS DIREITOS HUMANOS E OS PALHAÇOS DO ZÉ POVINHO COMO FICA? A POLÍTICA BRASILEIRA NÃO TEM MAIS GEITO: SÓ UMA REVOLUÇÃO CIVIL PARA BOTAR ORDEM NESSE BANDO DE SAFADOS OS DIREITOS DOS MANOS SÓ SERVE PARA A CATEFLÁGEM HOMENS DE BENS QUE SE DANEM.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do site PolicialBR, elas obedecem os princípios da liberdade de expressão.

PolicialBR esta no Google Play | Instale nosso App em seu celular

Postagens mais visitadas deste blog

Banco Santander perde mais de 20 mil clientes em dois dias, após exposição pornográfica

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais.
Não demorou muito para as paginas oficiais do Banco receberem milhares de críticas  dos próprios clientes que decidiram encerrar suas contas no banco ao todo em péssima avaliação foram mais de 22 mil e a cada hora o numero aumenta. Uma das paginas chegou a retirar as avaliações para evitar que as pessoas vissem que o banco esta com péssima qualidade.
Veja os vídeos
Fonte Folha Online

Com 1 milhão da Lei Rouanet, Santander Cultural promove exposição violando Santidade de Jesus e incentivando pedofilia.

Santander investiu quase R$ 1 milhão com Lei Rouanet em exposição que faz apologia à pedofilia. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na criminosa exposição Queermuseu, sediada no prédio da fundação Santander Cultural na cidade de Porto Alegre. Entre as ditas obras expostas no lugar, sob o pretexto da defesa dos direitos dos homossexuais, vê-se imagens que configuram os crimes de apologia à pedofilia e ultraje a fé cristã, como divulgada em várias páginas nas redes sociais. No link do site do Ministério da Cultura a seguir, você confere o processo de concessão do benefício fiscal da Lei Rouanet da grana que o Banco Santander usou para financiar a exposição, o que significa que a instituição financeira não recolheu impostos sobre esse valor: Veja aqui

Veja os vídeo sobre assunto:










Matéria atualizada em 13SET17 FOLHA DE SÃO PAULO Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é canc…

Tardia e justa promoção, 25 anos depois, PMs do que atuaram no Carandiru são promovidos por mérito.

Três réus pelo massacre trocaram de patente. Secretaria não explica critério. Vinte e cinco anos após o massacre do Carandiru, ocorrido em 2 de outubro de 1992, ao menos três policiais militares da ativa, réus pela chacina que resultou na morte de 111 detentos, tiveram suas últimas promoções por "merecimento".  Para trocar de patente — e consequentente ter um nível hierárquico mais alto e uma remuneração-base maior —, policiais militares podem ser promovidos por "merecimento" ou por "tempo de serviço". De acordo com o Diário Oficial do Estado de 15 de dezembro de 2016 — dois meses após serem anulados os quatro júris que condenaram 74 policiais pelo massacre —, Jair Aparecido Dias dos Santos foi promovido por merecimento de 1º sargento a subtenente. O policial é um dos 15 réus pela invasão do terceiro andar do Pavilhão 9 da Casa de Detenção. Oito presos foram mortos no andar. Um ano e meio antes, em 2015, quando a condenação ainda não havia sido revogada …